“Crip Camp: Revolução pela Inclusão” é o novo documentário da Netflix com produção executiva do casal Barack e Michelle Obama e aborda um momento da história do ativismo social do qual nem temos consciência hoje porque os benefícios desse movimento foram amplamente assimilados. O filme serve como registro e, felizmente, também é bem produzido e interessante como obra cinematográfica.

O documentário, dirigido por Nicole Newnham e Jim LeBrecht, examina fatos ocorridos num momento muito especial da história dos Estados Unidos: é o início dos anos 1970, o país está saindo da era do flower power e do ideal hippie e passando para a Guerra do Vietnã e das lutas sociais, notadamente do movimento pelos direitos civis dos negros. Um lugar onde o sonho hippie parecia não ter morrido era o Camp Jened, um daqueles acampamentos de férias de verão, localizado no Estado de Nova York. O Camp Jened era especializado em receber crianças e adolescentes com deficiências físicas, pessoas que, na época, eram quase que totalmente ignoradas pela sociedade. Em 1971, o Jened recebeu dezenas de jovens com variados graus de deficiências, e proporcionou a eles, por algum tempo, um local onde pudessem viver em paz e amor. LeBrecht, co-diretor de Crip Camp, foi um desses jovens.

E então, nos anos seguintes, vemos como vários daqueles jovens começaram a se organizar e a fazer parte do movimento pelos direitos dos deficientes físicos. Nós os vemos lutar por acessibilidade, para poder trabalhar e para serem vistos como cidadãos. O mundo não estava nem um pouco preparado para eles, mas graças aos seus atos, as vidas de portadores de deficiências em todo o mundo mudaram para melhor devido aos seus esforços. Apesar de LeBrecht começar narrando o documentário, ele logo cede o espaço para a carismática Judy Heumann, que cria a organização “Disabled in Action” e passa a liderar a luta pelos direitos das pessoas com deficiência.

RIQUEZA DE ARQUIVOS

A primeira meia hora do documentário é toda no Camp Jened e, a partir daí, vemos a luta do movimento. O que mais impressiona em Crip Camp é o incrível trabalho de pesquisa de material: vemos imagens de arquivo gravadas pelos próprios campistas na época – nas quais fica clara a importância da compreensão e da amizade para melhorar o bem-estar de pessoas com graves problemas físicos – e depois, imagens de época das ações do movimento, noticiários e gravações que, sem dúvida, devem ter consumido um grande tempo e investimento da produção. Um dos maiores méritos de Crip Camp é realmente nos transportar para aquele tumultuado momento histórico.

Além dessas imagens da época, o filme é composto também das tradicionais entrevistas e depoimentos. Uma parte deles, aliás, é sobre a vida sexual dos campistas, um assunto quase nunca abordado ou referido quando se fala de pessoas com deficiências, o que ajuda a humanizá-las e a deixar “Crip Camp” um pouco mais divertido e leve – digamos que no Camp Jened, entre a paz e o amor, o segundo era mais praticado…

Apesar desses toques bem humanistas, Crip Camp não é um filme sem problemas. Com 1h48 minutos de duração, às vezes parece um pouco longo demais e não segura inteiramente o interesse do espectador. E a reunião dos personagens ao final, apesar de ser tocante, não deixa de ser um pouco clichê e emocionalmente manipulativa.

Mas esses são problemas pontuais. Seguindo os passos de “Indústria Americana”, o documentário anterior da parceria entre a Netflix e os Obamas vencedor do Oscar, Crip Camp conta uma história grandiosa, um capítulo realmente importante da luta pelos direitos das minorias, com um enfoque humano e pessoal capaz de nos faz rir e nos emocionar em alguns momentos. Ao contar essa história, os cineastas e produtores fazem algo mais do que o simples resgate histórico: eles, na verdade, enfocam uma revolução que nasceu do amor, um movimento nascido do simples despertar da humanidade de algumas pessoas, humanidade essa que lhes foi negada até aparecer um lugar no qual elas podiam receber carinho e ser elas mesmas, se tornando assim mais do que a soma das suas deficiências.

Crítica | ‘Furiosa: Uma Saga Mad Max’: a espetacular construção de uma lenda

Que curiosa carreira tem George Miller: o australiano era médico, depois migrou para o cinema fazendo curtas na incipiente indústria de cinema do país e há 45 anos lançou Mad Max (1979), um filme de ação e vingança de baixo orçamento marcando a estreia em longas. A...

CRÍTICA | ‘Club Zero’: tudo dá errado em péssimo filme

Dirigido por Jessica Hausner, "Club Zero" se passa em uma escola de elite que recebe uma nova professora de nutrição. Ela ensina a um pequeno grupo de adolescentes um novo método de alimentação que promete melhorar não só o desempenho nos estudos e nos esportes dos...

CRÍTICA | ‘Back to Black’: desserviço à imagem de Amy Winehouse

Já na época em que foi anunciada a morte da cantora britânica Amy Winehouse (1983-2011), se falava em um filme sobre ela, tamanho o frenesi midiático que essa artista despertou no mundo neste começo do século XXI. Agora o filme finalmente chegou às telas e... bem, Amy...

CRÍTICA | ‘Fúria Primitiva’: um inevitável sub-John Wick

Independente se você gosta ou não da John Wick, hoje qualquer filme de ação contemporâneo que se preze tem como principal parâmetro a saga estrelada por Keanu Reeves. Mais da metade dos trabalhos lançados nos últimos anos no gênero como um todo seguem a cartilha da...

Crítica | ‘Foram Os Sussurros que Me Mataram’: Tuoto mistura novela das 20h com Lynch em filme inusitado

"Os erros ou excessos na administração do mundo das imagens produzem consequências políticas imediatas". Esse é o tipo de tagarelice canastrona pretensiosa que talvez encontrássemos numa review de Arthur Tuoto – e que não surpreende, portanto, que dê as caras neste...

Crítica | ‘Planeta dos Macacos – O Reinado’: filme mantém marca pessimista da série

De certa forma, a franquia Planeta dos Macacos é perfeita para os nossos tempos: vivemos em um mundo com guerras, desastres climáticos e pandemias. Diante disso, imaginar que a raça humana seja extinta ou que perca o domínio sobre a Terra não parece assim tão distante...

Crítica | ‘Vermelho Monet’ – entre o fazer artístico e o desejo

Há uma plasticidade visual que conduz todo o trabalho de Halder Gomes (“Cine Holliúdy”) em “Vermelho Monet”. O filme protagonizado por Chico Diaz, Maria Fernanda Cândido e Samantha Müller nos conduz pelo submundo do mercado de artes plásticas apresentando um visual...

Crítica | ‘Transe’: o velho espetáculo da juventude progressista classe A

Pode ser tentador para o público, diante da repercussão memética negativa que o trailer de “Transe” recebeu, ir ao cinema com o intuito de chutar cachorro morto. Os que compram seus ingressos planejando tiradas mordazes para o final da sessão irão se decepcionar. Não...

Crítica | ‘Imaculada’: Sydney Sweeny sobra em terror indeciso

Na história do cinema, terror e religião sempre caminharam de mãos dadas por mais que isso pareça contraditório. O fato de termos a batalha do bem e do mal interligada pelo maior medo humano - a morte - permitiu que a religião com seus dogmas e valores fosse...

Crítica | ‘Abigail’: montanha-russa vampírica divertida e esquecível

Desde que chamaram a atenção com o divertido Casamento Sangrento em 2019, a dupla de diretores Matt Bettinelli-Olpin e Tyler Gillett vem sedimentando uma carreira cinematográfica que mescla o terror sangrento do slasher movie com a sátira social cômica para...