‘Brasil 2020, Pouco Antes da Pandemia’. 

Não é à toa este letreiro ser a primeira informação a surgir na tela no início de “Inabitável”: durante seus 20 minutos, o curta pernambucano apresenta o retrato de um país marcado pela violência e intolerância religiosa alimentando o preconceito social e sexual. O excelente drama dirigido por Enock Carvalho e Matheus Farias (“Caranguejo Rei”) se torna de imediato como um candidato forte para os Kikitos da mostra competitiva de curtas-metragens nacionais no Festival de Gramado 2020. 

“Inabitável” se passa em Recife e acompanha a procura de Marilene (Luciana Souza, brilhante) pela filha trans e preta, desaparecida após pegar um Uber ao sair de uma festa tarde da noite. Com a ajuda de uma vizinha e da amiga, ela inicia este processo enquanto descobre um estranho objeto luminoso guardado nas coisas da filha.  

A caminhada de Marilene carrega um ar trágico, afinal, por mais que o desejo seja o extremo oposto, há uma sensação de que o final desta jornada tem poucas chances de ser feliz. Não é para menos: em 2019, o Brasil registrou uma morte de uma pessoa LGBT+ a cada 26 horas, isso, claro, dentro dos registros oficiais.   

Com muita elegância, Enock Carvalho e Matheus Farias denunciam esta violência rotineira em uma ida de Marilene ao IML ao mesmo tempo em que mostram as raízes dela. O discurso de ódio embutido na intolerância religiosa durante a pregação de um religioso dentro do metrô em que Marilene utiliza no início de “Inabitável” e o descaso histórico do Estado em relação a corpos pretos e trans, o que a desestimula a procurar a polícia para pedir ajuda, ilustram este cenário de intolerância completa a pessoas LGBT+ com raízes profundas dentro das fundações da sociedade brasileira.

Diante deste cenário desolador e infernal, “Inabitável”, porém, assim como Marilene, não se entrega e resiste. Tal resistência chega através daquilo que a arte e o cinema podem oferecer: o exercício de imaginação, o livre pensar, onde as estruturas podres de nossa sociedade não podem alcançar mesmo que tentem com todo o seu autoritarismo e repressão.

O final do curta passa longe de ser uma fuga pura e simples, mas, um tapa na cara de um Brasil em que o fantástico seja necessário e urgente para dar dignidade aos seus cidadãos tão marginalizados por tanto ódio vindo do pragmatismo da realidade. Filmaço!

‘Sibéria’: viagem fascinante pelo nosso abismo interior

Há muitos lugares onde é possível se perder, mas talvez o mais profundo e remoto deles seja dentro de si mesmo. "Sibéria", novo filme de Abel Ferrara que estreou na Berlinale e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é uma viagem lisérgica que pede muito do...

‘Os Sete de Chicago’: drama de tribunal eficiente com elenco fabuloso

“Isso é um julgamento político”. Essa afirmação feita por Abbie Hoffman (Sacha Baran Cohen), e notoriamente ignorada por seus companheiros de defesa nos fornece o tom de “Os Sete de Chicago”, filme de Aaron Sorkin disponível na Netflix. A produção se baseia em um dos...

‘Sertânia’: cinema como luta e resistência às agruras do sertão

Que a idade não é impeditiva para grandes diretores seguirem fazendo trabalhos excelentes a cada ano não é novidade – Manoel de Oliveira e Martin Scorsese, talvez, sejam os casos mais exemplares nos anos 2010. Porém, aos 81 anos, Geraldo Sarno, figura fundamental para...

‘Black Box’: ficção científica lembra episódio esticado de série

Entender como funciona o nosso subconsciente parece ser um daqueles mistérios que nunca acabará, nem mesmo se um dia forem criadas máquinas que leiam o pensamento humano. A arte, de forma geral, tenta ofertar soluções que sanem a nossa curiosidade. No cinema, por...

‘O Reflexo do Lago’: documentário fica pela metade em muitos caminhos

Primeiro filme paraense a ser exibido no Festival de Berlim, “O Reflexo do Lago” tateia por diversos caminhos da Amazônia e do documentário ora acertando em cheio pela força das suas imagens ora tropeçando nas próprias pernas pelas pretensões colocadas para si. Nada...

‘Mães de Verdade’: os tabus da honra e da adoção em belo filme

Destaque da programação da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo 2020, “Mães de Verdade” é o novo filme da prolífica diretora japonesa Naomi Kawase (“Esplendor”, “O Sabor da Vida”). A produção bebe da fonte do melodrama para contar uma história de honra e...

‘Cabeça de Nêgo’: candidato forte a filme do ano do cinema brasileiro

Inspirado no movimento de ocupação de escolas ocorrido em São Paulo no ano de 2015, “Cabeça de Nêgo” é um manifesto de rebeldia ao racismo, anti-sistema e contra a precariedade da educação pública brasileira. Faz isso aliando um discurso social engajado, altamente...

‘The Boys in the Band’: leveza para abordar assuntos sérios

Dirigido por Joe Mantello (“Entre Amigos”), “The Boys in the Band”, disponível na Netflix, é mais um daqueles filmes que segue a linha verborrágica. Baseada na peça da Broadway de mesmo nome, a produção conta com um elenco estelar e assumidamente gay para narrar uma...

‘Cavalo’: resistência negra em potente obra alagoana

Para quem vive em Estados periféricos relegados constantemente ao segundo plano no contexto nacional, certas conquistas abrem portas consideradas impossíveis em um passado não tão distante. Em relação ao cinema nacional, a política de regionalização do nosso cinema...

‘Nardjes A.’: documentário se deixa levar pela empolgação de protestos de rua

Não há como não lembrar dos movimentos de rua daquele Brasil de junho de 2013 ao assistir “Nardjes A.”. Afinal, as imagens de ruas tomadas de manifestantes jovens com gritos de indignação e a sensação de esperança de que estavam lutando pelo futuro melhor de seu país...