Os encontros e separações de um casal através de um período de 20 anos domina a narrativa de “Amor Até as Cinzas”, enquanto uma China em constante modificação se apresenta no subtexto. Apesar de atrativa a relação entre o enredo principal e o cenário econômico do país asiático, o longa acaba durando mais que o necessário para desenvolver sua história.

“Amor Até as Cinzas” conta com a direção de Jia Zhangke, importante cineasta chinês especializado em retratar os rumos de seu país após a abertura econômica dos anos 1980. Este ainda continua sendo o objetivo de Zhangke neste novo trabalho ao construir uma narrativa em torno de expectativas sobre melhorias para os lados pessoais e financeiros dos personagens deste filme.

O longa apresenta três momentos na vida do casal Qiao (Tao Zhao) e Bin (Fan Liao) em um intervalo de quase 20 anos, começando em 2001, depois indo para 2006 e chegando, finalmente, em 2018. A premissa do roteiro é a união entre os dois personagens através de mudanças de contexto e o embate entre suas ambições. Enquanto que Qiao pretende ir para o interior do país, onde o governo está investindo para ocupar e desenvolver, Bin está confortável com a posição de líder de uma gangue na cidade onde moram.

As coisas se modificam quando os dois são presos por porte ilegal de uma arma usada por Qiao durante uma briga de rua que quase tira a vida de Bin. Cinco anos se passam e ela parte em busca dele, que saiu um ano antes e não visitou Qiao. A cada período vivido pelos dois, chama a atenção o ambiente em que cada um está inserido, sempre alterando as expectativas em torno do reencontro.

“Amor Até as Cinzas” é eficiente na sua condução: Jia Zhangke investe bastante em planos longos e em uma montagem fluida que ressalta bem a troca de época sem ter que recorrer a intertítulos. Salta aos olhos cenas onde câmera e atores conseguem traduzir todo o peso emocional necessário em apenas um plano. Isso fica claro na parte em que ambos estão em um quarto de hotel e começam a discutir a relação. Esta cena é executada em um único plano, utilizando o zoom em alguns momentos para recortar um personagem e dar tempo para ele refletir e lidar com o que está acontecendo.

Também destacam-se os atores Tao Zhao e Fan Liao que dão vida a Qiao e Bin, respectivamente. Ambos compõem os personagens em um estilo calmo e monocromático, explicitando a relação quase simbiótica entre os dois. Sendo um filme construído ao redor de um romance, Zhao e Liao conseguem trazer toda uma química para seus papéis, tornando verídico o casal que representam e, portanto, fazendo com que o público se preocupe com os rumos de Qiao e Bin.

DESEQUILÍBRIO ENTRE OS ATOS

Apesar destes pontos, “Amor Até as Cinzas” encontra alguns obstáculos que não consegue ultrapassar, sendo o principal a duração dos atos. Dos três momentos na história do casal, o segundo é o que ocupa mais tempo de tela, estendendo-se além do necessário. São diversas as cenas onde o espectador vê Qiao andando em uma cidade que não conhece sem que aja o mínimo de interesse de se ver isso.

Este segundo ato até alcança um certo desenvolvimento para a personagem através de sua atitude em querer viver agora como parte de uma gangue. No entanto, o capítulo vai de longos minutos de Qiao esperando em um saguão de hotel para dar um golpe em algum desavisado até a aparição de um óvni nos momentos finais. Enfim, são situações que poderiam ser reduzidas para dar mais ênfase nas ações do período seguinte que, além de serem bastante interessantes, é o mais curto, dando a impressão de ser mais corrido para encerrar logo a película.

“Amor Até as Cinzas” poderia ir além do que entrega, caso apresentasse um final mais elaborado e diminuindo seu tempo de duração. Com boas atuações e um ótimo trabalho visual e de direção, Jia Zhangke traz um retrato interessante sobre a China e sua experiência com o “socialismo de mercado”. Expondo as mudanças que esta visão de mundo trouxe para aquele país, o diretor chinês entrega mais uma crônica sobre a China do século XXI.

‘O Sétimo Dia’: policial com terror fica longe de combinar em filme fraco

Uma das belezas do cinema de gênero é perceber como, às vezes, roteiristas e cineastas espertos conseguem criar combinações que, à primeira vista, podem parecer impossíveis de funcionar em conjunto, mas funcionam. Ora, Todo Mundo Quase Morto (2004) é uma...

‘Caros Camaradas’: a desintegração do comunismo soviético

A primeira coisa que você deve saber acerca de “Caros Camaradas” é que estamos diante de um filme forte, necessário e que ainda se apropria de causas hoje presentes estruturados em uma sociedade desigual. Dito isso, vamos ao filme. “Caros Camaradas” narra um momento...

Trilogia ‘Rua do Medo’: diversão rasa, nostálgica e descartável

Séries de TV têm sido um dos pilares fundamentais na consolidação global da Netflix como o maior serviço de streaming do mundo. Boas, ótimas ou ruins, vindas de diversas partes do mundo, não importa: sempre podemos contar com a produção serializada de TV como parte...

‘Viúva Negra’: o pior filme da Marvel em muitos anos

Durante muito tempo, os fãs das produções da Marvel Studios pediam por um filme solo da heroína Viúva Negra. A estrela Scarlett Johansson também queria fazer. Para quem deseja entender um pouco dos meandros de Hollywood e esclarecer porque o filme da Viúva não saiu,...

‘Nem Um Passo em Falso’: Soderbergh perdido no próprio estilo

Steven Soderbergh é um cineasta, no mínimo, curioso. Seu primeiro filme, Sexo, Mentiras e Videotape (1989) mudou os rumos do cinema independente norte-americano quando saiu – e é, de fato, um grande filme. Ao longo dos anos, ele ganhou Oscar de direção por Traffic...

‘Um Lugar Silencioso 2’: ponte com dias atuais mirando futuro da franquia

“Um Lugar Silencioso” foi um dos meus filmes favoritos de 2018. A ambientação, o uso de recursos sonoros e a narrativa capaz de gerar tantas leituras e interpretações foram aspectos determinantes para a catarse causada e suscitar indagações quanto a necessidade de uma...

‘A Guerra do Amanhã’: estupidez eleva à potência máxima

A certa altura de A Guerra do Amanhã, o herói do filme se vê segurando pela mão outra personagem que está prestes a cair num abismo em chamas. Ela cai, ele grita “Nãããoo!” em câmera lenta, e aí eu dei risada e joguei minhas mãos para o ar. Tem certas coisas que não...

‘Four Good Days’: Glenn Close em novelão sobre recomeços

Glenn Close é uma das maiores atrizes de todos os tempos. Um fato indiscutível. Mas também é uma das mais injustiçadas se pensarmos em premiações. E o Oscar é o maior deles. Bem verdade que, ao longo dos anos, a Academia perdeu grande parte de sua relevância, mas...

‘Shiva Baby’: crônica do amadurecimento na era do excesso de informações

“Shiva Baby” é o trabalho de estreia da diretora canadense Emma Seligman e retrata um dia na vida de Danielle (Rachel Sennott), jovem universitária que encontra seu sugar daddy (pessoa mais velha que banca financeiramente alguém, em troca de companhia ou de favores...

‘Em um Bairro de Nova York’: sobre ‘suañitos’ e fazer a diferença

É preciso dizer que Jon M. Chu e Lin-Manuel Miranda são os artistas atuais mais populares no quesito representatividade em Hollywood. Chu é responsável por trazer o primeiro filme norte-americano em 25 anos com um elenco totalmente asiático e asiático-americano –...