Alexandre Magno Abrão, conhecido pelo nome artístico “Chorão”, vocalista da banda Charlie Brown Jr (CBjr) de 1992 até 2013 – o ano de sua morte prematura por overdose. O grupo foi responsável por marcar a geração de jovens e adolescentes com suas belas composições que falavam de amor, relacionamentos, sonhos e até política ao criticar as hipocrisias da sociedade brasileira.

Contar a história controversa de um dos maiores artistas do rock brasileiro não é uma tarefa fácil. E em apenas 75 minutos, o diretor Felipe Novaes tenta trazer um breve recorte sobre a trajetória de Chorão a quem não o conhece. Com relatos de familiares, amigos, colegas de trabalho e ex-integrantes da banda, o documentário “Chorão: Marginal Alado” acaba perdendo tempo tentando “canonizar” o vocalista da CBjr, sem explorar a fundo, diversos pontos de sua trajetória.

Apesar de possuir um bom material à disposição, grande parte do tempo é gasto com a repetição de ideias ressaltando a personalidade forte de Chorão, a insaciável sede por ajudar as pessoas e como isso o desgastou até a sua morte.

Abordagem superficial e ‘polêmicas’ deixadas de lado

É interessante pontuar que “Chorão: Marginal Alado” foi lançado em 2019, mas teve um longo período de produção – aproximadamente 5 anos. Em dado momento, o próprio documentário informa que sete dias após o ex-baixista da banda, Luiz Carlos Leão “Champignon” ceder entrevista para a equipe, o grande amigo de Chorão foi encontrado morto em sua casa.

O largo tempo de produção não condiz com a escassez de informações sobre a vida de Chorão que é apresentada no documentário. O espectador recebe rápidos flashes da infância e adolescência do vocalista, sua trajetória como skatista, os desafios que enfrentou para montar a banda, polêmicas envolvendo outros artistas como João Gordo (presente no documentário), do Ratos de Porão, e Marcelo Camelo, do Los Hermanos. Ambos tiveram uma relação bastante conturbada com Chorão na virada do segundo milênio, chegando até a episódios de agressão física.

Para se ter uma ideia, não foi dado espaço nem para explicar a origem do nome artístico: “Chorão” recebeu esse apelido pelo amigo de infância e skatista, Fabio Bolota, por geralmente ficar “com cara de choro” ao errar algumas manobras.

Mesmo que o documentário discorra brevemente sobre as polêmicas, Felipe Novaes não se preocupou em mostrar como Chorão absorvia seus problemas e os transformava em músicas que se tornaram hits, sucessos até hoje. Sem falar da identificação que muitos jovens e adolescentes tiveram com suas composições na época.

Pode até aparecer algo simples e sem grande importância para a narrativa. Mas, se parar para analisar, a proposta do documentário é exatamente esta: mostrar o lado humano do artista; suas dificuldades financeiras e de relacionamento; saúde mental fragilizada e como Chorão buscava refúgio de todos esses problemas na arte de compor grandes canções como “Zóio de Lula”, “Lugar Ao Sol”, “Dias de Luta, Dias de Glória”, e “Proibida Para Mim (Grazon)”. Esta última teve até certo destaque no documentário, quando Alexandre Ferreira, filho de Chorão, contou que o pai escreveu a letra da música em uma caixa de pizza!

Montagem que emociona

O ponto forte do documentário acaba sendo a montagem de Matias Lovro que soube dosar muito bem os relatos dos depoimentos com os extensos “monólogos” e “conselhos” que Chorão costumava fazer em seus shows.

Destaque para uma cena inédita do artista incentivando o uso da pirataria para uma fã que não tinha dinheiro para comprar seus álbuns. Vale ressaltar que no início dos anos 2000, a indústria musical sofria bastante com a queda de números de venda por conta da explosão do compartilhamento ilegal de músicas na internet.

“- Tudo o que você busca em mim, está dentro de você. Está no seu coração, na tua cabeça. Eu sou só um reflexo das coisas que você acredita […], mas está tudo dentro do teu coração.

– Sempre estive contigo e sempre vou estar, cara. Por mais que eu não tenha dinheiro para ir aos teus shows e nem comprar os teus CDs, eu te amo.

– Não gasta dinheiro com essa p****. Baixa o som e curte o barato. O som é pra vocês, não precisa comprar. Ama as pessoas e usa as coisas. O máximo que tu puder, valeu?”

O declínio da saúde mental

Outra cena emblemática é no minuto final do documentário. O espectador ouve o mesmo discurso que Chorão dizia no início da carreira: “a minha alma é feita de sonhos, luto por isso, sem isso eu não vivo”. Esta mesma frase é dita pelo artista em um de seus últimos shows, mas dessa vez com um semblante triste e cansado. É neste momento que vemos que os sonhos de Chorão se tornaram um fardo no qual ele já não suporta mais carregar. Esta cena demonstra claramente o quanto é necessário discutir saúde mental nos dias de hoje.

