Direto do sofá da minha casa, eu, Lucas Pistilli, correspondente internacional do Cine Set aqui na Europa, irei cobrir o Festival de Berlim 2021. A Berlinale é um dos maiores eventos cinematográficos do mundo e o primeiro da grande tríade – composta por ele, Cannes e Veneza – a acontecer no ano. Por mais que fosse tentador fazer esta cobertura na frente do Berlinale Palast, sentindo os ventos frios da capital alemã, a pandemia da COVID-19 impede a missão. 

Para não cancelar o evento, a organização optou por uma edição híbrida em duas partes. A primeira, que você acompanha aqui no site do Cine Set e no nosso Instagram, será inteiramente virtual e vai do dia 1o de março e até o dia 5. Ela está limitada para os júris e para a imprensa e escolherá os vencedores do festival.  

A segunda será do dia 9 ao dia 20 de junho e, até o momento, planeja-se que ela seja física, exibindo os filmes do evento para o grande público e realizando a cerimônia de premiação dos vencedores anunciados na primeira parte. 

O MAIS POPULAR DOS FESTIVAIS  

Todos os festivais da grande tríade começaram por questões políticas. No caso de Berlim, ele foi concebido por Oscar Martay, um oficial do Exército dos EUA que teve a ideia de que um festival cheio de glamour seria uma peça de propaganda perfeita dos valores liberais em plena Guerra Fria.  

Criado em 1951, ele é o mais novo dos três e o mais ligado ao cinema avant-garde. Pelo perfil desafiador de sua seleção, ele não tende a importar muito na corrida de Oscar. A exceção fica por “Rain Man”, vencedor do Urso de Ouro e do prêmio de Melhor Filme da Academia. 

Paradoxalmente, o Festival de Berlim também é o mais conectado com a sua audiência e, com uma média de venda de 400 mil ingressos por ano, é o festival de cinema mais popular do planeta. 

AS MOSTRAS DA BERLINALE 

Como a maioria dos festivais, Berlim é dividido em mostras. Algumas são mais fáceis de explicar, outras mais complexas. Começando pelas fáceis, o festival tem suas duas mostras competitivas principais: uma de longas e uma de curtas. Os grandes vencedores do festival, que levarão o disputado Urso de Ouro pra casa, saem daqui. 

Além delas, apresentações especiais de filmes fora dessas competições também estão espalhadas pela programação. A mostra Retrospectiva, como o nome diz, exibe filmes antigos. Ela é complementada por duas sub-mostras: a Classics, que apresenta premieres de restaurações de filmes antigos, e a Homage, que celebra a obra do artista recipiente do Urso de Ouro Honorário do ano – em 2020, a homenageada foi a atriz Helen Mirren (“A Rainha”). 

Desde 2015, Berlim também realiza a Séries, mostra que celebra o formato seriado televisivo. A brasileira “Os Últimos Dias de Gilda” está na seleção desse ano. Ela reúne a poderosa Karine Telles com o diretor Gustavo Pizzi, depois da parceria acertada deles em “Benzinho”, em 2018. Quem produz é a Globoplay, que inclusive já está virando habitué do festival, depois de ter emplacado não só uma, mas duas séries na mostra do ano passado: “Desalma” e “Onde Está Meu Coração”. Os critérios de admissão são flexíveis, mas o mais importante para a Berlinale é que a série tenha sua primeira exibição fora do país de origem no evento. 

Agora, vamos para as mais complicadas: 
 
Encontros: criada em 2020, seleção de 15 filmes (longas de ficção ou docs) com novas visões, privilegiando produções estruturalmente ou esteticamente radicais. Em suma, a nova seção se propõe como a competição mais avant-garde do festival; 

Panorama: mostra paralela tão emblemática para o festival quanto a mostra principal, a Panorama é a seção dedicada ao cinema de temáticas ousadas e irreverentes. Criada por dois realizadores ativistas do movimento LBGTQIA+ em 1982, a mostra é abertamente queer, feminista e política – e é um sucesso de público tão grande que tem seu próprio Prêmio Popular. Por suas afiliações, o seu júri é o responsável por escolher os vencedores do Teddy. 
 
Fórum e Fórum Expanded: duas mostras não-competitivas, criadas respectivamente em 1971 e 2006, que contém produções que questionam a forma e a função do cinema, ignorando restrições de duração, estilo, gênero, narrativa e até mesmo mídia. Aqui vale literalmente tudo: obras transmidiáticas, instalações, videoarte, performance, realidade virtual, entre outros. 
 
