Responsável por criar obras intrigantes e audaciosas como “Leftovers” e “Watchmen”, Damon Lindelof é, sem dúvida, um dos roteiristas mais interessantes da atualidade. Por isso, é curioso notar sua assinatura em um projeto tão raso quanto “The Hunt”. A narrativa, também roteirizada por Nick Cuse, é uma sátira de filmes de ação em tempos de “lacração online”, polarização política e disseminação de fake news. O resultado é um projeto cheio de camadas, mas que, em momento algum, pode ser levado à sério.

Dirigido por Craig Zobel, “The Hunt” traz como base o velho jogo entre caçador e caça. O primeiro grupo é composto pela elite liberal, como eles mesmos se nomeiam, e a caça, são os deploráveis. O filme propositalmente seleciona o pior dos estereótipos de cada lado político; estas, por sua vez, são marcações bem definidas nas personalidades encontradas nos Estados Unidos, onde a obra causou polêmica e teve o seu lançamento adiado, e que não deixa de refletir os arquétipos brasileiros. 

O conceito é interessante e, por alguns instantes (especialmente diante das participações de Emma Roberts e Justin Hartley), passa a sensação de que tudo será bem orquestrado e todos os elementos reunidos conseguirão tornar a obra uma sátira irreverente, memorável e registrar comentários sagazes apesar da forte violência gráfica.

Aos poucos, no entanto, tornar-se perceptível a repetição da condução dos personagens, fazendo com que a narrativa perca força e pare de se desenvolver. Para piorar, quando há a chance para enveredar a discussões mais amplas, o caminho escolhido reduz tudo a tiro, porrada e bomba.

Literalmente!

Cultura do Cancelamento

Em tempo de lacração e linchamentos virtuais, os arquétipos apresentados nos dois lados de “The Hunt” expõem a ambivalência das discussões online e a banalidade que cerca esse tipo de engajamento. Enquanto o time caçador se sente superior por estar “exterminando” exemplares de pessoas ruins – em uma cena com ecos de “Bacurau” -, aqueles que estavam sendo caçados não eram tão inocentes quanto a sua posição de caça pudesse indicar.

Os lados personificados por Bola de Neve (Betty Gilpin) e Athena (Hilary Swank, duas vezes vencedora do Oscar por “Meninos Não Choram” e “Menina de Ouro”) sugerem o quão superficiais e problemáticos podem ser os posicionamentos online e a toxicidade das mídias sociais, visto o impacto que isso pode ter na vida das pessoas envolvidas. A questão é que mesmo essa camada não consegue aprofundar os conceitos levantados em “The Hunt”.

Se por um lado, a violência gratuita encerra abruptamente discussões que poderiam aprofundar-se, as escolhas repetitivas fazem com que o filme não se permita ser levado a sério.  Afinal, todos os lados são atacados, não há heróis ou antagonistas e se alguma conclusão pode ser tirada disso é: cuidado em como e com quem você cancela na internet.

“The Hunt” poderia pertencer ao quadro das grandes produções de Lindelof, mas a combinação de gore, tensão superficial e história direta se mostrou rasa e não deu tão certo.

‘Enola Holmes’: passatempo agradável ainda que forçado

Desde a primeira publicação em 1887, o nome Sherlock Holmes ficou marcado como um dos grandes personagens da literatura, mais popular inclusive do que o próprio autor, Arthur Conan Doyle. Nos cinemas, as inúmeras adaptações das aventuras do detetive sempre variam...

‘O Diabo de Cada Dia’: quase um grande filme

Entre violência e religiosidade, ‘O Diabo de Cada Dia’ é puramente mais uma produção hollywoodiana que tenta reinventar a temática nacionalista de guerra. Com um bom elenco e uma narrativa complexa, o longa dirigido por Antonio Campos (“The Sinner”) é capaz de...

‘Trincheira’: arte e imaginação contra muros sociais

Desigualdade social, violência e repressão, machismo, homofobia, desmatamento, corrupção, intolerância... Não é de hoje que o mundo não anda bom e a pandemia da COVID-19 só veio para piorar ainda mais um pouco. Diante disso tudo, quem nunca sentiu vontade de fugir e...

‘King Kong em Asunción’: cansativa viagem pela repressão latino-americana

A dança do personagem de Irandhir Santos ao som de “Fala”, de Ney Matogrosso, sintetizava toda a beleza de “A História da Eternidade” e o talento do recifense Camilo Cavalcante logo no trabalho de estreia na direção de longas.  A expectativa em torno do segundo longa...

‘Me Chama que eu Vou’: Sidney Magal fala, fala, mas revela pouco

Briga dura na mostra competitiva de longas-metragens brasileiros do Festival de Gramado 2020 na categoria ‘documentário insosso’. “O Samba é o Primo do Jazz” sobre Alcione ganhou a pesada concorrência de “Me Chama que eu Vou” sobre Sidney Magal. Dirigido por Joana...

‘O Barco e o Rio’: angústias e desejos sufocados compõem ótimo filme

O Amazonas fechou a mostra competitiva de curtas-metragens brasileiros do Festival de Gramado 2020 com “O Barco e o Rio”. Quarto filme da carreira de Bernardo Ale Abinader, o projeto se mostra um salto evolutivo enorme dentro da filmografia do diretor/roteirista,...

‘Remoinho’: bom filme derrapa feio no final

Candidato da Paraíba na mostra competitiva de curtas-metragens nacionais do Festival de Gramado 2020, “Remoinho” é um filme que se insinua grande em diversos momentos, dá indícios de um potencial enorme. Ao término dele, porém, o sentimento que fica é da frustração...

‘Você tem Olhos Tristes’: conto singelo sobre os nossos tempos

No final dos créditos do curta Você Tem Olhos Tristes, do diretor Diogo Leite, aparece a informação de que a produção foi filmada em dezembro de 2019. Seus realizadores não podiam imaginar que quase um ano depois o curta ganharia uma relevância insuspeita numa época...

‘Dominique’: simples, potente e acolhedor

O Brasil é um dos países que lidera o ranking de assassinato de transsexuais no mundo. Por mais batida e repetitiva que essa frase soe, tornou-se inevitavelmente assumir o espiral crescente de violência que se deposita em nosso país. Acompanha-se o reflexo da...

‘Joãozinho da Goméia – O Rei do Candomblé’: provocação mais do que bem-vinda

Ousado e provocativo, Joãozinho da Goméia foi uma das lideranças mais populares do candomblé no Brasil durante os anos de 1940 a 1960.  Apesar da rejeição da parte mais conservadora da sociedade e de alas mais tradicionais da religião africana, o babalorixá negro e...