Ambos dirigidos por Ari Aster, Midsommar – O Mal Não Espera a Noite” “Hereditário” guardam semelhanças e diferenças. Se o longa de estreia era uma produção mais intimista fechada em um pequeno núcleo familiar e ambientada em grande parte em uma casa escura e fechada, aqui, a história se passa em longa campos verdes cercado por uma floresta com personagens das mais diversas idades e um sol incessante presente em quase 24 horas do dia. 

Por outro lado, traumas familiares desencadeiam uma vulnerabilidade enorme nos protagonistas que acabam se vendo dentro de uma espiral de loucura e misticismo enlouquecedora. Tudo isso conduzido por um diretor criativo, hábil suficiente para construir atmosferas imagéticas e sonoras perturbadoras e inquietantes, muito longe do que o mainstream hollywoodiano confortavelmente oferece dentro do terror. 

Midsommar – O Mal Não Espera a Noite” inicia quando Dani (Florence Pugh, excelente) perde os pais de forma trágica. Abalada, ela busca o apoio do namorado Christian (Jack Raynor), antropólogo que se sente sufocado no relacionamento de quatro anos, mas, sem coragem para terminar o caso. Dias depois, os dois recebem um convite do amigo de Christian: passar algumas semanas em uma comunidade rural na Suécia para observar como funciona a vida dos moradores, seus hábitos, costumes e religiosidade. Evidente que o local guarda terríveis segredos e as coisas não saem como se espera. 

De longe, o maior mérito de Ari Aster em “Midsommar” é construir uma atmosfera de paranoia e estranhamento quase próxima da perfeição. Seja para trabalhar o deslocamento de Dani junto ao grupo de amigos e do próprio namorado ao chegar em uma casa, no deslocamento de carro em uma estrada na qual a câmera vira 180 graus ou na transição muito bem construída de um sonho para um plano-sequência dentro do quarto da comunidade, o diretor elabora, junto com o precioso auxílio da trilha sonora de violinos cortantes composta pelo músico britânico The Haxan Cloak e da equipe de som, um cenário em que deixa o espectador sem rumo, afinal, as bases daquele universo soam sempre enganosas. 

Nos primeiros minutos, por exemplo, “Midsommar” coloca em dúvida uma possível instabilidade de Dani ao sugerir uma pessoa exagerada e possessiva ou se as preocupações com o namorado e a família são críveis. Este elemento clássico do terror, porém, não vem gratuitamente, afinal, o roteiro observa os componentes machistas nesta observação ao colocar elementos de um relacionamento abusivo e depreciativo de Christian e dos próprios amigos dele quanto à personagem de Florence Pugh, além do nosso próprio como sociedade ao sempre avaliar os problemas de uma mulher como histeria.  

ESPIRAL DE LOUCURA 

Ari Aster, porém, se torna ainda mais ácido e provocador no momento em que os personagens chegam ao vilarejo sueco. Aqui, “Midsommar” escancara gradualmente as hipocrisias dos dogmas religiosos e os males do fanatismo levados ao extremo. 

Tudo começa com a abordagem suave e pacífica feita por missionários, os quais aproveitam as fragilidades emocionais de uma pessoa para arrebatar novos fieis, como ocorre com Dani após a perda dos pais e toda a situação turbulenta do relacionamento com Christian. Daí por diante, a espiral de loucura só aumenta através dos sacrifícios em nome de um Deus regados a muito sangue, a estrutura rígida da sociedade, a intolerância com outras crenças, a morte de pessoas inocentes em nome da proteção daquele povo, entre outros. 

Apesar da inevitável comparação com “O Homem de Palha”, cult de terror dirigido por Robin Hardy em 1973, e do próprio clima de horror instaurado pelo diretor, é possível enxergar uma certa ironia em “Midsommar” semelhante ao visto em “Divino Amor”, de Gabriel Mascaro. O deformado líder religioso, por exemplo, guia a todos com rabiscos coloridos em um livro semelhante à Bíblia assim como os rugidos e grunhidos incompreensíveis dos rituais deixam tudo ainda mais sentido.  

A presença dos jovens convidados vindos dos EUA, sentados à mesa com roupas informais enquanto todos vestem branco como no século XV, somente amplifica o anacronismo deste universo. Isso tudo culmina na fantástica sequência final em que gritos dominam a cena, gerando risos angustiados e nervosos da plateia. 

