O cinema conta muitas histórias de injustiças e The Mauritanian é uma delas. É mais um filme sobre os abusos e atos terríveis cometidos pelo governo e oficiais norte-americanos em nome da “guerra ao terror” após os atentados às Torres Gêmeas. Mohamedou Salahi é o mauritano do título. Pouco depois dos ataques de 11 de setembro nos Estados Unidos, ele foi detido em seu país para questionamento e simplesmente desapareceu.

Salahi, interpretado no filme por Tahar Rahim, foi levado a Guantánamo. Após vermos a sua prisão no início do filme, a narrativa pula para 2005, quando passamos a acompanhar os esforços das advogadas vividas por Jodie Foster e Shailene Woodley para defendê-lo. Também seguimos a trajetória do advogado de acusação, o oficial militar vivido por Benedict Cumberbatch. Todos – defesa e acusação – descobrem que o caso de Salahi é estranho e cheio de peculiaridades, começando pelo fato dele ter sido detido sem que ninguém soubesse sequer do que ele estava sendo acusado.

The Mauritanian segue o mesmo caminho de várias outras obras do gênero: é um bom filme, de denúncia, sobre um tema importante e bem defendido pelos seus atores. Mas, no fim das contas, ele não traz nada de novo nem diz nada que o público já não soubesse. É um daqueles filmes em que a denúncia, o tema, é o mais importante, o cinema nem tanto. No comando está o diretor Kevin Macdonald, que já tinha se aventurado na seara dos thrillers políticos com fortes inspirações reais com suas obras O Último Rei da Escócia (2006) e Intrigas de Estado (2009). Devido à sua experiência, Macdonald conduz o filme com habilidade e com um bom ritmo.

São interessantes também algumas das suas escolhas estéticas. Os flashbacks de Salahi, que o mostram sendo interrogado e depois torturado em Guantánamo – tortura sancionada pelo governo dos EUA e aprovada pelo nefasto então secretário de Defesa, Donald Rumsfeld – são filmadas no formato de tela quadrado, mais estreito, para deixar a situação mais claustrofóbica, mais angustiante. Como o resto do filme é apresentado na tela ampla, no formato de tela widescreen, a transição para os flashbacks sempre causa estranhamento e angústia.  As cenas de tortura também são eficazes devido à montagem, que contribui para a desorientação desses momentos. A montagem ainda se alterna cronologicamente entre os anos de 2002 e 2005, passado e presente, de forma fluida e natural. Pena que, perto do fim, “The Mauritanian” dê uma acelerada nos acontecimentos, com saltos cronológicos grandes, como se o longa estivesse passando por uma lista de tópicos da Wikipedia.

RAHIM, O DONO DO FILME

Se dos pontos de vista formal e estético o filme é interessante, é no roteiro que ele se mostra menos criativo. Tudo soa superficial, incluindo as caracterizações e situações. Salahi, apesar do drama que vive, não é um personagem assim tão interessante e, em alguns momentos, “The Mauritanian” parece mais interessado nos seus salvadores do que nele próprio. Os personagens de Foster e Cumberbatch são caracterizados de forma bem ampla e genérica – a advogada militante e o oficial rígido – e ambos, com suas presenças, parecem injetar na história conflitos e uma força que não estão no texto. Foster lê relatórios e briga com sua subordinada de maneira super dramática; já Cumberbatch, com um sotaque perfeito, é confrontado pela sujeira e as arbitrariedades do caso contra Salahi e começa a pensar no que está fazendo. São conflitos dramáticos bem genéricos, que capturam a atenção do espectador mais pelos atores do que pela qualidade do roteiro.

Nas cenas que tem, o sempre carismático Rahim é dono do filme. Com uma atuação bem natural, ele faz do seu personagem uma figura humana com quem o espectador sente empatia. Perto do final de “The Mauritanian”, seu discurso olhando para a câmera é um momento bem óbvio e didático, é verdade, mas mesmo assim funciona pela bela atuação do ator. Fica-se até a lamentar pelo fato de não ter mais Rahim no filme, embora ele seja o óbvio protagonista da história.

