Galã charmoso dos moldes da Hollywood nos anos 1950, George Clooney construiu gradualmente uma trajetória para além deste rótulo. Depois de aprender com o fracasso de “Batman & Robin”, ele começou a selecionar melhor os projetos em que se meteria – até venceu o Oscar por “Syriana” -, conseguiu formar um grupo de amigos e parceiros de trabalho do primeiro time de Hollywood como Steven Soderbergh, Matt Damon, Julia Roberts, Brad Pitt e se arriscou na direção com obras acima da média como os bons “Confissões de uma Mente Perigosa” e “Tudo Pelo Poder” e o excelente “Boa Noite, Boa Sorte”, pelo qual foi indicado ao prêmio da Academia. Para completar, tornou-se um importante ativista político com gente, inclusive, apostando que ele poderá concorrer à Casa Branca no futuro. 

Clooney, entretanto, demonstra uma estagnação preocupante nos trabalhos mais recentes. Se o último papel digno de nota como ator foi em “Os Descendentes”, em 2011, o astro não acerta um filme na direção desde “Tudo Pelo Poder”, também há nove anos. “Caçadores de Obras-Primas” é uma comédia nada engraçada (ou seria uma aventura sonolenta?), enquanto “Suburbicon” não se encontra nem como suspense, drama muito menos comédia. Agora, em “O Céu da Meia-Noite”, disponível na Netflix, ele se arrisca na ficção científica e, novamente, fica longe de convencer. A produção pode ter todas as melhores intenções temáticas e na diversidade do elenco, porém, cai em todos os clichês possíveis e mostra o diretor desconfortável dentro de uma abordagem da qual não se mostra hábil suficiente para desenvolver. 

“O Céu da Meia-Noite” inicia três semanas após uma catástrofe modificar os rumos e a vida no planeta. Sozinho em uma base localizada no Polo Norte e necessitando de constantes transfusões de sangue, Augustine (Clooney) tem a vida modificada com a chegada de uma garotinha chamada Iris (Caoilinn Springall) enquanto descobrimos o passado dele. Paralelo a isso, conhecemos uma nave espacial com a tripulação voltando à Terra após uma jornada rumo a um satélite de Júpiter capaz de nos abrigar. 

ROTEIRO CHEGA NO LIMITE DO RISÍVEL 

Ficção científica não chega a ser novidade na carreira de George Clooney: como ator, ele protagonizou a versão americana de Steven Soderbergh do clássico “Solaris” (alguém lembra?) e o oscarizado “Gravidade”, de Alfonso Cuáron. Estas duas influências são perceptíveis em “O Céu da Meia-Noite” ao resgatar o tom filosófico e humanista de ritmo mais cadenciado do primeiro filme, enquanto se utiliza do modo de filmagem para capturar a experiência espacial do segundo. 

Baseado no livro “Good MorningMidnight”, de Lily Brooks-Dalton, o roteiro de Mark L. Smith (“O Regresso”) fica sempre na superfície sem capacidade de aprofundar os dilemas existenciais pretendidos pelo filme e destoa do que Clooney pretendia. Se o diretor se esforça na ambientação de uma atmosfera melancólica marcada por muito silêncio e solidão e uma atuação carregada de sofrimento, Smith caminha para um sentimentalismo marcado por clichês e sem a menor sutileza para todos os lados. As conexões entre os personagens ou são forçadas ao extremo (o que é a batalha da ervilha e Augustine perdido na neve?) ou são de uma frieza absoluta (falta química total entre David Oyelowo e Felicity Jones, por exemplo).  

Todo o flashback envolvendo Augustine e o mistério em relação à identidade de Iris são construídos de maneira tão pobre e previsível que chegam ao limite do risível por querer forçar um choro em uma trama incapaz de emocionar. Já atores como Kyle Chandler,  Oyelowo e Demián Bichir são desperdiçados pela incapacidade do roteiro em dar o mínimo de material para que possam desenvolver personagens minimamente aceitáveis – chega a 1h de filme e quase nada ter de interessante em relação a eles. Já Felicity Jones, convence mais pela raridade de ver uma mulher grávida assumindo uma posição de liderança em uma ficção científica e até pelo fato de atuar sem qualquer tipo de maquiagem (algo raro em Hollywood) do que necessariamente pelo que é oferecida a ela. 

