Desde a primeira publicação em 1887, o nome Sherlock Holmes ficou marcado como um dos grandes personagens da literatura, mais popular inclusive do que o próprio autor, Arthur Conan Doyle. Nos cinemas, as inúmeras adaptações das aventuras do detetive sempre variam entre um roteiro baseado em seu pensamento lógico e, na mais recente com Robert Downey Jr, absurdas cenas de ação.  

Sem fugir à regra, é exatamente desta forma que ‘Enola Holmes’ apresenta mais uma versão do detetive inglês, porém, trazendo, agora, a irmã de Sherlock como protagonista, a qual carrega os mesmos talentos investigativos. Embora a iniciativa seja louvável e apresente uma trama instigante e bem construída, o longa acaba marcado por falhas na construção de seus personagens e forçar a aproximação além do necessário com temáticas caras aos dias atuais sem a devida propriedade. 

No filme, Enola Holmes (Millie Bobby Brown) terá a missão de investigar o desaparecimento repentino de sua mãe (Helena Bonham Carter), o que traz os irmãos Sherlock (Henry Cavill) e Mycroft (Sam Claflin) de volta ao lar. Como qualquer outra reunião familiar, os conflitos logo vêm à tona, fazendo Enola fugir de casa para descobrir o paradeiro da matriarca e ainda ajudar o jovem marquês Tewkesbury (Louis Partridge). 

Apesar de ter sua imagem estritamente atrelada a ‘Stranger Things’, Millie Bobby Brown consegue ser uma ótima protagonista: muito além do carisma, ela convence o público com sua trama. Assim, a escolha por conduzir a narrativa através das intervenções de Enola dialogando diretamente ao público e quebrando a quarta parede são bem aproveitadas pela atriz em sua habilidade de equilibrar a personagem em diferentes cenários. Essa destreza também se deve a experiência do diretor Harry Breadbeer em ‘Fleabag’ com as intervenções da personagem conseguindo ser dinâmicas. 

Se Sam Claflin também manda bem, o mesmo não dá para dizer de Henry Cavill. Aqui, a atuação do astro de ‘The Witcher’ é extremamente linear, existem poucas emoções envolvidas e esse problema não pode sequer ser justificada pela personalidade reclusa de Sherlock já que existem momentos mais sentimentais, onde Cavill permanece parecendo uma estátua de cera. Sim, ele continua sendo um ótimo Superman e Gerald de Rívia, mas, como Sherlock, não tem como defender.   

REPRESENTATIVIDADE ‘PERO NO MUCHO’ 

Henry Cavill, porém, não é o único problema de “Enola Holmes”. Aparentemente, qualquer filme realizado após os movimentos Time’s Up e #MeToo que tenha uma protagonista mulher tenta engajar alguma temática feminista na trama. Quando funciona, merece todos os aplausos, porém, se não dá certo, deixa uma sensação incômoda de tentativa de representatividade forçada para ganhar pontos nas redes sociais. 

Enola Holmes” até começa bem ao mostrar a relação entre Enola e sua mãe e de que forma ambas se desprendem do padrão feminino da época, evidente nas cenas de luta da personagem. Porém, quando a produção busca abordar o direito ao voto feminino e apresentar outras personagens, tudo desanda. O grande exemplo disto é a personagem Susan Wokoma, a qual fica restrita ao estereótipo de mulher agressiva e feminista aparentemente com raiva de qualquer coisa. 

Desta forma, ao narrar uma história subversiva, “Enola Holmes” se apega em estereótipos, uma grande contradição. A explicação pode estar atrás das câmeras, afinal, não temos mulheres na direção e no roteiro do longa. Ainda assim, como um entretenimento despretensioso, a produção da Netflix agrada pelo bom ritmo e uma protagonista cativante. 

‘Bar Doce Lar’: má fase de George Clooney persiste em filme repetitivo

Logo no início de “Bar Doce Lar”, título horroroso no Brasil para o filme disponível no Amazon Prime, JR diz gostar de viver na casa do avô ao contrário da mãe. O motivo: a presença de muita gente no local. Tal fala, entretanto, ganha um contorno maior para além da...

Onde foram parar e por que os filmes de cassino sumiram das telonas?

De filmes de ação a dramas, há grandes clássicos do cinema e títulos dos anos 90 e 2000 que destacam os poderosos cassinos, particularmente os encontrados nos Estados Unidos. Não há um brasileiro que não se lembre de pelo menos dois filmes que destacavam os luxuosos...

‘O Canto do Cisne’: não funciona como romance nem como sci-fi

À primeira vista, “O Canto do Cisne” engana bem: Mahershala Ali e Naomie Harris com a excelência de sempre e ainda com Glenn Close e Awkwafina como coadjuvantes de luxo, um visual atrativo pela modernidade clean do design de produção e do cenário principal...

‘Apresentando os Ricardos’: Sorkin racionaliza demais universo das sitcoms

Lucille Ball quer um lar. E ele definitivamente não vai ser construído em um cinema cerebral demais como o de Aaron Sorkin. “Apresentando os Ricardos”, nova investida dele na direção, é um retrato sem o brilho que fez de Ball a estrela mais assistida da TV dos Estados...

‘Não Olhe Para Cima’: sátira caminha por trilha segura em críticas

Quando “House of Cards” estreou na Netflix em fevereiro de 2013 chocou uma (ingênua) parcela do público sobre como o coração da política norte-americana poderia ser tão ardiloso e baixo. Era época de um suposto idealismo democrático com Barack Obama, primeiro...

‘Matrix Resurrections’: Lana Wachowski recorda o valor do risco em Hollywood

Se “Matrix” encontra paralelos diretos em “Metrópolis” ou “Blade Runner” dentro do universo de distopias e ficções científicas, pode-se dizer que “Matrix Resurrections” está mais próximo de obras como “Crepúsculo dos Deuses” ou “O Jogador” como análise ácida e...

‘Belfast’: Kenneth Branagh retorna à infância em filme singelo

Vários diretores, ao longo da história do cinema, fizeram filmes baseados em suas próprias vidas. Gente graúda, como François Truffaut (Os Incompreendidos), Federico Fellini (Amarcord) ou Ingmar Bergman (Fanny & Alexander), para citar só alguns dos mais marcantes....

‘A Mão de Deus’: Sorrentino navega no (bom) exagero em filme familiar

As relações familiares são o ponto de partida de “A mão de Deus”, novo filme do diretor italiano Paolo Sorrentino (“A Grande Beleza”). O protagonista da trama é Fábio Schisa (Filippo Scotti), um adolescente que vive com os pais e dois irmãos mais velhos na Nápoles dos...

‘Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa’: a maturidade chega a Peter Parker

Com três intérpretes diferentes, o Homem-Aranha é o herói mais replicado no cinema (ao menos no século XXI). E é claro que a cada nova saga do herói a expectativa é sempre de superação, mas, mesmo sob essa pressão, em 2017, Tom Holland conseguiu se consagrar como...

‘Encontros’: Riz Ahmed faz o que pode em sci-fi morna

Riz Ahmed vem se consolidando como um dos melhores e mais interessantes atores de Hollywood no momento. O cara até agora não deu uma bola fora e, em alguns casos, até elevou algumas produções. Foi merecidamente indicado ao Oscar de Melhor Ator por O Som do Silêncio...