Duas coisas se destacam na minissérie “Elize Matsunaga: Era Uma Vez Um Crime”: o domínio patriarcal no Brasil e o estudo de personagem feito pela diretora Eliza Capai. A documentarista é responsável por produções que buscam investigar personagens femininas sem esquecer como as movimentações político-sociais as atingem e mobilizam. Foi o caso de “Tão Longe é Aqui” e “Espero Tua (Re)volta”, por exemplo.

Em sua primeira produção exclusiva para Netflix, essas características tão presentes em seu cinema levantam questionamentos e desmascaram o lado mais misógino do Brasil.

Somos convidados a conhecer Elize Matsunaga por meio da visão das pessoas que conviviam com ela e o marido (Marcos Matsunaga), daqueles que acompanharam o caso e por sua própria visão. Essa é a primeira e única entrevista concedida por ela, em cárcere desde 2012. Capai sabe aproveitar isso ao utilizar suas palavras como fio condutor narrativo, dessa forma humanizamos a mulher que matou e esquartejou o companheiro.

DE MENINA POBRE A “VIDA DE PRINCESA”

O roteiro assinado por Diana Golts utiliza a entrevista para oferecer novas camadas à personagem central. Longe de sensacionalismo e de artifícios imagéticos usados para limpar a imagem de certos entrevistados – como a coloração clara da roupa, blusas fechadas -; o perfil da protagonista é traçado desde o abuso sofrido em Chopinzinho (PR) até o desencanto da vida ao lado do herdeiro da Yoki.

“Elize Matsunaga: Era Uma Vez Um Crime” resgata elementos socioculturais que indicam o tempestuoso relacionamento entre o casal: a falta de confiança, o apreço de Marcos por garotas de programa e a vida excêntrica com direito a caçadas com animais empalhados, arsenal particular, dupla adega no apartamento e uma cobra de estimação.

Em vários momentos, porém, me deparei com o desejo de saber interpretar a linguagem corporal com precisão. Ainda que conheçamos outras nuances de sua história, o posicionamento corpóreo de Elize não induz a qualquer tipo de empatia. Sua voz calma e constante não traz o público para si como em algumas produções “true crimes”; pelo contrário, nos rememora o que ela foi capaz de fazer. No entanto, sua fala revela um perigo ainda maior no Brasil: o domínio patriarcal nas esferas judiciais.

SOB O JULGO PATRIARCAL

Em dado momento, alguém procura subverter a situação do Caso Matsunaga: e se fosse uma mulher rica a vítima e seu parceiro a tivesse assassinado, haveria tal repercussão? Essa indagação diz muito sobre a forma como o processo foi conduzido. Capai e Golts não omitem ou escondem a forma como o discurso misógino tomou corpo na situação tanto midiaticamente quanto no setor jurídico.

Costurando o depoimento de Elize com o de jornalistas, advogados de ambos os lados, especialistas, familiares, amigos e até líderes espirituais, fica nítido que a narrativa popularizada do caso foi feita sob o olhar masculino.

Desde a colocação dos amigos de Marcos de a responsabilizarem por ele se distanciar do convívio deles, passando pela descoberta midiática de seu passado na prostituição até a tese da acusação de que ela não teria forças para esquartejar um corpo sozinha; todos os olhares lhe são medidos de forma patriarcal e extremamente incômodos. A sensação que passa é de desconforto ao ver tantos clichês e preconceitos de gêneros serem postos como argumentos acusatórios e posicionamentos socialmente aceitos e comuns.

Ao longo dos quatro episódios, a minissérie se preocupa em compreender as motivações e intencionalidades do caso, tanto para Elize quanto para o sistema que a condenou. Conduzido elegantemente e sanando curiosidades, “Elize Matsunaga: Era Uma Vez Um Crime” finda levando a reflexões jurídico-sociais e do peso que é ser mulher no Brasil, independentemente de ser culpada ou não.

‘Better Call Saul’ 6×06: Axe and Grind

O episódio desta semana de Better Call Saul começa com um flashback, nos mostrando um incidente com Kim na sua infância. Ela é pega roubando numa loja, sua mãe aparece – uma atriz que impressiona pela semelhança com Rhea Seehorn, mais um acerto da escalação de elenco...

‘Better Call Saul’ 6×05: Black and Blue

Dois aspectos de Better Call Saul ficaram claros ao longo da série são: os produtores e roteiristas não têm pressa em construir as situações; e nada acontece de acordo com o esperado. Em relação ao primeiro aspecto, sempre se percebeu o ritmo deliberado da série –...

‘Better Call Saul’ 6×04: Hit and Run

Rhea Seehorn é a revelação de Better Call Saul, uma atriz que se mostrou forte e dona da sua personagem desde sua primeira cena na série, e graças a ela e aos roteiristas e diretores do seriado, a Kim se tornou uma das figuras mais marcantes do universo criado por...

‘Better Call Saul’ 6×03: Rock and Hard Place

AVISO DE SPOILERS: Recomenda-se ler só após assistir ao episódio. Uma das grandes diversões para se acompanhar durante toda a série Better Call Saul era ver personagens inteligentes armando golpes criativos – e engraçados – para enganar alguém. A expectativa para nós,...

‘Ruptura’: o nosso purgatório corporativo de cada dia

“Ruptura” chega até nós causando um bafafá que a compara a “Black Mirror” e “The Office”, mas essas não são as únicas referências que permeiam o trabalho. A temporada, dirigida por Ben Stiller e Aoife McArdle, passa boa parte da primeira metade à procura de um tom...

‘Better Call Saul’ – Episódios 6×01 e 6×02: caminhos sempre inesperados

Aqui estamos, caro leitor: é o retorno da cobertura semanal da sexta e última temporada de Better Call Saul. Faz dois anos desde a quinta temporada, uma longa espera. Nesse meio tempo, a pandemia atrasou as gravações e o lançamento desta última fornada de episódios, e...

‘Anatomia de um Escândalo’: a novela britânica da Netflix

Quando criou Big Little Lies para a TV, David E. Kelley escreveu sobre a vida de três mulheres distintas que viviam em Monterrey, Califórnia. Entre traições, violência doméstica e disputas de ego, ficou claro que contar a crise dentro da classe alta norte-americana...

‘Only Murders In the Building’: a imaginação e sua capacidade de unir gerações

Steve Martin e Martin Short são duas lendas do teatro, televisão e cinema de Hollywood. Mestres da comédia, durante anos emendaram sucesso atrás de sucesso nestas diversas áreas sempre muito celebrados com crítica, público, prêmios e dinheiro. Mas, no showbusiness...

‘Pam & Tommy’: acerto em uma onda de revisionismo

Era apenas questão de tempo que Hollywood resolvesse contar a história de um de seus maiores ícones recentes, símbolo da década de 1990 e vítima do primeiro viral de uma internet que ainda era novidade até mesmo para quem poderia pagar para tê-la com facilidade...

‘Pacificador’: James Gunn mostra a chave do sucesso para a DC

Às vezes, a sensação que Pacificador desperta é de ver alguém brincando com bonecos – ou melhor, action figures, como eles são conhecidos hoje. Esse alguém é o criador, produtor-executivo e diretor de quase todos os episódios, James Gunn. E ele brinca enquanto ouve...