“Crip Camp: Revolução pela Inclusão” é o novo documentário da Netflix com produção executiva do casal Barack e Michelle Obama e aborda um momento da história do ativismo social do qual nem temos consciência hoje porque os benefícios desse movimento foram amplamente assimilados. O filme serve como registro e, felizmente, também é bem produzido e interessante como obra cinematográfica.

O documentário, dirigido por Nicole Newnham e Jim LeBrecht, examina fatos ocorridos num momento muito especial da história dos Estados Unidos: é o início dos anos 1970, o país está saindo da era do flower power e do ideal hippie e passando para a Guerra do Vietnã e das lutas sociais, notadamente do movimento pelos direitos civis dos negros. Um lugar onde o sonho hippie parecia não ter morrido era o Camp Jened, um daqueles acampamentos de férias de verão, localizado no Estado de Nova York. O Camp Jened era especializado em receber crianças e adolescentes com deficiências físicas, pessoas que, na época, eram quase que totalmente ignoradas pela sociedade. Em 1971, o Jened recebeu dezenas de jovens com variados graus de deficiências, e proporcionou a eles, por algum tempo, um local onde pudessem viver em paz e amor. LeBrecht, co-diretor de Crip Camp, foi um desses jovens.

E então, nos anos seguintes, vemos como vários daqueles jovens começaram a se organizar e a fazer parte do movimento pelos direitos dos deficientes físicos. Nós os vemos lutar por acessibilidade, para poder trabalhar e para serem vistos como cidadãos. O mundo não estava nem um pouco preparado para eles, mas graças aos seus atos, as vidas de portadores de deficiências em todo o mundo mudaram para melhor devido aos seus esforços. Apesar de LeBrecht começar narrando o documentário, ele logo cede o espaço para a carismática Judy Heumann, que cria a organização “Disabled in Action” e passa a liderar a luta pelos direitos das pessoas com deficiência.

RIQUEZA DE ARQUIVOS

A primeira meia hora do documentário é toda no Camp Jened e, a partir daí, vemos a luta do movimento. O que mais impressiona em Crip Camp é o incrível trabalho de pesquisa de material: vemos imagens de arquivo gravadas pelos próprios campistas na época – nas quais fica clara a importância da compreensão e da amizade para melhorar o bem-estar de pessoas com graves problemas físicos – e depois, imagens de época das ações do movimento, noticiários e gravações que, sem dúvida, devem ter consumido um grande tempo e investimento da produção. Um dos maiores méritos de Crip Camp é realmente nos transportar para aquele tumultuado momento histórico.

Além dessas imagens da época, o filme é composto também das tradicionais entrevistas e depoimentos. Uma parte deles, aliás, é sobre a vida sexual dos campistas, um assunto quase nunca abordado ou referido quando se fala de pessoas com deficiências, o que ajuda a humanizá-las e a deixar “Crip Camp” um pouco mais divertido e leve – digamos que no Camp Jened, entre a paz e o amor, o segundo era mais praticado…

Apesar desses toques bem humanistas, Crip Camp não é um filme sem problemas. Com 1h48 minutos de duração, às vezes parece um pouco longo demais e não segura inteiramente o interesse do espectador. E a reunião dos personagens ao final, apesar de ser tocante, não deixa de ser um pouco clichê e emocionalmente manipulativa.

Mas esses são problemas pontuais. Seguindo os passos de “Indústria Americana”, o documentário anterior da parceria entre a Netflix e os Obamas vencedor do Oscar, Crip Camp conta uma história grandiosa, um capítulo realmente importante da luta pelos direitos das minorias, com um enfoque humano e pessoal capaz de nos faz rir e nos emocionar em alguns momentos. Ao contar essa história, os cineastas e produtores fazem algo mais do que o simples resgate histórico: eles, na verdade, enfocam uma revolução que nasceu do amor, um movimento nascido do simples despertar da humanidade de algumas pessoas, humanidade essa que lhes foi negada até aparecer um lugar no qual elas podiam receber carinho e ser elas mesmas, se tornando assim mais do que a soma das suas deficiências.

