“Driveways” é um filme simples. O tipo de produção que não encontraria lugar entre os blockbusters para projeção nos cinemas de shopping. Devido a pandemia, no entanto, temos acesso mais fácil a obras como essa. É necessário deixar claro que a simplicidade é onde repousa a beleza e o coração do filme dirigido por Andrew Ahn (“Spa Night”), que aborda afetos e aceitação.

Acompanhamos o pequeno Cody (Lucas Jaye) e sua mãe, Kathy (Hong Chau, de “Watchmen”), que estão de passagem para vender a casa que pertencia a irmã dela. O garoto é solitário e tem dificuldade em socializar com as outras pessoas da sua idade, o que, entretanto, não o impede de desenvolver uma amizade com o vizinho de sua tia, um veterano de guerra (Brian Dennehy). A partir dessa relação, o roteiro utiliza atividades cotidianas para discutir aceitação, inteiração e como o afeto é construído a partir desses dois pontos.

Socialização e afetos

Desde os primeiros instantes, fica evidente que a interação da família se restringe a mãe e filho. Kathy parece ter dificuldade em aproximar-se das pessoas e o mesmo ocorre com seu filho. Como alguém que convive mais com adultos do que com pessoas da sua idade, Cody não consegue se relacionar com as crianças do bairro, o que fica nítido pela sua falta de entendimento de gírias juvenis e pelo seu comportamento silencioso. Isso resulta em ele não saber lidar com conflitos de qualquer espécie, por exemplo.

Tal conduta, no entanto, é importante para aumentar a empatia criada em torno da amizade do garoto e Dell. O afeto entre ambos é um condutor para os tirar da solidão, para isso, precisam aceitar o que lhes é imposto pela vida. Enquanto Cody tem que aprender a lidar com as mudanças de sua idade, incluindo nisso as decisões da mãe e saber se relacionar com outras crianças, Dell precisa seguir em frente após a morte da esposa e decidir se viver em seu ambiente isolado é melhor do que estar perto de sua filha.

Nesse processo, os dois personagens têm um encontro de alma sincero e encantador. A cena em que festejam o aniversário de Cody no bingo com Dell e seus amigos e o diálogo final entre o senhor e a criança são as maiores evidencias da ternura, respeito e aceitação no qual o afeto entre eles é alicerçado. Além de relembrar que há sempre uma saída para a solidão.

A beleza do elenco

Parte dessa delicadeza provém justamente do elenco: Brian Dennehy, que perdemos em abril deste ano, entrega suavidade e doçura em sua relação com o jovem Lucas Jaye. O garoto, por sinal, faz de “Driveaways” um filme leve e divertido devido a sua ingenuidade, responsável por diminuir sua áurea infantil que sabe tudo – elemento muito presente nas tramas que envolvem atores mirins.

Outro detalhe interessante, também, é a diversidade do elenco: temos personagens asiáticos, afrodescendentes e hispanos e todos eles buscam interagir com a família de Cody e fazer-lhe bem. Curiosamente, o maniqueísmo recai sobre os personagens caucasianos que agem com indiferença e até mesmo atitudes intolerantes em relação a família asiática.

Andrew Ahn constrói uma trama simples, mas nos faz envolver-nos com seus personagens e seu cotidiano pacato, porém carregado de afeto, ternura e companhia. Itens essenciais para o tempo de pandemia.

‘Awake’: thriller de ficção científica perdido e sem propósito

Um filme como “Awake” poderia ser classificado como um thriller de ficção científica, mas que não é bom nem em ser thriller e muito menos em ter alguma base científica relevante na sua trama. Se você quer uma experiência de tensão real ou uma narrativa envolvente, com...

‘Espiral: O Legado de Jogos Mortais’: série pela hora da morte

Na primeira década dos anos 2000, os multiplexes do mundo foram, por um bom tempo, assombrados por pôsteres assustadores que mostravam pés decepados e outros horrores nos seus salões de entrada. E dentro das salas, se podiam ver cenas com gente usando máscaras de...

‘Missão Cupido’: comédia sobrenatural para não se levar a sério

Se eu acreditasse em astrologia, diria que o Brasil está passando por um inferno astral. E, nesses momentos, nada como dar umas risadas descomprometidas para aliviar a tensão. Essa é a proposta de Ricardo Bittencourt ("Real – O Plano por Trás da História") em "Missão...

‘Invocação do Mal 3’: James Wan faz falta no pior filme da franquia

James Wan é um cara esperto, um cineasta inteligente e talentoso, que não fez nenhuma obra-prima, mas também não realizou nenhum filme ruim até agora. No seu trabalho dentro do gênero terror, ele não reinventou a roda, mas soube dar uma bela polida nela, trazendo seu...

‘Anônimo’: Bob Odenkirk surpreende como herói improvável

Na história do cinema, isso sempre aconteceu: um filme de certo gênero aparece, traz alguma inovação ou inaugura uma tendência, faz sucesso e, por algum tempo, vira o padrão dentro deste gênero. Tubarão (1975) deu origem a um subgênero de filmes abilolados de tubarões...

‘Cruella’: fúria punk e figurinos luxuosos comandam diversão

Durante a minha infância, tínhamos o costume de nos reunir aos finais de semana para assistir filmes de animação. Foi assim que vi (e decorei as músicas) dos clássicos da Disney. Com o tempo, os gêneros foram mudando, mas as lembranças desses momentos permaneceram....

‘Rogai por Nós’: CGI e roteiro capenga derrubam terror

Em algum lugar dentro de Rogai por Nós, suspense sobrenatural da produtora Ghost House de Sam Raimi e dirigido pelo estreante Evan Spiliotopoulos, tem uma interessante história sobre fé, crenças e o mistério que cerca a nossa existência. Porém, essa mesma história é...

‘Aqueles que me Desejam a Morte’: clichês por todos os cantos

Aqueles que Me Desejam a Morte, o novo projeto da estrela Angelina Jolie e do diretor/roteirista Taylor Sheridan, começa com a protagonista da história no meio de uma situação bem dramática... E aí ela acorda. Era tudo um sonho e sabemos que aquele momento representou...

‘Cine Marrocos’: experiência artística e social em meio à marginalização

"Maldito é o homem que confia nos homens, que faz da humanidade mortal a sua força, mas cujo coração se afasta do Senhor”. É com Jeremias 17:5 que o morador do Cine Marrocos, Valter Machado, introduz o espectador em uma experiência encantadora aonde qualquer pessoa...

‘Me Sinto Bem Com Você’: crônica superficial dos relacionamentos pandêmicos

“Ei, você está ai?” Há algum tempo li um tweet que dizia que quem driblou a pandemia foram as pessoas que arranjaram um emprego e/ou começaram a namorar durante a quarentena. A situação ímpar de isolamento que vivemos levou muitas pessoas a recorrerem à troca de...