É um consenso que brasileiros são apaixonados por produções do gênero “true crime”. Para quem cresceu assistindo “Linha Direta” – aliás, já está na hora do programa ter seu espaço no Globoplay -, é instigante acompanhar a propagação deste nas plataformas de streaming, seja em séries como “Caso Evandro” e “Elize Matsunaga: Era uma vez um Crime” ou nos podcasts “Fábrica de Crimes” e “Modus Operandi”. Logo, a proposta de um filme que apresentasse o caso Suzane von Richthofen chegou ao público com entusiasmo.

Dirigidos por Maurício Eça, “A Menina que Matou os Pais” e “O Menino que Matou os Meus Pais” acompanha o envolvimento de Suzane von Richtofen (Carla Diaz) e Daniel Cravinhos (Leonardo Bittencourt) até o momento em que os dois, junto ao irmão de Daniel, Cristian (Allan Souza Lima), matam os pais da moça. O roteiro assinado por Ilana Casoy e Raphael Montes se baseia no depoimento dado pelos réus em seu julgamento em 2006 e é a partir desse alicerce que as produções encontram seus principais problemas estruturais.

A escolha narrativa

“A Menina que Matou os Pais” e “O Menino que Matou os Meus Pais” falha em se ater apenas à narrativa contada nos julgamentos, especialmente por esse ser um caso baseado na manipulação de fatos dos depoentes. Não há outra visão que não seja do casal e da dinâmica do relacionamento deles.

Compreendo que para os roteiristas, talvez, o aspecto mais interessante desse caso esteja no envolvimento de jovens tão discrepantes socialmente, contudo, quando isso é visto no audiovisual, perde força e apreço enquanto retrato histórico, estudos de personagens e reflexões.

Torna-se mais enfraquecido ainda dado a escolha de ter dois filmes apresentando os pontos de vistas de ambos, já que não há contra-argumentações em nenhum deles. Os roteiros se equilibram com o famoso “a palavra de um contra o outro”, quando, na verdade, o depoimento de Andreas von Richthofen, irmão da ré, foi fundamental para desmascarar as más intenções de ambos.

Assim, a trama se sabota alcançando um resultado menos crível e interessante do que as produções já citadas.

O gosto agridoce tupiniquim

A contraposição das duas narrativas deixa um gosto insatisfatório. A forma como o roteiro é arquitetado preocupando-se com a relação tóxica dos namorados em detrimento de aprofundar-se em outros elementos da vida deles – por exemplo, Daniel foi campeão sul-americano de aeromodelismo, Suzane foi faixa marrom em caratê -, assemelha-se muito a melodramas cujo foco único é o romance e as outras histórias paralelas ficam em suspensão. Tais escolhas não fazem jus à fama e produções de seus roteiristas, conhecidos por seu trabalho enquanto escritores e pesquisadores criminais.

Para completar há a defasagem da obra: estamos diante de um filme que não explora nada de novo sobre o crime, pelo contrário, se preocupa em apresentar relatos que foram descartados pelos próprios investigadores.

A sensação é de ter assistido produções que poderiam entregar bem mais, mas optam por ficar no lugar comum e se apoiar na fama que o caso lhe traz. “A Menina que Matou os Pais” e “O Menino que Matou os Meus Pais” falham em todas as suas melhores intenções.

As luzes de Bittencourt e Diaz

Quanto aos quesitos técnicos, a fotografia de Jacob Solitrenick (“Durval Discos”, “É Proibido Fumar”) se diferencia por trazer alguns ângulos e takes diferenciados como nas cenas em que o casal está na praia ou sob efeito de entorpecentes. Outro fator interessante é o uso de cores.

A personagem de Carla Diaz está sempre envolta de uma cor avermelhada e tonalidades mais vivas, mesmo na versão em que se passa por inocente. Já os irmãos Cravinhos são retratados por duas tonalidades que mudam de acordo com a perspectiva de quem narra a história. Enquanto Daniel é o narrador, tons amarelados estão sempre presentes nos ambientes mais fechados, já quando Suzane assume o piloto, o namorado é envolto de uma áurea azul que parece guerrear com o vermelho que acompanha. Essas três combinações exortam o envolvimento deles em cada fase narrativa, sendo a protagonista constantemente lembrada ao espectador sobre o seu papel no crime, mesmo que apenas imageticamente.

