Direto do sofá da minha casa, eu, Lucas Pistilli, correspondente internacional do Cine Set aqui na Europa, irei cobrir o Festival de Berlim 2021. A Berlinale é um dos maiores eventos cinematográficos do mundo e o primeiro da grande tríade – composta por ele, Cannes e Veneza – a acontecer no ano. Por mais que fosse tentador fazer esta cobertura na frente do Berlinale Palast, sentindo os ventos frios da capital alemã, a pandemia da COVID-19 impede a missão. 

Para não cancelar o evento, a organização optou por uma edição híbrida em duas partes. A primeira, que você acompanha aqui no site do Cine Set e no nosso Instagram, será inteiramente virtual e vai do dia 1o de março e até o dia 5. Ela está limitada para os júris e para a imprensa e escolherá os vencedores do festival.  

A segunda será do dia 9 ao dia 20 de junho e, até o momento, planeja-se que ela seja física, exibindo os filmes do evento para o grande público e realizando a cerimônia de premiação dos vencedores anunciados na primeira parte. 

O MAIS POPULAR DOS FESTIVAIS  

Todos os festivais da grande tríade começaram por questões políticas. No caso de Berlim, ele foi concebido por Oscar Martay, um oficial do Exército dos EUA que teve a ideia de que um festival cheio de glamour seria uma peça de propaganda perfeita dos valores liberais em plena Guerra Fria.  

Criado em 1951, ele é o mais novo dos três e o mais ligado ao cinema avant-garde. Pelo perfil desafiador de sua seleção, ele não tende a importar muito na corrida de Oscar. A exceção fica por “Rain Man”, vencedor do Urso de Ouro e do prêmio de Melhor Filme da Academia. 

Paradoxalmente, o Festival de Berlim também é o mais conectado com a sua audiência e, com uma média de venda de 400 mil ingressos por ano, é o festival de cinema mais popular do planeta. 

AS MOSTRAS DA BERLINALE 

Como a maioria dos festivais, Berlim é dividido em mostras. Algumas são mais fáceis de explicar, outras mais complexas. Começando pelas fáceis, o festival tem suas duas mostras competitivas principais: uma de longas e uma de curtas. Os grandes vencedores do festival, que levarão o disputado Urso de Ouro pra casa, saem daqui. 

Além delas, apresentações especiais de filmes fora dessas competições também estão espalhadas pela programação. A mostra Retrospectiva, como o nome diz, exibe filmes antigos. Ela é complementada por duas sub-mostras: a Classics, que apresenta premieres de restaurações de filmes antigos, e a Homage, que celebra a obra do artista recipiente do Urso de Ouro Honorário do ano – em 2020, a homenageada foi a atriz Helen Mirren (“A Rainha”). 

Desde 2015, Berlim também realiza a Séries, mostra que celebra o formato seriado televisivo. A brasileira “Os Últimos Dias de Gilda” está na seleção desse ano. Ela reúne a poderosa Karine Telles com o diretor Gustavo Pizzi, depois da parceria acertada deles em “Benzinho”, em 2018. Quem produz é a Globoplay, que inclusive já está virando habitué do festival, depois de ter emplacado não só uma, mas duas séries na mostra do ano passado: “Desalma” e “Onde Está Meu Coração”. Os critérios de admissão são flexíveis, mas o mais importante para a Berlinale é que a série tenha sua primeira exibição fora do país de origem no evento. 

Agora, vamos para as mais complicadas: 
 
Encontros: criada em 2020, seleção de 15 filmes (longas de ficção ou docs) com novas visões, privilegiando produções estruturalmente ou esteticamente radicais. Em suma, a nova seção se propõe como a competição mais avant-garde do festival; 

Panorama: mostra paralela tão emblemática para o festival quanto a mostra principal, a Panorama é a seção dedicada ao cinema de temáticas ousadas e irreverentes. Criada por dois realizadores ativistas do movimento LBGTQIA+ em 1982, a mostra é abertamente queer, feminista e política – e é um sucesso de público tão grande que tem seu próprio Prêmio Popular. Por suas afiliações, o seu júri é o responsável por escolher os vencedores do Teddy. 
 
Fórum e Fórum Expanded: duas mostras não-competitivas, criadas respectivamente em 1971 e 2006, que contém produções que questionam a forma e a função do cinema, ignorando restrições de duração, estilo, gênero, narrativa e até mesmo mídia. Aqui vale literalmente tudo: obras transmidiáticas, instalações, videoarte, performance, realidade virtual, entre outros. 
 
