Descrito como uma “carta de amor aos jornalistas”, “A Crônica Francesa” é uma divertida homenagem do diretor Wes Anderson à mídia impressa e aos articulistas que o inspiraram. O projeto, que estreou em Cannes e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é o filme no qual o cineasta mais abusa do seu estilo visual característico e joga para a torcida. Ainda que não seja seu melhor longa, seus momentos inspirados e tocantes justificam o preço do ingresso.

A produção acompanha a equipe de um jornal americano baseado em uma pequena cidade francesa pesquisando e escrevendo seus artigos. Estruturado como uma edição da publicação, “A Crônica Francesa” se apresenta como uma pequena antologia de contos, centrando-se em quatro histórias distintas que ocupam a maior parte dos 103 minutos de projeção.

IRREGULARIDADE DIANTE DE TANTAS HISTÓRIAS

O cinema de Anderson é recheado de personagens cheios de manias e trejeitos usados para fins cômicos. Boa parte do seu humor vem de imaginar o que pessoas com aptidões (ou inaptidões) singulares fazem diante de situações inusitadas. Aqui, livre das limitações de uma história única, o diretor aproveita a estrutura multipartite usada aqui para povoar ainda mais seu universo de pessoas particulares.

Com tantos personagens, é impossível fazer justiça a todos: enquanto Roebuck Wright (Jeffrey Wright) e o Tenente Nescaffier (Stephen Park) estão entre as melhores criações do diretor, outros, como a revolucionária Juliette (Lyna Khoudri) aparecem subdesenvolvidas e beirando o clichê. Isso é sintomático do filme como um todo. Optando pelo formato antológico, o diretor abre margem para que certas histórias funcionem melhor do que outras, o que torna o longa irregular.

As duas primeiras – uma crônica pitoresca estrelando Owen Wilson e uma sátira do mercado de arte estrelando Benicio del Toro, Léa Seydoux e Adrien Brody – são as melhores. A última, um conto policialesco estrelando Wright, é boa ainda que beire o pastiche, mas a penúltima, em que o cineasta aborda a revolução estudantil francesa de 1968, falha em encontrar algo novo (ou engraçado) sobre seu tema e se arrasta. O fato de que ela está no meio do filme tampouco ajuda o ritmo da obra.

NOSTALGIA DE UM PERÍODO PERDIDO

Apesar disso, mesmo em seus momentos morosos, “A Crônica Francesa” transborda primor técnico, com a fictícia Ennui-sur-Blasé (onde o jornal é baseado) rendida em impressionantes detalhes. O longa homenageia a França da mesma maneira que “O Grande Hotel Budapeste” fez com a Áustria e a Alemanha. Claro, a França de Anderson é exagerada e largamente simbólica (arte, cigarros, culinária, livros aparecem constantemente) – mas não por isso menos adorável.

Como em “O Grande Hotel Budapeste”, o diretor quer falar, com certa nostalgia, de um período perdido no tempo. Com a relevância e impacto da mídia impressa constantemente questionadas na era digital, “A Crônica Francesa” é um emocionante retrato da vida de profissionais que se propuseram a relatar e interpretar seu mundo em tinta e papel.

Olhar de Cinema 2022: ‘Garotos Ingleses’, de Marcus Curvelo

É preciso coragem para utilizar o humor para tratar de temas violentos. Primeiro porque a comédia em si é um gênero geralmente visto (de forma equivocada) com um pé atrás, fazendo-se necessário um uso exemplar de suas possibilidades. Segundo, porque a tentativa de...

‘Arremessando Alto’: carta de amor de Adam Sandler ao basquete

A parceria Adam Sandler/Netflix permanece intacta. Desde que o ator e comediante assinou contrato com a plataforma, a produtora Happy Madison concebeu uma considerável safra de comédias com boa audiência no streaming. “Arremessando Alto” é a aposta da vez.  No papel...

‘RRR’: épico indiano dá aulas em extravagância fílmica

Já virou certo clichê entre a parcela ocidental da crítica cinematográfica a comparação entre “RRR” e os blockbusters hollywoodianos. Hollywood, dizem os críticos, deveria voltar sua atenção às terras ao leste do globo, porque “RRR” os deixa no chinelo em termos de...

‘Aline – A Voz do Amor’: tudo o que ‘Bohemian Rhapsody’ não é

“Um ficção livremente inspirada na vida de Céline Dion”. A história da cantora imortalizada por ser a intérprete de "My Heart Will Go On", a canção-tema de "Titanic", chega aos cinemas pelas mãos e na figura de Valérie Lemecier, também canadense como a sua retratada....

‘Amigo Secreto’: a força do jornalismo investigativo contra os abusos da Lava-Jato

Uma frase convencional é de que toda arte é política. Embora seja um clichê para produtores culturais progressistas, é preciso concordar quando a mente por trás do projeto é Maria Augusta Ramos. Responsável por produções como “O Processo” e “Juízo”, a cineasta expõe...

‘Lightyear’: luta em vão da Pixar contra fantasma de si mesma

Aqui vai uma história trágica: o estúdio que, outrora lar para verdadeiros artesãos que laboravam arduamente em suas narrativas, completamente alheios às pressões do mundo exterior, hoje se desvanece pouco a pouco, aparentemente corrompido pela influência de sua...

‘Ilusões Perdidas’: tratado sobre o deslumbre do homem

Em uma sociedade em que há divisão de classes entre burguesia e proletários, pobres e ricos, desigualdades sociais, intelectuais, culturais e patrimoniais, nunca haverá de fato um território democrático. O histórico da sociedade nos diz muito sobre ela mesma: é um...

Olhar de Cinema 2022: ‘Uma noite sem saber nada’, de Payal Kapadia

Logo antes das sessões no Olhar de Cinema, um vídeo dos realizadores que não puderam estar presentes ao festival era exibido falando um pouco sobre cada filme que viria a seguir. Em sua apresentação, a diretora Payal Kapadia pedia que o público tivesse paciência com...

‘Assassino Sem Rastro’: policial B da melhor qualidade

Nada consegue definir Assassino sem Rastro de forma tão definitiva, senão o momento onde Liam Neeson - cujo personagem sofre com sintomas do mal de Alzheimer - , escreve com caneta algumas informações no próprio antebraço. O ato, involuntário ou não,  reflete a...

Olhar de Cinema 2022: ‘A Ferrugem’, de Juan Sebastian Mesa

O drama colombiano “A Ferrugem” tem como personagem principal Jorge (Daniel Ortiz), um jovem que mora no interior do país e conduz a pequena fazenda da família. Ele é atordoado por visões do pai falecido e também sobre as incertezas sobre ficar ou partir.  A obra...