Meu Passado me Condena 1 e 2”, “Ponte Aérea” e “Uma Namorado para a Minha Mulher”.

Todos os estes filmes são sucessos recentes da comédia romântica brasileira dirigidas pela Júlia Rezende. E ela está chegando nos cinemas com “Depois a Louca Sou Eu” com a Débora Falabella.    

Baseado no livro homônimo escrito por Tati Bernardi, a produção traz a história de Dani (Falabella) que, desde a infância, lida com todo tipo de crise de ansiedade. Já adulta, ela recorre a terapias e medicações para conviver não só com Sílvia (Yara de Novaes), sua mãe superprotetora, mas todos os demais que a cercam.    

Em entrevista para o Cine Set, Júlia fala sobre o processo de adaptação para o filme, o trabalho com Débora e o espaço das mulheres na direção de cinema no Brasil.   

Cine Set – “Depois a Louca Sou Eu” é uma produção que trata sobre o processo de ansiedade, mas, há uma dosagem entre comédia e drama e é interessante como isso flui. Como foi chegar a isso tanto na narrativa quanto visual?    

Júlia Rezende – Esse tom está presente no livro da Tati Bernardi. Ela é uma autora que tem muita propriedade para falar de ansiedade por passar por isso, mas, sempre rindo de si mesma. A Tati faz com que entremos neste assunto, que pode ser muito delicado e espinhoso, rindo.   

Para o filme, tentei justamente manter este humor do livro sem nunca perder o respeito pelo tema das crises de ansiedade e de pânico. Isso porque acredito que o humor pode ser uma ponte que facilita a comunicação. Quando um assunto é tabu, às vezes, falar dele de uma forma bem-humorada torna possível quebrar as barreiras e as resistências que se pode ter em um primeiro momento. Em “Depois a Louca Sou Eu” buscamos fazer isso através da estética, roteiro, atuações.   

Um aspecto interessante que usamos foi quando toda vez que a protagonista estivesse tendo um ataque ou uma crise, ela viveria aquilo de forma dramática, porém, a narradora já tem distanciamento suficiente para contar a história rindo. Representa bem este mix de drama e humor.  

Cine Set – Queria que você falasse sobre dois pontos: primeiro, a Débora Falabella. Como você chegou ao nome e a viu como a atriz ideal para interpretar a Dani? E a segunda é sobre a Tati Bernardi, autora do livro. Você chegou a conversar com ela e de que modo este bate-papo contribuiu para fazer o filme?   

Júlia Rezende – A Tati é uma parceira antiga, fizemos “Meu Passado me Condena 1 e 2” juntas em que ela foi a roteirista. Somos amigas e temos uma relação de trabalho muito bacana. Quando ela me contou que estava escrevendo o livro, fiquei muito curiosa e pedi que me mandasse para ler. Ela enviou antes da publicação. Virei uma madrugada lendo. Liguei horas depois já sugerindo fazer um filme. Disse para ela que essa é uma história que retrata a nossa geração muito bem.  

Começamos a formular o roteiro até que certo dia ela me contou que a Débora havia lido o livro e adorado, se identificado com a personagem. Foi quando disse: ‘tem que ser a Débora’. Eu já era uma grande fã e tenho enorme admiração pela carreira dela, especialmente, no teatro. Liguei antes mesmo de ter o roteiro fechado e ela topou só com o projeto em mãos. Fiquei honrada por ser uma atriz gigante e muito maravilhosa de trabalhar junto. Dividir o set com ela todo dia foi uma alegria.   

Cine Set – Por um triste acaso do destino, o filme será lançado em um mundo completamente diferente em que estes problemas estão aflorados pela pandemia. Como você acha que o filme chega dentro deste contexto e o que pode transmitir para as pessoas? 

Júlia Rezende – Esse ano tem sido muito duro, angustiante para todos. Não conheço ninguém que não passou 2020 sem ansiedade. Logo, falar de saúde mental se tornou ainda mais relevante neste momento. Acredito que “Depois a Louca Sou Eu” ajuda muito a desmistificar este tabu de preconceitos com terapia, de ir ao psiquiatra ou tomar uma medicação quando for preciso. O filme pode criar um diálogo entre quem passa por isso se permitir comunicar melhor e quem está ao redor para que consiga compreender o que está acontecendo.  

Cine Set – Júlia, nos EUA, é uma dificuldade vermos mulheres na direção das produções que se esperam ser campeãs de bilheteria. No Brasil, a gente tem a tua carreira e a Susana Garcia que recentemente fez “Minha Mãe é uma Peça 3”. Gostaria que você falasse sobre essa diferença e o espaço da mulher como diretora de cinema no Brasil. 

Júlia Rezende – Outro dia saiu uma matéria dizendo que 16% dos filmes de maiores bilheterias do cinema americano no último ano foram dirigidos por mulheres. Isso era visto como uma celebração. Porém, considero 16% risível, afinal, o que são 16% contra os outros 84%? 

