O goleiro Hannes Þór Halldórsson se despediu da seleção da Islândia, em setembro deste ano, depois de 10 anos que viram o time alcançar algumas de suas maiores consagrações – a ida à primeira Copa do Mundo em 2018 e chegar às quartas de final da Eurocopa 2016. No cinema, porém, sua história parece estar apenas começando. Em “Cop Secret”, seu filme de estreia, ele se mostra um diretor preciso e irreverente. Exibido na Competição Internacional do Festival de Locarno deste ano, o longa é uma comédia escancarada que merece o apreço do grande público.

“Cop Secret” acompanha Bússi (Auðunn Blöndal), o clássico policial praticamente fora da lei, enquanto sua vida ameaça se desintegrar. Este verdadeiro Dirty Harry nórdico inferniza o parceiro Klemenz (Sverrir Þór Sverrisson), enlouquece a chefa e vive uma relação estagnada com a namorada. Quando uma série de assaltos a banco, comandados pelo maníaco Rikki (Björn Hlynur Haraldsson), pega Reykjavík de surpresa, Bússi se joga na missão de detê-los.

Parte disso é escapismo – ele claramente tem problemas – mas parte também vem de sua rivalidade profissional com o colega Hörður (Egill Einarsson), um magnata bisexual musculoso que entrou para a polícia por altruísmo. Eventualmente, os dois são forçados a trabalhar juntos e o policial linha dura se vê diante de um caso insolúvel: ele se apaixona por seu rival e entra em parafuso.

TIRAÇÃO DE SARRO CONSTANTE

O roteiro, idealizado por Halldórsson, Blöndal e Einarsson e escrito por Halldórsson, Sverrisson e Nina Pedersen, é uma grande sátira dos arquétipos machões do cinema americano. Ele se inspira na obra de realizadores como John McTiernan (“Duro de Matar”) e Shane Black (“Beijos e Tiros”) ao mesmo tempo em que tira sarro dela.

Absolutamente tudo o que os protagonistas fazem aqui é fetichista: a obsessão de “Cop Secret” com armas, carros, explosões e força física é elevada à enésima potência para efeitos cômicos, mas nunca perde o viés subversivo. Na primeira missão com reféns em que Bússi e Hörður vão juntos, por exemplo, a câmera se delonga em momentos que filmes como esse não privilegiam, como um toque de mãos entre os dois ou a bunda de Hörður enquanto ele corre em slow-motion.

O duo principal está em ótima forma, mas é Blöndal como Bússi que dá vigor ao filme. Um homem que recorre ao alcoolismo e ao comportamento agressivo e desregrado para lidar com a negação de sua própria sexualidade, seu conflito interno é o que mantém o espectador envolvido na trama a despeito da absurdez de tudo o que acontece na tela.

GOLAÇO SURPREENDENTE

Haraldsson também é incrível como Rikki, o vilão caricatural e metalinguístico que o cinema precisava em 2021. Porcamente dublado em inglês, plateias brasileiras deverão lembrar dos esquetes do “Fucker and Sucker”, do “Casseta e Planeta”, assistindo o personagem. Tente não rir quando um de seus capangas pergunta a outro por que raios seu chefe não fala islandês como todo mundo…

Há vários filmes com a mesma pegada de “Cop Secret” que não escapam a sina de serem meros derivados das produções que satirizam, mas o longa islandês traz um frescor que deve agradar ao público sedento de novidades sem alienar aquele que só quer dar boas risadas sem pensar muito.

É o tipo de filme que é exibido nas sessões de meia-noite de festivais e geralmente fica de fora de suas competições principais, então é digno de nota o espaço que Haldórsson conseguiu em Locarno. Seu trabalho principal pode ser impedir gols, mas aqui, ele marcou um.

‘Pânico’ (2022): carta de amor aos fãs em homenagem a Wes Craven

Fazia quase 10 anos desde a última vez que eu, acompanhado de uns 30 amigos (não é exagero), reencontrava Sidney, Dewey e Gale, na estreia de ‘Pânico 4’ nos cinemas. Era o primeiro filme da então quadrilogia de terror, dirigida pelo saudoso Wes Craven, que assistia...

‘Bar Doce Lar’: má fase de George Clooney persiste em filme repetitivo

Logo no início de “Bar Doce Lar”, título horroroso no Brasil para o filme disponível no Amazon Prime, JR diz gostar de viver na casa do avô ao contrário da mãe. O motivo: a presença de muita gente no local. Tal fala, entretanto, ganha um contorno maior para além da...

Onde foram parar e por que os filmes de cassino sumiram das telonas?

De filmes de ação a dramas, há grandes clássicos do cinema e títulos dos anos 90 e 2000 que destacam os poderosos cassinos, particularmente os encontrados nos Estados Unidos. Não há um brasileiro que não se lembre de pelo menos dois filmes que destacavam os luxuosos...

‘O Canto do Cisne’: não funciona como romance nem como sci-fi

À primeira vista, “O Canto do Cisne” engana bem: Mahershala Ali e Naomie Harris com a excelência de sempre e ainda com Glenn Close e Awkwafina como coadjuvantes de luxo, um visual atrativo pela modernidade clean do design de produção e do cenário principal...

‘Apresentando os Ricardos’: Sorkin racionaliza demais universo das sitcoms

Lucille Ball quer um lar. E ele definitivamente não vai ser construído em um cinema cerebral demais como o de Aaron Sorkin. “Apresentando os Ricardos”, nova investida dele na direção, é um retrato sem o brilho que fez de Ball a estrela mais assistida da TV dos Estados...

‘Não Olhe Para Cima’: sátira caminha por trilha segura em críticas

Quando “House of Cards” estreou na Netflix em fevereiro de 2013 chocou uma (ingênua) parcela do público sobre como o coração da política norte-americana poderia ser tão ardiloso e baixo. Era época de um suposto idealismo democrático com Barack Obama, primeiro...

‘Matrix Resurrections’: Lana Wachowski recorda o valor do risco em Hollywood

Se “Matrix” encontra paralelos diretos em “Metrópolis” ou “Blade Runner” dentro do universo de distopias e ficções científicas, pode-se dizer que “Matrix Resurrections” está mais próximo de obras como “Crepúsculo dos Deuses” ou “O Jogador” como análise ácida e...

‘Belfast’: Kenneth Branagh retorna à infância em filme singelo

Vários diretores, ao longo da história do cinema, fizeram filmes baseados em suas próprias vidas. Gente graúda, como François Truffaut (Os Incompreendidos), Federico Fellini (Amarcord) ou Ingmar Bergman (Fanny & Alexander), para citar só alguns dos mais marcantes....

‘A Mão de Deus’: Sorrentino navega no (bom) exagero em filme familiar

As relações familiares são o ponto de partida de “A mão de Deus”, novo filme do diretor italiano Paolo Sorrentino (“A Grande Beleza”). O protagonista da trama é Fábio Schisa (Filippo Scotti), um adolescente que vive com os pais e dois irmãos mais velhos na Nápoles dos...

‘Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa’: a maturidade chega a Peter Parker

Com três intérpretes diferentes, o Homem-Aranha é o herói mais replicado no cinema (ao menos no século XXI). E é claro que a cada nova saga do herói a expectativa é sempre de superação, mas, mesmo sob essa pressão, em 2017, Tom Holland conseguiu se consagrar como...