A repercussão de “Coda – No Ritmo do Coração” no Festival de Sundance deste ano, ganhando quatro prêmios (Melhor Direção, Melhor Elenco, Melhor Filme pelo júri e pelo público), já dava indícios de que o filme era uma boa produção para ficar atento. A propósito, esta definição pode até ser interpretada por outro olhar se levar em consideração a proposta do longa.

“Coda – No Ritmo do Coração” é uma refilmagem estadunidense da comédia francesa “A Família Belier”, dirigida por Eric Lartigau. A nova versão foi adaptada e dirigida por Sian Heder, conhecida por trabalhar no roteiro de vários episódios de “Orange Is The New Black”.

O longa acompanha a história de Ruby (Emilia Jones), a única pessoa ouvinte em sua família surda. Quando os negócios de pesca que dão sustento para a família são ameaçados, ela fica dividida entre seu amor pela música e o medo de abandonar os pais. Por conta da deficiência da família, Ruby acabou se tornando a intérprete responsável pela comunicação dos parentes com os clientes e a sociedade “não-surda”.

Narrativa clichê, porém, bem dirigida

Logo nos primeiros minutos, é possível perceber que “Coda – No Ritmo do Coração” apresenta uma narrativa já conhecida. A trama sobre amadurecimento de protagonistas adolescentes já foi vista em diversas obras recentes como “Oitava Série”, “Lady Bird” e tantos outras. A adaptação de Heder foi bastante feliz em preservar a essência da comédia francesa e não se distanciar tanto do original ainda que acrescente detalhes que enriqueçam ainda mais a proposta do longa.

O primeiro ato é muito bem construído, os personagens são apresentados de forma envolvente, aproximando os espectadores do drama de cada um. Logo em seguida, o filme já levanta o conflito principal ligada à escolha que Ruby tem que fazer: seguir o sonho de uma carreira na música, ou permanecer ajudando no trabalho da família. A resolução da trama não é inovadora, mas o ótimo desenvolvimento da história é suficiente para entregar um bom desfecho.

Outro ponto forte está na direção do elenco, principalmente, na atuação dos personagens com deficiência auditiva. Vale ressaltar que a mãe de Ruby é interpretada pela Marlee Matlin, a única pessoa surda a ganhar o Oscar de Melhor Atriz em 1986, em “Filhos do Silêncio”.

Matlin, que foi convidada para compor o elenco, exigiu que todos os personagens surdos fossem interpretados por atores que realmente tivessem deficiência auditiva. Esta característica trouxe ganhos para obra: o pai e irmão de Ruby vividos, respectivamente, por Troy Kotsur e Daniel Durant, entregam boas atuações. Além de serem ótimas adições à construção dos conflitos em que a protagonista se depara ao longo do filme.

É impossível deixar de ressaltar a naturalidade de Emilia Jones ao se comunicar na Língua de Sinais Americana (ASL). Percebe-se que a atriz se aprofundou bastante nos estudos, pois o modo como transita entre a fala e a linguagem é totalmente convincente. Sem falar no fato de sua ótima voz que encanta o espectador em vários momentos do drama. Importante destacar que “Coda – No Ritmo do Coração” não é um musical, e sim um drama que traz como temática a música.

Outro elemento que se torna importante na construção do enredo é o trabalho de som. Algo semelhante vemos ou ouvimos no imersivo “Som do Silêncio”, vencedor de diversos prêmios nas categorias técnicas referentes à mixagem de som. Em dois momentos específicos de “Coda”, vemos a tentativa de inserir o espectador no universo de pessoas surdas, da mesma forma como o original francês também provoca esta sensação. Ambos realizam o feito de formas diferentes, mas com êxito.

Desigualdades sociais e críticas ao capacitismo

Certo que o ponto principal é trajetória da protagonista na busca de conquistar seus sonhos. Mas o plano de fundo em que a história é inserida consegue provocar grandes reflexões acerca das desigualdades sociais, econômicas e de exclusão de Pessoas Com Deficiência (PCDs). Aliás, esse é a principal característica que se distancia o remake do original.

Em “Coda – No Ritmo do Coração”, a diretora optou por adaptar o contexto em que a família de Ruby vive. A pesca, que é o sustento da família, começa a não render mais tanto quando deveria. E um dos fatores que implica essa redução de lucros está indiretamente no fato dos desafios que uma pessoa com deficiência auditiva possui.

