É preciso dizer que Jon M. Chu e Lin-Manuel Miranda são os artistas atuais mais populares no quesito representatividade em Hollywood. Chu é responsável por trazer o primeiro filme norte-americano em 25 anos com um elenco totalmente asiático e asiático-americano – “Podres de Ricos” -, enquanto Miranda é a mente por trás de “Hamilton”. O encontro entre os dois resulta em uma produção cativante com uma narrativa carregada de pertencimento, além de ser visualmente e musicalmente primorosa.

“Em um Bairro de Nova York” acompanha os dramas de oito personagens em Washington Heights, um bairro de Nova York com população predominantemente latina, mas, que vem atraindo a atenção de hipsters e agentes do mercado imobiliário e, com isso, diminuindo a presença dos imigrantes hispanos. Usnavi (Anthony Ramos) é o catalizador dessa história: dono de mercadinho, ele sonha em voltar para Republica Dominicana e ter a vida que seus pais levavam antes de irem para os EUA. Este é o seu sonho, mas cada um dos sete coadjuvantes possui seus próprios suañitos.

Por dentro dos moradores de Washington Heights

O roteiro adaptado do musical de Miranda e Quiara Alegria Hudes (que também assina o roteiro do filme) é eficaz em envolver e gerar identificação com o público. A adaptação de “Em um Bairro de Nova York” conta com uma característica popularizada pelo teatro shakespeariano: uma abertura marcante com delimitação da apresentação de seus personagens. A música inicial, a qual leva o mesmo nome do musical, deixa evidente sobre quem são os protagonistas e quais elementos são visualmente correspondentes a cada persona. Seja o leite de Usnavi, o microfone de Benny (Corey Hawkins) ou a angústia que acompanha Vanessa (Melissa Barrera). Apontando, também, as questões que permearão a narrativa.

A duração (2h22) possibilita que conheçamos cada um dos personagens centrais e lhes confira profundidade e desempenho vocal. Há tempo até mesmo para introduzir músicas que apenas ambientam a trama, como é o caso de “Piragua” – canção interpretada por Lin-Manuel Miranda em parceria com Chris Jackson (sim, o George Washington de “Hamilton”). Outro aspecto positivo é a oportunidade de vermos rostinhos ainda não tão populares em cena que, além de carregarem a latinidade em seus corpos e gestos, entregam performances carregadas de simplicidade e beleza que tornam a experiência, ao mesmo tempo, épica e singela. O destaque fica para Anthony Ramos, demonstrando ser um ator carismático e com potencial para crescimento. É sempre prazeroso acompanhar seus projetos.

Pertencimento e Resistência

Ainda que soe cansativa, a duração serve para transpor o senso familiar de comunidade que guia “Em um Bairro de Nova York”, além de ser relevante para compreensão e valorização cultural. Os trechos em espanhol e as figuras emblemáticas, como Abuela (Olga Merediz) e a moça que vai para uma faculdade de renome e se torna uma referência no bairro (Leslie Grace), assumem um tom de resistência, especialmente se pensarmos que o musical da Broadway é anterior ao governo Trump. De forma semelhante, o mercadinho de Usnavi também possui esse valor, visto que ele é um dos poucos lugares de referência da comunidade latina que sobreviveu as transformações socioeconômicas. Sua localização remete de forma menos invasiva à pizzaria do Sal em “Faça a Coisa Certa” e ao Mangrove de “Small Axe”.

“Em um Bairro de Nova York” é, sobretudo, um convite a pensarmos no pertencimento e como a gentrificação urbana afeta comunidades, culturas e vidas. Esse processo é utilizado para discutir questões politicas imigratórias e raciais. Uma das grandes sacadas de Hude e Chu é trazer isso sobre um olhar cotidiano, sempre apontando para coisas simples e corriqueiras como um pão na chapa, um sorvete ou uma ida ao clube que se desdobra em um ponto de disseminação cultural e movimentação política. Dessa forma, as vítimas desse projeto de modernidade e expansão são humanizadas reacendendo discussões em torno da importância de sentir-se inserido na coletividade e do peso da ancestralidade.

