Não está fácil a vida de Rodrigo: músico sem grande sucesso, ele não aceita a separação da esposa ocorrida há dois anos (sim, 2 anos!) muito menos o novo relacionamento dela, além de sofrer com a distância do filho e de ver o trio morar na casa que precisou deixar. E para quem já está na pior, por que não se afundar ainda mais? É justamente isso que somos testemunhas durante “A Taça Quebrada”, instigante filme de estreia do chileno Esteban Cabezas.

No caso do patético protagonista, afundar-se significa chegar de madrugada na frente da residência, esperar o “rival” sair para trabalhar de manhã e usar como desculpa levar o filho para a escola para se instalar na casa. Sim, se instalar na casa, afinal, Rodrigo passa o dia lá ao ponto de tomar banho, usa a camisa do namorado da esposa e até dorme na cama do casal após tentar sem êxito se masturbar.

PRISÃO DOMICILIAR

O roteiro de Joaquín Sebastián Fernández Lieste está permeado de situações desconfortáveis e Esteban Cabezas demonstra habilidade suficiente para aproveitar isso imageticamente. Durante grande parte das cenas de “A Taça Quebrada” ambientadas dentro da casa, o diretor de fotografia Cristián Petit-Laurent opta por planos fixos, levando o público a ficar preso àquele enquadramento enquanto outras ações e reações acontecem ao redor naquele mesmo momento.

Se tal decisão se mostra simbólica da imobilidade daquele cenário para lá de angustiante gerado pelo protagonista com auge na constrangedora discussão de Rodrigo com o casal, as alterações na proporção de aspecto da imagem, à la “Mommy”, de Xavier Dolan, para mostrar o aprisionamento daqueles personagens soa mais como uma experimentação gratuita de um diretor estreante sem qualquer acréscimo para a história que conta.

Curioso como “A Taça Quebrada” não chega a minimizar os atos de Rodrigo ao deixar claro seu estado patético na cena deliciosa da conversa dele com um amigo, nosso representante do lado de lá, além de mostrar claramente como suas ações provocam danos a todos a seu redor Méritos de Juan Pablo Miranda com uma atuação excelente. Por outro lado, é inevitável pensar como seria a história vista sob o prisma feminino com uma diretora, roteirista e protagonista mulheres, afinal, a esposa vivida por María Jesús González (também ótima) acaba por ser a vítima maior daquele contexto terrível.

De qualquer modo, esta mistura de “Funny Games” com “Parasita” pode até passar longe do brilhantismo destes dois filmes, mas, consegue ser envolvente como ambos a partir de uma história claustrofóbica e com um protagonista incapaz de seguir em frente.

‘Viagem ao Topo da Terra’: animação correta impressiona pelo visual e singeleza

Por que seres humanos perigosamente arriscam a vida escalando grandes montanhas? E vale a pena fazer isso, se ninguém vai registrar ou lembrar? Estas perguntas estão no cerne de Viagem ao Topo da Terra, animação francesa disponível na Netflix dirigida por Patrick...

‘Casa Gucci’: um filme de Lady Gaga e só

Se a palavra Gucci ao ser dita soa como algo doce, mas, carrega uma maldição simultaneamente como diz Patrizia Reggiani, dois momentos podem ser considerados simbólicos desta definição: o primeiro está na transformação do olhar de Patrizia ao ouvir o sobrenome vindo...

‘Encanto’: agradável ainda que nada marcante animação Disney

Apropriada para o público infantil e com fácil apelo emocional, a temática sobre família constantemente é explorada nas animações da Disney e ‘Encanto’ não foge disso. Dirigido pelo trio Jared Bush (‘Moana’), Byron Howard (‘Zootopia’) e Charise Castro Smith, o filme...

‘Ataque dos Cães’: a masculinidade tóxica dissecada e descontruída

“Ataque dos cães” trata sobre masculinidade e poder em uma obra que flutua pela sensibilidade dos detalhes. Benedict Cumberbatch (“Doutor Estranho”) interpreta Phil Burbank, um típico vaqueiro dos filmes de faroeste, tratando sua frieza e brutalidade como prêmios. Ele...

‘King Richard: Criando Campeãs’: a filosofia de Will Smith com todos seus vícios e virtudes

Há alguns anos, o astro Will Smith explicou o motivo de ter recusado o papel de protagonista no sucesso Django Livre (2012), de Quentin Tarantino. A estrela afirmou que “o único jeito de fazê-lo seria se fosse uma história de amor, não de vingança”. Bem,...

‘Earwig’: fábula dark de incapaz de envolver o público

A vida de uma menina peculiar, um homem atormentado e uma garçonete em apuros se entrelaçam em "Earwig", novo filme da francesa Lucile Hadžihalilović (“Inocência”, “Évolution”). O longa, que teve estreia em Toronto e premiada passagem em San Sebastián, foi exibido no...

‘Ferida’: Halle Berry tenta, mas, não sai de fórmulas batidas

Ferida, estrelado e dirigido pela atriz Halle Berry – marcando sua estreia como diretora – é um filme igual à sua protagonista: sincero, mas errático; intenso, mas também disperso. A produção da Netflix busca contar um drama humano dentro do universo do MMA e, com...

‘Deserto Particular’: a solidão como companheira

A solidão que a gente carrega e que nos carrega também. “Deserto Particular” é um filme sobre espaços e tempo. Logo na abertura, Daniel (Antônio Saboia) corre de noite em meio a uma rua vazia, enquanto ouvimos uma narração do protagonista direcionada a alguém que ele...

‘Tick, Tick… Boom!’: Lin-Manuel Miranda dribla resistências ao musical em grande filme

Seja no cinema ou no teatro, não conhecer ‘Rent – Os Boêmios’ e muito menos ter se emocionado ao som de ‘Seasons of Love’ é algo extremamente difícil para quem gosta de musicais. A partir dessa prerrogativa, ‘Tick Tick... Boom!’ trata-se de uma grande homenagem a esse...

‘Um Herói’: o melhor filme de Asghar Farhadi desde ‘O Passado’

Um conto-da-carochinha com desdobramentos épicos é a força-motriz de "Um Herói", novo drama de Asghar Farhadi. O longa foi exibido no Festival de Londres deste ano após estreia em Cannes, onde levou o Grand Prix - o segundo prêmio mais prestigiado do evento. Escolhido...