O diálogo que Ruby tem com seu irmão mais velho reforça esta ideia: o personagem de Daniel Durant é certeiro ao levantar problemáticas que evidenciam o quanto a sociedade pode ser preconceituosa e capacitista.

“- Eu faço isso isto, eu dou conta. Sou o irmão mais velho e sou tratado como bebê. Não pude fazer nada com a Peixe Fresco [empresa da família]!

– Porque tudo envolve falar com ouvintes.

– E daí? Quem se importa? Você tem medo de que a gente pareça idiota. Eles que descubram como lidar com surdos. Não somos indefesos”.

Apesar de “Coda – No Ritmo do Coração” não apresentar uma estrutura narrativa inovadora, a relevância social que o longa traz e a forma como ele que foi construído são suficientes para ignorar clichês.

A adaptação estadunidense preserva a essência do original ao provocar reflexões sobre amor, respeito e inclusão social. E a direção de Sian Heder ao lado do elenco de peso, conquistam e emocionam o público.

‘Free Guy’: aventura mostra bom caminho para adaptação de games

Adaptar o mundo dos jogos para as telonas é quase uma receita fadada ao fracasso. Inúmeros são os exemplos: "Super Mario Bros", "Street Fighter", "Tomb Raider: A Origem" e até o mais recente "Mortal Kombat" não escapou de ser uma péssima adaptação. Porém, quando a...

‘A Taça Quebrada’: a angustiante jornada de um fracassado

Não está fácil a vida de Rodrigo: músico sem grande sucesso, ele não aceita a separação da esposa ocorrida há dois anos (sim, 2 anos!) muito menos o novo relacionamento dela, além de sofrer com a distância do filho e de ver o trio morar na casa que precisou deixar. E...

‘Halloween Kills: O Terror Continua’: fanservice não segura filme sem avanços

Assim como ocorreu com Halloween (2018), a sensação que se tem ao final da sua sequência, Halloween Kills: O Terror Continua, é de... decepção. O filme dirigido por David Gordon Green que reviveu a icônica franquia de terror no aniversário de 40 anos do clássico...

‘Flee’: a resiliência de um refugiado afegão em animação brilhante

A vida de um refugiado é o foco de "Flee", filme exibido no Festival de Londres deste ano depois de premiadas passagens nos festivais de Sundance (onde estreou) e Annecy. A produção norueguesa é uma tocante história de sobrevivência que transforma um passado...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas’, o filme que mudou Hollywood

Em 2008, dois filmes mudaram os rumos de Hollywood. Foi o ano em que o cinema de super-heróis passou para o próximo nível e espectadores pelo mundo todo sentiram esse abalo sísmico. O Marvel Studios surgiu com Homem de Ferro, um espetáculo divertido, ancorado por...

‘After the Winter’: drama imperfeito sobre amizades e os novos rumos de um país

"After the Winter", longa de estreia do cineasta Ivan Bakrač, é uma ode à amizade e ao amadurecimento. A co-produção Montenegro-Sérvia-Croácia, que teve sua première mundial na seção Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, retrata...

‘Batman Begins’ e o renascimento do Homem-Morcego

“Por que caímos? Para aprender a nos levantar”. Essa frase é dita algumas vezes pelos personagens de Batman Begins, inclusive pelo pai de Bruce Wayne. Ela se aplica dentro da história, mas também é possível enxergar aí um comentário sutil a respeito da franquia Batman...

‘O Marinheiro das Montanhas’: Ainouz em viagem intimista e modesta

"O Marinheiro das Montanhas", novo filme de Karim Aïnouz, é uma mistura de diário de viagem e tributo familiar que leva o espectador para o coração da Argélia - e do diretor também. O documentário, exibido na seção Horizontes do Festival Internacional de Cinema de...

‘O Espião Inglês’: cumpre missão mesmo sem inovar

Filmes de espionagem quase sempre ostentam um ar noir, como uma ode aos filmes antigos da Era de Ouro de Hollywood. Com clima denso, a tensão toma conta, as intrigas são o plot principal nesses enredos frios e sem espaço para o humor e, via de regra, quase sempre...

‘Mirrors in the Dark’: drama de demasiados passos em falso

Uma dançarina à beira do abismo é o foco de "Mirrors in the Dark", filme tcheco que teve sua estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. O longa de estreia de Šimon Holý, exibido na mostra Leste do Oeste do evento, capricha no visual...