“Crip Camp: Revolução pela Inclusão” é o novo documentário da Netflix com produção executiva do casal Barack e Michelle Obama e aborda um momento da história do ativismo social do qual nem temos consciência hoje porque os benefícios desse movimento foram amplamente assimilados. O filme serve como registro e, felizmente, também é bem produzido e interessante como obra cinematográfica.

O documentário, dirigido por Nicole Newnham e Jim LeBrecht, examina fatos ocorridos num momento muito especial da história dos Estados Unidos: é o início dos anos 1970, o país está saindo da era do flower power e do ideal hippie e passando para a Guerra do Vietnã e das lutas sociais, notadamente do movimento pelos direitos civis dos negros. Um lugar onde o sonho hippie parecia não ter morrido era o Camp Jened, um daqueles acampamentos de férias de verão, localizado no Estado de Nova York. O Camp Jened era especializado em receber crianças e adolescentes com deficiências físicas, pessoas que, na época, eram quase que totalmente ignoradas pela sociedade. Em 1971, o Jened recebeu dezenas de jovens com variados graus de deficiências, e proporcionou a eles, por algum tempo, um local onde pudessem viver em paz e amor. LeBrecht, co-diretor de Crip Camp, foi um desses jovens.

E então, nos anos seguintes, vemos como vários daqueles jovens começaram a se organizar e a fazer parte do movimento pelos direitos dos deficientes físicos. Nós os vemos lutar por acessibilidade, para poder trabalhar e para serem vistos como cidadãos. O mundo não estava nem um pouco preparado para eles, mas graças aos seus atos, as vidas de portadores de deficiências em todo o mundo mudaram para melhor devido aos seus esforços. Apesar de LeBrecht começar narrando o documentário, ele logo cede o espaço para a carismática Judy Heumann, que cria a organização “Disabled in Action” e passa a liderar a luta pelos direitos das pessoas com deficiência.

RIQUEZA DE ARQUIVOS

A primeira meia hora do documentário é toda no Camp Jened e, a partir daí, vemos a luta do movimento. O que mais impressiona em Crip Camp é o incrível trabalho de pesquisa de material: vemos imagens de arquivo gravadas pelos próprios campistas na época – nas quais fica clara a importância da compreensão e da amizade para melhorar o bem-estar de pessoas com graves problemas físicos – e depois, imagens de época das ações do movimento, noticiários e gravações que, sem dúvida, devem ter consumido um grande tempo e investimento da produção. Um dos maiores méritos de Crip Camp é realmente nos transportar para aquele tumultuado momento histórico.

Além dessas imagens da época, o filme é composto também das tradicionais entrevistas e depoimentos. Uma parte deles, aliás, é sobre a vida sexual dos campistas, um assunto quase nunca abordado ou referido quando se fala de pessoas com deficiências, o que ajuda a humanizá-las e a deixar “Crip Camp” um pouco mais divertido e leve – digamos que no Camp Jened, entre a paz e o amor, o segundo era mais praticado…

Apesar desses toques bem humanistas, Crip Camp não é um filme sem problemas. Com 1h48 minutos de duração, às vezes parece um pouco longo demais e não segura inteiramente o interesse do espectador. E a reunião dos personagens ao final, apesar de ser tocante, não deixa de ser um pouco clichê e emocionalmente manipulativa.

Mas esses são problemas pontuais. Seguindo os passos de “Indústria Americana”, o documentário anterior da parceria entre a Netflix e os Obamas vencedor do Oscar, Crip Camp conta uma história grandiosa, um capítulo realmente importante da luta pelos direitos das minorias, com um enfoque humano e pessoal capaz de nos faz rir e nos emocionar em alguns momentos. Ao contar essa história, os cineastas e produtores fazem algo mais do que o simples resgate histórico: eles, na verdade, enfocam uma revolução que nasceu do amor, um movimento nascido do simples despertar da humanidade de algumas pessoas, humanidade essa que lhes foi negada até aparecer um lugar no qual elas podiam receber carinho e ser elas mesmas, se tornando assim mais do que a soma das suas deficiências.

‘Trincheira’: arte e imaginação contra muros sociais

Desigualdade social, violência e repressão, machismo, homofobia, desmatamento, corrupção, intolerância... Não é de hoje que o mundo não anda bom e a pandemia da COVID-19 só veio para piorar ainda mais um pouco. Diante disso tudo, quem nunca sentiu vontade de fugir e...

‘King Kong em Asunción’: cansativa viagem pela repressão latino-americana

A dança do personagem de Irandhir Santos ao som de “Fala”, de Ney Matogrosso, sintetizava toda a beleza de “A História da Eternidade” e o talento do recifense Camilo Cavalcante logo no trabalho de estreia na direção de longas.  A expectativa em torno do segundo longa...

‘Me Chama que eu Vou’: Sidney Magal fala, fala, mas revela pouco

Briga dura na mostra competitiva de longas-metragens brasileiros do Festival de Gramado 2020 na categoria ‘documentário insosso’. “O Samba é o Primo do Jazz” sobre Alcione ganhou a pesada concorrência de “Me Chama que eu Vou” sobre Sidney Magal. Dirigido por Joana...

‘O Barco e o Rio’: angústias e desejos sufocados compõem ótimo filme

O Amazonas fechou a mostra competitiva de curtas-metragens brasileiros do Festival de Gramado 2020 com “O Barco e o Rio”. Quarto filme da carreira de Bernardo Ale Abinader, o projeto se mostra um salto evolutivo enorme dentro da filmografia do diretor/roteirista,...

‘Remoinho’: bom filme derrapa feio no final

Candidato da Paraíba na mostra competitiva de curtas-metragens nacionais do Festival de Gramado 2020, “Remoinho” é um filme que se insinua grande em diversos momentos, dá indícios de um potencial enorme. Ao término dele, porém, o sentimento que fica é da frustração...

‘Você tem Olhos Tristes’: conto singelo sobre os nossos tempos

No final dos créditos do curta Você Tem Olhos Tristes, do diretor Diogo Leite, aparece a informação de que a produção foi filmada em dezembro de 2019. Seus realizadores não podiam imaginar que quase um ano depois o curta ganharia uma relevância insuspeita numa época...

‘Dominique’: simples, potente e acolhedor

O Brasil é um dos países que lidera o ranking de assassinato de transsexuais no mundo. Por mais batida e repetitiva que essa frase soe, tornou-se inevitavelmente assumir o espiral crescente de violência que se deposita em nosso país. Acompanha-se o reflexo da...

‘Joãozinho da Goméia – O Rei do Candomblé’: provocação mais do que bem-vinda

Ousado e provocativo, Joãozinho da Goméia foi uma das lideranças mais populares do candomblé no Brasil durante os anos de 1940 a 1960.  Apesar da rejeição da parte mais conservadora da sociedade e de alas mais tradicionais da religião africana, o babalorixá negro e...

‘O Samba é Primo do Jazz’: documentário trivial sobre Alcione

Os documentários sobre estrelas da música brasileira estão para o cinema nacional como as cinebiografias estão para o cinema americano e britânico. Somos testemunhas de diversas produções do tipo todos os anos, com a esmagadora maioria burocrática e tratando seus...

‘Extratos’: a melancolia de uma fuga pela existência

Dois gigantes do cinema brasileiro juntos em fuga da repressão pesada da ditadura militar compõe o documentário “Extratos”, dirigido por Sinai Sganzerla e selecionado para a mostra competitiva de curtas-metragens nacionais do Festival de Gramado 2020. Mais do que o...