Descrito como uma “carta de amor aos jornalistas”, “A Crônica Francesa” é uma divertida homenagem do diretor Wes Anderson à mídia impressa e aos articulistas que o inspiraram. O projeto, que estreou em Cannes e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é o filme no qual o cineasta mais abusa do seu estilo visual característico e joga para a torcida. Ainda que não seja seu melhor longa, seus momentos inspirados e tocantes justificam o preço do ingresso.

A produção acompanha a equipe de um jornal americano baseado em uma pequena cidade francesa pesquisando e escrevendo seus artigos. Estruturado como uma edição da publicação, “A Crônica Francesa” se apresenta como uma pequena antologia de contos, centrando-se em quatro histórias distintas que ocupam a maior parte dos 103 minutos de projeção.

IRREGULARIDADE DIANTE DE TANTAS HISTÓRIAS

O cinema de Anderson é recheado de personagens cheios de manias e trejeitos usados para fins cômicos. Boa parte do seu humor vem de imaginar o que pessoas com aptidões (ou inaptidões) singulares fazem diante de situações inusitadas. Aqui, livre das limitações de uma história única, o diretor aproveita a estrutura multipartite usada aqui para povoar ainda mais seu universo de pessoas particulares.

Com tantos personagens, é impossível fazer justiça a todos: enquanto Roebuck Wright (Jeffrey Wright) e o Tenente Nescaffier (Stephen Park) estão entre as melhores criações do diretor, outros, como a revolucionária Juliette (Lyna Khoudri) aparecem subdesenvolvidas e beirando o clichê. Isso é sintomático do filme como um todo. Optando pelo formato antológico, o diretor abre margem para que certas histórias funcionem melhor do que outras, o que torna o longa irregular.

As duas primeiras – uma crônica pitoresca estrelando Owen Wilson e uma sátira do mercado de arte estrelando Benicio del Toro, Léa Seydoux e Adrien Brody – são as melhores. A última, um conto policialesco estrelando Wright, é boa ainda que beire o pastiche, mas a penúltima, em que o cineasta aborda a revolução estudantil francesa de 1968, falha em encontrar algo novo (ou engraçado) sobre seu tema e se arrasta. O fato de que ela está no meio do filme tampouco ajuda o ritmo da obra.

NOSTALGIA DE UM PERÍODO PERDIDO

Apesar disso, mesmo em seus momentos morosos, “A Crônica Francesa” transborda primor técnico, com a fictícia Ennui-sur-Blasé (onde o jornal é baseado) rendida em impressionantes detalhes. O longa homenageia a França da mesma maneira que “O Grande Hotel Budapeste” fez com a Áustria e a Alemanha. Claro, a França de Anderson é exagerada e largamente simbólica (arte, cigarros, culinária, livros aparecem constantemente) – mas não por isso menos adorável.

Como em “O Grande Hotel Budapeste”, o diretor quer falar, com certa nostalgia, de um período perdido no tempo. Com a relevância e impacto da mídia impressa constantemente questionadas na era digital, “A Crônica Francesa” é um emocionante retrato da vida de profissionais que se propuseram a relatar e interpretar seu mundo em tinta e papel.

CRÍTICA | ‘Back to Black’: desserviço à imagem de Amy Winehouse

Já na época em que foi anunciada a morte da cantora britânica Amy Winehouse (1983-2011), se falava em um filme sobre ela, tamanho o frenesi midiático que essa artista despertou no mundo neste começo do século XXI. Agora o filme finalmente chegou às telas e... bem, Amy...

CRÍTICA | ‘Fúria Primitiva’: um inevitável sub-John Wick

Independente se você gosta ou não da John Wick, hoje qualquer filme de ação contemporâneo que se preze tem como principal parâmetro a saga estrelada por Keanu Reeves. Mais da metade dos trabalhos lançados nos últimos anos no gênero como um todo seguem a cartilha da...

Crítica | ‘Foram Os Sussurros que Me Mataram’: Tuoto mistura novela das 20h com Lynch em filme inusitado

"Os erros ou excessos na administração do mundo das imagens produzem consequências políticas imediatas". Esse é o tipo de tagarelice canastrona pretensiosa que talvez encontrássemos numa review de Arthur Tuoto – e que não surpreende, portanto, que dê as caras neste...

Crítica | ‘Planeta dos Macacos – O Reinado’: filme mantém marca pessimista da série

De certa forma, a franquia Planeta dos Macacos é perfeita para os nossos tempos: vivemos em um mundo com guerras, desastres climáticos e pandemias. Diante disso, imaginar que a raça humana seja extinta ou que perca o domínio sobre a Terra não parece assim tão distante...

Crítica | ‘Vermelho Monet’ – entre o fazer artístico e o desejo

Há uma plasticidade visual que conduz todo o trabalho de Halder Gomes (“Cine Holliúdy”) em “Vermelho Monet”. O filme protagonizado por Chico Diaz, Maria Fernanda Cândido e Samantha Müller nos conduz pelo submundo do mercado de artes plásticas apresentando um visual...

Crítica | ‘Transe’: o velho espetáculo da juventude progressista classe A

Pode ser tentador para o público, diante da repercussão memética negativa que o trailer de “Transe” recebeu, ir ao cinema com o intuito de chutar cachorro morto. Os que compram seus ingressos planejando tiradas mordazes para o final da sessão irão se decepcionar. Não...

Crítica | ‘Imaculada’: Sydney Sweeny sobra em terror indeciso

Na história do cinema, terror e religião sempre caminharam de mãos dadas por mais que isso pareça contraditório. O fato de termos a batalha do bem e do mal interligada pelo maior medo humano - a morte - permitiu que a religião com seus dogmas e valores fosse...

Crítica | ‘Abigail’: montanha-russa vampírica divertida e esquecível

Desde que chamaram a atenção com o divertido Casamento Sangrento em 2019, a dupla de diretores Matt Bettinelli-Olpin e Tyler Gillett vem sedimentando uma carreira cinematográfica que mescla o terror sangrento do slasher movie com a sátira social cômica para...

Crítica | ‘O Dublê’ – cinema de piscadela funciona desta vez

David Leitch: sintoma do irritante filão contemporâneo do cinema de piscadela, espertinho, de piadinhas meta e afins. A novidade no seu caso são as doses nada homeopáticas de humor adolescente masculino. Dê uma olhada em sua filmografia e você entenderá do que falo:...

‘Rivais’: a partida debochada e sensual de Luca Guadagnino

Luca Guadagnino dá o recado nos primeiros segundos de “Rivais”: cada gota de suor, cada cicatriz, cada olhar e cada feixe de luz carregam bem mais do que aparentam. O que parece uma partida qualquer entre um dos melhores tenistas do mundo e outro que não consegue...