A atriz Fernanda Montenegro vem à Manaus para a apresentação do monólogo teatral “Nelson Rodrigues por ele mesmo” por ocasião do aniversário da cidade. Em uma das entrevistas exclusivas mais ilustres do Cine Set, a atriz dos palcos e cinema brasileiros fala sobre o novo espetáculo, a relação entre sua carreira cinematográfica e os textos de Nelson Rodrigues, do inevitável peso de “Central do Brasil” para sua carreira e para a produção nacional e de seus projetos futuros na tela grande. Confira:

Cine Set: Qual a expectativa para o espetáculo em Manaus? Já veio à cidade antes? O que o público pode esperar do monólogo?

Fernanda Montenegro: A minha expectativa é de festa, tenho as melhores expectativas. Manaus é uma cidade onde já estive antes, nos anos 1990, e fui muito bem recebida. Eu tenho muito orgulho do material que estou levando, que é baseado num livro de crônicas nunca publicadas do Nelson Rodrigues. Trabalhei na organização de biografia e temática para a construção do monólogo, com ajuda direta da filha dele. Temos na peça questões como os sonhos, os posicionamentos políticos de Nelson. É um trabalho com o qual tenho muito cuidado, e que já foi “testado”; foram 20 apresentações já, a maioria nas periferias das cidades, tendo em vista que, depois de 70 anos de vida pública, o teatro ainda é pouco visibilizado. Na peça, trago um tratamento direto, uma forma de travar uma relação mesmo comigo e a plateia, além, claro, do texto do Nelson.

Cine Set: Sua carreira no cinema também foi marcada por Nelson Rodrigues, com os longas como “A falecida” e “Traição”, lançado após “Central do Brasil”. Em uma entrevista antiga, a senhora afirmou que esses filmes a aproximaram mais espiritualmente do cinema. Como avalia hoje o impacto deles na sua carreira, especialmente com “Central do Brasil”?

Fernanda Montenegro: Nelson entrou na minha vida através do teatro. Pedi dele e foram três peças, mais duas novelas, e praticamente estreamos o formato na tevê brasileira, algo pouco falado hoje, aliás. Tem-se, nesses filmes, visões de mundo parecidas. Com o “Central do Brasil”, vem também a retomada de um cinema novo com visão social e posicionamento político. Se na peça “A falecida”, por exemplo, temos uma representação muito lírica, no filme, o texto de Nelson foi trazido para uma visão mais realista. Já a experiência com o “Central do Brasil”, só não teve mais repercussão porque parou no Oscar. É algo de que me orgulho, inclusive com minha indicação, já que foram poucas as atrizes estrangeiras que já concorreram, como Sophia Loren e Anna Magnani. Hoje penso que há filmes brasileiros com atuações muito impactantes, como a Sônia [Braga, em “Aquarius”] e a Regina [Casé, em “Que horas ela Volta?”], que merecem reconhecimento e prêmios internacionais e nacionais.

Cine Set: A senhora foi a única atriz brasileira indicada ao Oscar. Para a senhora, qual a importância do prêmio para o cinema brasileiro?

Fernanda Montenegro: O Oscar é um fetiche. É uma premiação extremamente americana, dentro de uma visão que, como podemos dizer, é capitalista. Com a força de anos e anos, não só na América, mas para o mundo todo, ele se construiu assim e os outros prêmios acabam o imitando, com o tapete vermelho, os longos, os breaks para a publicidade. Num plano maior, quem tem que impulsionar o nosso cinema é a gente mesmo, apesar de a exibição e muito da projeção da imagem dos filmes estar na mão dos americanos, naquela semana de “vida ou morte”, quando o filme deve gerar o máximo de receita nos primeiros dias de exibição para continuar sendo exibido. Enquanto não tivermos mais poder sobre a exibição, esse é o sistema atuante, do qual o Oscar é uma parte. 

Cine Set: Além do monólogo com os textos e Nelson Rodrigues, quais os seus planos futuros? Há projetos de filmes em vista?

Fernanda Montenegro: Sim, há projetos futuros. Estou com dois filmes: um é um projeto com o Andrucha [Waddington], com roteiro da Fernanda Torres. O outro é com o Cláudio Assis, em Pernambuco. Serão dois dramas. Além disso, tem “Mister Brau”, que ficou para abril. Esse foi um ano de muito trabalho, apesar de minha idade, e sou muito agradecida.

Cine Set: Puxando o gancho com esse projeto novo com Cláudio Assis, como a senhora avalia o panorama do cinema brasileiro hoje, que se tornou mais descentralizado? Acompanha a produção dos estados fora da região sudeste?

