Adaptar o mundo dos jogos para as telonas é quase uma receita fadada ao fracasso. Inúmeros são os exemplos: “Super Mario Bros”, “Street Fighter“, “Tomb Raider: A Origem” e até o mais recente “Mortal Kombat” não escapou de ser uma péssima adaptação.

Porém, quando a ambientação da realidade dos games surge apenas como plano de fundo para o desenvolvimento de uma narrativa, o conjunto de toda a obra aparenta ter mais chances de dar certo. Foi o que vimos em “Jumanji – Bem Vindo à Selva“, “Detona Ralph“, “Jogador Nº 1” e a mais nova produção da Disney, “Free Guy – Assumindo o Controle”.

Aqui, acompanhamos Guy (Ryan Reynolds), um típico agente bancário, com uma rotina monótona resumida ao trabalho e morador de uma cidade bastante violenta. Tudo muda quando o protagonista percebe que, na verdade, é um personagem não-jogável (NPC) de um game de ação bastante famoso chamado Free City. E, após conhecer a jogadora Molotov Girl (Jodie Comer), os dois embarcam em uma aventura para tentar salvar o mundo virtual de Free City.

DUPLA LEVY E PENN BEM ENTROSADA

O diretor Shawn Levy dosa com equilíbrio a comédia, aventura e ficção científica. Êxito semelhante ao que fez na trilogia “Uma Noite no Museu” e na aclamada série “Stranger Things“. Outro elemento muito importante para a construção do longa foi a adição de Zak Penn no roteiro. Conhecido por trabalhar em diversos filmes de HQs – o primeiro “Os Vingadores”, “X-Men 2” e “X-Men: O Confronto Final”, Penn demonstrou ser um profundo conhecedor de adaptações de quadrinhos e games, pois em “Free Guy” vemos bastante referências ao “universo geek” em vários momentos do filme.

Vale ressaltar que Penn também fez algo parecido quando trabalhou no roteiro do ótimo “Jogador Nº 1”, quando referenciou não apenas jogos, mas também diversas obras do cinema, o que apenas enriqueceu a experiência do filme.

Tanto no longa de Steven Spielberg quanto em “Free Guy”, a adição destes elementos que, por ora, podem ser interpretados apenas como fanservice, não atrapalham em nenhum momento o decorrer da aventura – em certo ponto, até ajudam a manter o ritmo da narrativa.

É impossível não destacar também a ótima ambientação visual produzida pelos efeitos especiais de “Free Guy”. Todos os elementos presentes na cidade fictícia remetem diretamente ao cenário de um jogo virtual, sem aquela poluição visual capaz de agredir o espectador, como vemos em muitos games da atualidade.

REYNOLDS NOVAMENTE ÓTIMO NA COMÉDIA

A escolha de Ryan Reynolds para viver o papel de Guy também não podia ser mais certeira. É possível até estabelecer um paralelo com sua atuação nos dois filmes de “Deadpool”. Em ambas, o astro carrega os filmes nas costas.

Ainda que haja a diferença no teor das piadas (em “Deadpool” a classificação indicativa é para maiores de 18 anos), ambos os personagens conseguem “quebrar a quarta parede” e interagir com o espectador. Mesmo que em “Free City” esta quebra seja um pouco mais indireta, tendo em vista a noção de realidade virtual que Guy adquire com a descoberta do jogo.

Entretanto, o mesmo não podemos dizer de Taika Waititi como o empresário magnata, Antoine, responsável por criar o jogo. O tratamento feito na construção de Waititi abraça o caricato e artificial.

Ainda que o filme trabalhe com a ideia de explorar a distinção do real ou artificial, o personagem do diretor e roteirista de “Jojo Rabbit” acaba ficando no meio destas duas esferas, o que o torna um antagonista sem peso e com motivações fracas.

Noções de realidade esquecidas

Outro ponto que deixa a desejar é como as inquietações sobre o virtual ser ou não “algo real” são deixadas de lado para dar espaço a uma “forçada” jornada de herói genérica. Talvez se a questão da realidade virtual não tivesse sido esquecida, o desfecho de “Free Guy” poderia ter sido melhor finalizado.  Os minutos finais complicam ainda mais a experiência por ir contra a proposta inicial. A interatividade entre os usuários e os personagens do jogo deixa de ser essencial para a resolução da trama.

