É preciso dizer que Jon M. Chu e Lin-Manuel Miranda são os artistas atuais mais populares no quesito representatividade em Hollywood. Chu é responsável por trazer o primeiro filme norte-americano em 25 anos com um elenco totalmente asiático e asiático-americano – “Podres de Ricos” -, enquanto Miranda é a mente por trás de “Hamilton”. O encontro entre os dois resulta em uma produção cativante com uma narrativa carregada de pertencimento, além de ser visualmente e musicalmente primorosa.

“Em um Bairro de Nova York” acompanha os dramas de oito personagens em Washington Heights, um bairro de Nova York com população predominantemente latina, mas, que vem atraindo a atenção de hipsters e agentes do mercado imobiliário e, com isso, diminuindo a presença dos imigrantes hispanos. Usnavi (Anthony Ramos) é o catalizador dessa história: dono de mercadinho, ele sonha em voltar para Republica Dominicana e ter a vida que seus pais levavam antes de irem para os EUA. Este é o seu sonho, mas cada um dos sete coadjuvantes possui seus próprios suañitos.

Por dentro dos moradores de Washington Heights

O roteiro adaptado do musical de Miranda e Quiara Alegria Hudes (que também assina o roteiro do filme) é eficaz em envolver e gerar identificação com o público. A adaptação de “Em um Bairro de Nova York” conta com uma característica popularizada pelo teatro shakespeariano: uma abertura marcante com delimitação da apresentação de seus personagens. A música inicial, a qual leva o mesmo nome do musical, deixa evidente sobre quem são os protagonistas e quais elementos são visualmente correspondentes a cada persona. Seja o leite de Usnavi, o microfone de Benny (Corey Hawkins) ou a angústia que acompanha Vanessa (Melissa Barrera). Apontando, também, as questões que permearão a narrativa.

A duração (2h22) possibilita que conheçamos cada um dos personagens centrais e lhes confira profundidade e desempenho vocal. Há tempo até mesmo para introduzir músicas que apenas ambientam a trama, como é o caso de “Piragua” – canção interpretada por Lin-Manuel Miranda em parceria com Chris Jackson (sim, o George Washington de “Hamilton”). Outro aspecto positivo é a oportunidade de vermos rostinhos ainda não tão populares em cena que, além de carregarem a latinidade em seus corpos e gestos, entregam performances carregadas de simplicidade e beleza que tornam a experiência, ao mesmo tempo, épica e singela. O destaque fica para Anthony Ramos, demonstrando ser um ator carismático e com potencial para crescimento. É sempre prazeroso acompanhar seus projetos.

Pertencimento e Resistência

Ainda que soe cansativa, a duração serve para transpor o senso familiar de comunidade que guia “Em um Bairro de Nova York”, além de ser relevante para compreensão e valorização cultural. Os trechos em espanhol e as figuras emblemáticas, como Abuela (Olga Merediz) e a moça que vai para uma faculdade de renome e se torna uma referência no bairro (Leslie Grace), assumem um tom de resistência, especialmente se pensarmos que o musical da Broadway é anterior ao governo Trump. De forma semelhante, o mercadinho de Usnavi também possui esse valor, visto que ele é um dos poucos lugares de referência da comunidade latina que sobreviveu as transformações socioeconômicas. Sua localização remete de forma menos invasiva à pizzaria do Sal em “Faça a Coisa Certa” e ao Mangrove de “Small Axe”.

“Em um Bairro de Nova York” é, sobretudo, um convite a pensarmos no pertencimento e como a gentrificação urbana afeta comunidades, culturas e vidas. Esse processo é utilizado para discutir questões politicas imigratórias e raciais. Uma das grandes sacadas de Hude e Chu é trazer isso sobre um olhar cotidiano, sempre apontando para coisas simples e corriqueiras como um pão na chapa, um sorvete ou uma ida ao clube que se desdobra em um ponto de disseminação cultural e movimentação política. Dessa forma, as vítimas desse projeto de modernidade e expansão são humanizadas reacendendo discussões em torno da importância de sentir-se inserido na coletividade e do peso da ancestralidade.

