Histórias de amor entre humanos e robôs não são exatamente novidade no cinema. Por sorte, “I’m Your Man” não é uma delas. O filme, que estreou no Festival de Berlim deste ano e rendeu o Urso de Prata de Atuação Principal para a atriz Maren Eggert, é uma divertida comédia sobre as contradições do ser humano e as expectativas de relacionamentos. 
 
Eggert é Alma, uma pesquisadora workaholic que está às vésperas da publicação de um importante artigo quando conhece Tom (Dan Stevens, das séries “Downton Abbey” e “Legion”). Charmoso, inteligente e romântico, Tom parece um partidão, mas, de fato, é um andróide desenhado e programado para atender ao gosto da pesquisadora. 
 
Para obter fundos para seu projeto, ela topa – a contragosto – viver com o robô pelo período experimental de três semanas para redigir um parecer e submetê-lo ao comitê de ética responsável por autorizar sua introdução no mercado. Claro, ter um androide gato pela casa super disposto a conquistar você não seria um problema para muitas pessoas. Mas como romance é a última coisa na cabeça de Alma, Tom se vê numa missão hercúlea para realizar a missão para a qual foi programado. Que comecem os jogos. 

MELHOR USO DE SIMPLES PREMISSA


 
O que poderia ser uma comédia romântica baseada em dois sujeitos duros na queda às voltas com a possibilidade de amor ganha contornos mais profundos nas mãos da diretora alemã Maria Schrader (a minissérie “Nada Ortodoxa”). O roteiro, escrito por ela juntamente com Jan Schomburg, aproveita a situação inusitada para fazer grandes perguntas sem perder de vista o humor. 
 
Além de cineasta, Schrader é uma celebrada atriz e claramente sabe a hora em que a interação entre dois atores é o suficiente para fazer uma cena funcionar. O momento em que Tom revela uma informação devastadora sobre a pesquisa de Alma, por exemplo, é um exercício de atuação: evitando spoilers, resta comentar que a forma como o robô confronta a reação da pesquisadora expõe muito das motivações egoístas que guiam inúmeros desejos humanos. 
 
Os dois intérpretes estão em seu melhor nível aqui: Stevens dá um ar quase zombeteiro ao robô e suas tentativas de entender Alma para além de seus algoritmos são o cerne cômico do filme. Mas Eggert explora habilmente ao máximo o sofrimento de uma mulher em um profundo estado de descrença e não à toa foi premiada pelo júri da Berlinale. 

I’m Your Man” constantemente brinca com as expectativas do público com relação aos personagens, com Tom apresentando comportamentos que parecem dotados de altruísmo, carinho e compaixão e Alma se atendo a pragmatismos quase robóticos. 

A produção argumenta que a grande tragédia aqui é o fato de que a pesquisadora perdeu a capacidade de relacionar-se consigo mesmo de uma maneira humana – e de que precisou de um robô para se dar conta disso. Evitando soluções fáceis, “I’m Your Man” faz o melhor uso de sua simples premissa. 

‘As Verdades’: elenco hábil ancora thriller competente

Está confirmado: é o ano do thriller policial no cinema brasileiro. Só no primeiro semestre de 2022, tivemos "Águas Selvagens", "A Suspeita" e agora este "As Verdades", sem dúvidas o mais regular entre todos dessa leva. A trama tem início com a volta do delegado Josué...

‘X: A Marca da Morte’: slasher entre a subversão e a tradição

“Grupo de jovens vai a um lugar isolado e começa a ser morto, um a um, por um assassino misterioso”. Quantos filmes já não vimos usando essa fórmula, não é mesmo? É a base do subgênero slasher, aquele filme de terror de matança, cujo caso mais popular é o bom e velho...

Olhar de Cinema 2022: ‘A Censora’, de Peter Kerekes

Dirigido por Peter Kerekes, “A Censora” aborda o dia a dia de uma penitenciária feminina em Odessa, cidade ucraniana. Misturando documentário e ficção, o filme tem como personagem principal Lesya (Maryna Klimova), jovem que recentemente deu à luz ao primeiro filho,...

Olhar de Cinema 2022: ‘O Trio em Mi Bemol’, de Rita Azevedo Gomes

Um casal de ex-amantes discute o passado e futuro de sua relação. A amizade e companheirismo que restaram sustentam os incômodos e ciúmes que surgiram? Um diretor em crise com seu novo filme discute com seus atores quais rumos a obra deve tomar. Eles serão capazes de...

‘Spiderhead’: algoritmo da Netflix a todo vapor com filme esquecível

“Spiderhead” é o novo filme da Netflix e, do ponto de vista de marketing, possui elementos ótimos para a equipe de “Promos” do streaming vender aos seus assinantes: dois nomes em alta graças ao sucesso de “Top Gun: Maverick”, o ator Miles Teller e o diretor Joseph...

Olhar de Cinema 2022: ‘Garotos Ingleses’, de Marcus Curvelo

É preciso coragem para utilizar o humor para tratar de temas violentos. Primeiro porque a comédia em si é um gênero geralmente visto (de forma equivocada) com um pé atrás, fazendo-se necessário um uso exemplar de suas possibilidades. Segundo, porque a tentativa de...

‘Arremessando Alto’: carta de amor de Adam Sandler ao basquete

A parceria Adam Sandler/Netflix permanece intacta. Desde que o ator e comediante assinou contrato com a plataforma, a produtora Happy Madison concebeu uma considerável safra de comédias com boa audiência no streaming. “Arremessando Alto” é a aposta da vez.  No papel...

‘RRR’: épico indiano dá aulas em extravagância fílmica

Já virou certo clichê entre a parcela ocidental da crítica cinematográfica a comparação entre “RRR” e os blockbusters hollywoodianos. Hollywood, dizem os críticos, deveria voltar sua atenção às terras ao leste do globo, porque “RRR” os deixa no chinelo em termos de...

‘Aline – A Voz do Amor’: tudo o que ‘Bohemian Rhapsody’ não é

“Um ficção livremente inspirada na vida de Céline Dion”. A história da cantora imortalizada por ser a intérprete de "My Heart Will Go On", a canção-tema de "Titanic", chega aos cinemas pelas mãos e na figura de Valérie Lemecier, também canadense como a sua retratada....

‘Amigo Secreto’: a força do jornalismo investigativo contra os abusos da Lava-Jato

Uma frase convencional é de que toda arte é política. Embora seja um clichê para produtores culturais progressistas, é preciso concordar quando a mente por trás do projeto é Maria Augusta Ramos. Responsável por produções como “O Processo” e “Juízo”, a cineasta expõe...