O cinema e a televisão já retrataram dramas de tribunal em diversas formas. Seja em ficção ou documentários, do ponto de vista do júri, advogados, réus. E muitas dessas obras vem para debater o papel da justiça na vida das pessoas, principalmente, se ela exerce seu poder apenas em favor dos poderosos contra os pobres e, ainda mais cruel, contra os negros.

“Luta por Justiça” é um filme correto, bem feito, competente e com atuações formidáveis. Entretanto, é uma pena, que uma produção realizada com tanta força e vontade sobre tema tão delicado e desolador caia em uma série de armadilhas dos filmes do gênero como previsibilidade, clichês e caminhos fáceis.

O filme retrata a história real de Bryan Stevenson a partir da autobiografia dele. Interpretado com uma convicção inabalável por Michael B. Jordan (“Pantera Negra”), o advogado recém-formado em Harvard, deixa sua terra natal e parte para o Alabama para trabalhar em uma causa vista por parte da cidade como uma ameaça: auxiliar juridicamente condenados ao corredor da morte. Para os cidadãos da região – leia brancos – todos os presos são culpados, independente de ser verdade ou não. Um dos condenados chega a dizer em sua cela: “se não foi você, então você pagará no lugar de seu mano”.  Chegando no local, Stevenson trabalha no caso de Walter McMilliam (Jamie Foxx), acusado em um caso absurdo e cheio de furos.

O erro de “Luta por Justiça” é cercar os protagonistas de figuras unidimensionais, com olhares maldosos e atitudes grotescas, indo sempre em direção segura e sem complexidade – ao ponto de mostrar um carro suspeito passando devagar e de forma ameaçadora na frente da casa em que Bryan se hospeda. O filme tem discurso, texto afiado, mas poderia ser mais profundo e debater melhor o cerne do assunto.

Os casos dos colegas de cena de McMilliam, por exemplo, interpretados por O’Shea Jackson Jr. e Rob Morgan (que tem uma cena forte e que ganha muito com sua interpretação sensível), expõe definitivamente o terrível descaso e um grave problema do sistema judiciário local, fora a má vontade policial em fazer um trabalho investigativo verdadeiro – chega a me lembrar de um certo país da América do Sul em que vivo. E ver o resultado de suas histórias citadas durante os créditos chega a ser frustrante, pois, poderiam ter sido melhor exploradas.  

Aliás, os personagens em volta de Bryan funcionam apenas como vetores para auxiliar a forma como a narrativa flui. Eva (Brie Larson) tem dois momentos interessantes, porém, triviais com o protagonista. Em dois diálogos em que ela expõe como os amigos lidam com a sua nova empreitada (trabalhar com Bryan) e em outro momento em que o advogado contextualiza para a nova amiga a possível origem da segregação racial local. E não deixa de ser interessante que a personagem sempre apareça quando o personagem esteja em um momento de dúvida, o que pode ser visto como descaso com as figuras femininas da história.

ECOS DE “A CABANA”

Junto a tudo isso, a estrutura de roteiro colabora para que tudo se torne mais previsível: diálogos motivadores, viradas de noite trabalhando no caso, momentos iluminados em que livros com soluções e justificativas são descobertos. Sinceramente, eu estava esperando alguém cobrir Bryan com um cobertor no momento em que cochilasse.

A direção de Destin Daniel Cretton é competente com a câmera focada sempre nas expressões das vítimas do sistema, com sombras e tons pastéis para carregar os momentos com uma compreensível tristeza. O diretor ainda faz questão de expor os algozes, todas pessoas brancas, inescrupulosas e cercando os condenados, fazendo com que a sensação de abandono e opressão sejam potencializadas.

Vindo do covarde “A Cabana”, o diretor/roteirista não resiste à tentação do melodrama, sabotando não só o filme, mas, também o trabalho formidável do elenco. “Luta por Justiça”. no fim. é um bom filme, expõe um problema já conhecido sem muita inovação, tinha potencial para muito mais, mas não quis arriscar. 

‘Love Lies Bleeding’: estilo A24 sacrifica boas premissas

Algo cheira mal em “Love Lies Bleeding” e é difícil articular o quê. Não é o cheiro das privadas entupidas que Lou (Kristen Stewart) precisa consertar, nem da atmosfera maciça de suor acre que toma conta da academia que gerencia. É, antes, o cheiro de um estúdio (e...

‘Ghostbusters: Apocalipse de Gelo’: apelo a nostalgia produz aventura burocrática

O primeiro “Os Caça-Fantasmas” é até hoje visto como uma referência na cultura pop. Na minha concepção a reputação de fenômeno cultural que marcou gerações (a qual incluo a minha) se dá mais pelos personagens carismáticos compostos por um dos melhores trio de comédia...

‘Guerra Civil’: um filme sem saber o que dizer  

Todos nós gostamos do Wagner Moura (e seu novo bigode); todos nós gostamos de Kirsten Dunst; e todos nós adoraríamos testemunhar a derrocada dos EUA. Por que então “Guerra Civil” é um saco?  A culpa, claro, é do diretor. Agora, é importante esclarecer que Alex Garland...

‘Matador de Aluguel’: Jake Gyllenhaal salva filme do nocaute técnico

Para uma parte da cinefilia, os remakes são considerados o suprassumo do que existe de pior no mundo cinematográfico. Pessoalmente não sou contra e até compreendo que servem para os estúdios reduzirem os riscos financeiros. Por outro lado, eles deixam o capital...

‘Origin’: narrativa forte em contraste com conceitos acadêmicos

“Origin” toca em dois pontos que me tangenciam: pesquisa acadêmica e a questão de raça. Ava Duvernay, que assina direção e o roteiro, é uma cineasta ambiciosa, rigorosa e que não deixa de ser didática em seus projetos. Entendo que ela toma esse caminho porque discutir...

‘Instinto Materno”: thriller sem brilho joga no seguro

Enquanto a projeção de “Instinto Materno” se desenrolava na sessão de 21h25 de uma segunda-feira na Tijuca, a mente se esforçava para lembrar da trama de “Uma Família Feliz”, visto há menos de sete dias. Os detalhes das reviravoltas rocambolescas já ficaram para trás....

‘Caminhos Tortos’: o cinema pós-Podres de Ricos

Cravar que momento x ou y foi divisor de águas na história do cinema parece um convite à hipérbole. Quando esse acontecimento tem menos de uma década, soa precoce demais. Mas talvez não seja um exagero dizer que Podres de Ricos (2018), de Jon M. Chu, mudou alguma...

‘Saudosa Maloca’: divertida crônica social sobre um artista boêmio

Não deixa de ser interessante que neste início da sua carreira como diretor, Pedro Serrano tenha estabelecido um forte laço afetivo com o icônico sambista paulista, Adoniram Barbosa. Afinal, o sambista deixou a sua marca no samba nacional dos anos 1950 e 1960 ao...

‘Godzilla e Kong – O Novo Império’: clima de fim de feira em filme nada inspirado

No momento em que escrevo esta crítica, caro leitor, ainda não consegui ver Godzilla Minus One, a produção japonesa recente com o monstro mais icônico do cinema, que foi aclamada e até ganhou o Oscar de efeitos visuais. Mas assisti a este Godzilla e Kong: O Novo...

‘Uma Família Feliz’: suspense à procura de ideias firmes

José Eduardo Belmonte ataca novamente. Depois do detetivesco – e fraco – "As Verdades", ele segue se enveredando pelas artimanhas do cinema de gênero – desta vez, o thriller domiciliar.  A trama de "Uma Família Feliz" – dolorosamente óbvio na ironia do seu título –...