Este é um filme marcante. Seja por sua latinidade, interpretações ou cunho político, “Em um Bairro de Nova York” consegue cativar um lugar aquecido na memória afetiva, nos fazendo reflexionar sobre nossos próprios suañitos e como podemos fazer a diferença em nossa comunidade. Vale a pena assistir em família e sair cantarolando por uma Piragua por aí.

‘Tantas Almas’: olhar sensível sobre questões amazônicas

Captar as sensibilidades que rondam a Amazônia e a vivência de seus moradores é um desafio que nem todos os cineastas estão dispostos a experimentar. A região, nesse sentido todo território sul-americano recoberto pelas suas florestas e rios, desperta curiosidade e o...

‘O Homem do Norte’: Eggers investe na ação aliada aos maneirismos

Considerando o que tem em comum entre os planos definidores de suas obras, podemos encontrar a frontalidade como um dos artifícios principais que Robert Eggers usa para extrair a performance de seus atores com êxito.  Ao mesmo passo que esses momentos tornam-se frames...

‘O Peso do Talento’: comédia não faz jus ao talento de Nicolas Cage

Escute esta premissa: Nicolas Cage, ator atribulado de meia-idade, teme que sua estrela esteja se apagando; o telefone já não toca mais, as propostas se tornaram escassas e o outrora astro procura uma última chance de voltar aos holofotes com tudo. Vida real, você...

‘O Soldado que não Existiu’: fake news para vencer a guerra

Em 1995, Colin Firth interpretou o senhor Darcy na série da BBC que adaptou “Orgulho e Preconceito”, de Jane Austen. Dez anos depois, Matthew Macfadyen eternizou o personagem no filme de Joe Wright, tornando-se o crush de muitas jovens e adolescentes. John Madden...

‘@ArthurRambo: Ódio nas Redes’: drama sintetiza a cultura do cancelamento

A cultura do cancelamento permeia a internet às claras. Para o público com acesso  frequente, é impossível nunca ter ouvido falar sobre o termo. Vivemos o auge da exposição virtual e como opera a massificação para que os tais alvos percam - merecidamente - ou não -...

‘Águas Selvagens’: suspense sofrível em quase todos aspectos

Certos filmes envolvem o espectador com tramas bem desenvolvidas, deixando-nos mais e mais ansiosos a cada virada da história; outros, apresentam personagens tão cativantes e genuínos que é impossível que não nos afeiçoemos por eles. Mas existe também uma categoria...

‘Ambulância – Um Dia de Crime’: suco do cinema de ação dos anos 2000

Vou começar com uma analogia, se me permitem. Hoje em dia, o ritmo e consumo de coisas estão rápidas e frenéticas. Com o Tik Tok e plataformas similares, esse consumo está ainda mais dinâmico (e isso não é um elogio) e a demanda atende às exigências do mercado. A...

‘Eduardo e Mônica’: para deixar Renato Russo orgulhoso

Se há algo que é difícil de ser respeitado no mundo cinematográfico atual é a memória e o legado do artista. Por isso, ver o legado de Renato Russo e da Legião Urbana sendo absorvido pelo cinema com um grau de respeito e seriedade acaba por fazer a situação inusitada,...

‘Doutor Estranho no Multiverso da Loucura’: barreiras da Marvel travam Sam Raimi

“Doutor Estranho no Multiverso da Loucura” apresenta uma das suas passagens mais interessantes quando o protagonista (Benedict Cumberbatch) e America Chavez (Xochitl Gomez) cruzam uma série de mundos em poucos segundos. De universos mais sombrios aos realistas até...

‘Cidade Perdida’: um estranho no ninho dos blockbusters

É mesmo surpreendente uma atriz como Sandra Bullock ainda não ter protagonizado um filme de super-herói. A atriz de 57 anos, conhecida pela filmografia repleta de comédias e até mesmo filmes de ação, afirmou que chegou perto de estrelar um longa produzido por Kevin...