Por falar na dupla, Leonardo Bittencourt é o grande nome do elenco. Sua atuação parece natural: ele cresce tanto quanto o garoto que ama a namorada e quer ajudá-la a sair dos abusos, quanto como o garoto que a manipula para assassinar os pais. Como a ele cabe as cenas mais pesadas, consegue transparecer com êxito tanto a vilania quanto a responsabilidade afetiva. Já Carla Diaz soa estranha como a mentora da morte dos pais. Ela parece não se encontrar na personagem e está levemente destoante. Apesar disso, a química entre os dois é inegável.

“A Menina que Matou os Pais” e “O Menino que Matou os Meus Pais” são filmes presos às próprias ideias. Tendo condições para ser um marco na produção “true crime” nacional, desperdiçam suas narrativas pela obviedade, resultando em uma trama genérica sobre dois adolescentes que querem viver uma história de amor morna e sem graça. Algo bem distante do crime que abalou o país e até hoje rende pauta para discussão. Nem mesmo o fato de haver duas versões torna o processo mais interessante, pelo contrário, salienta as falhas presentes no roteiro de forma geral.

CRÍTICA | ‘Club Zero’: tudo dá errado em péssimo filme

Dirigido por Jessica Hausner, "Club Zero" se passa em uma escola de elite que recebe uma nova professora de nutrição. Ela ensina a um pequeno grupo de adolescentes um novo método de alimentação que promete melhorar não só o desempenho nos estudos e nos esportes dos...

CRÍTICA | ‘Back to Black’: desserviço à imagem de Amy Winehouse

Já na época em que foi anunciada a morte da cantora britânica Amy Winehouse (1983-2011), se falava em um filme sobre ela, tamanho o frenesi midiático que essa artista despertou no mundo neste começo do século XXI. Agora o filme finalmente chegou às telas e... bem, Amy...

CRÍTICA | ‘Fúria Primitiva’: um inevitável sub-John Wick

Independente se você gosta ou não da John Wick, hoje qualquer filme de ação contemporâneo que se preze tem como principal parâmetro a saga estrelada por Keanu Reeves. Mais da metade dos trabalhos lançados nos últimos anos no gênero como um todo seguem a cartilha da...

Crítica | ‘Foram Os Sussurros que Me Mataram’: Tuoto mistura novela das 20h com Lynch em filme inusitado

"Os erros ou excessos na administração do mundo das imagens produzem consequências políticas imediatas". Esse é o tipo de tagarelice canastrona pretensiosa que talvez encontrássemos numa review de Arthur Tuoto – e que não surpreende, portanto, que dê as caras neste...

Crítica | ‘Planeta dos Macacos – O Reinado’: filme mantém marca pessimista da série

De certa forma, a franquia Planeta dos Macacos é perfeita para os nossos tempos: vivemos em um mundo com guerras, desastres climáticos e pandemias. Diante disso, imaginar que a raça humana seja extinta ou que perca o domínio sobre a Terra não parece assim tão distante...

Crítica | ‘Vermelho Monet’ – entre o fazer artístico e o desejo

Há uma plasticidade visual que conduz todo o trabalho de Halder Gomes (“Cine Holliúdy”) em “Vermelho Monet”. O filme protagonizado por Chico Diaz, Maria Fernanda Cândido e Samantha Müller nos conduz pelo submundo do mercado de artes plásticas apresentando um visual...

Crítica | ‘Transe’: o velho espetáculo da juventude progressista classe A

Pode ser tentador para o público, diante da repercussão memética negativa que o trailer de “Transe” recebeu, ir ao cinema com o intuito de chutar cachorro morto. Os que compram seus ingressos planejando tiradas mordazes para o final da sessão irão se decepcionar. Não...

Crítica | ‘Imaculada’: Sydney Sweeny sobra em terror indeciso

Na história do cinema, terror e religião sempre caminharam de mãos dadas por mais que isso pareça contraditório. O fato de termos a batalha do bem e do mal interligada pelo maior medo humano - a morte - permitiu que a religião com seus dogmas e valores fosse...

Crítica | ‘Abigail’: montanha-russa vampírica divertida e esquecível

Desde que chamaram a atenção com o divertido Casamento Sangrento em 2019, a dupla de diretores Matt Bettinelli-Olpin e Tyler Gillett vem sedimentando uma carreira cinematográfica que mescla o terror sangrento do slasher movie com a sátira social cômica para...

Crítica | ‘O Dublê’ – cinema de piscadela funciona desta vez

David Leitch: sintoma do irritante filão contemporâneo do cinema de piscadela, espertinho, de piadinhas meta e afins. A novidade no seu caso são as doses nada homeopáticas de humor adolescente masculino. Dê uma olhada em sua filmografia e você entenderá do que falo:...