Generation: criada em 1978 para celebrar o cinema dedicado às crianças, com temáticas relacionadas ao crescimento e desenvolvimento delas e muitas vezes contadas através de seu ponto de vista, a Generation se dividiu em duas em 2004: a Generation Kplus, a sucessora da mostra original (o K é de Kinder – crianças em alemão), e a Generation 14plus, que tem a mesma pegada, mas privilegia obras focadas em adolescentes. As duas mostras seguem nesse formato até hoje. 
 
Perspectivas: mostra de fomento e integração do festival, criada em 2002 para impulsionar jovens cineastas alemães e apresentando exclusivamente filmes de estreia produzidos no país. 

Incêndio na Cinemateca Brasileira serve de prenúncio para o pior da era Bolsonaro

“O risco de um novo incêndio é real”.  Esta frase aparece no segundo parágrafo, quarta linha do manifesto dos trabalhadores da Cinemateca Brasileira divulgado no dia 12 de abril de 2021 - leia abaixo.   Naquele momento, a instituição com o maior acervo audiovisual da...

Cine Set fará cobertura especial do Festival de Locarno 2021

Perto de completar sete anos, o Cine Set dá um belo presente de aniversário para você, leitor do site: a cobertura do Festival de Locarno. O evento na Suíça está previsto para ser realizado entre os dias 4 e 14 de agosto deste ano.  Por conta da pandemia da COVID-19 e...

HBO Max lança ‘Os Ausentes’, primeira série brasileira do streaming

Grande novidade do streaming no país em 2021, a HBO Max prepara a estreia da primeira série brasileira da plataforma. “Os Ausentes” traz a rotina de uma agência homônima especializada em investigar desaparecimentos. Criada pelo ex-policial Raul Fagnani (Erom...

Festival de Cannes 2021: 10 Filmes para Ficar de Olho

Chegou a hora do Festival de Cannes 2021: de 6 até 17 de julho, o foco do mundo do cinema estará na Riveira Francesa. Por isso, Caio Pimenta traz, agora, 10 filmes que disputam a Palma de Ouro para você ficar atento.  https://www.youtube.com/watch?v=OOpbBQQghTg...

‘Friends – The Reunion’: o melhor e o pior do reencontro

Tanto em números quanto em popularidade, ‘Friends’ continua sendo uma das maiores séries na história da televisão mundial: se em 2004, a produção obteve o recorde de episódio final com maior público, 17 anos depois, um único episódio especial foi capaz de atrair...

‘Colônia’ resgata macabra história brasileira de pessoas abandonadas pela sociedade

O desejo de trazer uma história que nunca foi contada na ficção brasileira. Com esse sentimento, a equipe da série “Colônia” participou de uma coletiva de imprensa relatando as suas experiências durante a produção do projeto. A obra lançada no Canal Brasil retrata a...

‘Dont Look Back’, ‘Monterey Pop’, ‘101’: o legado de D. A. Pennebaker para o cinema – e para a música

https://open.spotify.com/album/0o1uFxZ1VTviqvNaYkTJek?si=Q1Okrf-AQ3uXPZ5Z67nEWQ&dl_branch=1 Poucos fãs de cinema, e menos ainda de música, parecem conhecer o nome de Donn Alan Pennebaker, o que é uma lástima. Como D. A., ele deu ao cinema alguns de seus momentos...

Em ‘Veneza’, Miguel Falabella defende a sensibilidade contra a barbárie

Resistência e a defesa da importância de se sonhar. Estes dois sentimentos dominaram a coletiva de imprensa online do filme “Veneza” com participação do Cine Set. Transmitida via YouTube, o evento contou com as presenças do diretor/roteirista do filme Miguel Falabella...

‘Faz de Conta que NY é uma Cidade’: um pequeno tesouro na Netflix

Muitos cineastas mais antigos, formados pela tela grande das salas de cinema, veem com maus olhos a ascensão da Netflix. Para esses nomes, que incluem até Steven Spielberg, defensor eloquente da tecnologia como forma de ampliar a experiência cinematográfica (e,...

‘A Voz Suprema do Blues’ e o legado do racismo na indústria musical

Um dos indicados ao Oscar 2021, A Voz Suprema do Blues, pode não estar entre os mais prestigiados da premiação (são só duas indicações nas categorias principais – Melhor Ator para Chadwick Boseman, em sua última e sublime aparição nas telas, e Atriz para Viola Davis,...