Este é um filme marcante. Seja por sua latinidade, interpretações ou cunho político, “Em um Bairro de Nova York” consegue cativar um lugar aquecido na memória afetiva, nos fazendo reflexionar sobre nossos próprios suañitos e como podemos fazer a diferença em nossa comunidade. Vale a pena assistir em família e sair cantarolando por uma Piragua por aí.

‘Spencer’: Kristen Stewart luta em vão contra filme maçante

Em "Spencer", Kristen Stewart se junta ao clube de atrizes - que inclui Naomi Watts (“Diana”) e Emma Corrin (“The Crown”) - que se lançaram ao desafio de retratar a Princesa Diana. A atriz traz uma energia caótica à personagem e a coloca no caminho de uma quase certa...

‘O Garoto Mais Bonito do Mundo’ e o dilema da beleza

Morte em Veneza, o filme do diretor italiano Luchino Visconti lançado em 1971 e baseado no livro de Thoman Mann, é sobre um homem tão apaixonado, tão obcecado pela beleza que presencia diariamente, que acaba destruindo a si próprio por causa disso. E essa beleza, no...

‘Venom: Tempo de Carnificina’: grande mérito é ser curto

Se alguém me dissesse que existe um filme com Tom Hardy, Michelle Williams, Naomie Harris e Woody Harrelson, eu logo diria que tinha tudo para ser um filmaço, porém, estamos falando de “Venom: Tempo de Carnificina” e isso, infelizmente, é autoexplicativo. A...

‘A Casa Sombria’: ótimo suspense de desfecho duvidoso

Um dos grandes destaques do Festival de Sundance do ano passado, "A Casa Sombria", chegou aos cinemas brasileiros após mais de um ano de seu lançamento. Sob a direção de David Bruckner (responsável por dirigir o futuro reboot de "Hellraiser"), o longa é um bom exemplo...

‘Free Guy’: aventura mostra bom caminho para adaptação de games

Adaptar o mundo dos jogos para as telonas é quase uma receita fadada ao fracasso. Inúmeros são os exemplos: "Super Mario Bros", "Street Fighter", "Tomb Raider: A Origem" e até o mais recente "Mortal Kombat" não escapou de ser uma péssima adaptação. Porém, quando a...

‘A Taça Quebrada’: a angustiante jornada de um fracassado

Não está fácil a vida de Rodrigo: músico sem grande sucesso, ele não aceita a separação da esposa ocorrida há dois anos (sim, 2 anos!) muito menos o novo relacionamento dela, além de sofrer com a distância do filho e de ver o trio morar na casa que precisou deixar. E...

‘Halloween Kills: O Terror Continua’: fanservice não segura filme sem avanços

Assim como ocorreu com Halloween (2018), a sensação que se tem ao final da sua sequência, Halloween Kills: O Terror Continua, é de... decepção. O filme dirigido por David Gordon Green que reviveu a icônica franquia de terror no aniversário de 40 anos do clássico...

‘Flee’: a resiliência de um refugiado afegão em animação brilhante

A vida de um refugiado é o foco de "Flee", filme exibido no Festival de Londres deste ano depois de premiadas passagens nos festivais de Sundance (onde estreou) e Annecy. A produção norueguesa é uma tocante história de sobrevivência que transforma um passado...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas’, o filme que mudou Hollywood

Em 2008, dois filmes mudaram os rumos de Hollywood. Foi o ano em que o cinema de super-heróis passou para o próximo nível e espectadores pelo mundo todo sentiram esse abalo sísmico. O Marvel Studios surgiu com Homem de Ferro, um espetáculo divertido, ancorado por...

‘After the Winter’: drama imperfeito sobre amizades e os novos rumos de um país

"After the Winter", longa de estreia do cineasta Ivan Bakrač, é uma ode à amizade e ao amadurecimento. A co-produção Montenegro-Sérvia-Croácia, que teve sua première mundial na seção Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, retrata...