Diferente da Branca de Neve que aceitou cegamente a maçã da Rainha Má, Raya é uma protagonista marcada pela frase “Não confiem em ninguém”. Essa postura subversiva aos clássicos de seu catálogo é exatamente o objetivo da Disney, dando continuidade ao caminho traçado por ‘Frozen’ (2013) e ‘Moana’ (2016). Mais ainda: ‘Raya e o Último Dragão’ também se tornou a aposta perfeita para mostrar uma história que se passa longe dos Estados Unidos. Apesar dessas duas principais características serem benéficas tanto ao estúdio quanto ao público, o qual busca maior diversidade em filmes de animação, o verdadeiro destaque da trama é a temática sobre união e confiança entre diferentes culturas sendo abordada de maneira tão atual.

Para além do protagonismo feminino, ‘Raya’ tem como ponto de partida o reino chamado Kumandra. Este, apesar de ser um local fictício, possui elementos de diversas culturas do Sudeste Asiático, algo aproveitado pelo roteiro para fragmentar este território em diferentes regiões. Cada uma tem o nome de partes de um dragão e por gerações os habitantes das cinco regiões brigam entre si e contra a força obscura chamada Druun, a qual transforma a todos que toca em pedra.

A única esperança para todos os povos seria a volta dos dragões, seres mágicos que conseguiram salvar o reino. Assim, Raya (Kelly Marie Tran), habitante de Coração, cresce buscando Sisu (Awkwafina), o dragão responsável por restaurar a paz em Kumandra. Sua busca, entretanto, conta com desafios e inimizades em todas as cinco regiões, mas, principalmente, em Garra, onde sua antiga conhecida Namaari (Gemma Chan) a enganou anos atrás na busca da salvação de seu povo.

A mesma fórmula

Para poupar maiores spoilers e outros detalhes, pode-se dizer que ‘Raya e o Último Dragão’ é um filme que segue a fórmula Disney: um início triste, diversos conflitos, algumas risadas e um final feliz com pequenas surpresas pelo caminho. Mas, apesar de se encaixar na proposta tradicional do estúdio, a produção também conta com aspectos positivos dignos de nota.

Logo de início, se destaca o design de produção de cada uma das cinco regiões de Kumandra, a qual é muito bem executada, pois, apesar de serem locais visualmente únicos e diferentes, existe uma identidade comum entre todos. O visual na realidade, dificilmente, não é apresentado como um elemento positivo neste longa já que todos os pequenos detalhes são bem pensados tais como a iluminação de ambientes até detalhes da roupa de Raya. Talvez o único defeito maior na concepção visual do longa seja a demasiada infantilização dos dragões para o público infantil, deixando-os parecer uma versão atualizada dos ‘Ursinhos Carinhosos’

Outro elemento que deixa a desejar é a escolha dos personagens secundários. No geral, o roteiro desenvolve muito bem a história e consegue justificar os acontecimentos com facilidade, entretanto, ao precisar de habitantes das cinco regiões de Kumandra, são escolhidos personagens descartáveis em sua maioria. Todos possuem como motivação a perda da família para o Druun e existe uma importância em deixar isso claro em diversos momentos, porém, ainda é bem forçado colocar um trio de macacos com um bebê como charlatões profissionais e esperar que o público simplesmente ache fofo.

Raya e Namaari

Mesmo entre essa dualidade de aspectos bons e ruins do filme, existe uma constante que eleva bastante sua qualidade: a relação entre Raya e Namaari. Ambas se conhecem quando pequenas e se tornam amigas, entretanto, Namaari engana a protagonista, ação que é a razão para o Druun ser solto em Kumandra. Desde o acontecimento, Raya é marcada por aquele sentimento citado no início do texto de não confiar em ninguém. E, da mesma forma, Namaari sempre está pronta para uma retaliação por suas atitudes, mostrando como desde o princípio ambas formaram suas personalidades a partir deste encontro.

Essa dinâmica rende, ao longo de ‘Raya e o Último Dragão’, diversas cenas de ação belíssimas, com uma atmosfera própria para cada momento pelo qual elas passam. Na realidade, a luta entre as duas é marcada pelo rancor e lembrança sobre atitudes extremamente egoístas. É nesse aspecto onde a produção alcança uma certa densidade a mais ao mostrar a complexidade no protecionismo entre nações – algo experimentado pelo próprio Estados Unidos durante o governo Trump.

