Galã charmoso dos moldes da Hollywood nos anos 1950, George Clooney construiu gradualmente uma trajetória para além deste rótulo. Depois de aprender com o fracasso de “Batman & Robin”, ele começou a selecionar melhor os projetos em que se meteria – até venceu o Oscar por “Syriana” -, conseguiu formar um grupo de amigos e parceiros de trabalho do primeiro time de Hollywood como Steven Soderbergh, Matt Damon, Julia Roberts, Brad Pitt e se arriscou na direção com obras acima da média como os bons “Confissões de uma Mente Perigosa” e “Tudo Pelo Poder” e o excelente “Boa Noite, Boa Sorte”, pelo qual foi indicado ao prêmio da Academia. Para completar, tornou-se um importante ativista político com gente, inclusive, apostando que ele poderá concorrer à Casa Branca no futuro. 

Clooney, entretanto, demonstra uma estagnação preocupante nos trabalhos mais recentes. Se o último papel digno de nota como ator foi em “Os Descendentes”, em 2011, o astro não acerta um filme na direção desde “Tudo Pelo Poder”, também há nove anos. “Caçadores de Obras-Primas” é uma comédia nada engraçada (ou seria uma aventura sonolenta?), enquanto “Suburbicon” não se encontra nem como suspense, drama muito menos comédia. Agora, em “O Céu da Meia-Noite”, disponível na Netflix, ele se arrisca na ficção científica e, novamente, fica longe de convencer. A produção pode ter todas as melhores intenções temáticas e na diversidade do elenco, porém, cai em todos os clichês possíveis e mostra o diretor desconfortável dentro de uma abordagem da qual não se mostra hábil suficiente para desenvolver. 

“O Céu da Meia-Noite” inicia três semanas após uma catástrofe modificar os rumos e a vida no planeta. Sozinho em uma base localizada no Polo Norte e necessitando de constantes transfusões de sangue, Augustine (Clooney) tem a vida modificada com a chegada de uma garotinha chamada Iris (Caoilinn Springall) enquanto descobrimos o passado dele. Paralelo a isso, conhecemos uma nave espacial com a tripulação voltando à Terra após uma jornada rumo a um satélite de Júpiter capaz de nos abrigar. 

ROTEIRO CHEGA NO LIMITE DO RISÍVEL 

Ficção científica não chega a ser novidade na carreira de George Clooney: como ator, ele protagonizou a versão americana de Steven Soderbergh do clássico “Solaris” (alguém lembra?) e o oscarizado “Gravidade”, de Alfonso Cuáron. Estas duas influências são perceptíveis em “O Céu da Meia-Noite” ao resgatar o tom filosófico e humanista de ritmo mais cadenciado do primeiro filme, enquanto se utiliza do modo de filmagem para capturar a experiência espacial do segundo. 

Baseado no livro “Good MorningMidnight”, de Lily Brooks-Dalton, o roteiro de Mark L. Smith (“O Regresso”) fica sempre na superfície sem capacidade de aprofundar os dilemas existenciais pretendidos pelo filme e destoa do que Clooney pretendia. Se o diretor se esforça na ambientação de uma atmosfera melancólica marcada por muito silêncio e solidão e uma atuação carregada de sofrimento, Smith caminha para um sentimentalismo marcado por clichês e sem a menor sutileza para todos os lados. As conexões entre os personagens ou são forçadas ao extremo (o que é a batalha da ervilha e Augustine perdido na neve?) ou são de uma frieza absoluta (falta química total entre David Oyelowo e Felicity Jones, por exemplo).  

Todo o flashback envolvendo Augustine e o mistério em relação à identidade de Iris são construídos de maneira tão pobre e previsível que chegam ao limite do risível por querer forçar um choro em uma trama incapaz de emocionar. Já atores como Kyle Chandler,  Oyelowo e Demián Bichir são desperdiçados pela incapacidade do roteiro em dar o mínimo de material para que possam desenvolver personagens minimamente aceitáveis – chega a 1h de filme e quase nada ter de interessante em relação a eles. Já Felicity Jones, convence mais pela raridade de ver uma mulher grávida assumindo uma posição de liderança em uma ficção científica e até pelo fato de atuar sem qualquer tipo de maquiagem (algo raro em Hollywood) do que necessariamente pelo que é oferecida a ela. 