Por isso mesmo, The Mauritanian é uma oportunidade perdida: é bom, mas havia potencial para ser melhor. O longa de Macdonald prefere seguir a cartilha de sempre, se contenta em ser mais um filme sobre as sacanagens do governo dos EUA em nome do combate ao terrorismo. Tudo que acontece na história, você já consegue adivinhar rapidamente. E essa história é contada daquela mesma forma que você já viu várias vezes em outros filmes. A história de Mohamedou Salahi é importante e merece ser conhecida, e é razoavelmente bem contada aqui. Mas a superficialidade e a abordagem acabam, paradoxalmente, tirando dessa mesma história qualquer impacto a mais que ela poderia ter.

‘Social Hygiene’: distanciamento social físico e metafórico em filmaço

Um filme que reflete perfeitamente os tempos pandêmicos, "Social Hygiene", de Denis Côté, é uma produção que dá um significado completamente novo ao termo "distanciamento social". O longa tornou seu realizador um dos ganhadores do prêmio de Melhor Diretor da...

‘Dois Estranhos’: violência gráfica ganha contorno irresponsável em favorito ao Oscar

Acredito que esse seja um filme que divida opiniões. De um lado, há aqueles que o aplaudem por explicitar a violência contínua sofrida por jovens negros, e, do outro, há aqueles que o taxam de explorador. Vou fazer uma mea culpa e revelar que acho interessante a...

‘Feeling Through’: a boa e velha empatia em belo filme

Quando dou aula nos cursos aqui do Cine Set, sempre digo aos alunos que o cinema é uma máquina de exercitar e desenvolver a empatia. Realmente acredito que quanto mais filmes assistimos, e quanto mais mergulhamos em histórias, com o tempo todos nós passamos a aprender...

‘Tina’: documentário para celebrar uma gigante do Rock

Das várias injustiças cometidas contra Tina Turner - a Rainha do Rock -, talvez a mais louca a persistir até hoje seja o fato de ela não constar como artista solo no Hall da Fama do estilo que rege. Os eleitores da organização podem corrigir esse fato em 2021, já que...

‘Os Segredos de Madame Claude’: desperdício de um ícone em filme tão fraco

Tenho um pé atrás com produções que buscam abordar personagens reais com o intuito de vender diversidade e inclusão. Essa sensação é mais aguda diante de projetos que discutem personalidades femininas como “Maria Madalena” (Garth Davis, 2018) e “Joana D’Arc” (Luc...

‘Amor e Monstros’: pouco mais de ousadia faria um grande filme

Os melhores momentos de Amor e Monstros, parceria dos estúdios Paramount Pictures com a Netflix, estão logo no início do filme. É quando o narrador da história, o jovem Joel, reconta o apocalipse que devastou a Terra e que transformou insetos e animais em criaturas...

‘We’: o cinema como construtor de uma memória coletiva

"We", o novo filme de Alice Diop, é várias coisas: uma lembrança familiar, uma celebração das vidas comuns e uma busca pela identidade da França nos dias de hoje. Acima de tudo, o documentário, que ganhou o prêmio de Melhor Filme da mostra Encontros do Festival de...

‘Chaos Walking’: ótimo conceito nem sempre gera bom filme

Toda vez que se inicia a produção de um filme, cineastas participam de um jogo de roleta: por mais bem planejada que seja a obra e não importando o quão bons sejam os colaboradores que eles vão reunir para participar dela, tudo ainda pode acabar mal. Cinema é...

‘Locked Down’: dramédia na pandemia sucumbe à triste realidade

Dentre tantas situações inesperadas da pandemia da Covid, com certeza, a quarentena forçada foi uma grande bomba-relógio para conflitos conjugais e familiares. Agora, se conviver ininterruptamente com quem se ama já é desafiador, imagine passar semanas, meses dentro...

‘Godzilla Vs Kong’: sem vergonha de ser uma divertida bobagem

Não há como contornar: Godzilla vs Kong é um filme bobo. Todos os filmes “versus” feitos até hoje na história do cinema, com um personagem famoso enfrentando outro, foram bobos, e essa nova investida do estúdio Warner Bros. no seu “Monsterverse” – a culminação dele,...