A certa altura de Veneza, novo filme de Miguel Falabella, uma das personagens, após assistir a uma apresentação teatral num circo, diz a um dos atores da trupe: “a história não é de verdade, mas eu sempre choro”. De certa forma, essa fala resume a obra: Veneza é um filme sensível e tocante sobre o poder da ilusão e que trabalha de forma efetiva esse tema dentro da sua narrativa.

Na história, ambientada em algum interior do Brasil numa época indeterminada, acompanhamos uma unidade familiar, digamos, incomum. Num prostíbulo, Gringa (interpretada por Carmen Maura) é a figura materna do lugar. É uma velha prostituta cega com desejo intenso de viajar a Veneza para reencontrar um grande amor do seu passado. Rita (Dira Paes) é quem mantém o lugar funcionando e Tonho (Eduardo Moscovis) vive por ali por ter praticamente nascido no bordel – sua mãe trabalhou lá. Ele presta favores e ajuda a cuidar das coisas em troca de sexo. Todos se comovem com o drama de Gringa e resolvem criar um plano para fazê-la viajar até Veneza.

Falabella, como ator além de diretor, não foge das origens teatrais do projeto baseado na peça argentina “Venecia”, de Jorge Acamme. Seu filme é de atuações, seu foco é nos personagens. Mesmo assim, Veneza tem trabalhos admiráveis de direção de arte por Tulé Peake e de cinematografia de Gustavo Hadba. Os ambientes tanto sombrios quanto coloridos do bordel criam uma atmosfera acolhedora e, ao mesmo tempo, triste e decadente, apropriada para a história. E a câmera de “Veneza” é bastante fluida, dinâmica: ambientes são explorados de maneira interessante e a câmera se aproxima dos personagens em vários momentos, revelando conflitos interiores e emoções.

O filme faz homenagem ao teatro até mesmo ao incluir dentro da trama uma apresentação de atores num circo, mas Veneza é bastante cinematográfico – essa mesma apresentação é fotografada com os atores em preto-e-branco contra um cenário em cores. E percebem-se influências claras de Federico Fellini e Pedro Almodóvar, especialmente deste último – nem poderia deixar de ser, a começar pela presença de Maura.

UM FILME DE UM ATOR PARA SEUS ATORES

Carmen Maura é mesmo a âncora de “Veneza”, mas todos os atores realizam ótimos trabalhos no filme. Ele pertence aos atores, claro: Dira Paes, Eduardo Moscovis, Carol Castro e Caio Manhente no papel do jovem Julio se entregam de verdade aos seus papeis e, juntos, criam um clima de “trupe” que se percebe no filme. Mesmo papeis menores, como o de Danielle Winits, ainda recebem momentos para brilhar. É um filme para se observar e aproveitar os pequenos detalhes que trazem riqueza às atuações e revelam a intimidade dos atores, como o fato da Gringa tocar um dos seios da personagem Madalena algumas vezes, ou o momento em que Tonho começa a cantar num momento chave.

Ainda se nota em Veneza alguns floreios poéticos meio bobos aqui e ali, como a cena em que Rita aparece cercada por ventiladores. Mesmo assim, eles são poucos e o filme compensa cenas como essa com momentos de humor inesperado e com a sua visão tocante. A produção também derrapa um pouco na resolução apressada – mas tristemente real – da subtrama do Julio. Falta ao roteiro um pouco mais de estofo, um pouco mais de tempo a ser gasto nesse desenvolvimento para fazer o drama desse personagem impactar de fato.

Mesmo assim, ao final de Veneza, o longa nos deixa com belas imagens e momentos tocantes. E mais: com um elogio sincero e belo à capacidade de sonhar, nosso único antídoto contra a realidade. É um filme puro e totalmente a favor da defesa da ilusão, adquirindo até mesmo características de uma fábula. E fábulas, claro, são muito importantes para ajudar os seres humanos a superar momentos difíceis. Nesse sentido, é uma obra também sobre o poder do cinema, essa ilusão tão forte que nos ajuda a encarar o dia-a-dia.

‘O Homem do Norte’: Eggers investe na ação aliada aos maneirismos

Considerando o que tem em comum entre os planos definidores de suas obras, podemos encontrar a frontalidade como um dos artifícios principais que Robert Eggers usa para extrair a performance de seus atores com êxito.  Ao mesmo passo que esses momentos tornam-se frames...

‘O Peso do Talento’: comédia não faz jus ao talento de Nicolas Cage

Escute esta premissa: Nicolas Cage, ator atribulado de meia-idade, teme que sua estrela esteja se apagando; o telefone já não toca mais, as propostas se tornaram escassas e o outrora astro procura uma última chance de voltar aos holofotes com tudo. Vida real, você...

‘O Soldado que não Existiu’: fake news para vencer a guerra

Em 1995, Colin Firth interpretou o senhor Darcy na série da BBC que adaptou “Orgulho e Preconceito”, de Jane Austen. Dez anos depois, Matthew Macfadyen eternizou o personagem no filme de Joe Wright, tornando-se o crush de muitas jovens e adolescentes. John Madden...

‘@ArthurRambo: Ódio nas Redes’: drama sintetiza a cultura do cancelamento

A cultura do cancelamento permeia a internet às claras. Para o público com acesso  frequente, é impossível nunca ter ouvido falar sobre o termo. Vivemos o auge da exposição virtual e como opera a massificação para que os tais alvos percam - merecidamente - ou não -...

‘Águas Selvagens’: suspense sofrível em quase todos aspectos

Certos filmes envolvem o espectador com tramas bem desenvolvidas, deixando-nos mais e mais ansiosos a cada virada da história; outros, apresentam personagens tão cativantes e genuínos que é impossível que não nos afeiçoemos por eles. Mas existe também uma categoria...

‘Ambulância – Um Dia de Crime’: suco do cinema de ação dos anos 2000

Vou começar com uma analogia, se me permitem. Hoje em dia, o ritmo e consumo de coisas estão rápidas e frenéticas. Com o Tik Tok e plataformas similares, esse consumo está ainda mais dinâmico (e isso não é um elogio) e a demanda atende às exigências do mercado. A...

‘Eduardo e Mônica’: para deixar Renato Russo orgulhoso

Se há algo que é difícil de ser respeitado no mundo cinematográfico atual é a memória e o legado do artista. Por isso, ver o legado de Renato Russo e da Legião Urbana sendo absorvido pelo cinema com um grau de respeito e seriedade acaba por fazer a situação inusitada,...

‘Doutor Estranho no Multiverso da Loucura’: barreiras da Marvel travam Sam Raimi

“Doutor Estranho no Multiverso da Loucura” apresenta uma das suas passagens mais interessantes quando o protagonista (Benedict Cumberbatch) e America Chavez (Xochitl Gomez) cruzam uma série de mundos em poucos segundos. De universos mais sombrios aos realistas até...

‘Cidade Perdida’: um estranho no ninho dos blockbusters

É mesmo surpreendente uma atriz como Sandra Bullock ainda não ter protagonizado um filme de super-herói. A atriz de 57 anos, conhecida pela filmografia repleta de comédias e até mesmo filmes de ação, afirmou que chegou perto de estrelar um longa produzido por Kevin...

‘Pureza’: história impressionante vira filme raso e óbvio

Inspirado em uma história real, “Pureza” retrata a história de uma mulher homônima, interpretada por Dira Paes, na incessante busca por encontrar e libertar o filho. O jovem Abel (Matheus Abreu) saiu de casa na esperança de conseguir trabalho no garimpo, mas some sem...