“Martin Eden” é um relato curioso.

Inspirado na obra homônima de Jack London, o filme dirigido por Pietro Marcello narra a trajetória de um jovem sedento por conhecimento. Simultaneamente, essa jornada também pavimenta discussões em torno da luta de classes e de algo que merece ser debatido e estudado hoje: o preconceito político-ideológico.

Sem querer entrar em considerações referentes ao Fla x Flu que se instaurou em nossa política, o caminho percorrido por Eden (Luca Marinelli) dialoga bem com o Brasil contemporâneo. Temos um rapaz humilde que mora de favor na casa de sua irmã mais velha e que aspira ser um poeta. Por isso, sempre carrega um livro consigo e passa seus tempos livres indo a sebos, pechinchando obras que lhe chamam atenção. A partir do momento em que tem um encontro com a aristocracia, percebe que precisa estudar e correr atrás do seu sonho. A questão é que seus objetivos, no primeiro momento, são constantemente interrompidos pela falta de oportunidades.

Nesse sentido, a luta de classes ganha um significado especial, pois, por meio da leitura de Herbert Spencer a mente e o processo criativo do protagonista se expandem criando um turbilhão de pensamentos conflituosos. Éden é contra o socialismo, como a cena em que discursa no palanque deixa claro porque acredita que é da natureza humana ser sempre governada por outros homens. Ao mesmo tempo, entretanto, é contra a aristocracia e a postura liberal que eles dizem assumir. A percepção de que as duas perspectivas estão distantes de se preocupar realmente com o indivíduo, desperta a ira do personagem principal, que – semelhante ao que encontramos nas redes sociais com os famosos textões – utiliza as palavras para despejá-la ao mundo.

Perigosamente, isso conduz a evolução artística do personagem, que vai de marinheiro a um escritor rico e bem-sucedido. Contudo, essa construção evidencia um comportamento social muito peculiar, a falta de senso de pertencimento. Os conflitos entre o estudo e o trabalho, a sobrevivência e o sonho, a aristocracia e o proletariado o tornam alguém insatisfeito e sem certeza de seu papel social e como indivíduo. Queria escrever para ser como a mulher que julgava amar. Quando chegou ao nível social dela, porém, não era aquilo que almejava para si.

tom neorrealista

 

A escolha de Marcello de colorir o filme com um filtro azul com um objeto vermelho em destaque salienta a imersão do protagonista em seus conflitos de operário-artista e na angustia de não pertencer a lugar algum. Essa percepção se amplia com as imagens documentais de arquivo cuidadosamente selecionadas para ilustrar os poemas e intervalos, sendo responsáveis por mergulhar o espectador no período em que a trama se passa e na narrativa de Eden.

A fotografia granulada e as imagens rodadas em 16mm nos levam a uma Itália marcada pelo movimento político e ofertam um tom neorrealista à película, ambos importantes para compreender a personalidade de Martin Eden.

Apesar de um terceiro ato malconduzido, a jornada contada por Marcello traduz muitas colocações contemporâneas, principalmente, o lado obscuro do pós-isolamento social. Ele busca um paraíso, como seu nome alude, que nunca encontra e por isso se perde em meio as conquistas que obtivera.  A inocência perdida na busca pelo conhecimento o fez afundar em seus próprios conflitos internos. Talvez este seja o motivo, porque seu o final é simbólico e perfeito, sem apoiar lados, “Martin Eden” segue firme para a frente e em busca do que lhe satisfaça a mente e o corpo.

‘Nome Sujo’: crônicas de uma resistência

Em 2017, Marcelo Caetano lançava “Corpo Elétrico”, filme sobre um grupo de jovens trabalhadores da região do Brás, em São Paulo, encontrando alívio no sexo e no companheirismo entre eles um alívio para a pesada jornada em uma fábrica de roupas e a pouco grana. A...

‘Ãgawaraitá: Nancy’: a simplicidade como forma de perpetuar a ancestralidade

Um trecho do livro “História da Bruxaria”, de Jeffrey B. Russell e Brooks Alexander, chamou-me a atenção há algum tempo durante a leitura. Coincidência ou não, é justamente um ponto que considero o mais forte na narrativa trazida por “Ãgawaraitá: Nancy”, curta da...

‘When You Finish Saving the World’: a cativante estreia de Jesse Eisenberg na direção

O ator Jesse Eisenberg (“A Rede Social” e “Café Society”) ficou famoso por seus personagens ligeiramente – ou bastante – neuróticos, e muitos deles pareciam viver no seu próprio mundinho. E na estreia dele como diretor, é justamente isso que Eisenberg explora na...

‘Pânico’ (2022): carta de amor aos fãs em homenagem a Wes Craven

Fazia quase 10 anos desde a última vez que eu, acompanhado de uns 30 amigos (não é exagero), reencontrava Sidney, Dewey e Gale, na estreia de ‘Pânico 4’ nos cinemas. Era o primeiro filme da então quadrilogia de terror, dirigida pelo saudoso Wes Craven, que assistia...

‘Bar Doce Lar’: má fase de George Clooney persiste em filme repetitivo

Logo no início de “Bar Doce Lar”, título horroroso no Brasil para o filme disponível no Amazon Prime, JR diz gostar de viver na casa do avô ao contrário da mãe. O motivo: a presença de muita gente no local. Tal fala, entretanto, ganha um contorno maior para além da...

Onde foram parar e por que os filmes de cassino sumiram das telonas?

De filmes de ação a dramas, há grandes clássicos do cinema e títulos dos anos 90 e 2000 que destacam os poderosos cassinos, particularmente os encontrados nos Estados Unidos. Não há um brasileiro que não se lembre de pelo menos dois filmes que destacavam os luxuosos...

‘O Canto do Cisne’: não funciona como romance nem como sci-fi

À primeira vista, “O Canto do Cisne” engana bem: Mahershala Ali e Naomie Harris com a excelência de sempre e ainda com Glenn Close e Awkwafina como coadjuvantes de luxo, um visual atrativo pela modernidade clean do design de produção e do cenário principal...

‘Apresentando os Ricardos’: Sorkin racionaliza demais universo das sitcoms

Lucille Ball quer um lar. E ele definitivamente não vai ser construído em um cinema cerebral demais como o de Aaron Sorkin. “Apresentando os Ricardos”, nova investida dele na direção, é um retrato sem o brilho que fez de Ball a estrela mais assistida da TV dos Estados...

‘Não Olhe Para Cima’: sátira caminha por trilha segura em críticas

Quando “House of Cards” estreou na Netflix em fevereiro de 2013 chocou uma (ingênua) parcela do público sobre como o coração da política norte-americana poderia ser tão ardiloso e baixo. Era época de um suposto idealismo democrático com Barack Obama, primeiro...

‘Matrix Resurrections’: Lana Wachowski recorda o valor do risco em Hollywood

Se “Matrix” encontra paralelos diretos em “Metrópolis” ou “Blade Runner” dentro do universo de distopias e ficções científicas, pode-se dizer que “Matrix Resurrections” está mais próximo de obras como “Crepúsculo dos Deuses” ou “O Jogador” como análise ácida e...