“A Voz Suprema do Blues” reúne a mesma trinca de “Um Limite Entre Nós”: Viola Davis de protagonista em um filme produzido por Denzel Washington baseado em uma peça do dramaturgo August Wilson. Além dos nomes envolvidos, o projeto da Netflix guarda as qualidades – um elenco de primeira e diálogos potentes – e defeitos – roteiro deixando pontas soltas pelo caminho e uma teatralização por vezes excessivas – do longa indicado ao Oscar 2017. 

Dirigido por George C. Wolfe (“Noites de Tormenta”), “A Voz Suprema do Blues” se passa em 1927 quando a banda da mãe do blues, Ma Rainey (Davis), chega à Chicago para a gravação de um álbum com seus maiores sucessos. Enquanto a estrela faz diversas exigências aos dois produtores brancos desesperados para lucrar com a força das melodias e conseguirem o direito das músicas, o rebelde trompetista Levee (Chadwick Boseman) tenta conseguir se desvencilhar de Ma Rainey para seguir carreira própria, entrando em uma série de debates com os outros musicistas e uma intensa expectativa da concretização do sonho. 

Igual em “Um Limite Entre Nós”, o show reside na dupla de protagonistas. Chadwick Boseman descontrói a imagem de firmeza e ponderação do Pantera Negra com a impulsividade e o jeito de falar acelerado de Levee. Consciente do talento acima da média em relação aos demais integrantes da banda, o rapaz consegue compreender o novo ritmo acelerado das grandes cidades e busca adaptar o blues nesta velocidade. Acima de tudo, ele representa uma nova era de jovens negros nascidos nos EUA já no século XX: ambiciosos, inquietos e buscando oportunidades maiores que as alcançadas por seus antepassados. A barreira de uma estrutura dominada por homens brancos, infelizmente, se impõe cruelmente e os dois poderosos monólogos do personagem carregam toda esta angústia quase premonitória e trágica de um caminho sem saída. 

Já Viola Davis consegue arrancar uma atuação memorável. A maquiagem de um vermelho intenso nas bochechas e os chamativos dentes metálicos contrastam com o perceptível cansaço no olhar dela de alguém no limite. Afinal, apesar de mandar e desmandar nos produtores durante grande parte de “A Voz Suprema do Blues”, ela, uma mulher negra em um posto de comando em plena década de 1930 no racista EUA do século XX, sabe o quanto aquele poder é ilusório. Desta forma, cabe a Ma Rainey usufruir tudo o que pode e não pode até o momento de ser chutada novamente.  

RITMO ACELERADO DEIXA BRECHAS 

Mesmo diante de duas figuras tão poderosas, “A Voz Suprema do Blues” não chega a deslanchar totalmente. Se você assistir ao documentário de 30 minutos sobre os bastidores do filme, também disponível na Netflix, percebe-se uma riqueza da pesquisa base para o projeto em relação ao contexto da ida de tantos negros para Chicago, onde se esperava, além do emprego, um racismo menor se comparado ao sentido no Sul dos EUA. Também há importantes questões sobre o próprio setor artístico em que a cultura deles acabou apropriada por empresários e executivos de forma inaceitável para ganhar sucesso mundial com brancos. Curioso como George C. Wolfe e o roteiro de Ruben Santiago-Hudson pouco se aprofundam nestes debates ao dar uma impressão de que parece ser um universo já conhecido de todo público, apresentando isso de maneira muito acelerada na parte inicial e, consequentemente, sem render o impacto desejado na cena final. 

Wolfe ainda incorre no mesmo erro de Denzel em “Um Limite Entre Nós” ao adotar a essência teatral, mas, com muitos cortes durante as sequências. Apesar do claro intuito de dar dinamismo ao filme, isso reduz a tensão destes momentos também provocado pela câmera nem sempre enquadrar todos os participantes das discussões em cena, algo palpável nos embates entre os musicistas da banda. Isso impede de vermos uma reação mais visceral de todos eles nos confrontos. O longa ainda apresenta diversos personagens coadjuvantes com grandes potenciais, mas, exceções feitas a Toledo (Glyyn Turman, excelente) com sua canção sobre o negro sempre ser a sobra e a vivacidade de Dussie Mae (Taylour Paige, ótima), todos os demais ficam com pouco tempo para irem além da superfície daquilo apresentado inicialmente. 

