E eis que, do nada, ele retorna… Borat Sagdiyev, o antissemita e machista ex-segundo melhor jornalista do Cazaquistão, ressurge num mundo bem diferente daquele no qual ele um dia foi um fenômeno, no já distante ano de 2006. O primeiro Borat, uma produção baratíssima e surpreendente, foi um enorme sucesso distribuído por um grande estúdio, a 20th Century Fox, e revelou para o mundo o talento e a insanidade sem limites do comediante e ator britânico Sacha Baron Cohen, que antes era conhecido apenas pelo seu programa de TV Da Ali G Show. Era um mundo onde as redes sociais ainda não tinham tanto poder, e no qual doidos que acreditam que a Terra é plana ficavam confinados aos quartos escuros de suas casas. Saudades…

Bem, o mundo ficou consideravelmente mais pirado desde 2006. Por isso é até apropriado o retorno de Borat. Rodado em segredo, e em parte durante a pandemia de Covid-19, Fita de Cinema Seguinte de Borat é dirigido por Jason Woliner, roteirizado por Cohen e um batalhão de outros roteiristas, e chega agora no streaming da Amazon Prime Video. No começo da história, vemos Borat (Cohen) condenado a trabalhos forçados por ter queimado o filme da grande nação do Cazaquistão perante o mundo. Mas quando McDonald Trump assume a presidência dos Estados Unidos, as autoridades cazaquistanesas resolvem se reaproximar da terra da liberdade e mandam Borat servir como embaixador, levando um presente – um macaco que faz filmes pornôs! – para o vice-presidente Mike Pence. A viagem, no entanto, se complica quando a filha de Borat, Tutar (Maria Bakalova), embarca de clandestina junto com o pai para os EUA.

E de novo, a viagem e o estilo de filmagem em documentário servem para a produção expor o lado brega, ridículo, absurdo e preconceituoso da sociedade norte-americana. No entanto, nesta sequência, a abordagem é um pouco diferente. Primeiro, porque agora Borat é famoso, por isso, Cohen se vê forçado a utilizar vários disfarces – cada um mais bizarro que o outro – para passar despercebido. Segundo, porque esta sequência é mais abertamente política. Os maiores alvos das trolladas do filme são mesmo os conservadores; aqueles que acreditam em fake news, não importando o quão absurdas; e Trump e seus apoiadores. São pessoas tão pouco inteligentes e capazes de viver em completa negação da realidade, que se tornam candidatos ideais para a zoação. Até nosso presidente “cara durão” Bolsonaro é zoado…

SURREAL AO EXTREMO

Porém, desde o primeiro filme as técnicas de mockumentary, o documentário falso, já se popularizaram bastante, por isso a continuação simplesmente não consegue repetir o mesmo impacto do original. E a continuação é uma narrativa mais tradicional também. A revelação Maria Bakalova é um achado como Tutar, capaz de competir de igual para igual com Cohen em ousadia e força cômica, sem contar que parece ser tão insana quanto o astro. Sério, algumas coisas que ela faz nesta continuação são do tipo “precisa ver para crer”. No entanto a personagem é uma faca de dois gumes, pois a sua presença na trama, entremeada entre os vários sketchs e segmentos, fornece um arco dramático tradicional para Borat, do tipo “o herói precisa aprender a ser pai”. Isso é até feito com competência, mas é algo que já vimos bastante e não deixa de ser um elemento um pouco decepcionante num filme que se pauta pela ousadia.

Ainda assim, apesar dessas limitações… Fita de Cinema Seguinte de Borat é simplesmente muito engraçado. E em termos de insanidade, não fica devendo nada ao seu predecessor. De novo, a loucura e a disposição de Cohen em provocar as pessoas ao seu redor e os espectadores do filme rendem momentos que impressionam – como entrar numa reunião do Partido Republicano, onde Pence vai palestrar, vestido de membro da Ku Klux Klan; ou a cena em que Borat e Tutar dançam no baile de debutantes. De novo, em alguns momentos Cohen bota sua segurança, até sua vida, na reta em nome da trollada. O espectador ora se espanta, ora explode de rir, e é o poder do choque, do desconforto, e da vergonha alheia que alimentam este segundo Borat e fazem dele uma obra surreal e absolutamente divertida.

