“A Voz Suprema do Blues” reúne a mesma trinca de “Um Limite Entre Nós”: Viola Davis de protagonista em um filme produzido por Denzel Washington baseado em uma peça do dramaturgo August Wilson. Além dos nomes envolvidos, o projeto da Netflix guarda as qualidades – um elenco de primeira e diálogos potentes – e defeitos – roteiro deixando pontas soltas pelo caminho e uma teatralização por vezes excessivas – do longa indicado ao Oscar 2017. 

Dirigido por George C. Wolfe (“Noites de Tormenta”), “A Voz Suprema do Blues” se passa em 1927 quando a banda da mãe do blues, Ma Rainey (Davis), chega à Chicago para a gravação de um álbum com seus maiores sucessos. Enquanto a estrela faz diversas exigências aos dois produtores brancos desesperados para lucrar com a força das melodias e conseguirem o direito das músicas, o rebelde trompetista Levee (Chadwick Boseman) tenta conseguir se desvencilhar de Ma Rainey para seguir carreira própria, entrando em uma série de debates com os outros musicistas e uma intensa expectativa da concretização do sonho. 

Igual em “Um Limite Entre Nós”, o show reside na dupla de protagonistas. Chadwick Boseman descontrói a imagem de firmeza e ponderação do Pantera Negra com a impulsividade e o jeito de falar acelerado de Levee. Consciente do talento acima da média em relação aos demais integrantes da banda, o rapaz consegue compreender o novo ritmo acelerado das grandes cidades e busca adaptar o blues nesta velocidade. Acima de tudo, ele representa uma nova era de jovens negros nascidos nos EUA já no século XX: ambiciosos, inquietos e buscando oportunidades maiores que as alcançadas por seus antepassados. A barreira de uma estrutura dominada por homens brancos, infelizmente, se impõe cruelmente e os dois poderosos monólogos do personagem carregam toda esta angústia quase premonitória e trágica de um caminho sem saída. 

Já Viola Davis consegue arrancar uma atuação memorável. A maquiagem de um vermelho intenso nas bochechas e os chamativos dentes metálicos contrastam com o perceptível cansaço no olhar dela de alguém no limite. Afinal, apesar de mandar e desmandar nos produtores durante grande parte de “A Voz Suprema do Blues”, ela, uma mulher negra em um posto de comando em plena década de 1930 no racista EUA do século XX, sabe o quanto aquele poder é ilusório. Desta forma, cabe a Ma Rainey usufruir tudo o que pode e não pode até o momento de ser chutada novamente.  

RITMO ACELERADO DEIXA BRECHAS 

Mesmo diante de duas figuras tão poderosas, “A Voz Suprema do Blues” não chega a deslanchar totalmente. Se você assistir ao documentário de 30 minutos sobre os bastidores do filme, também disponível na Netflix, percebe-se uma riqueza da pesquisa base para o projeto em relação ao contexto da ida de tantos negros para Chicago, onde se esperava, além do emprego, um racismo menor se comparado ao sentido no Sul dos EUA. Também há importantes questões sobre o próprio setor artístico em que a cultura deles acabou apropriada por empresários e executivos de forma inaceitável para ganhar sucesso mundial com brancos. Curioso como George C. Wolfe e o roteiro de Ruben Santiago-Hudson pouco se aprofundam nestes debates ao dar uma impressão de que parece ser um universo já conhecido de todo público, apresentando isso de maneira muito acelerada na parte inicial e, consequentemente, sem render o impacto desejado na cena final. 

Wolfe ainda incorre no mesmo erro de Denzel em “Um Limite Entre Nós” ao adotar a essência teatral, mas, com muitos cortes durante as sequências. Apesar do claro intuito de dar dinamismo ao filme, isso reduz a tensão destes momentos também provocado pela câmera nem sempre enquadrar todos os participantes das discussões em cena, algo palpável nos embates entre os musicistas da banda. Isso impede de vermos uma reação mais visceral de todos eles nos confrontos. O longa ainda apresenta diversos personagens coadjuvantes com grandes potenciais, mas, exceções feitas a Toledo (Glyyn Turman, excelente) com sua canção sobre o negro sempre ser a sobra e a vivacidade de Dussie Mae (Taylour Paige, ótima), todos os demais ficam com pouco tempo para irem além da superfície daquilo apresentado inicialmente. 