Sente-se ainda uma brusca mudança feita para dar destaque no personagem de Chadwick Boseman, o que deixa “A Voz Suprema do Blues” com uma grande inconsistência em seu foco principal. Afinal, se Levee teria a mesma importância de Ma Rainey, por que não investir mais no relacionamento explosivo entre os dois com este meio destrutivo dominado por brancos girando como um ponto de convergência entre a dupla? Da forma como ficou na montagem final, a personagem de Viola Davis sai prejudicada pelo pouco de tempo de cena em comparação ao colega, virando uma coadjuvante dentro da própria história, fora a impressão de que há dois filmes paralelos que se encontram em determinados trechos.    

Marcado por um cansaço de destinos traçados independente de seus desejos e pela fúria contra esse determinismo simbolicamente representados pelos corpos suados de um calor sufocante, “A Voz Suprema do Blues” consegue, igual ao blues, driblar seus problemas para se tornar uma representação da vida da população negra nos EUA com a potência admirável de Chadwick Boseman e Viola Davis em seus melhores momentos nos cinemas. 

Crítica | ‘Copa 71: A História que não foi Contada’: documentário abaixo da grandeza do evento

Com a narração da tenista norte-americana Serena Williams, “Copa 71: A História que não foi Contada” apresenta cronologicamente a história da primeira grande competição mundial de futebol feminino, realizada no México. Embora não tenha sido o pioneiro, o torneio foi o...

Crítica | ‘Às Vezes Quero Sumir’: estética deprê-chic em filme simpático

O título de “Às Vezes Quero Sumir” em inglês é mais cáustico: “Às Vezes Penso em Morrer” em tradução aproximada. Mas um título tão direto raramente vem acompanhado de um soco no estômago genuíno – é mais o caso de trazer à tona um distanciamento irônico que torne a...

Crítica | ‘Furiosa: Uma Saga Mad Max’: a espetacular construção de uma lenda

Que curiosa carreira tem George Miller: o australiano era médico, depois migrou para o cinema fazendo curtas na incipiente indústria de cinema do país e há 45 anos lançou Mad Max (1979), um filme de ação e vingança de baixo orçamento marcando a estreia em longas. A...

CRÍTICA | ‘Club Zero’: tudo dá errado em péssimo filme

Dirigido por Jessica Hausner, "Club Zero" se passa em uma escola de elite que recebe uma nova professora de nutrição. Ela ensina a um pequeno grupo de adolescentes um novo método de alimentação que promete melhorar não só o desempenho nos estudos e nos esportes dos...

CRÍTICA | ‘Back to Black’: desserviço à imagem de Amy Winehouse

Já na época em que foi anunciada a morte da cantora britânica Amy Winehouse (1983-2011), se falava em um filme sobre ela, tamanho o frenesi midiático que essa artista despertou no mundo neste começo do século XXI. Agora o filme finalmente chegou às telas e... bem, Amy...

CRÍTICA | ‘Fúria Primitiva’: um inevitável sub-John Wick

Independente se você gosta ou não da John Wick, hoje qualquer filme de ação contemporâneo que se preze tem como principal parâmetro a saga estrelada por Keanu Reeves. Mais da metade dos trabalhos lançados nos últimos anos no gênero como um todo seguem a cartilha da...

Crítica | ‘Foram Os Sussurros que Me Mataram’: Tuoto mistura novela das 20h com Lynch em filme inusitado

"Os erros ou excessos na administração do mundo das imagens produzem consequências políticas imediatas". Esse é o tipo de tagarelice canastrona pretensiosa que talvez encontrássemos numa review de Arthur Tuoto – e que não surpreende, portanto, que dê as caras neste...

Crítica | ‘Planeta dos Macacos – O Reinado’: filme mantém marca pessimista da série

De certa forma, a franquia Planeta dos Macacos é perfeita para os nossos tempos: vivemos em um mundo com guerras, desastres climáticos e pandemias. Diante disso, imaginar que a raça humana seja extinta ou que perca o domínio sobre a Terra não parece assim tão distante...

Crítica | ‘Vermelho Monet’ – entre o fazer artístico e o desejo

Há uma plasticidade visual que conduz todo o trabalho de Halder Gomes (“Cine Holliúdy”) em “Vermelho Monet”. O filme protagonizado por Chico Diaz, Maria Fernanda Cândido e Samantha Müller nos conduz pelo submundo do mercado de artes plásticas apresentando um visual...

Crítica | ‘Transe’: o velho espetáculo da juventude progressista classe A

Pode ser tentador para o público, diante da repercussão memética negativa que o trailer de “Transe” recebeu, ir ao cinema com o intuito de chutar cachorro morto. Os que compram seus ingressos planejando tiradas mordazes para o final da sessão irão se decepcionar. Não...