‘King Richard: Criando Campeãs’: a filosofia de Will Smith com todos seus vícios e virtudes

Há alguns anos, o astro Will Smith explicou o motivo de ter recusado o papel de protagonista no sucesso Django Livre (2012), de Quentin Tarantino. A estrela afirmou que “o único jeito de fazê-lo seria se fosse uma história de amor, não de vingança”. Bem,...

‘Earwig’: fábula dark de incapaz de envolver o público

A vida de uma menina peculiar, um homem atormentado e uma garçonete em apuros se entrelaçam em "Earwig", novo filme da francesa Lucile Hadžihalilović (“Inocência”, “Évolution”). O longa, que teve estreia em Toronto e premiada passagem em San Sebastián, foi exibido no...

‘Ferida’: Halle Berry tenta, mas, não sai de fórmulas batidas

Ferida, estrelado e dirigido pela atriz Halle Berry – marcando sua estreia como diretora – é um filme igual à sua protagonista: sincero, mas errático; intenso, mas também disperso. A produção da Netflix busca contar um drama humano dentro do universo do MMA e, com...

‘Deserto Particular’: a solidão como companheira

A solidão que a gente carrega e que nos carrega também. “Deserto Particular” é um filme sobre espaços e tempo. Logo na abertura, Daniel (Antônio Saboia) corre de noite em meio a uma rua vazia, enquanto ouvimos uma narração do protagonista direcionada a alguém que ele...

‘Tick, Tick… Boom!’: Lin-Manuel Miranda dribla resistências ao musical em grande filme

Seja no cinema ou no teatro, não conhecer ‘Rent – Os Boêmios’ e muito menos ter se emocionado ao som de ‘Seasons of Love’ é algo extremamente difícil para quem gosta de musicais. A partir dessa prerrogativa, ‘Tick Tick... Boom!’ trata-se de uma grande homenagem a esse...

‘Um Herói’: o melhor filme de Asghar Farhadi desde ‘O Passado’

Um conto-da-carochinha com desdobramentos épicos é a força-motriz de "Um Herói", novo drama de Asghar Farhadi. O longa foi exibido no Festival de Londres deste ano após estreia em Cannes, onde levou o Grand Prix - o segundo prêmio mais prestigiado do evento. Escolhido...

‘Blue Bayou’: sobre pertencer e se identificar a um lugar

Antonio Leblanc (Justin Chon) mora em Nova Orleans há 30 anos, é casado, tem uma filha adotiva e a esposa está grávida de mais uma menina. Ainda assim, o sul-coreano corre risco de ser deportado mesmo que tenha sido adotado aos 3 anos de idade por um casal...

‘Benedetta’: Verhoeven leva sexo a convento em sátira religiosa

Paul Verhoeven (“Elle”, “Tropas Estelares”), está de volta - e continua em excelente forma. Seu mais novo filme, Benedetta, exibido no Festival de Londres deste ano após sua estreia em Cannes, vê o diretor holandês empregando sua verve cáustica à serviço de uma...

‘The Electrical Life of Louis Wain’: cinebiografia típica de encanto singelo

The Electrical Life of Louis Wain é a história de um sujeito peculiar, contada daquele modo excentricamente britânico de cinema. A produção do Amazon Studios é um filme que surpreende, porque inicialmente pode-se até abordá-lo com um pouco de cansaço. Afinal, vários...

‘Finch’: Tom Hanks emociona em sci-fi à la ‘Naúfrago’

Uma road trip no fim do mundo com um cachorro e dois robôs para conversar – é isso que Tom Hanks dispõe para emocionar o público em ‘Finch’. Sabendo que o ator consegue entregar um bom desempenho mesmo ao lado de objetos inanimados, como ocorreu em ‘Náufrago’, o...