Comédias românticas sobre casais de classe média, que optam por novas “aventuras” para tirar o relacionamento da monotonia, não é algo novo no cinema brasileiro. Algo semelhante vemos na trilogia “De Pernas pro Ar” e em “Loucas Pra Casar”, ambas escritas pelo roteirista baiano Marcelo Saback.

Desta vez, o cineasta resolve se aventurar como diretor estreante ao trazer o remake do sucesso argentino “Dois + Dois” para o Brasil. A adaptação conta a história de Diogo (Marcelo Serrado) e Emília (Carol Castro) que tem seu casamento monótono de 15 anos virado de cabeça para baixo após descobrirem que os melhores amigos, Ricardo (Marcelo Laham) e Bettina (Roberta Rodrigues) são adeptos ao “swing” – prática que permite a “troca de casais” durante o ato sexual.

Após a descoberta, Emília consegue convencer o marido a experimentar a prática sexual com os amigos Ricardo e Bettina. E a partir disso, uma série de acontecimentos abala a vida dos protagonistas. Sentimentos como desejo, ciúme, posse e competição mudam o destino desses casais, que vão precisar lidar com muitas transformações em suas vidas ao longo da trama.

APOSTA NO RISO FÁCIL

Monogamia e relacionamentos abertos são temas discutidos cada vez mais na sociedade contemporânea. Porém, ainda assim, é visto com certa distância por muitos brasileiros dito “conservadores”. E, talvez, este seja o principal motivo que impediu Saback de se aprofundar em uma temática que merece bastante atenção para não cair no “superficial”.

Vale ressaltar que o diretor pontuou as principais diferenças e desafios na adaptação durante entrevista coletiva em que o Cine Set teve a oportunidade de participar. Dentre as quais, optou por reduzir as cenas de sexo do original e trouxe mais cenas de romance com o objetivo de aproximar o espectador brasileiro do longa.

Mesmo que sejam obras com públicos diferentes, se traçarmos um comparativo entre os filmes, é possível perceber que não há tantas diferenças significativas. Lógico que o texto de Saback, com piadas que tiram um riso fácil (algo característico de suas obras) acaba sendo superior à comédia argentina.

Além do fato de que, na versão brasileira, as mulheres ganham ainda mais destaque no decorrer do longa; destaque para a atuação de Carol Castro no papel de uma mulher que não se limita ao impor seus desejos sexuais perante o marido conservador. Mas, fora isso, a adaptação brasileira não ousa em navegar para rumos mais interessantes que o argentino.

HOMENAGEM A “BELEZA AMERICANA”

Um ponto interessante de se ressaltar no filme é a boa direção de fotografia de Carlos Zalasik. Os enquadramentos em planos fechados nos personagens evidenciam o tom sensual em muitas cenas. Destaque para a cena íntima com os dois casais que foi feita em motion control (técnica utilizada para captar movimentos em plano-sequência).

Além do ótimo trabalho com as cores quentes e frias dosadas conforme o sentimento dos personagens. Como por exemplo, as cenas em que o desejo sexual de certos personagens é explorado, percebe-se uma coloração mais avermelhada que remete do ponto de vista da semiótica a este sentimento. A propósito, “Dois + Dois” chega até fazer referência ao clássico “Beleza Americana“, quando tenta abordar o desejo proibido que Diogo tem pela esposa do melhor amigo.

Na adaptação de Saback, “Dois + Dois” comete o mesmo erro do original: levantar uma problemática com grande potencial, mas sem fundamentá-la com argumentos sólidos capazes de provocar reflexões interessantes a serem discutidas. Saback logo de início já deixa claro que a comédia romântica não pretende ser moralista. Mas, o desenvolvimento dos personagens ao longo do filme contraria essa premissa: personagens que a priori são bem resolvidos com o “swing”, acabam vendo na prática sexual, um facilitador para o declínio do relacionamento a dois.

Em “Dois + Dois”, temos a tentativa de levantar uma temática considerada “tabu” em grande parte do público brasileiro; ao mesmo tempo em que entrega uma comédia que diverte o espectador. Porém, Saback não se preocupa de fato com os elementos apresentados durante os 105 minutos de filme, sendo uma opção satisfatória para quem quer rir e nada além disso.

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘Flux Gourmet’, de Peter Strickland

"Flux Gourmet", novo filme de Peter Strickland, é um prato reservado aos curiosos gastronômicos de plantão. O projeto do atual mestre do bizarro inglês foi exibido no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano após estreia em Berlim e vem recheado das...

‘The Five Devils’: a falácia do mito do “lugar de gente de bem”

"The Five Devils", novo filme da francesa Léa Mysius, é um misto de drama familiar e thriller sobrenatural que leva o espectador por caminhos inesperados. O longa, que estreou na mostra Quinzena dos Realizadores em Cannes e foi exibido no Festival Internacional de...

‘Trem-Bala’: carisma de Brad Pitt faz longa pueril valer a pena

Eis que chega às telonas “Trem-Bala”, mais uma obra que segue o filão do cinema de ação espertinho à la Deadpool. Ou seja: temos aqui uma maçaroca de referências pop e piadas adolescentes que, se por um lado, não radicaliza nada, por outro não consegue bancar o peso...

‘Ela e Eu’: Andréa Beltrão domina melodrama sobre recomeço

Mãe e filha. 20 anos de convivência emocional e de ausência física. Reconfigurando afetos, Gustavo Rosa de Moura traz aos cinemas em “Ela e Eu” uma história forte, importante e comovente sobre novas e velhas formas de amar com Andrea Beltrão fazendo uma personagem do...

‘Tinnitus’: angustiante e ótimo body horror brasileiro

Uma atleta de saltos ornamentais em apuros guia a trama de "Tinnitus", novo filme do paulista Gregorio Graziosi (“Obra”) que teve estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. Ancorado na sólida performance da atriz Joana de Verona, o...

‘Aos Nossos Filhos’: Marieta Severo brilha em drama de tom solene

Vera (Marieta Severo) está em um embate terrível com a filha Tânia (Laura Castro). A jovem, lésbica e casada, que quer a aprovação da matriarca para ser mãe, mas não vê forma de superar os próprios traumas e o dissabor da relação com a personagem de Marieta, uma...

‘O Palestrante’: Porchat aposta no seguro em comédia morna

Guilherme (Fábio Porchat) é um contador frustrado que perdeu o tesão na vida. Seu chefe é um babaca, a esposa o humilha e o sujeito simplesmente desliza pelos dias no piloto automático. Isto até ser confundido com um palestrante motivacional e se apaixonar por Denise...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘Close’, de Lukas Dhont

As dores de amadurecimento dão o tom de "Close", novo filme de Lukas Dhont que estreou em Cannes - onde dividiu o Grand Prix com "Both Sides of the Blade", de Claire Denis - e foi exibido no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary. O drama confirma o diretor...

‘Il Buco’: um olhar contemplativo para uma Itália pouco explorada

Consigo imaginar vários filmes ambientados em cavernas. Desde ficções científicas a fantasias até true crimes, esse parece ser um ótimo cenário para criar dramaticidade, viver aventuras e encontrar novos mundos; no entanto, nenhum desses caminhos se assemelha ao que...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘The Eight Mountains’, de Felix van Groeningen e Charlotte Vandermeersch

Nos idos dos anos 2000, um jovem resolve ir atrás do companheiro de infância e embarcar em uma terna aventura. Esta é a premissa de "The Eight Mountains", filme que estreou em Cannes - onde dividiu o Prêmio do Júri com "EO", de Jerzy Skolimowski - e foi exibido no...