Uma temporada de férias na Grécia vira uma incômoda viagem ao passado para a protagonista de “A Filha Perdida”, filme que marca a estreia da atriz Maggie Gyllenhaal na direção. A produção foi exibida no Festival de Londres deste ano após sua ovacionada estreia em Veneza, onde rendeu a Gyllenhaal o prêmio de Melhor Roteiro. O longa, que chega ao catálogo brasileiro da Netflix em dezembro, é um retrato brutal de uma mulher que não fez as pazes com a sua condição de mãe.

Nele, Leda (Olivia Colman) é uma acadêmica em busca de paz e sossego em terras gregas quando se depara com Nina (Dakota Johnson), jovem que vive um relacionamento super tóxico com um criminoso local. As duas mulheres, que dividem uma relação ambivalente com a maternidade, se aproximam e Leda começa a ter dolorosos flashbacks da época em que suas filhas eram pequenas, décadas antes.

MATERNIDADE NÃO-NATURAL

O roteiro de Gyllenhaal, baseado no livro homônimo de Elena Ferrante, é preciso ao dar voz à rebeldia silenciosa de sua personagem principal. Inteligente e determinada, Leda é uma mulher para a qual os sacrifícios da maternidade são anátemas – mas também bastante carente das afeições de suas filhas.

Essa tensão está no cerne de seu egoísmo cruel, o qual a leva a se descrever como uma “mãe não-natural”. A justaposição entre ela e Nina – alguém que fez todas as concessões que Leda recusou, mas que tampouco é feliz – deixa uma pergunta amarga no ar grego banhado de sal: o que é, então, uma mãe natural?

Entre flashbacks reveladores (habilmente montados pelo editor brazuca Affonso Gonçalves, de “Paterson” e “Carol”), Leda é pintada como alguém perenemente na terra de ninguém existindo entre seus desejos e a sublimação do papel parental – que ocorre especialmente se você for mulher. Ela sonha com uma maternidade calma e irreal, que não envolva comprometimento – simbolizada através de sua obsessão por uma boneca, o objeto que mais recebe sua afeição durante os 121 minutos de projeção.

COLMAN ENTRE O VULNERÁVEL E O CÔMICO

A personagem é um prato cheio para uma atriz do nível de Colman, que está mesmerizante. A atriz inglesa é uma das melhores em atividade há, pelo menos, meia década, mas cujos papéis mais conhecidos tendem a não ser seus mais impressionantes, como as rainhas que interpretou no filme “A Favorita” (pelo qual ganhou o Oscar de Melhor Atriz) e na série “The Crown”. Aqui, ela entrega uma performance cheia de vulnerabilidade e preciso teor cômico – extraído do distanciamento que Leda impôs entre si e o mundo diante de sua tragédia pessoal.

Gyllenhaal alterna com maestria entre drama e comédia ao mesmo tempo em que cozinha uma atmosfera de thriller em banho-maria, com um segredo que Leda esconde de Nina ameaçando destruir o frágil castelo de cartas de sua estadia na Grécia. Em “A Filha Perdida”, ela exibe ampla maturidade – especialmente para uma diretora estreante – e entrega um drama complexo e adulto que Hollywood não acredita mais ser material para salas de cinema. Quem ganha são os usuários de streaming.

‘Spiderhead’: logaritmo da Netflix a todo vapor com filme esquecível

“Spiderhead” é o novo filme da Netflix e, do ponto de vista de marketing, possui elementos ótimos para a equipe de “Promos” do streaming vender aos seus assinantes: dois nomes em alta graças ao sucesso de “Top Gun: Maverick”, o ator Miles Teller e o diretor Joseph...

Olhar de Cinema 2022: ‘Garotos Ingleses’, de Marcus Curvelo

É preciso coragem para utilizar o humor para tratar de temas violentos. Primeiro porque a comédia em si é um gênero geralmente visto (de forma equivocada) com um pé atrás, fazendo-se necessário um uso exemplar de suas possibilidades. Segundo, porque a tentativa de...

‘Arremessando Alto’: carta de amor de Adam Sandler ao basquete

A parceria Adam Sandler/Netflix permanece intacta. Desde que o ator e comediante assinou contrato com a plataforma, a produtora Happy Madison concebeu uma considerável safra de comédias com boa audiência no streaming. “Arremessando Alto” é a aposta da vez.  No papel...

‘RRR’: épico indiano dá aulas em extravagância fílmica

Já virou certo clichê entre a parcela ocidental da crítica cinematográfica a comparação entre “RRR” e os blockbusters hollywoodianos. Hollywood, dizem os críticos, deveria voltar sua atenção às terras ao leste do globo, porque “RRR” os deixa no chinelo em termos de...

‘Aline – A Voz do Amor’: tudo o que ‘Bohemian Rhapsody’ não é

“Um ficção livremente inspirada na vida de Céline Dion”. A história da cantora imortalizada por ser a intérprete de "My Heart Will Go On", a canção-tema de "Titanic", chega aos cinemas pelas mãos e na figura de Valérie Lemecier, também canadense como a sua retratada....

‘Amigo Secreto’: a força do jornalismo investigativo contra os abusos da Lava-Jato

Uma frase convencional é de que toda arte é política. Embora seja um clichê para produtores culturais progressistas, é preciso concordar quando a mente por trás do projeto é Maria Augusta Ramos. Responsável por produções como “O Processo” e “Juízo”, a cineasta expõe...

‘Lightyear’: luta em vão da Pixar contra fantasma de si mesma

Aqui vai uma história trágica: o estúdio que, outrora lar para verdadeiros artesãos que laboravam arduamente em suas narrativas, completamente alheios às pressões do mundo exterior, hoje se desvanece pouco a pouco, aparentemente corrompido pela influência de sua...

‘Ilusões Perdidas’: tratado sobre o deslumbre do homem

Em uma sociedade em que há divisão de classes entre burguesia e proletários, pobres e ricos, desigualdades sociais, intelectuais, culturais e patrimoniais, nunca haverá de fato um território democrático. O histórico da sociedade nos diz muito sobre ela mesma: é um...

Olhar de Cinema 2022: ‘Uma noite sem saber nada’, de Payal Kapadia

Logo antes das sessões no Olhar de Cinema, um vídeo dos realizadores que não puderam estar presentes ao festival era exibido falando um pouco sobre cada filme que viria a seguir. Em sua apresentação, a diretora Payal Kapadia pedia que o público tivesse paciência com...

‘Assassino Sem Rastro’: policial B da melhor qualidade

Nada consegue definir Assassino sem Rastro de forma tão definitiva, senão o momento onde Liam Neeson - cujo personagem sofre com sintomas do mal de Alzheimer - , escreve com caneta algumas informações no próprio antebraço. O ato, involuntário ou não,  reflete a...