Com uma duração levemente excessiva (10 minutos a menos não faria mal), subtramas desnecessárias (a rivalidade das teses de doutorado) e personagens coadjuvantes mal aproveitadas (pobre Will Poulter), “Midsommar” pode até não ser perfeito, porém, revela-se mais um grande exemplar do terror recente. A produção consolida Ari Aster como um autor inventivo e corajoso suficiente para tocar em assuntos polêmicos de maneira original. Isso para um cinema americano cada vez mais convencional, é um grande feito. 

Crítica | ‘Os Observadores’: hesitação entre a fábula e o terror

Com o passar dos anos, M. Night Shyamalan virou uma grife dentro do cinema. Tanto fãs quanto detratores do diretor de O Sexto Sentido (1999), Sinais (2002), A Vila (2004) e Fragmentado (2016) reconhecem que existe um estilo Shyamalan, que foi refinado ao longo dos...

CRÍTICA | ‘Tijolo por Tijolo’: proximidade é a chave para documentário surpreendente

Um depoimento emocionado em um culto evangélico improvisado em uma casa de tijolos descobertos. “Jesus” escrito em uma impressão A4 com uma fonte meio word art. Uma mulher emocionada no púlpito. Falando de tudo que acometeu sua casa. Condenada. Demolida. E que será...

CRÍTICA | ‘Retrato de um Certo Oriente’: o sedutor e o aterrorizante de um Brasil pouco explorado

O preto e branco da fotografia exuberante de Pierre de Kerchove é sem a menor dúvida o elemento de destaque da adaptação de Marcelo Gomes do livro de Milton Hatoum. "Relato de um certo oriente". Que aqui troca uma palavra pela outra. Vira retrato. O que faz toda a...

CRÍTICA | ‘O Cara da Piscina’: Chris Pine testa limite do carisma em comédia de piada única

Os sinais começam logo cedo: após a ensolarada sequência de créditos iniciais em tons pastéis de “O Cara da Piscina”, há uma cena em que Darren (Pine) e Susan (Jason Leigh) conversam na cama. Já vimos essa cena antes em um número incontável de filmes: deitados lado a...

CRÍTICA | ‘Motel Destino’: traumas e hipocrisia em exposição dentro de labirinto neon

Heraldo tem um alvo no peito. Ninguém sabe mais disso do que ele, que inclusive verbaliza essa angústia permanente em dado momento de “Motel Destino”. Diretor de filmes de estradas e de aeroportos, Karim Aïnouz traz em seu novo trabalho uma fuga que talvez seja mais...

CRÍTICA | ‘Grande Sertão’: o match errado de Guimarães Rosa e o favela movie

Não é pequeno o feito de Guel Arraes em “Grande Sertão”. Ele tomou como matéria-prima um dos maiores feitos artísticos da história da humanidade, a obra-prima de Guimarães Rosa, e realizou um filme que vai do irritante ao lugar-comum numa velocidade impressionante.  O...

CRÍTICA | ‘Reality’: drama político medíocre e em cima do muro

Sydney Sweeney mal tem tempo para estacionar e logo é saudada por dois oficiais do FBI. Logicamente, não se trata de Sydney Sweeney, a atriz, mas da personagem aqui encarnada pela intérprete, uma jovem ex-oficial com o pitoresco nome de Reality Winner. Os agentes têm...

Crítica | ‘Uma Ideia de Você’: comédia romântica ressentida de brilho próprio

Recentemente minha turma de Teoria da Literatura discutiu a possibilidade de considerarmos fanfics um gênero literário. O curioso é como o dispositivo tem servindo como base para muitas produções cinematográficas, sendo a mais recente dela “Uma ideia de você”, comédia...

Crítica | ‘Os Estranhos – Capítulo 1’: terror picareta da pior espécie

Os Estranhos, do diretor Bryan Bertino, lançado em 2008, não é nenhum clássico do terror, mas é um filme que faz razoavelmente bem aquilo que se propõe: contar uma história assustadora com poucos personagens e cenários, investindo em um clima de tensão pela...

Crítica | ‘Copa 71: A História que não foi Contada’: documentário abaixo da grandeza do evento

Com a narração da tenista norte-americana Serena Williams, “Copa 71: A História que não foi Contada” apresenta cronologicamente a história da primeira grande competição mundial de futebol feminino, realizada no México. Embora não tenha sido o pioneiro, o torneio foi o...