Por mais paradoxal que fosse, Chorão demonstrou ser um grande artista capaz de marcar toda uma geração com suas ideias e posicionamentos. Além, é claro, de influenciar a música brasileira em vários gêneros e subgêneros. Ainda que haja quem não goste de Chorão por conta de certas atitudes que o artista tomou em vida, é preciso deixar de lado o moralismo ao tratar sobre a trajetória de Chorão, como bem pontuou o relato do jornalista e apresentador Serginho Groisman no documentário.

“O Chorão tem que ser respeitado muito, muito, por tudo o que ele fez. As escolhas pessoais dele podem ou não estar ligadas à música, ao sucesso. O que a gente não pode, de jeito nenhum, é ter uma visão moralista, o certo e o errado, o bem e o mal. Ninguém é composto só disso”.

Em “Chorão: Marginal Alado”, o que se tem é uma tentativa de abordar resumidamente a trajetória de um artista tão complexo que foi o frontman da Charlie Brown Jr. Um exercício bastante difícil, pois como o próprio cantor dizia em uma de suas músicas: “não tão complicado demais, mas nem tão simples assim”. O documentário é um bom recorte para quem não conhece o artista. Mas, devido a magnitude de seu legado, Chorão merecia bem mais do que foi explorado.

‘Nome Sujo’: crônicas de uma resistência

Em 2017, Marcelo Caetano lançava “Corpo Elétrico”, filme sobre um grupo de jovens trabalhadores da região do Brás, em São Paulo, encontrando alívio no sexo e no companheirismo entre eles um alívio para a pesada jornada em uma fábrica de roupas e a pouco grana. A...

‘Ãgawaraitá: Nancy’: a simplicidade como forma de perpetuar a ancestralidade

Um trecho do livro “História da Bruxaria”, de Jeffrey B. Russell e Brooks Alexander, chamou-me a atenção há algum tempo durante a leitura. Coincidência ou não, é justamente um ponto que considero o mais forte na narrativa trazida por “Ãgawaraitá: Nancy”, curta da...

‘When You Finish Saving the World’: a cativante estreia de Jesse Eisenberg na direção

O ator Jesse Eisenberg (“A Rede Social” e “Café Society”) ficou famoso por seus personagens ligeiramente – ou bastante – neuróticos, e muitos deles pareciam viver no seu próprio mundinho. E na estreia dele como diretor, é justamente isso que Eisenberg explora na...

‘Pânico’ (2022): carta de amor aos fãs em homenagem a Wes Craven

Fazia quase 10 anos desde a última vez que eu, acompanhado de uns 30 amigos (não é exagero), reencontrava Sidney, Dewey e Gale, na estreia de ‘Pânico 4’ nos cinemas. Era o primeiro filme da então quadrilogia de terror, dirigida pelo saudoso Wes Craven, que assistia...

‘Bar Doce Lar’: má fase de George Clooney persiste em filme repetitivo

Logo no início de “Bar Doce Lar”, título horroroso no Brasil para o filme disponível no Amazon Prime, JR diz gostar de viver na casa do avô ao contrário da mãe. O motivo: a presença de muita gente no local. Tal fala, entretanto, ganha um contorno maior para além da...

Onde foram parar e por que os filmes de cassino sumiram das telonas?

De filmes de ação a dramas, há grandes clássicos do cinema e títulos dos anos 90 e 2000 que destacam os poderosos cassinos, particularmente os encontrados nos Estados Unidos. Não há um brasileiro que não se lembre de pelo menos dois filmes que destacavam os luxuosos...

‘O Canto do Cisne’: não funciona como romance nem como sci-fi

À primeira vista, “O Canto do Cisne” engana bem: Mahershala Ali e Naomie Harris com a excelência de sempre e ainda com Glenn Close e Awkwafina como coadjuvantes de luxo, um visual atrativo pela modernidade clean do design de produção e do cenário principal...

‘Apresentando os Ricardos’: Sorkin racionaliza demais universo das sitcoms

Lucille Ball quer um lar. E ele definitivamente não vai ser construído em um cinema cerebral demais como o de Aaron Sorkin. “Apresentando os Ricardos”, nova investida dele na direção, é um retrato sem o brilho que fez de Ball a estrela mais assistida da TV dos Estados...

‘Não Olhe Para Cima’: sátira caminha por trilha segura em críticas

Quando “House of Cards” estreou na Netflix em fevereiro de 2013 chocou uma (ingênua) parcela do público sobre como o coração da política norte-americana poderia ser tão ardiloso e baixo. Era época de um suposto idealismo democrático com Barack Obama, primeiro...

‘Matrix Resurrections’: Lana Wachowski recorda o valor do risco em Hollywood

Se “Matrix” encontra paralelos diretos em “Metrópolis” ou “Blade Runner” dentro do universo de distopias e ficções científicas, pode-se dizer que “Matrix Resurrections” está mais próximo de obras como “Crepúsculo dos Deuses” ou “O Jogador” como análise ácida e...