Lutando contra este roteiro pobre, George Clooney até se mostra capaz de criar um universo melancólico em que se sente a falta da conexão humana, mas, nada traz de novo à ficção científica. A filosofia pretendida está anos-luz de Andrei Tarkovski, a ambientação na nave parece um arremedo de Ridley Scott em “Alien” e as flutuações da câmera como se estivesse também sem a gravidade do espaço sideral apenas apresentam mais do mesmo já feito por Alfonso Cuáron. Complicado fica mesmo ao querer adotar uma postura mais sentimental, como o roteiro de Smith tenta à la Spielberg dos piores exemplares, mas Clooney não consegue imprimir este estilo. Neste déjà-vu constante, somente Martin Ruhe obtém um destaque maior na direção de arte com a concepção da nave e o interior dela remeter a uma flor e galhos de árvores, simbólicos sobre a mensagem ambiental que “O Céu da Meia-Noite” busca passar. 

Com “O Céu da Meia-Noite”, George Clooney deixa mais um rastro de decepção para um diretor que surgiu tão promissor. Por mais importante que seja o engajamento político/social/ambiental e o olhar atento à necessidade de diversidade em Hollywood, nada adiantará se não conseguir aliar isso a um bom cinema com um roteiro minimamente desenvolvido e uma visão particular do tema para alguém que já demonstrou esta capacidade. Caso contrário, restará apenas o charme, a elegância e os bons contatos habituais, ainda que tudo soe cada vez mais desinteressante. 

‘Os Segredos de Madame Claude’: desperdício de um ícone em filme tão fraco

Tenho um pé atrás com produções que buscam abordar personagens reais com o intuito de vender diversidade e inclusão. Essa sensação é mais aguda diante de projetos que discutem personalidades femininas como “Maria Madalena” (Garth Davis, 2018) e “Joana D’Arc” (Luc...

‘Amor e Monstros’: pouco mais de ousadia faria um grande filme

Os melhores momentos de Amor e Monstros, parceria dos estúdios Paramount Pictures com a Netflix, estão logo no início do filme. É quando o narrador da história, o jovem Joel, reconta o apocalipse que devastou a Terra e que transformou insetos e animais em criaturas...

‘We’: o cinema como construtor de uma memória coletiva

"We", o novo filme de Alice Diop, é várias coisas: uma lembrança familiar, uma celebração das vidas comuns e uma busca pela identidade da França nos dias de hoje. Acima de tudo, o documentário, que ganhou o prêmio de Melhor Filme da mostra Encontros do Festival de...

‘Chaos Walking’: ótimo conceito nem sempre gera bom filme

Toda vez que se inicia a produção de um filme, cineastas participam de um jogo de roleta: por mais bem planejada que seja a obra e não importando o quão bons sejam os colaboradores que eles vão reunir para participar dela, tudo ainda pode acabar mal. Cinema é...

‘Locked Down’: dramédia na pandemia sucumbe à triste realidade

Dentre tantas situações inesperadas da pandemia da Covid, com certeza, a quarentena forçada foi uma grande bomba-relógio para conflitos conjugais e familiares. Agora, se conviver ininterruptamente com quem se ama já é desafiador, imagine passar semanas, meses dentro...

‘Godzilla Vs Kong’: sem vergonha de ser uma divertida bobagem

Não há como contornar: Godzilla vs Kong é um filme bobo. Todos os filmes “versus” feitos até hoje na história do cinema, com um personagem famoso enfrentando outro, foram bobos, e essa nova investida do estúdio Warner Bros. no seu “Monsterverse” – a culminação dele,...

‘Collective’: aula sobre o fundamental papel do jornalismo investigativo

“Collective” é, provavelmente, o filme mais marcante desta temporada de premiações. O documentário dirigido por Alexander Nanau traz à tona denúncias concernentes à corrupção no Ministério da Saúde romeno, algo super atual no período pandêmico e que dialoga com...

‘Moon, 66 Questions’: drama familiar foge do convencional em narrativa ousada

Livremente inspirado em tarô e mitologia, "Moon, 66 Questions" explora as falhas de comunicação e os conflitos geracionais de uma família através dos olhos de uma adolescente. O drama grego, exibido na mostra Encontros do Festival de Berlim deste ano, é carregado de...

‘Fuja’: suspense protocolar impossível de desgrudar da tela

Suspenses domésticos, quando bem feitos, acabam rendendo boas experiências. É o caso deste Fuja, lançado na Netflix – iria originalmente para os cinemas, mas a pandemia alterou esses planos. Não há nada nele que já não tenhamos visto antes, em outras obras tanto...

‘Meu Pai’: empática experiência sensorial da demência

"Meu Pai" começa ao som de uma ópera que acompanha os passos de uma mulher que anda por uma rua aparentemente pacata. Não demora muito e percebemos que essa música é escutada por outro personagem em fones de ouvido. Essas duas cenas simples revelam logo a essência do...