‘Ah, antigamente, o índice era de 12%, ou seja, estamos evoluindo’, dirão algumas pessoas. Verdade, mas, ainda muito devagar. Já passou da hora de pararmos de comemorar estes números muito pequenos.  

Porém, ao mesmo tempo, acho complicado ficar pensando em um cinema de mulher ou de homem. Não se trata do gênero; temos tanta capacidade quanto qualquer pessoa. O ideal é conquistar o espaço a tal ponto para que possamos parar de falar sobre isso.  

Fico muito orgulhosa de que os meus filmes tenham alcançado um bom resultado de bilheteria e, sobretudo, que eu esteja conseguindo filmar ao longo destes anos. Também me sinto muito comprometida em trazer outras mulheres para a direção, roteiro e as diversas áreas técnicas. Cada vez que uma de nós está fazendo um projeto, consequentemente, acabamos puxando outras junto. 

Michel Guerrero e as memórias da infância no Cine Carmen Miranda

Michel Guerrero possui uma longa carreira no teatro manauara, incluindo sua personagem mais famosa, Lady Park. Agora, ele revive sua paixão de infância pelo cinema para produzir seu primeiro curta-metragem como diretor, “Cine Carmen Miranda”. Partindo de uma narrativa...

Cláudio Bitencourt e Diego Lopes: “o talento do Marco Ricca elevou ainda mais ‘Lamento’”

Glamourosos e com uma diversidade de gente de todos os tipos entre hóspedes e clientes, hotéis sempre foram locais adorados por roteiristas e diretores para ambientarem suas produções. De Edmund Goulding em "O Grande Hotel" (1932) ao clássico "O Iluminado", de Stanley...

Daniel Nolasco: ‘A História brasileira ressignificou ‘Vento Seco’’

"Vento Seco" estreia no circuito comercial dos cinemas brasileiros em um mundo bem diferente de quando foi formulado inicialmente lá no longuíquo 2013. A chegada de um governo de extrema-direita ao poder e todo o preconceito contra minorias trazido por ele coloca...

Ignacio Rogers: ‘’O Diabo Branco’ mostra como as feridas da colonização seguem abertas’

 Com uma trajetória na carreira de ator iniciada em 2005, o argentino Ignacio Rogers resolveu se aventurar na direção de longas-metragens neste ano com “O Diabo Branco”. A produção em cartaz nos cinemas brasileiros toca em pontos sensíveis da colonização...

Heitor Dhalia: ““Anna” foi um filme desafiado pelo seu tempo”

Um nome importante do meio artístico utilizando seu prestígio para promover um ambiente tóxico de trabalho ao promover abusos morais e até sexuais a seus subordinados. Não, ainda não se trata da cinebiografia de Harvey Weinstein e sim do mote principal de “Anna”, novo...

Lucas Salles: “filmes como ‘Missão Cupido’ trazem a esperança de um final feliz”

Vindo de uma geração marcada pela transformação tecnológica, Lucas Salles é um bom exemplo de artista multiplataforma. Já foi repórter do 'CQC' e do 'Pânico na Band', realiza stand-up comedy no teatro, foi apresentador da "A Fazenda Online" e também investe na...

Lírio Ferreira: “‘Acqua Movie’ é uma extensão espiritual de ‘Árido Movie’”

A Retomada do Cinema Brasileiro viu surgir uma nova geração de diretores pernambucanos com impacto de influenciar e referenciar a produção nacional fora do eixo Rio-São Paulo. Lírio Ferreira abriu as portas em 1997 com o já clássico “Baile Perfumado”. Ao som do mangue...

Ricardo Calil: ‘Cine Marrocos’ simboliza os desencontros do Brasil com a cultura e os sem-tetos’

Ricardo Calil ficou conhecido como documentarista de grandes filmes sobre a música e a cultura brasileira. São dele produções como “Uma Noite em 67” sobre o célebre Festival da Record com estrelas como Roberto Carlos, Chico Buarque, Os Mutantes e Gilberto Gil; “Eu Sou...

Gustavo Pizzi: “‘Gilda’ representa a luta contra a imposição externa sobre a própria vida”

No Brasil 2021 de Jair Bolsonaro, uma mulher livre, dona do próprio corpo e contrária a opressão masculina incomoda muita gente. “Os Últimos Dias de Gilda”, série disponível na Globoplay, mostra muito bem isso.  A produção exibida na Berlinale Series neste ano estreou...

Arnaldo Barreto: a experiência de um longa gravado na Fordlândia

Comemorando 30 anos de carreira na cultura amazonense, Arnaldo Barreto se lançou em um de seus maiores desafios nesta trajetória: dirigir o longa-metragem “Entre Nós”. O drama de época foi lançado no fim de 2020 em uma sessão especial em Manaus e deve seguir o caminho...