“Martin Eden” é um relato curioso.

Inspirado na obra homônima de Jack London, o filme dirigido por Pietro Marcello narra a trajetória de um jovem sedento por conhecimento. Simultaneamente, essa jornada também pavimenta discussões em torno da luta de classes e de algo que merece ser debatido e estudado hoje: o preconceito político-ideológico.

Sem querer entrar em considerações referentes ao Fla x Flu que se instaurou em nossa política, o caminho percorrido por Eden (Luca Marinelli) dialoga bem com o Brasil contemporâneo. Temos um rapaz humilde que mora de favor na casa de sua irmã mais velha e que aspira ser um poeta. Por isso, sempre carrega um livro consigo e passa seus tempos livres indo a sebos, pechinchando obras que lhe chamam atenção. A partir do momento em que tem um encontro com a aristocracia, percebe que precisa estudar e correr atrás do seu sonho. A questão é que seus objetivos, no primeiro momento, são constantemente interrompidos pela falta de oportunidades.

Nesse sentido, a luta de classes ganha um significado especial, pois, por meio da leitura de Herbert Spencer a mente e o processo criativo do protagonista se expandem criando um turbilhão de pensamentos conflituosos. Éden é contra o socialismo, como a cena em que discursa no palanque deixa claro porque acredita que é da natureza humana ser sempre governada por outros homens. Ao mesmo tempo, entretanto, é contra a aristocracia e a postura liberal que eles dizem assumir. A percepção de que as duas perspectivas estão distantes de se preocupar realmente com o indivíduo, desperta a ira do personagem principal, que – semelhante ao que encontramos nas redes sociais com os famosos textões – utiliza as palavras para despejá-la ao mundo.

Perigosamente, isso conduz a evolução artística do personagem, que vai de marinheiro a um escritor rico e bem-sucedido. Contudo, essa construção evidencia um comportamento social muito peculiar, a falta de senso de pertencimento. Os conflitos entre o estudo e o trabalho, a sobrevivência e o sonho, a aristocracia e o proletariado o tornam alguém insatisfeito e sem certeza de seu papel social e como indivíduo. Queria escrever para ser como a mulher que julgava amar. Quando chegou ao nível social dela, porém, não era aquilo que almejava para si.

tom neorrealista

 

A escolha de Marcello de colorir o filme com um filtro azul com um objeto vermelho em destaque salienta a imersão do protagonista em seus conflitos de operário-artista e na angustia de não pertencer a lugar algum. Essa percepção se amplia com as imagens documentais de arquivo cuidadosamente selecionadas para ilustrar os poemas e intervalos, sendo responsáveis por mergulhar o espectador no período em que a trama se passa e na narrativa de Eden.

A fotografia granulada e as imagens rodadas em 16mm nos levam a uma Itália marcada pelo movimento político e ofertam um tom neorrealista à película, ambos importantes para compreender a personalidade de Martin Eden.

Apesar de um terceiro ato malconduzido, a jornada contada por Marcello traduz muitas colocações contemporâneas, principalmente, o lado obscuro do pós-isolamento social. Ele busca um paraíso, como seu nome alude, que nunca encontra e por isso se perde em meio as conquistas que obtivera.  A inocência perdida na busca pelo conhecimento o fez afundar em seus próprios conflitos internos. Talvez este seja o motivo, porque seu o final é simbólico e perfeito, sem apoiar lados, “Martin Eden” segue firme para a frente e em busca do que lhe satisfaça a mente e o corpo.

‘Subsolo’: deliciosa ironia sobre o universo das academias

Lembra quando o presidente Jair Bolsonaro, no meio da pandemia da COVID-19 com mortes superiores a 1000 por dia, resolveu decretar que academias eram atividades essenciais? A surreal decisão parece saída do roteiro de “Subsolo”, animação satírica da dupla Erica...

‘Inabitável’: vamos fugir deste lugar?

‘Brasil 2020, Pouco Antes da Pandemia’.  Não é à toa este letreiro ser a primeira informação a surgir na tela no início de “Inabitável”: durante seus 20 minutos, o curta pernambucano apresenta o retrato de um país marcado pela violência e intolerância religiosa...

‘Por que Você não Chora?’: boa intenção não salva filme péssimo

Sabe aquele ditado popular: ‘de boas intenções, o inferno está cheio’? Pode ser cruel, eu sei, mas, cabe à perfeição para definir o fraquíssimo “Por que Você Não Chora?”. Escolhido como o filme de abertura da mostra competitiva de longas-metragens nacionais do...

‘Receita de Caranguejo’: metáforas sobre o luto

Baseado em memórias de infância da diretora e roteirista Issis Valenzuela, “Receita de Caranguejo”, selecionado para a mostra competitiva de curtas-metragens nacionais do Festival de Gramado 2020, aposta em simbolismos e metáforas com a vida marinha para abordar o...

‘4 Bilhões de Infinitos’: homenagem ao cinema e a esperança de dias melhores

Cordisburgo ficou conhecida nacionalmente por ser a terra natal do escritor Guimarães Rosa. Recentemente, a cidade mineira, distante 96,9km em linha reta de Belo Horizonte, virou cenário de uma pentalogia de outra cria da terra, o diretor Marco Antônio Pereira. Com...

‘Queen & Slim’: Black Lives Matter em estética arrebatadora

Vencedora de dois Grammys pela direção do clipe “We Found Love”, de Rihanna, e o álbum visual “Formation”, de Beyoncé, Melina Matsoukas constrói um road movie pautado em violência, intolerância e reencontros em sua estreia na direção cinematográfica. “Queen &...

‘Memories of My Body’: ode à existência de um corpo em plenitude

Pode soar como uma frase tirada diretamente de um livro de mindfulness (técnica de atenção plena), mas de uma forma ou de outra, a maioria das experiências de uma pessoa é mediada pelo corpo. Conduzido desta forma de maneira poética, “Memories of My Body”,...

‘Invasão Zumbi 2: Península’: terror caça-níquel made in Coreia

Em nenhum outro gênero do cinema se produzem tantas continuações como o terror. Elas são feitas porque é um bom negócio: filmes de terror geralmente são baratos, e há o reconhecimento da marca. Quando é lançado e causa impressão junto ao público, ele vira uma marca, e...

‘Estou Pensando em Acabar Com Tudo’: estilo de Kaufman ao ponto da exaustão

Tem uma expressão que meu colega crítico Ivanildo Pereira cita em seus textos e encaixa perfeitamente para descrever Charlie Kaufman: “verborrágico”. O premiado roteirista e diretor é um artista repleto de personalidade e que apresenta temas recorrentes em suas obras...

‘Narciso em Férias’: a violência brasileira em resposta à poesia

Os 54 dias das prisões de Caetano Veloso e Gilberto Gil, entre dezembro de 1968 a fevereiro de 1969, não apenas simbolizaram o mais claro sinal do endurecimento contra a classe artística e intelectual promovido pela ditadura militar no Brasil após o Ato Institucional...