“Driveways” é um filme simples. O tipo de produção que não encontraria lugar entre os blockbusters para projeção nos cinemas de shopping. Devido a pandemia, no entanto, temos acesso mais fácil a obras como essa. É necessário deixar claro que a simplicidade é onde repousa a beleza e o coração do filme dirigido por Andrew Ahn (“Spa Night”), que aborda afetos e aceitação.

Acompanhamos o pequeno Cody (Lucas Jaye) e sua mãe, Kathy (Hong Chau, de “Watchmen”), que estão de passagem para vender a casa que pertencia a irmã dela. O garoto é solitário e tem dificuldade em socializar com as outras pessoas da sua idade, o que, entretanto, não o impede de desenvolver uma amizade com o vizinho de sua tia, um veterano de guerra (Brian Dennehy). A partir dessa relação, o roteiro utiliza atividades cotidianas para discutir aceitação, inteiração e como o afeto é construído a partir desses dois pontos.

Socialização e afetos

Desde os primeiros instantes, fica evidente que a interação da família se restringe a mãe e filho. Kathy parece ter dificuldade em aproximar-se das pessoas e o mesmo ocorre com seu filho. Como alguém que convive mais com adultos do que com pessoas da sua idade, Cody não consegue se relacionar com as crianças do bairro, o que fica nítido pela sua falta de entendimento de gírias juvenis e pelo seu comportamento silencioso. Isso resulta em ele não saber lidar com conflitos de qualquer espécie, por exemplo.

Tal conduta, no entanto, é importante para aumentar a empatia criada em torno da amizade do garoto e Dell. O afeto entre ambos é um condutor para os tirar da solidão, para isso, precisam aceitar o que lhes é imposto pela vida. Enquanto Cody tem que aprender a lidar com as mudanças de sua idade, incluindo nisso as decisões da mãe e saber se relacionar com outras crianças, Dell precisa seguir em frente após a morte da esposa e decidir se viver em seu ambiente isolado é melhor do que estar perto de sua filha.

Nesse processo, os dois personagens têm um encontro de alma sincero e encantador. A cena em que festejam o aniversário de Cody no bingo com Dell e seus amigos e o diálogo final entre o senhor e a criança são as maiores evidencias da ternura, respeito e aceitação no qual o afeto entre eles é alicerçado. Além de relembrar que há sempre uma saída para a solidão.

A beleza do elenco

Parte dessa delicadeza provém justamente do elenco: Brian Dennehy, que perdemos em abril deste ano, entrega suavidade e doçura em sua relação com o jovem Lucas Jaye. O garoto, por sinal, faz de “Driveaways” um filme leve e divertido devido a sua ingenuidade, responsável por diminuir sua áurea infantil que sabe tudo – elemento muito presente nas tramas que envolvem atores mirins.

Outro detalhe interessante, também, é a diversidade do elenco: temos personagens asiáticos, afrodescendentes e hispanos e todos eles buscam interagir com a família de Cody e fazer-lhe bem. Curiosamente, o maniqueísmo recai sobre os personagens caucasianos que agem com indiferença e até mesmo atitudes intolerantes em relação a família asiática.

Andrew Ahn constrói uma trama simples, mas nos faz envolver-nos com seus personagens e seu cotidiano pacato, porém carregado de afeto, ternura e companhia. Itens essenciais para o tempo de pandemia.

CRÍTICA | ‘Back to Black’: desserviço à imagem de Amy Winehouse

Já na época em que foi anunciada a morte da cantora britânica Amy Winehouse (1983-2011), se falava em um filme sobre ela, tamanho o frenesi midiático que essa artista despertou no mundo neste começo do século XXI. Agora o filme finalmente chegou às telas e... bem, Amy...

CRÍTICA | ‘Fúria Primitiva’: um inevitável sub-John Wick

Independente se você gosta ou não da John Wick, hoje qualquer filme de ação contemporâneo que se preze tem como principal parâmetro a saga estrelada por Keanu Reeves. Mais da metade dos trabalhos lançados nos últimos anos no gênero como um todo seguem a cartilha da...

Crítica | ‘Foram Os Sussurros que Me Mataram’: Tuoto mistura novela das 20h com Lynch em filme inusitado

"Os erros ou excessos na administração do mundo das imagens produzem consequências políticas imediatas". Esse é o tipo de tagarelice canastrona pretensiosa que talvez encontrássemos numa review de Arthur Tuoto – e que não surpreende, portanto, que dê as caras neste...

Crítica | ‘Planeta dos Macacos – O Reinado’: filme mantém marca pessimista da série

De certa forma, a franquia Planeta dos Macacos é perfeita para os nossos tempos: vivemos em um mundo com guerras, desastres climáticos e pandemias. Diante disso, imaginar que a raça humana seja extinta ou que perca o domínio sobre a Terra não parece assim tão distante...

Crítica | ‘Vermelho Monet’ – entre o fazer artístico e o desejo

Há uma plasticidade visual que conduz todo o trabalho de Halder Gomes (“Cine Holliúdy”) em “Vermelho Monet”. O filme protagonizado por Chico Diaz, Maria Fernanda Cândido e Samantha Müller nos conduz pelo submundo do mercado de artes plásticas apresentando um visual...

Crítica | ‘Transe’: o velho espetáculo da juventude progressista classe A

Pode ser tentador para o público, diante da repercussão memética negativa que o trailer de “Transe” recebeu, ir ao cinema com o intuito de chutar cachorro morto. Os que compram seus ingressos planejando tiradas mordazes para o final da sessão irão se decepcionar. Não...

Crítica | ‘Imaculada’: Sydney Sweeny sobra em terror indeciso

Na história do cinema, terror e religião sempre caminharam de mãos dadas por mais que isso pareça contraditório. O fato de termos a batalha do bem e do mal interligada pelo maior medo humano - a morte - permitiu que a religião com seus dogmas e valores fosse...

Crítica | ‘Abigail’: montanha-russa vampírica divertida e esquecível

Desde que chamaram a atenção com o divertido Casamento Sangrento em 2019, a dupla de diretores Matt Bettinelli-Olpin e Tyler Gillett vem sedimentando uma carreira cinematográfica que mescla o terror sangrento do slasher movie com a sátira social cômica para...

Crítica | ‘O Dublê’ – cinema de piscadela funciona desta vez

David Leitch: sintoma do irritante filão contemporâneo do cinema de piscadela, espertinho, de piadinhas meta e afins. A novidade no seu caso são as doses nada homeopáticas de humor adolescente masculino. Dê uma olhada em sua filmografia e você entenderá do que falo:...

‘Rivais’: a partida debochada e sensual de Luca Guadagnino

Luca Guadagnino dá o recado nos primeiros segundos de “Rivais”: cada gota de suor, cada cicatriz, cada olhar e cada feixe de luz carregam bem mais do que aparentam. O que parece uma partida qualquer entre um dos melhores tenistas do mundo e outro que não consegue...