Considerando que esse é mais um filme sem um par romântico para a protagonista, a existência de conflito e empatia com outra personagem é bem-feita, pois, as duas possuem existências complexas e são moldadas por valores de suas culturas. É nessa constante que ‘Raya e o Último Dragão’ consegue reafirmar a importância da união mesmo com diferenças culturais e ideológicas, um conceito muito importante de ser repassado (apesar de não ser facilmente seguido). E essa mensagem endossada pela colorida Sisu diante de seu sacrifício ganha ainda mais material para seu público refletir sobre.

Por fim, o grande achado de ‘Raya e o Último Dragão’ se torna a não existência de um personagem em específico como vilão. Sim, existe a ameaça do Druun, uma força sobrenatural e a presença de Namaari, a rival, mas, nada visualmente que represente o vilão. Aqui, na verdade, o grande inimigo é ideológico, é o pensamento extremista de não confiança e descaso de uma região com a outra, como muitas vezes também acontece na vida real.

‘Atlântida’: cansativa e bela contemplação ao nada

“Atlântida”, obra exibida na 45ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, não é um filme sobre o quê, mas sobre como. Há um personagem, que tem objetivos, coadjuvantes, antagonistas, viradas na história, mas isso não é o que importa. Yuri Ancarani, que assina...

‘Noite Passada em Soho’: quando prazer e pavor caminham lado a lado

É normal filmes de terror isolarem seus protagonistas antes de abrirem as válvulas do medo. "Noite Passada em Soho", novo filme do cineasta Edgar Wright (“Scott Pilgrim Contra o Mundo” e “Baby Driver – Em Ritmo de Fuga”), inverte essa lógica. Sua protagonista sai de...

‘Duna’: conceito se sobrepõe à emoção em filme estéril

Duna, o filme dirigido por Denis Villeneuve, começa com o protagonista acordando de um sonho, e tem alguém falando sobre um planeta, um império e uma tal de especiaria... A sensação é de ser jogado num universo alienígena e ela perdura por praticamente todo o filme. É...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge’ e um herói para inspirar o coletivo

Vamos responder logo de cara: Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge, o último filme da bat-trilogia do diretor Christopher Nolan, é o pior dos três? É. É um filme com problemas? Sim. Mas é um filme ruim? Longe disso. Na verdade, quando Nolan foi concluir sua...

‘Spencer’: Kristen Stewart luta em vão contra filme maçante

Em "Spencer", Kristen Stewart se junta ao clube de atrizes - que inclui Naomi Watts (“Diana”) e Emma Corrin (“The Crown”) - que se lançaram ao desafio de retratar a Princesa Diana. A atriz traz uma energia caótica à personagem e a coloca no caminho de uma quase certa...

‘O Garoto Mais Bonito do Mundo’ e o dilema da beleza

Morte em Veneza, o filme do diretor italiano Luchino Visconti lançado em 1971 e baseado no livro de Thoman Mann, é sobre um homem tão apaixonado, tão obcecado pela beleza que presencia diariamente, que acaba destruindo a si próprio por causa disso. E essa beleza, no...

‘Venom: Tempo de Carnificina’: grande mérito é ser curto

Se alguém me dissesse que existe um filme com Tom Hardy, Michelle Williams, Naomie Harris e Woody Harrelson, eu logo diria que tinha tudo para ser um filmaço, porém, estamos falando de “Venom: Tempo de Carnificina” e isso, infelizmente, é autoexplicativo. A...

‘A Casa Sombria’: ótimo suspense de desfecho duvidoso

Um dos grandes destaques do Festival de Sundance do ano passado, "A Casa Sombria", chegou aos cinemas brasileiros após mais de um ano de seu lançamento. Sob a direção de David Bruckner (responsável por dirigir o futuro reboot de "Hellraiser"), o longa é um bom exemplo...

‘Free Guy’: aventura mostra bom caminho para adaptação de games

Adaptar o mundo dos jogos para as telonas é quase uma receita fadada ao fracasso. Inúmeros são os exemplos: "Super Mario Bros", "Street Fighter", "Tomb Raider: A Origem" e até o mais recente "Mortal Kombat" não escapou de ser uma péssima adaptação. Porém, quando a...

‘A Taça Quebrada’: a angustiante jornada de um fracassado

Não está fácil a vida de Rodrigo: músico sem grande sucesso, ele não aceita a separação da esposa ocorrida há dois anos (sim, 2 anos!) muito menos o novo relacionamento dela, além de sofrer com a distância do filho e de ver o trio morar na casa que precisou deixar. E...