Apesar dos pontos negativos, “Free Guy – Assumindo o Controle” é um longa que cumpre com o propósito de ser leve e divertido. Ryan Reynolds não surpreende, mas entrega uma boa atuação sem precisar de tanto esforço.

A produção não é revolucionária, mas, quem sabe, pode servir de pontapé para mudar o rumo das futuras adaptações de games.

‘Ferida’: Halle Berry tenta, mas, não sai de fórmulas batidas

Ferida, estrelado e dirigido pela atriz Halle Berry – marcando sua estreia como diretora – é um filme igual à sua protagonista: sincero, mas errático; intenso, mas também disperso. A produção da Netflix busca contar um drama humano dentro do universo do MMA e, com...

‘Deserto Particular’: a solidão como companheira

A solidão que a gente carrega e que nos carrega também. “Deserto Particular” é um filme sobre espaços e tempo. Logo na abertura, Daniel (Antônio Saboia) corre de noite em meio a uma rua vazia, enquanto ouvimos uma narração do protagonista direcionada a alguém que ele...

‘Tick, Tick… Boom!’: Lin-Manuel Miranda dribla resistências ao musical em grande filme

Seja no cinema ou no teatro, não conhecer ‘Rent – Os Boêmios’ e muito menos ter se emocionado ao som de ‘Seasons of Love’ é algo extremamente difícil para quem gosta de musicais. A partir dessa prerrogativa, ‘Tick Tick... Boom!’ trata-se de uma grande homenagem a esse...

‘Um Herói’: o melhor filme de Asghar Farhadi desde ‘O Passado’

Um conto-da-carochinha com desdobramentos épicos é a força-motriz de "Um Herói", novo drama de Asghar Farhadi. O longa foi exibido no Festival de Londres deste ano após estreia em Cannes, onde levou o Grand Prix - o segundo prêmio mais prestigiado do evento. Escolhido...

‘Blue Bayou’: sobre pertencer e se identificar a um lugar

Antonio Leblanc (Justin Chon) mora em Nova Orleans há 30 anos, é casado, tem uma filha adotiva e a esposa está grávida de mais uma menina. Ainda assim, o sul-coreano corre risco de ser deportado mesmo que tenha sido adotado aos 3 anos de idade por um casal...

‘Benedetta’: Verhoeven leva sexo a convento em sátira religiosa

Paul Verhoeven (“Elle”, “Tropas Estelares”), está de volta - e continua em excelente forma. Seu mais novo filme, Benedetta, exibido no Festival de Londres deste ano após sua estreia em Cannes, vê o diretor holandês empregando sua verve cáustica à serviço de uma...

‘The Electrical Life of Louis Wain’: cinebiografia típica de encanto singelo

The Electrical Life of Louis Wain é a história de um sujeito peculiar, contada daquele modo excentricamente britânico de cinema. A produção do Amazon Studios é um filme que surpreende, porque inicialmente pode-se até abordá-lo com um pouco de cansaço. Afinal, vários...

‘Finch’: Tom Hanks emociona em sci-fi à la ‘Naúfrago’

Uma road trip no fim do mundo com um cachorro e dois robôs para conversar – é isso que Tom Hanks dispõe para emocionar o público em ‘Finch’. Sabendo que o ator consegue entregar um bom desempenho mesmo ao lado de objetos inanimados, como ocorreu em ‘Náufrago’, o...

‘The Tragedy of Macbeth’: ambiciosa adaptação que nada inova

Longe de pela primeira vez e certamente não pela última, o cinema recebe mais uma adaptação de "Macbeth"- agora concebida por Joel Coen, metade da oscarizada dupla de irmãos cineastas. O lançamento largamente digital do longa exibido no Festival de Londres deste ano -...

‘Homem-Aranha 3’, um filme coerente ainda que bagunçado

Se hoje em dia a cena mais famosa do primeiro Homem-Aranha é do beijo entre o herói e sua amada Mary-Jane, a cena mais famosa de Homem-Aranha 3 é... a dancinha do Peter Parker malvado e com penteadinho estilo emo, achando que está abafando, em uma referência ao...