“Patrick” não foi o único filme da mostra competitiva do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary 2019, na República Tcheca, a abordar a dor de forma cômica – o ganhador do prêmio máximo, “The Father” foi outro exemplar do gênero – mas, este é o único ambientado em um acampamento nudista. Comédia sarcástica repleta de cenas propositalmente constrangedoras, esta produção da Bélgica tem tudo para ser um sucesso entre o público de cinema de arte. 

A nudez em cena se faz notória logo nos primeiros minutos. Passado o choque, o espectador é levado a acompanhar a história do personagem-título (Kevin Janssens), jovem que trabalha com a família administradora do local. Quando seu pai morre, as tensões dentro da comunidade desafiam sua capacidade de manter o retiro em ordem. Em vez de confrontar esta situação, no entanto, ele se torna obcecado com a perda de seu martelo favorito e sai em busca dele. 

Vindo da televisão e estreando em longas-metragens, o realizador Tim Mielants demonstra incrível habilidade de utilizar o pequeno microcosmo do acampamento como fonte de humor, o que lhe rendeu o prêmio de Melhor Diretor em Karlovy Vary. Evitando risadas fáceis, ele demonstra com clareza como o engano e a mentira permeiam nossas relações sociais e como o poder consegue ser atrativo até mesmo nos cenários mais estranhos. 

Toda a trama gira em torno do mistério sobre quem cometeu o roubo, com Patrick sendo uma espécie de detetive. O objeto acaba por simbolizar a perda da inocência do rapaz após a morte de seu pai o expor às dificuldades da vida prática, bem como às vidas ocultas dos campistas. Tal analogia não fica despercebida: Liliane, esposa de um dos membros do grupo que regularmente requer favores sexuais de Patrick, diz claramente que a busca pelo martelo é uma tentativa do jovem de evitar a dor.

DORES DO CRESCIMENTO

No roteiro, escrito por Mielants e Benjamin Sprengers, Patrick é retratado um grande criança, com uma veia introspectiva próxima a de um autista. Sem a proteção de seu pai, ele se vê obrigado, entre outras coisas, a evitar uma tentativa de removê-lo da administração do acampamento e lidar com o fato de que seu pai tinha um caso extraconjugal de longa data. 

Confrontado por estas novas e estranhas situações, ele precisa encontrar força interior para desenvolver um relacionamento saudável com o mundo externo. Em última análise, por ser completamente desprovido de malícia, Patrick só é capaz de funcionar dentro dos parâmetros ditados pelo seu coração – uma decisão que vem com um alto custo. 

Com a ajuda do diretor de fotografia Frank van den Eeden, Mielants enche as imagens com tons amarelos dominando a paleta de cores. Neste paraíso campestre, “Patrick” é um conto estranho sobre as dores do crescimento e sobre a capacidade de uma pessoa se adaptar em face de grandes desafios.

*O jornalista viajou para o Festival de Karlovy Vary como parte da equipe do GoCritic!, programa de fomento de jovens críticos do site Cineuropa.

**Texto original alterado para substituir a equivocada expressão humor negro.

Especial Abbas Kiarostami | Crítica: ‘Através das Oliveiras’ (1994)

Em 1987, Abbas Kiarostami colocou “Onde É a Casa do Amigo?” no mundo. Foi um daqueles hits nos festivais que cimentam uma certa mítica em torno de um diretor. Pouco depois, um terremoto devastou o norte do Irã, incluindo os vilarejos onde Kiarostami havia rodado o...

CRÍTICA | ‘A Hora da Estrela’: a dor de não saber quem se é

Sempre que penso em “A Hora da Estrela” como produção cinematográfica, mentalizo a sensibilidade ímpar com a qual Suzana Amaral transpôs visualmente esse clássico da literatura brasileira. Não é em vão que o próprio filme tornou-se atemporal dentro da cinematografia...

‘Como Era Verde Meu Vale’: a síntese da nostalgia nos cinemas

Muita gente em determinado momento da vida começa a refletir sobre o passado e a olhar para a época da infância com saudade, como um período em que a vida era melhor e mais simples, em comparação com o presente, pelo menos. Por mais que essa idealização do passado...

‘Laços de Ternura’: um melodrama em tons pastéis

Os sentimentos caminham entre o sutil e o exagerado em Laços de Ternura (1983). Tanto os momentos engraçados quanto os mais dramáticos são sentidos com intensidade no filme de James L. Brooks. Pode até parecer pueril chamar de complexo um melodrama tão acessível, mas...

‘Gêmeos – Mórbida Semelhança’: a doentia necessidade do outro

Há algo de mórbido, estranho, maléfico na relação de Beverly e Elliot (Jeremy Irons), gêmeos idênticos e igualmente geniais no que tange ao corpo humano e à sexualidade. Desde cedo, eles se interessam pelo corpo feminino e suas particularidades. Adultos, tornam-se...

‘Adorável Vagabundo’ (1941): retrato de um mundo em desequilíbrio

Frank Capra já havia patenteado seu cinema humanista quando fez “Adorável Vagabundo”. Boa parte desse esforço na carreira foi empreendido ao lado de Robert Riskin, seu fiel escudeiro nos roteiros; este longa, aliás, foi o último trabalho que fizeram juntos. Mas Riskin...

‘A Última Sessão de Cinema’: vidas secas em uma cidade-fantasma

O ano é 1971 e há um nome quente na cidade: Peter Bogdanovich, o garoto-prodígio de 31 anos que fez o impossível e transformou um drama intimista sobre garotos texanos em um dos maiores hits do ano.  Bogdanovich é daquela geração cinéfila dos anos 1960 que cresceu com...

‘Jeanne Dielman’: sinais de ruptura na repetição

O cotidiano de uma viúva no decorrer de três dias. É partindo desse ponto que Chantal Akerman entrega “Jeanne Dielman”, sua obra-prima, considerado um dos filmes mais disruptivos e únicos da história do cinema. Acompanhamos a rotina repetitiva e ritualística da...

Os 40 Anos de ‘Christiane F., 13 anos, Drogada e Prostituída’

Liberdade, autonomia, diversão e conhecimento sobre si mesmo. Esses parecem ser um dos ingredientes perfeitos na construção de (quase) todos pré-adolescentes/jovens que em determinada época da vida – uma fase bem complicada, diga-se – se vê como um estranho no ninho,...

50 Anos de ‘Cabaret’, um musical que fugiu das regras

Entre a última pá de cal que “Hello, Dolly” representou e os primeiros versos de “Nature Boy” que anunciavam o renascimento do musical com “Moulin Rouge!”, o subgênero viveu décadas curiosas em Hollywood. Se a Era de Ouro ruiu para dar espaço à Nova Hollywood, as...