E nenhuma trollada é mais impressionante do que a do clímax do filme, envolvendo a participação do ex-prefeito de Nova York e atual advogado e conselheiro de Trump, Rudolph Giuliani. É o tipo de cena que reflete o absurdo da vida em 2020, outro momento do tipo “não acredito que estou vendo isso” presente nesta sequência.  Não deixa de ser curioso que, este ano, a volta de Borat acaba sendo uma das coisas que mais fez sentido. Só mesmo a inspirada criação de Sacha Baron Cohen para conseguir nos fazer rir da maluquice ao nosso redor.

‘Bar Doce Lar’: má fase de George Clooney persiste em filme repetitivo

Logo no início de “Bar Doce Lar”, título horroroso no Brasil para o filme disponível no Amazon Prime, JR diz gostar de viver na casa do avô ao contrário da mãe. O motivo: a presença de muita gente no local. Tal fala, entretanto, ganha um contorno maior para além da...

Onde foram parar e por que os filmes de cassino sumiram das telonas?

De filmes de ação a dramas, há grandes clássicos do cinema e títulos dos anos 90 e 2000 que destacam os poderosos cassinos, particularmente os encontrados nos Estados Unidos. Não há um brasileiro que não se lembre de pelo menos dois filmes que destacavam os luxuosos...

‘O Canto do Cisne’: não funciona como romance nem como sci-fi

À primeira vista, “O Canto do Cisne” engana bem: Mahershala Ali e Naomie Harris com a excelência de sempre e ainda com Glenn Close e Awkwafina como coadjuvantes de luxo, um visual atrativo pela modernidade clean do design de produção e do cenário principal...

‘Apresentando os Ricardos’: Sorkin racionaliza demais universo das sitcoms

Lucille Ball quer um lar. E ele definitivamente não vai ser construído em um cinema cerebral demais como o de Aaron Sorkin. “Apresentando os Ricardos”, nova investida dele na direção, é um retrato sem o brilho que fez de Ball a estrela mais assistida da TV dos Estados...

‘Não Olhe Para Cima’: sátira caminha por trilha segura em críticas

Quando “House of Cards” estreou na Netflix em fevereiro de 2013 chocou uma (ingênua) parcela do público sobre como o coração da política norte-americana poderia ser tão ardiloso e baixo. Era época de um suposto idealismo democrático com Barack Obama, primeiro...

‘Matrix Resurrections’: Lana Wachowski recorda o valor do risco em Hollywood

Se “Matrix” encontra paralelos diretos em “Metrópolis” ou “Blade Runner” dentro do universo de distopias e ficções científicas, pode-se dizer que “Matrix Resurrections” está mais próximo de obras como “Crepúsculo dos Deuses” ou “O Jogador” como análise ácida e...

‘Belfast’: Kenneth Branagh retorna à infância em filme singelo

Vários diretores, ao longo da história do cinema, fizeram filmes baseados em suas próprias vidas. Gente graúda, como François Truffaut (Os Incompreendidos), Federico Fellini (Amarcord) ou Ingmar Bergman (Fanny & Alexander), para citar só alguns dos mais marcantes....

‘A Mão de Deus’: Sorrentino navega no (bom) exagero em filme familiar

As relações familiares são o ponto de partida de “A mão de Deus”, novo filme do diretor italiano Paolo Sorrentino (“A Grande Beleza”). O protagonista da trama é Fábio Schisa (Filippo Scotti), um adolescente que vive com os pais e dois irmãos mais velhos na Nápoles dos...

‘Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa’: a maturidade chega a Peter Parker

Com três intérpretes diferentes, o Homem-Aranha é o herói mais replicado no cinema (ao menos no século XXI). E é claro que a cada nova saga do herói a expectativa é sempre de superação, mas, mesmo sob essa pressão, em 2017, Tom Holland conseguiu se consagrar como...

‘Encontros’: Riz Ahmed faz o que pode em sci-fi morna

Riz Ahmed vem se consolidando como um dos melhores e mais interessantes atores de Hollywood no momento. O cara até agora não deu uma bola fora e, em alguns casos, até elevou algumas produções. Foi merecidamente indicado ao Oscar de Melhor Ator por O Som do Silêncio...