O goleiro Hannes Þór Halldórsson se despediu da seleção da Islândia, em setembro deste ano, depois de 10 anos que viram o time alcançar algumas de suas maiores consagrações – a ida à primeira Copa do Mundo em 2018 e chegar às quartas de final da Eurocopa 2016. No cinema, porém, sua história parece estar apenas começando. Em “Cop Secret”, seu filme de estreia, ele se mostra um diretor preciso e irreverente. Exibido na Competição Internacional do Festival de Locarno deste ano, o longa é uma comédia escancarada que merece o apreço do grande público.

“Cop Secret” acompanha Bússi (Auðunn Blöndal), o clássico policial praticamente fora da lei, enquanto sua vida ameaça se desintegrar. Este verdadeiro Dirty Harry nórdico inferniza o parceiro Klemenz (Sverrir Þór Sverrisson), enlouquece a chefa e vive uma relação estagnada com a namorada. Quando uma série de assaltos a banco, comandados pelo maníaco Rikki (Björn Hlynur Haraldsson), pega Reykjavík de surpresa, Bússi se joga na missão de detê-los.

Parte disso é escapismo – ele claramente tem problemas – mas parte também vem de sua rivalidade profissional com o colega Hörður (Egill Einarsson), um magnata bisexual musculoso que entrou para a polícia por altruísmo. Eventualmente, os dois são forçados a trabalhar juntos e o policial linha dura se vê diante de um caso insolúvel: ele se apaixona por seu rival e entra em parafuso.

TIRAÇÃO DE SARRO CONSTANTE

O roteiro, idealizado por Halldórsson, Blöndal e Einarsson e escrito por Halldórsson, Sverrisson e Nina Pedersen, é uma grande sátira dos arquétipos machões do cinema americano. Ele se inspira na obra de realizadores como John McTiernan (“Duro de Matar”) e Shane Black (“Beijos e Tiros”) ao mesmo tempo em que tira sarro dela.

Absolutamente tudo o que os protagonistas fazem aqui é fetichista: a obsessão de “Cop Secret” com armas, carros, explosões e força física é elevada à enésima potência para efeitos cômicos, mas nunca perde o viés subversivo. Na primeira missão com reféns em que Bússi e Hörður vão juntos, por exemplo, a câmera se delonga em momentos que filmes como esse não privilegiam, como um toque de mãos entre os dois ou a bunda de Hörður enquanto ele corre em slow-motion.

O duo principal está em ótima forma, mas é Blöndal como Bússi que dá vigor ao filme. Um homem que recorre ao alcoolismo e ao comportamento agressivo e desregrado para lidar com a negação de sua própria sexualidade, seu conflito interno é o que mantém o espectador envolvido na trama a despeito da absurdez de tudo o que acontece na tela.

GOLAÇO SURPREENDENTE

Haraldsson também é incrível como Rikki, o vilão caricatural e metalinguístico que o cinema precisava em 2021. Porcamente dublado em inglês, plateias brasileiras deverão lembrar dos esquetes do “Fucker and Sucker”, do “Casseta e Planeta”, assistindo o personagem. Tente não rir quando um de seus capangas pergunta a outro por que raios seu chefe não fala islandês como todo mundo…

Há vários filmes com a mesma pegada de “Cop Secret” que não escapam a sina de serem meros derivados das produções que satirizam, mas o longa islandês traz um frescor que deve agradar ao público sedento de novidades sem alienar aquele que só quer dar boas risadas sem pensar muito.

É o tipo de filme que é exibido nas sessões de meia-noite de festivais e geralmente fica de fora de suas competições principais, então é digno de nota o espaço que Haldórsson conseguiu em Locarno. Seu trabalho principal pode ser impedir gols, mas aqui, ele marcou um.

‘Batman: O Retorno’ e a vingança dos reprimidos sexuais

Vamos dizer logo de cara: Batman: O Retorno é o filme de super-herói mais cheio de tesão e sexual que já foi feito. Super-heróis de quadrinhos, com seus corpos impossivelmente perfeitos, tanto masculinos quanto femininos, sempre inspiraram fantasias sexuais e, quando...

‘Dear Ones’: a difícil reversão do afastamento de uma família

Conhecer a própria família, muitas vezes, demora uma vida inteira. É a lição que as personagens de "Dear Ones", nova produção tcheco-polonesa que estreou no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, devem ponderar em seu próprio tempo. Exibido na...

‘A Nuvem Rosa’: ficção científica dos nossos tempos

"Qualquer semelhança com fatos reais é mera coincidência". Esta é a frase que a cineasta gaúcha Iuli Gerbase escolhe para abrir o seu primeiro longa-metragem intitulado "A Nuvem Rosa". O aviso prévio acaba se tornando um conselho ao espectador de como receber o filme....

‘Roaring 20s’: Nouvelle Vague encontra Linklater em passeio por Paris

Um dos filmes mais charmosos exibidos no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, "Roaring 20s", segundo longa de Elisabeth Vogler, é uma viagem bem-humorada pelo coração de Paris em um dia de verão. A produção, que recebeu o prêmio de Melhor...

‘Batman’ (1989): o filme que mudou a visão sobre super-heróis em Hollywood

Eu jamais vou esquecer aquele momento. Viaje no tempo comigo, leitor: 1989, tarde de domingo no centro de Manaus. Fui ver Batman de Tim Burton com toda a minha família. Foi no Cine Chaplin e a sala estava lotada, com gente sentada até no chão dos corredores – algo...

‘Otar’s Death’: comédia de olhar irônico sobre a mesquinhez humana

Uma relação em frangalhos, um acidente e uma quantia enorme de dinheiro são os elementos que colocam "Otar's Death" em movimento. O filme de estreia do diretor georgiano Ioseb 'Soso' Bliadze, que estreou na mostra Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de...

‘Memória’: Apichatpong Weerasethakul anda em círculos em viagem à Colômbia

Na calada da noite, a protagonista de "Memória", novo filme de Apichatpong Weerasethakul (“Tio Boonmee, Que Pode Recordar Suas Vidas Passadas”), acorda com um barulho. Ela está desperta e sabe, de forma inata, que nada será como antes. Infelizmente, a mesma sensação...

‘Maligno’: a bem-vinda alquimia macabra de James Wan

Caro leitor, uma perguntinha pra você: quando foi a última vez em que você estava vendo um filme e ficou com a sensação de que não tinha a menor ideia de para onde a história estava indo? Quando foi a última vez em que disse para você mesmo: “não sei para onde isso...

‘Espíritu Sagrado’: sci-fi espanhola de caminhos intrigantes

Em "Espíritu Sagrado", crianças desaparecem, ovnis aparentam estar circulando pelos céus e grandes conspirações se mostram onipresentes. No entanto, no rico microcosmo criado pelo diretor e roteirista Chema García Ibarra, nada é exatamente como parece. Esta...

‘A Máquina Infernal’: o aterrorizante mercado de trabalho brasileiro

"A Máquina Infernal", curta de estreia do roteirista Francis Vogner Dos Reis, reimagina a falência de uma fábrica do ponto de vista do empregado, trocando o realismo por um clima de puro terror. O filme foi uma das duas produções brasileiras selecionadas para o...