Candidato do Distrito Federal na mostra competitiva de curtas-metragens nacionais do Festival de Gramado 2020, “Wander Vi”, de Augusto Borges e Nathalya Brum, é, ao lado de “Blackout”, verdadeira incógnita desta seleção. Trata-se, sem dúvida, de uma produção com boa intenção, feita na base da garra por seus realizadores devido às claras limitações técnicas e orçamentárias, com uma temática social importante e protagonista carismático, porém, nada apresenta de diferente em relação a tantos e tantos outros trabalhos do tipo seja na forma ou no mesmo no conteúdo. 

Com 20 minutos de duração, “Wander Vi” acompanha a história de Wanderson Vieira, um cantor de Samambaia, região administrativa do Distrito Federal. Enquanto trabalha durante a noite/madrugada para conseguir o dinheiro mensal, ele luta para viabilizar a carreira musical, o grande sonho da vida dele. Isso inclui desde ensaios de dança até as gambiarras e pequenos investimentos feitos para gravar suas músicas. 

De longe, o ponto alto do documentário é o próprio Wanderson: sempre com alto astral e nunca cedendo a todas as dificuldades impostas pelo mercado e a sociedade, é impossível não criar um carinho por ele ao longo do filme. O sonho de querer viver da música, a emoção de estar no palco e os planos dos shows são contados com brilho nos olhos, fora o vozeirão e a capacidade de rir de si próprio – a cena relativa aos softwares é o ponto alto de “Wander Vi” – nos levam a torcer para que consiga brilhar o quanto antes. Essa empatia gerada pelo protagonista segura o público de um filme que não consegue ir muito além disso. 

Afinal, o documentário pouco amplia o debate sobre a temática a partir da vida de Wanderson. Quando tenta fazê-lo ao se referir ao processo artístico ser extremamente caro e quase inviável em um país miserável como o Brasil, a dupla de diretores acaba por se atropelar à fala do protagonista, perdendo toda a sutileza da condução até ali e o impacto do momento. Sem um maior aprofundamento e com pouca criatividade visual na forma de como ilustrar aquela história para além do lugar comum, “Wander Vi” deixa a impressão que poderia ser feito em qualquer lugar com qualquer artista de uma pequena ou grande cidade da mesma forma. 

Não chega a ser um demérito até pela juventude dos diretores Augusto Borges e Nathalya Brum que, certamente, irão evoluir a partir de um trabalho inicial no limite do correto como este. Porém, quando colocado em uma mostra competitiva de um evento tradicional como Gramado e ao lado, por exemplo, de um filme excelente como “Inabitável”, “Wander Vi” soa, no mínimo, deslocado. 

‘Sibéria’: viagem fascinante pelo nosso abismo interior

Há muitos lugares onde é possível se perder, mas talvez o mais profundo e remoto deles seja dentro de si mesmo. "Sibéria", novo filme de Abel Ferrara que estreou na Berlinale e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é uma viagem lisérgica que pede muito do...

‘Os Sete de Chicago’: drama de tribunal eficiente com elenco fabuloso

“Isso é um julgamento político”. Essa afirmação feita por Abbie Hoffman (Sacha Baran Cohen), e notoriamente ignorada por seus companheiros de defesa nos fornece o tom de “Os Sete de Chicago”, filme de Aaron Sorkin disponível na Netflix. A produção se baseia em um dos...

‘Sertânia’: cinema como luta e resistência às agruras do sertão

Que a idade não é impeditiva para grandes diretores seguirem fazendo trabalhos excelentes a cada ano não é novidade – Manoel de Oliveira e Martin Scorsese, talvez, sejam os casos mais exemplares nos anos 2010. Porém, aos 81 anos, Geraldo Sarno, figura fundamental para...

‘Black Box’: ficção científica lembra episódio esticado de série

Entender como funciona o nosso subconsciente parece ser um daqueles mistérios que nunca acabará, nem mesmo se um dia forem criadas máquinas que leiam o pensamento humano. A arte, de forma geral, tenta ofertar soluções que sanem a nossa curiosidade. No cinema, por...

‘O Reflexo do Lago’: documentário fica pela metade em muitos caminhos

Primeiro filme paraense a ser exibido no Festival de Berlim, “O Reflexo do Lago” tateia por diversos caminhos da Amazônia e do documentário ora acertando em cheio pela força das suas imagens ora tropeçando nas próprias pernas pelas pretensões colocadas para si. Nada...

‘Mães de Verdade’: os tabus da honra e da adoção em belo filme

Destaque da programação da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo 2020, “Mães de Verdade” é o novo filme da prolífica diretora japonesa Naomi Kawase (“Esplendor”, “O Sabor da Vida”). A produção bebe da fonte do melodrama para contar uma história de honra e...

‘Cabeça de Nêgo’: candidato forte a filme do ano do cinema brasileiro

Inspirado no movimento de ocupação de escolas ocorrido em São Paulo no ano de 2015, “Cabeça de Nêgo” é um manifesto de rebeldia ao racismo, anti-sistema e contra a precariedade da educação pública brasileira. Faz isso aliando um discurso social engajado, altamente...

‘The Boys in the Band’: leveza para abordar assuntos sérios

Dirigido por Joe Mantello (“Entre Amigos”), “The Boys in the Band”, disponível na Netflix, é mais um daqueles filmes que segue a linha verborrágica. Baseada na peça da Broadway de mesmo nome, a produção conta com um elenco estelar e assumidamente gay para narrar uma...

‘Cavalo’: resistência negra em potente obra alagoana

Para quem vive em Estados periféricos relegados constantemente ao segundo plano no contexto nacional, certas conquistas abrem portas consideradas impossíveis em um passado não tão distante. Em relação ao cinema nacional, a política de regionalização do nosso cinema...

‘Nardjes A.’: documentário se deixa levar pela empolgação de protestos de rua

Não há como não lembrar dos movimentos de rua daquele Brasil de junho de 2013 ao assistir “Nardjes A.”. Afinal, as imagens de ruas tomadas de manifestantes jovens com gritos de indignação e a sensação de esperança de que estavam lutando pelo futuro melhor de seu país...