Em um poema intitulado “A noite escura da alma”, o espanhol São João da Cruz descreve a jornada da alma, desde todas as dificuldades que enfrenta no mundo carnal até a união com Deus. Essa “noite escura” é a prova de fogo derradeira para o crescimento espiritual, como se costuma ver nas histórias de muitos santos católicos – e é justamente essa a ideia presente no cerne de Noite Escura da Alma, estreia de Breno Castelo na direção: como se quebra um homem tão fiel a Deus?

Depois de ter trabalhado como ator em curtas amazonenses como A Última no Tambor, Et Set Era e O Necromante, Breno se lança como diretor pela primeira vez neste longa, também roteirizado e protagonizado por ele. Noite Escura da Alma acompanha a história de Augusto, um empresário de classe média alta, religioso e pai de família dentro dos moldes tradicionais, que, depois de ter uma visão profética e demoníaca, vê sua vida e a de seus familiares entrar em uma espiral de terror.

Desde o começo do filme, Breno deixa bem claros os paralelos bíblicos que norteiam sua narrativa: Augusto é um católico fiel, que frequenta a missa com a esposa, Beatriz (Ana Oliveira), e até tem projetos para incentivar a participação dos jovens na catequese. A religião é uma constante na vida do personagem, e, se por um lado alguns diálogos reforçam esse aspecto de maneira um tanto expositiva, por outro, a direção de arte de Igor Falcão faz um bom trabalho ao inserir aqui e ali quadros religiosos e crucifixos nos ambientes em que o protagonista convive.

Assim, ao estabelecer o contexto que cerca Augusto, o filme funciona bem ao preparar o terreno para poder investir na derrocada moral e espiritual do personagem. A metáfora religiosa muitas vezes passa bem longe da sutileza – em alguns momentos, Augusto tem visões em que atravessa literalmente um deserto, tal qual os quarenta dias de tentações enfrentados por Jesus Cristo. Ainda assim, porém, a ambientação é um dos pontos altos do longa: Breno entende que não precisa recorrer a jump scares como muleta narrativa, e prefere investir num terror atmosférico e psicológico, brincando com a mente do personagem e do público. Até mesmo as aparições de eventuais criaturas são rápidas o suficiente para que os efeitos utilizados não incomodem tanto em sua concepção visual.

CHOQUES GRATUITOS E TRAMA CONFUSA

É uma pena, portanto, que o longa perca força justamente ao se lançar na espiral de loucura e paranoia em que seu próprio protagonista descende. Se filmes como Coração Satânico (1987), inspiração confessa de Breno, ou até mesmo o recente Hereditário (2018), mesclam bem em seus últimos atos as fronteiras entre o sobrenatural e a loucura de seus personagens, Noite Escura da Alma peca por apresentar um terceiro ato inchado, recheado de situações diferentes que buscam “quebrar” o espírito de Augusto e pura e simplesmente chocar o espectador no caminho.

Qual a razão, por exemplo, de duas cenas longas de estupro além do puro valor de choque, se uma duração menor ainda acarretaria em um impacto na vida do personagem? Ou da longa conversa expositiva com o padre na igreja, ou mesmo o grande monólogo no “embate final”? Nesse ponto, uma melhor montagem poderia contribuir muito para acompanharmos o impacto da trajetória do protagonista: em certo ponto, o caos se instala de maneira em que não sabemos mais o que é real ou não, mas corremos o risco de não nos importar mais pela longa duração e confusão oferecidas pelo último ato.

Ainda assim, “Noite Escura da Alma” apresenta algumas soluções elegantes trazidas pela direção de Breno, como os intervalos em que o vermelho invade a tela ou mesmo os efeitos sonoros de zumbidos, ecos e ruídos que nos colocam na mesma posição incômoda em que o protagonista se encontra. No fim das contas, embora o resultado funcione mais como um portfólio das referências que Breno Castelo carrega consigo, Noite Escura da Alma também é um exemplo digno de nota de um autor disposto a não deixar de lado em momento nenhum a temática da qual procura tratar – tanto para o bem quanto para o mal.

‘Amazonas, O Maior Rio do Mundo’: imagens intrigam e revelam as contradições da Amazônia

Como explicar a experiência de ver, em uma sessão até agora única, um filme de um pioneiro do cinema, dado como perdido há mais de 100 anos, que retrata justamente a região onde você vive – e você até está dentro de um dos cenários da obra?   Sobretudo, como explicar...

‘Prazer, Ana’: o terror de uma noite qualquer

Uma noite qualquer para dezenas de pessoas em uma mesa de bar. Mais uma cerveja, mais uma cadeira, mais alguém chegando, mais vozes ao redor, mais conversa para jogar fora, mais uma marchinha de carnaval na caixa de som. O mais banal dos cenários para a mais comum das...

‘O Desentupidor’: um olhar anárquico sobre a invisibilidade social

Jimmy Christian é um dos mais prolíficos realizadores da cena amazônica. Semelhante aos Gremlins do filme homônimo de Joe Dante da década de 80 que se reproduziam em abundância no primeiro contato com a água, Jimmy produz roteiros e curtas sempre que uma nova ideia...

‘Meus pais, Meus atores preferidos’: o pessoal pode ser coletivo

O curta Meus pais, meus atores preferidos, de Gabriel Bravo de Lima, é o segundo trabalho do diretor - o primeiro foi “No Dia Seguinte Ninguém Morreu”, vencedor do prêmio de Melhor Roteiro no Olhar do Norte 2020. O ponto de partida foi realizar uma série de...

‘Controle’: curta peca ao não amarrar tantos caminhos possíveis

O formato de curta-metragem pode ser revelador. Escancaram-se os pontos fortes dos cineastas – mas também se encontram suas fraquezas. Porque a duração é apertada, o curta exige um tratamento econômico. Cabe a diretores, roteiristas e montadores dar conta do que quer...

‘Ensaio de Despedida’ e as relações sob o microscópio

Em um apartamento, quatro personagens se revezam em uma corda-bamba entre o real e a encenação. Mas, não seria a encenação também real? Afinal, todo mundo tem um mundo de personas em si. No filme realizado pelo Ateliê 23, os talentos de Júlia Kahane, Taciano Soares,...

‘Alexandrina — Um Relâmpago’: releitura imagética da mulher negra e amazônica

Existe um apagamento da história negra na Amazônia, o qual sutilmente a professora de história e pesquisadora Patrícia Sampaio denomina de silenciamento. O trabalho que ela desenvolve em seu núcleo de pesquisa acadêmica na Universidade Federal do Amazonas escoa em...

‘Cem Pilum – A História do Dilúvio’: animação valoriza a importância das lendas

“No tempo antigo era muito violento. Existiam mais animais ferozes do que pessoas, e Deus Criador quis acabar com as cobras, onças e outros animais. Então ordenou o dilúvio”. Essa é a sinopse do mais novo grande filme de Thiago Morais, lenda e notório nome do...

‘Galeria Decolonial’: a construção de um olhar singelo sobre a Amazônia

O poeta e pesquisador paraense Paes Loureiro, ao se debruçar sobre a cultura amazônica, destaca alguns pontos que considera essenciais sobre o que é viver na região, dentre eles: o devaneio, a paisagem mítica e o lúdico presente no despertar imaginativo sobre os...

‘Castanho’ e a quietude do olhar

María é uma forasteira. Nunca há um pertencimento total dela em “Castanho”, curta dirigido por Adanilo, o amazonense que tem feito história no audiovisual brasileiro com importantes participações na frente das câmeras. Atrás delas, ele é igualmente visceral, ainda que...