Fernanda Montenegro: Essa é uma coisa fundamental: que cada região tenha suas temáticas, seus atores e que se amplie o fazer cinema. Nós, bem dizer, estamos sempre em locação, não necessariamente somos do local onde acontece a história. Vemos o caso de Pernambuco, no filme com o Cláudio, e lá há uma vida de cinema muito importante. O complicado é ter os espaços para esses filmes de tantos lugares virem à tona.

Cine Set: E a senhora conhece algo do cinema amazonense?

Fernanda Montenegro: Não, admito que não tenho conhecimento. Talvez exista até um polo interessante de produção que eu ignore. Dadas as devidas proporções, penso que todo o Brasil tenha seus focos de arte, mas é o querer fazer cinema que toca a vida do cinema no país mesmo, assim como é com o teatro e a cultura em geral. Há um descaso político com a cultura, que sempre é adiada por conta de outras prioridades que, no entanto, nunca são atingidas, vide o saneamento básico, por exemplo, e o investimento em cultura fica ainda muito atrás disso. Mas a cultura, juro, e sou testemunha, pode mudar muitas coisas. Se se cuidasse mais dela, o país estaria melhor.

Sacrifício, compaixão, perdão e a busca de si em ‘I Know This Much is True’

Mark Ruffalo é um ator bastante versátil e carismático, de longe um dos nossos preferidos. Encaixa-se em qualquer tipo de papel e gênero cinematográfico, passando pelo Incrível Hulk (franquia Vingadores), o repórter Michael Rezendes em Spotlight (2015) e Ned Weeks em...

Nova minissérie brasileira da HBO, ‘O Hóspede Americano’ mostra expedição de Theodore Roosevelt pela Amazônia

A minissérie “O Hóspede Americano” é a mais nova aposta brasileira da HBO. Criada e produzida por Bruno Barreto (“O Que é Isso Companheiro?”) com roteiro de Matthew Chapman (“O Júri” e “Flores Raras”), a trama é baseada em uma história real e retrata a expedição do...

A culpa voluntária em ‘O Operário’

Em O Operário (2004), Trevor Reznik (Christian Bale) é um trabalhador que sofre de uma insônia aguda e está sem dormir há um ano. Já vimos os efeitos desse sintoma muito bem representados por Edward Norton em Clube da Luta (1999). No filme aqui em questão, o...

‘O Padre e a Moça’: amor em tempos de intolerância

"O padre furtou a moça, fugiu. Pedras caem no padre, deslizam A moça grudou no padre, vira sombra, Aragem matinal soprando no padre. Ninguém prende aqueles dois, Aquele um Negro amor de rendas brancas”  - Em um mundo dominado pelo ódio, ambição, cobiça, posse e...

Festival de Veneza 2021: 10 Filmes Para Ficar de Olho

De “Duna” a “Spencer”, Caio Pimenta apresenta 10 filmes para você ficar atento durante o Festival de Veneza entre 1 a 11 de setembro. https://www.youtube.com/watch?v=SIYoRsjxKCI THE HAND OF GOD    https://www.youtube.com/watch?v=CFUVnhUsNws O último Oscar conquistado...

A Essência do Conceito de Empatia em “O Agente Duplo”

Dentre os muitos lançamentos da temporada de premiações, sempre temos uma ‘queda’ e um interesse maior pelos filmes de língua não inglesa. Esse interesse já existe há muito tempo e se intensifica cada vez mais com o passar dos anos, devido principalmente ao realismo e...

Três Filmes Imperdíveis de Wim Wenders

Um dos maiores nomes do Novo Cinema Alemão, Wim Wenders coleciona algumas obras primas, entre elas o clássico do cinema “Paris, Texas”, imortalizado na cultura pop pela cena icônica de Nastassja Kinski com vestido rosa, e de documentários como “O Sal da Terra”, sobre...

Obra de Dráuzio Varella volta a ganhar as telas no documentário ‘Encarcerados’

As experiências de Drauzio Varella no sistema prisional de São Paulo ganharam um novo capítulo. Nesta quinta-feira (26/08), será lançado "Encarcerados", documentário de Claudia Calabi, Fernando Grostein e Pedro Bial, baseado no livro "Carcereiros", lançado por Dráuzio...

Cidade do México ganha destaque em ‘Toda La Sangre’, nova série do Starzplay

O Cine Set acompanhou a coletiva de imprensa virtual que marcou o início das gravações do seriado mexicano "Toda La Sangre". Baseada em uma série de livros de Bernardo Esquinca, a produção comandada pelo showrunner (e vencedor do Emmy Internacional) Zasha Robles terá...

Oh, Captain, my Captain: 7 anos sem Robin Williams

Como muitos acontecimentos na vida, parece que foi ontem. Mas, o dia 11 de agosto de 2021 completou sete anos sem Robin Williams. Uma grande perda para o cinema e menos uma pessoa que poderia estar trazendo mais sorrisos e alegria em tempos tão conturbados. Ao...