A certa altura de Veneza, novo filme de Miguel Falabella, uma das personagens, após assistir a uma apresentação teatral num circo, diz a um dos atores da trupe: “a história não é de verdade, mas eu sempre choro”. De certa forma, essa fala resume a obra: Veneza é um filme sensível e tocante sobre o poder da ilusão e que trabalha de forma efetiva esse tema dentro da sua narrativa.

Na história, ambientada em algum interior do Brasil numa época indeterminada, acompanhamos uma unidade familiar, digamos, incomum. Num prostíbulo, Gringa (interpretada por Carmen Maura) é a figura materna do lugar. É uma velha prostituta cega com desejo intenso de viajar a Veneza para reencontrar um grande amor do seu passado. Rita (Dira Paes) é quem mantém o lugar funcionando e Tonho (Eduardo Moscovis) vive por ali por ter praticamente nascido no bordel – sua mãe trabalhou lá. Ele presta favores e ajuda a cuidar das coisas em troca de sexo. Todos se comovem com o drama de Gringa e resolvem criar um plano para fazê-la viajar até Veneza.

Falabella, como ator além de diretor, não foge das origens teatrais do projeto baseado na peça argentina “Venecia”, de Jorge Acamme. Seu filme é de atuações, seu foco é nos personagens. Mesmo assim, Veneza tem trabalhos admiráveis de direção de arte por Tulé Peake e de cinematografia de Gustavo Hadba. Os ambientes tanto sombrios quanto coloridos do bordel criam uma atmosfera acolhedora e, ao mesmo tempo, triste e decadente, apropriada para a história. E a câmera de “Veneza” é bastante fluida, dinâmica: ambientes são explorados de maneira interessante e a câmera se aproxima dos personagens em vários momentos, revelando conflitos interiores e emoções.

O filme faz homenagem ao teatro até mesmo ao incluir dentro da trama uma apresentação de atores num circo, mas Veneza é bastante cinematográfico – essa mesma apresentação é fotografada com os atores em preto-e-branco contra um cenário em cores. E percebem-se influências claras de Federico Fellini e Pedro Almodóvar, especialmente deste último – nem poderia deixar de ser, a começar pela presença de Maura.

UM FILME DE UM ATOR PARA SEUS ATORES

Carmen Maura é mesmo a âncora de “Veneza”, mas todos os atores realizam ótimos trabalhos no filme. Ele pertence aos atores, claro: Dira Paes, Eduardo Moscovis, Carol Castro e Caio Manhente no papel do jovem Julio se entregam de verdade aos seus papeis e, juntos, criam um clima de “trupe” que se percebe no filme. Mesmo papeis menores, como o de Danielle Winits, ainda recebem momentos para brilhar. É um filme para se observar e aproveitar os pequenos detalhes que trazem riqueza às atuações e revelam a intimidade dos atores, como o fato da Gringa tocar um dos seios da personagem Madalena algumas vezes, ou o momento em que Tonho começa a cantar num momento chave.

Ainda se nota em Veneza alguns floreios poéticos meio bobos aqui e ali, como a cena em que Rita aparece cercada por ventiladores. Mesmo assim, eles são poucos e o filme compensa cenas como essa com momentos de humor inesperado e com a sua visão tocante. A produção também derrapa um pouco na resolução apressada – mas tristemente real – da subtrama do Julio. Falta ao roteiro um pouco mais de estofo, um pouco mais de tempo a ser gasto nesse desenvolvimento para fazer o drama desse personagem impactar de fato.

Mesmo assim, ao final de Veneza, o longa nos deixa com belas imagens e momentos tocantes. E mais: com um elogio sincero e belo à capacidade de sonhar, nosso único antídoto contra a realidade. É um filme puro e totalmente a favor da defesa da ilusão, adquirindo até mesmo características de uma fábula. E fábulas, claro, são muito importantes para ajudar os seres humanos a superar momentos difíceis. Nesse sentido, é uma obra também sobre o poder do cinema, essa ilusão tão forte que nos ajuda a encarar o dia-a-dia.

‘Ghostbusters: Apocalipse de Gelo’: apelo a nostalgia produz aventura burocrática

O primeiro “Os Caça-Fantasmas” é até hoje visto como uma referência na cultura pop. Na minha concepção a reputação de fenômeno cultural que marcou gerações (a qual incluo a minha) se dá mais pelos personagens carismáticos compostos por um dos melhores trio de comédia...

‘Guerra Civil’: um filme sem saber o que dizer  

Todos nós gostamos do Wagner Moura (e seu novo bigode); todos nós gostamos de Kirsten Dunst; e todos nós adoraríamos testemunhar a derrocada dos EUA. Por que então “Guerra Civil” é um saco?  A culpa, claro, é do diretor. Agora, é importante esclarecer que Alex Garland...

‘Matador de Aluguel’: Jake Gyllenhaal salva filme do nocaute técnico

Para uma parte da cinefilia, os remakes são considerados o suprassumo do que existe de pior no mundo cinematográfico. Pessoalmente não sou contra e até compreendo que servem para os estúdios reduzirem os riscos financeiros. Por outro lado, eles deixam o capital...

‘Origin’: narrativa forte em contraste com conceitos acadêmicos

“Origin” toca em dois pontos que me tangenciam: pesquisa acadêmica e a questão de raça. Ava Duvernay, que assina direção e o roteiro, é uma cineasta ambiciosa, rigorosa e que não deixa de ser didática em seus projetos. Entendo que ela toma esse caminho porque discutir...

‘Instinto Materno”: thriller sem brilho joga no seguro

Enquanto a projeção de “Instinto Materno” se desenrolava na sessão de 21h25 de uma segunda-feira na Tijuca, a mente se esforçava para lembrar da trama de “Uma Família Feliz”, visto há menos de sete dias. Os detalhes das reviravoltas rocambolescas já ficaram para trás....

‘Caminhos Tortos’: o cinema pós-Podres de Ricos

Cravar que momento x ou y foi divisor de águas na história do cinema parece um convite à hipérbole. Quando esse acontecimento tem menos de uma década, soa precoce demais. Mas talvez não seja um exagero dizer que Podres de Ricos (2018), de Jon M. Chu, mudou alguma...

‘Saudosa Maloca’: divertida crônica social sobre um artista boêmio

Não deixa de ser interessante que neste início da sua carreira como diretor, Pedro Serrano tenha estabelecido um forte laço afetivo com o icônico sambista paulista, Adoniram Barbosa. Afinal, o sambista deixou a sua marca no samba nacional dos anos 1950 e 1960 ao...

‘Godzilla e Kong – O Novo Império’: clima de fim de feira em filme nada inspirado

No momento em que escrevo esta crítica, caro leitor, ainda não consegui ver Godzilla Minus One, a produção japonesa recente com o monstro mais icônico do cinema, que foi aclamada e até ganhou o Oscar de efeitos visuais. Mas assisti a este Godzilla e Kong: O Novo...

‘Uma Família Feliz’: suspense à procura de ideias firmes

José Eduardo Belmonte ataca novamente. Depois do detetivesco – e fraco – "As Verdades", ele segue se enveredando pelas artimanhas do cinema de gênero – desta vez, o thriller domiciliar.  A trama de "Uma Família Feliz" – dolorosamente óbvio na ironia do seu título –...

‘Donzela’: mitologia rasa sabota boas ideias de conto de fadas

Se a Netflix fosse um canal de televisão brasileira, Millie Bobby Brown seria o que Maisa Silva e Larissa Manoela foram para o SBT durante a infância de ambas. A atriz, que alcançou o estrelato por seu papel em “Stranger Things”, emendou ainda outros universos...