Sente-se ainda uma brusca mudança feita para dar destaque no personagem de Chadwick Boseman, o que deixa “A Voz Suprema do Blues” com uma grande inconsistência em seu foco principal. Afinal, se Levee teria a mesma importância de Ma Rainey, por que não investir mais no relacionamento explosivo entre os dois com este meio destrutivo dominado por brancos girando como um ponto de convergência entre a dupla? Da forma como ficou na montagem final, a personagem de Viola Davis sai prejudicada pelo pouco de tempo de cena em comparação ao colega, virando uma coadjuvante dentro da própria história, fora a impressão de que há dois filmes paralelos que se encontram em determinados trechos.    

Marcado por um cansaço de destinos traçados independente de seus desejos e pela fúria contra esse determinismo simbolicamente representados pelos corpos suados de um calor sufocante, “A Voz Suprema do Blues” consegue, igual ao blues, driblar seus problemas para se tornar uma representação da vida da população negra nos EUA com a potência admirável de Chadwick Boseman e Viola Davis em seus melhores momentos nos cinemas. 

‘Bar Doce Lar’: má fase de George Clooney persiste em filme repetitivo

Logo no início de “Bar Doce Lar”, título horroroso no Brasil para o filme disponível no Amazon Prime, JR diz gostar de viver na casa do avô ao contrário da mãe. O motivo: a presença de muita gente no local. Tal fala, entretanto, ganha um contorno maior para além da...

Onde foram parar e por que os filmes de cassino sumiram das telonas?

De filmes de ação a dramas, há grandes clássicos do cinema e títulos dos anos 90 e 2000 que destacam os poderosos cassinos, particularmente os encontrados nos Estados Unidos. Não há um brasileiro que não se lembre de pelo menos dois filmes que destacavam os luxuosos...

‘O Canto do Cisne’: não funciona como romance nem como sci-fi

À primeira vista, “O Canto do Cisne” engana bem: Mahershala Ali e Naomie Harris com a excelência de sempre e ainda com Glenn Close e Awkwafina como coadjuvantes de luxo, um visual atrativo pela modernidade clean do design de produção e do cenário principal...

‘Apresentando os Ricardos’: Sorkin racionaliza demais universo das sitcoms

Lucille Ball quer um lar. E ele definitivamente não vai ser construído em um cinema cerebral demais como o de Aaron Sorkin. “Apresentando os Ricardos”, nova investida dele na direção, é um retrato sem o brilho que fez de Ball a estrela mais assistida da TV dos Estados...

‘Não Olhe Para Cima’: sátira caminha por trilha segura em críticas

Quando “House of Cards” estreou na Netflix em fevereiro de 2013 chocou uma (ingênua) parcela do público sobre como o coração da política norte-americana poderia ser tão ardiloso e baixo. Era época de um suposto idealismo democrático com Barack Obama, primeiro...

‘Matrix Resurrections’: Lana Wachowski recorda o valor do risco em Hollywood

Se “Matrix” encontra paralelos diretos em “Metrópolis” ou “Blade Runner” dentro do universo de distopias e ficções científicas, pode-se dizer que “Matrix Resurrections” está mais próximo de obras como “Crepúsculo dos Deuses” ou “O Jogador” como análise ácida e...

‘Belfast’: Kenneth Branagh retorna à infância em filme singelo

Vários diretores, ao longo da história do cinema, fizeram filmes baseados em suas próprias vidas. Gente graúda, como François Truffaut (Os Incompreendidos), Federico Fellini (Amarcord) ou Ingmar Bergman (Fanny & Alexander), para citar só alguns dos mais marcantes....

‘A Mão de Deus’: Sorrentino navega no (bom) exagero em filme familiar

As relações familiares são o ponto de partida de “A mão de Deus”, novo filme do diretor italiano Paolo Sorrentino (“A Grande Beleza”). O protagonista da trama é Fábio Schisa (Filippo Scotti), um adolescente que vive com os pais e dois irmãos mais velhos na Nápoles dos...

‘Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa’: a maturidade chega a Peter Parker

Com três intérpretes diferentes, o Homem-Aranha é o herói mais replicado no cinema (ao menos no século XXI). E é claro que a cada nova saga do herói a expectativa é sempre de superação, mas, mesmo sob essa pressão, em 2017, Tom Holland conseguiu se consagrar como...

‘Encontros’: Riz Ahmed faz o que pode em sci-fi morna

Riz Ahmed vem se consolidando como um dos melhores e mais interessantes atores de Hollywood no momento. O cara até agora não deu uma bola fora e, em alguns casos, até elevou algumas produções. Foi merecidamente indicado ao Oscar de Melhor Ator por O Som do Silêncio...