Generation: criada em 1978 para celebrar o cinema dedicado às crianças, com temáticas relacionadas ao crescimento e desenvolvimento delas e muitas vezes contadas através de seu ponto de vista, a Generation se dividiu em duas em 2004: a Generation Kplus, a sucessora da mostra original (o K é de Kinder – crianças em alemão), e a Generation 14plus, que tem a mesma pegada, mas privilegia obras focadas em adolescentes. As duas mostras seguem nesse formato até hoje. 
 
Perspectivas: mostra de fomento e integração do festival, criada em 2002 para impulsionar jovens cineastas alemães e apresentando exclusivamente filmes de estreia produzidos no país. 

Por que ‘Segundas Intenções’ é o filme do meu coração?

É quase uma unanimidade que gostos são subjetivos. Se formos parar para pensar, a imposição social nos coloca nesse lugar do que realmente gostamos de fato ou se são apenas imposições sociais. Ok, isso é papo para outro momento. Vamos focar nos “Filmes do Coração”....

Cine Set no Festival de Cannes | O Veredicto sobre ‘Motel Destino’

Direto do Festival de Cannes 2024, Camila Henriques fala sobre "Motel Destino", o candidato brasileiro à Palma de Ouro. https://www.youtube.com/watch?v=nG5mxu_1hSM

Cine Set no Festival de Cannes | ‘Anora’, ‘O Aprendiz’ e Duas Grandes Atuações

Direto do Festival de Cannes 2024, Camila Henriques analisa os elogiados "Anora", de Sean Baker, e "O Aprendiz", de Ali Abbasi sobre Donald Trump. https://youtu.be/n9Qx1mIjKyU

Cine Set no Festival de Cannes | Lula e ‘A Queda do Céu’ destacam o Brasil

Camila Henriques analisa os lançamentos de "Lula", de Rob Wilson e Oliver Stone, e do documentário "A Queda do Céu", de Eryk Rocha e Gabriela Carneiro da Cunha. https://youtu.be/R0y7mRXIMBY

Cine Set no Festival de Cannes 2024 | O Pior Filme Até Agora

Direto do Festival de Cannes 2024, Camila Henriques analisa "Oh Canada", do Paul Schrader com Jacob Elordi, Richard Gere e Uma Thurman, e "Rumours", protagonizado pela Cate Blanchett. https://www.youtube.com/watch?v=3dzmkI731bY

Cine Set no Festival de Cannes | Surgiu o Ganhador da Palma de Ouro?

Camila Henriques analisa "Tipos de Gentileza", novo filme do Yorgos Lanthimos com Emma Stone, e "Bird", de Andrea Arnold com Barry Keoghan no Festival de Cannes 2024. https://www.youtube.com/watch?v=ci-Df_e9kTU  

Cine Set no Festival de Cannes | Furiosa e Megalópolis são INCRÍVEIS

Camila Henriques comenta sobre os aguardados "Furiosa", de George Miller, e "Megalópolis", de Francis Ford Coppola, além do dinamarquês "The Girl With the Needle" no Festival de Cannes 2024. https://youtu.be/FYn7_oQHxxY

Cine Set no Festival de Cannes | Meryl Streep emociona em bela homenagem

Camila Henriques traz todos os detalhes dos dois primeiros dias do Festival de Cannes representando o Cine Set. Tem a homenagem a Meryl Streep, a exibição do clássico "Os Sete Samurais", de Akira Kurosawa, e "The Second Act", sátira francesa de abertura do festival....

Festival de Cannes 2024 | Os 22 Candidatos à Palma de Ouro: Parte II

De "Megalópolis", de Francis Ford Coppola, a "Motel Destino", de Karim Ainouz, Caio Pimenta apresenta a segunda parte dos candidatos à Palma de Ouro no Festival de Cannes 2024. https://youtu.be/EY7R3XsBiyc IRÃ, CHINA E ÍNDIA Para turma que não gosta de ver política...

Festival de Cannes 2024: Conheça os 22 filmes na disputa pela Palma de Ouro – Parte I

O Festival de Cannes começa no próximo dia 14 de maio com cobertura in loco do Cine Set. Ao longo do maior evento de cinema do mundo, teremos Camila Henriques aqui no canal do YouTube, redes sociais atualizando sobre o festival. Então, chegou a hora de trazer a...