Descrito como uma “carta de amor aos jornalistas”, “A Crônica Francesa” é uma divertida homenagem do diretor Wes Anderson à mídia impressa e aos articulistas que o inspiraram. O projeto, que estreou em Cannes e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é o filme no qual o cineasta mais abusa do seu estilo visual característico e joga para a torcida. Ainda que não seja seu melhor longa, seus momentos inspirados e tocantes justificam o preço do ingresso.

A produção acompanha a equipe de um jornal americano baseado em uma pequena cidade francesa pesquisando e escrevendo seus artigos. Estruturado como uma edição da publicação, “A Crônica Francesa” se apresenta como uma pequena antologia de contos, centrando-se em quatro histórias distintas que ocupam a maior parte dos 103 minutos de projeção.

IRREGULARIDADE DIANTE DE TANTAS HISTÓRIAS

O cinema de Anderson é recheado de personagens cheios de manias e trejeitos usados para fins cômicos. Boa parte do seu humor vem de imaginar o que pessoas com aptidões (ou inaptidões) singulares fazem diante de situações inusitadas. Aqui, livre das limitações de uma história única, o diretor aproveita a estrutura multipartite usada aqui para povoar ainda mais seu universo de pessoas particulares.

Com tantos personagens, é impossível fazer justiça a todos: enquanto Roebuck Wright (Jeffrey Wright) e o Tenente Nescaffier (Stephen Park) estão entre as melhores criações do diretor, outros, como a revolucionária Juliette (Lyna Khoudri) aparecem subdesenvolvidas e beirando o clichê. Isso é sintomático do filme como um todo. Optando pelo formato antológico, o diretor abre margem para que certas histórias funcionem melhor do que outras, o que torna o longa irregular.

As duas primeiras – uma crônica pitoresca estrelando Owen Wilson e uma sátira do mercado de arte estrelando Benicio del Toro, Léa Seydoux e Adrien Brody – são as melhores. A última, um conto policialesco estrelando Wright, é boa ainda que beire o pastiche, mas a penúltima, em que o cineasta aborda a revolução estudantil francesa de 1968, falha em encontrar algo novo (ou engraçado) sobre seu tema e se arrasta. O fato de que ela está no meio do filme tampouco ajuda o ritmo da obra.

NOSTALGIA DE UM PERÍODO PERDIDO

Apesar disso, mesmo em seus momentos morosos, “A Crônica Francesa” transborda primor técnico, com a fictícia Ennui-sur-Blasé (onde o jornal é baseado) rendida em impressionantes detalhes. O longa homenageia a França da mesma maneira que “O Grande Hotel Budapeste” fez com a Áustria e a Alemanha. Claro, a França de Anderson é exagerada e largamente simbólica (arte, cigarros, culinária, livros aparecem constantemente) – mas não por isso menos adorável.

Como em “O Grande Hotel Budapeste”, o diretor quer falar, com certa nostalgia, de um período perdido no tempo. Com a relevância e impacto da mídia impressa constantemente questionadas na era digital, “A Crônica Francesa” é um emocionante retrato da vida de profissionais que se propuseram a relatar e interpretar seu mundo em tinta e papel.

‘Viagem ao Topo da Terra’: animação correta impressiona pelo visual e singeleza

Por que seres humanos perigosamente arriscam a vida escalando grandes montanhas? E vale a pena fazer isso, se ninguém vai registrar ou lembrar? Estas perguntas estão no cerne de Viagem ao Topo da Terra, animação francesa disponível na Netflix dirigida por Patrick...

‘Casa Gucci’: um filme de Lady Gaga e só

Se a palavra Gucci ao ser dita soa como algo doce, mas, carrega uma maldição simultaneamente como diz Patrizia Reggiani, dois momentos podem ser considerados simbólicos desta definição: o primeiro está na transformação do olhar de Patrizia ao ouvir o sobrenome vindo...

‘Encanto’: agradável ainda que nada marcante animação Disney

Apropriada para o público infantil e com fácil apelo emocional, a temática sobre família constantemente é explorada nas animações da Disney e ‘Encanto’ não foge disso. Dirigido pelo trio Jared Bush (‘Moana’), Byron Howard (‘Zootopia’) e Charise Castro Smith, o filme...

‘Ataque dos Cães’: a masculinidade tóxica dissecada e descontruída

“Ataque dos cães” trata sobre masculinidade e poder em uma obra que flutua pela sensibilidade dos detalhes. Benedict Cumberbatch (“Doutor Estranho”) interpreta Phil Burbank, um típico vaqueiro dos filmes de faroeste, tratando sua frieza e brutalidade como prêmios. Ele...

‘King Richard: Criando Campeãs’: a filosofia de Will Smith com todos seus vícios e virtudes

Há alguns anos, o astro Will Smith explicou o motivo de ter recusado o papel de protagonista no sucesso Django Livre (2012), de Quentin Tarantino. A estrela afirmou que “o único jeito de fazê-lo seria se fosse uma história de amor, não de vingança”. Bem,...

‘Earwig’: fábula dark de incapaz de envolver o público

A vida de uma menina peculiar, um homem atormentado e uma garçonete em apuros se entrelaçam em "Earwig", novo filme da francesa Lucile Hadžihalilović (“Inocência”, “Évolution”). O longa, que teve estreia em Toronto e premiada passagem em San Sebastián, foi exibido no...

‘Ferida’: Halle Berry tenta, mas, não sai de fórmulas batidas

Ferida, estrelado e dirigido pela atriz Halle Berry – marcando sua estreia como diretora – é um filme igual à sua protagonista: sincero, mas errático; intenso, mas também disperso. A produção da Netflix busca contar um drama humano dentro do universo do MMA e, com...

‘Deserto Particular’: a solidão como companheira

A solidão que a gente carrega e que nos carrega também. “Deserto Particular” é um filme sobre espaços e tempo. Logo na abertura, Daniel (Antônio Saboia) corre de noite em meio a uma rua vazia, enquanto ouvimos uma narração do protagonista direcionada a alguém que ele...

‘Tick, Tick… Boom!’: Lin-Manuel Miranda dribla resistências ao musical em grande filme

Seja no cinema ou no teatro, não conhecer ‘Rent – Os Boêmios’ e muito menos ter se emocionado ao som de ‘Seasons of Love’ é algo extremamente difícil para quem gosta de musicais. A partir dessa prerrogativa, ‘Tick Tick... Boom!’ trata-se de uma grande homenagem a esse...

‘Um Herói’: o melhor filme de Asghar Farhadi desde ‘O Passado’

Um conto-da-carochinha com desdobramentos épicos é a força-motriz de "Um Herói", novo drama de Asghar Farhadi. O longa foi exibido no Festival de Londres deste ano após estreia em Cannes, onde levou o Grand Prix - o segundo prêmio mais prestigiado do evento. Escolhido...