Duas coisas se destacam na minissérie “Elize Matsunaga: Era Uma Vez Um Crime”: o domínio patriarcal no Brasil e o estudo de personagem feito pela diretora Eliza Capai. A documentarista é responsável por produções que buscam investigar personagens femininas sem esquecer como as movimentações político-sociais as atingem e mobilizam. Foi o caso de “Tão Longe é Aqui” e “Espero Tua (Re)volta”, por exemplo.

Em sua primeira produção exclusiva para Netflix, essas características tão presentes em seu cinema levantam questionamentos e desmascaram o lado mais misógino do Brasil.

Somos convidados a conhecer Elize Matsunaga por meio da visão das pessoas que conviviam com ela e o marido (Marcos Matsunaga), daqueles que acompanharam o caso e por sua própria visão. Essa é a primeira e única entrevista concedida por ela, em cárcere desde 2012. Capai sabe aproveitar isso ao utilizar suas palavras como fio condutor narrativo, dessa forma humanizamos a mulher que matou e esquartejou o companheiro.

DE MENINA POBRE A “VIDA DE PRINCESA”

O roteiro assinado por Diana Golts utiliza a entrevista para oferecer novas camadas à personagem central. Longe de sensacionalismo e de artifícios imagéticos usados para limpar a imagem de certos entrevistados – como a coloração clara da roupa, blusas fechadas -; o perfil da protagonista é traçado desde o abuso sofrido em Chopinzinho (PR) até o desencanto da vida ao lado do herdeiro da Yoki.

“Elize Matsunaga: Era Uma Vez Um Crime” resgata elementos socioculturais que indicam o tempestuoso relacionamento entre o casal: a falta de confiança, o apreço de Marcos por garotas de programa e a vida excêntrica com direito a caçadas com animais empalhados, arsenal particular, dupla adega no apartamento e uma cobra de estimação.

Em vários momentos, porém, me deparei com o desejo de saber interpretar a linguagem corporal com precisão. Ainda que conheçamos outras nuances de sua história, o posicionamento corpóreo de Elize não induz a qualquer tipo de empatia. Sua voz calma e constante não traz o público para si como em algumas produções “true crimes”; pelo contrário, nos rememora o que ela foi capaz de fazer. No entanto, sua fala revela um perigo ainda maior no Brasil: o domínio patriarcal nas esferas judiciais.

SOB O JULGO PATRIARCAL

Em dado momento, alguém procura subverter a situação do Caso Matsunaga: e se fosse uma mulher rica a vítima e seu parceiro a tivesse assassinado, haveria tal repercussão? Essa indagação diz muito sobre a forma como o processo foi conduzido. Capai e Golts não omitem ou escondem a forma como o discurso misógino tomou corpo na situação tanto midiaticamente quanto no setor jurídico.

Costurando o depoimento de Elize com o de jornalistas, advogados de ambos os lados, especialistas, familiares, amigos e até líderes espirituais, fica nítido que a narrativa popularizada do caso foi feita sob o olhar masculino.

Desde a colocação dos amigos de Marcos de a responsabilizarem por ele se distanciar do convívio deles, passando pela descoberta midiática de seu passado na prostituição até a tese da acusação de que ela não teria forças para esquartejar um corpo sozinha; todos os olhares lhe são medidos de forma patriarcal e extremamente incômodos. A sensação que passa é de desconforto ao ver tantos clichês e preconceitos de gêneros serem postos como argumentos acusatórios e posicionamentos socialmente aceitos e comuns.

Ao longo dos quatro episódios, a minissérie se preocupa em compreender as motivações e intencionalidades do caso, tanto para Elize quanto para o sistema que a condenou. Conduzido elegantemente e sanando curiosidades, “Elize Matsunaga: Era Uma Vez Um Crime” finda levando a reflexões jurídico-sociais e do peso que é ser mulher no Brasil, independentemente de ser culpada ou não.

‘Loki’: boa, porém desperdiçada, introdução ao multiverso Marvel

Após a excêntrica e divertida "Wandavision", a política e reflexiva "Falcão e o Soldado Invernal", a nova série da Marvel focada no Deus da Trapaça é uma ótima introdução para o que está por vir no Universo Cinematográfico Marvel (MCU). Entretanto, por conta do...

‘Dom’: história de amor paterno no meio do caos das drogas

Dom (2021), nova aposta da Amazon Prime, é uma série que desperta as mais diversas emoções. Livremente inspirado no romance homônimo escrito pelo titã Tony Belotto e também em O Beijo da Bruxa (2010), de Luiz Victor Lomba (pai do Pedro), a produção narra a história...

‘Solos’: minissérie joga fora todos seus promissores potenciais

A minissérie do Prime Video "Solos" busca se distanciar de comparações ao streaming concorrente. Para tanto, traz elementos de ficção científica e a relação da tecnologia com (e eventualmente versus) a humanidade em um futuro distópico. Nesse sentido, há uma...

‘Manhãs de Setembro’: Lineker encanta em busca pela independência

“Manhãs de Setembro” é uma série recém-lançada pelo Prime Vídeo e traz a cantora Liniker no papel da protagonista Cassandra, uma mulher trans que divide seu tempo como motogirl de um aplicativo de entrega e seu trabalho como cantora. Somos apresentados à personagem em...

‘Mare of Easttown’: Kate Winslet domina brilhante estudo de personagem

Mare Sheehan não encara um bom momento em sua vida. Ela é uma policial na faixa dos 40 anos na cidadezinha de Easttown, no estado americano da Pensilvânia, um daqueles locais onde todo mundo conhece todo mundo. Há cerca de um ano uma jovem desapareceu por lá, e Mare e...

‘O Caso Evandro’: uma narrativa macabra repleta de reviravoltas

São poucas histórias factuais com tantas reviravoltas a ponto de serem mais interessantes e impressionantes do que as narrativas de ficção. A série documental “Caso Evandro”, disponível na Globoplay, entretanto, apresenta um conto revelador sobre um Brasil repleto de...

‘The Underground Railroad’: comovente luta pela liberdade e contra o racismo

É muito difícil encontrar uma adaptação audiovisual de um livro que consiga superar a obra original. “The Underground Railroad”, entretanto, não apenas alcança este feito como também atribui novas perspectivas ao romance homônimo escrito pelo premiado Colson...

‘O Legado de Júpiter’: Netflix perde o bonde para ‘The Boys’

Levando em conta todo o conteúdo de super-heróis disponível hoje no terreno das séries de TV e streaming – e é bastante – ainda há muito espaço para o heroísmo, digamos, tradicional: embora brinquem com formatos e gêneros e adicionem algumas complexidades aqui e ali,...

‘Them’: ecos de ‘Poltergeist’ em incômoda série sobre racismo

No começo da década de 1980, Steven Spielberg e Tobe Hooper lançaram Poltergeist: O Fenômeno (1982), que acabaria se tornando um pequeno clássico do terror ao mostrar uma típica família norte-americana de um subúrbio californiano aparentemente perfeito enfrentando...

‘Falcão e o Soldado Invernal’: legado do Capitão América vira dilema da própria Marvel

ATENÇÃO: O texto a seguir possui SPOILERS de “Vingadores: Ultimato”. Histórias de super-heróis de quadrinhos são, por definição, otimistas. Por terem sido orginalmente criadas como fantasias infanto-juvenis, o otimismo faz parte de seu DNA: há um herói, há um vilão, o...