Lutando contra este roteiro pobre, George Clooney até se mostra capaz de criar um universo melancólico em que se sente a falta da conexão humana, mas, nada traz de novo à ficção científica. A filosofia pretendida está anos-luz de Andrei Tarkovski, a ambientação na nave parece um arremedo de Ridley Scott em “Alien” e as flutuações da câmera como se estivesse também sem a gravidade do espaço sideral apenas apresentam mais do mesmo já feito por Alfonso Cuáron. Complicado fica mesmo ao querer adotar uma postura mais sentimental, como o roteiro de Smith tenta à la Spielberg dos piores exemplares, mas Clooney não consegue imprimir este estilo. Neste déjà-vu constante, somente Martin Ruhe obtém um destaque maior na direção de arte com a concepção da nave e o interior dela remeter a uma flor e galhos de árvores, simbólicos sobre a mensagem ambiental que “O Céu da Meia-Noite” busca passar. 

Com “O Céu da Meia-Noite”, George Clooney deixa mais um rastro de decepção para um diretor que surgiu tão promissor. Por mais importante que seja o engajamento político/social/ambiental e o olhar atento à necessidade de diversidade em Hollywood, nada adiantará se não conseguir aliar isso a um bom cinema com um roteiro minimamente desenvolvido e uma visão particular do tema para alguém que já demonstrou esta capacidade. Caso contrário, restará apenas o charme, a elegância e os bons contatos habituais, ainda que tudo soe cada vez mais desinteressante. 

‘Dog – A Aventura de uma Vida’: agradável road movie para fazer chorar

Filmes de cachorro costumam trazer consigo a promessa de choradeira e com “Dog – A Aventura de uma Vida” não foi diferente. Ao final da sessão, os críticos na cabine de imprensa em que eu estava permaneceram todos em silêncio; enquanto os créditos subiam e as luzes da...

‘Red Rocket’: a miséria humana dentro do falso american dream

Recomeçar. Um reinício, uma nova oportunidade, uma nova perspectiva, um recomeço. Estamos sempre nesse ciclo vicioso de dar um novo pontapé inicial. Todavia, há um certo cansaço nesta maratona de reiniciar a vida quando (nunca) ocorre de uma maneira planejada e o...

‘Top Gun: Maverick’: o maior espetáculo cinematográfico em um bom tempo

Precisamos de poucos segundos para constatar: a aura dourada de San Diego, banhada por um perpétuo poente, está de volta. “Top Gun: Maverick” se esforça para manter a mesma identidade estabelecida por Tony Scott no original de 1986 – tanto que a sequência de créditos...

‘Tantas Almas’: olhar sensível sobre questões amazônicas

Captar as sensibilidades que rondam a Amazônia e a vivência de seus moradores é um desafio que nem todos os cineastas estão dispostos a experimentar. A região, nesse sentido todo território sul-americano recoberto pelas suas florestas e rios, desperta curiosidade e o...

‘O Homem do Norte’: Eggers investe na ação aliada aos maneirismos

Considerando o que tem em comum entre os planos definidores de suas obras, podemos encontrar a frontalidade como um dos artifícios principais que Robert Eggers usa para extrair a performance de seus atores com êxito.  Ao mesmo passo que esses momentos tornam-se frames...

‘O Peso do Talento’: comédia não faz jus ao talento de Nicolas Cage

Escute esta premissa: Nicolas Cage, ator atribulado de meia-idade, teme que sua estrela esteja se apagando; o telefone já não toca mais, as propostas se tornaram escassas e o outrora astro procura uma última chance de voltar aos holofotes com tudo. Vida real, você...

‘O Soldado que não Existiu’: fake news para vencer a guerra

Em 1995, Colin Firth interpretou o senhor Darcy na série da BBC que adaptou “Orgulho e Preconceito”, de Jane Austen. Dez anos depois, Matthew Macfadyen eternizou o personagem no filme de Joe Wright, tornando-se o crush de muitas jovens e adolescentes. John Madden...

‘@ArthurRambo: Ódio nas Redes’: drama sintetiza a cultura do cancelamento

A cultura do cancelamento permeia a internet às claras. Para o público com acesso  frequente, é impossível nunca ter ouvido falar sobre o termo. Vivemos o auge da exposição virtual e como opera a massificação para que os tais alvos percam - merecidamente - ou não -...

‘Águas Selvagens’: suspense sofrível em quase todos aspectos

Certos filmes envolvem o espectador com tramas bem desenvolvidas, deixando-nos mais e mais ansiosos a cada virada da história; outros, apresentam personagens tão cativantes e genuínos que é impossível que não nos afeiçoemos por eles. Mas existe também uma categoria...

‘Ambulância – Um Dia de Crime’: suco do cinema de ação dos anos 2000

Vou começar com uma analogia, se me permitem. Hoje em dia, o ritmo e consumo de coisas estão rápidas e frenéticas. Com o Tik Tok e plataformas similares, esse consumo está ainda mais dinâmico (e isso não é um elogio) e a demanda atende às exigências do mercado. A...