Ambos dirigidos por Ari Aster, Midsommar – O Mal Não Espera a Noite” “Hereditário” guardam semelhanças e diferenças. Se o longa de estreia era uma produção mais intimista fechada em um pequeno núcleo familiar e ambientada em grande parte em uma casa escura e fechada, aqui, a história se passa em longa campos verdes cercado por uma floresta com personagens das mais diversas idades e um sol incessante presente em quase 24 horas do dia. 

Por outro lado, traumas familiares desencadeiam uma vulnerabilidade enorme nos protagonistas que acabam se vendo dentro de uma espiral de loucura e misticismo enlouquecedora. Tudo isso conduzido por um diretor criativo, hábil suficiente para construir atmosferas imagéticas e sonoras perturbadoras e inquietantes, muito longe do que o mainstream hollywoodiano confortavelmente oferece dentro do terror. 

Midsommar – O Mal Não Espera a Noite” inicia quando Dani (Florence Pugh, excelente) perde os pais de forma trágica. Abalada, ela busca o apoio do namorado Christian (Jack Raynor), antropólogo que se sente sufocado no relacionamento de quatro anos, mas, sem coragem para terminar o caso. Dias depois, os dois recebem um convite do amigo de Christian: passar algumas semanas em uma comunidade rural na Suécia para observar como funciona a vida dos moradores, seus hábitos, costumes e religiosidade. Evidente que o local guarda terríveis segredos e as coisas não saem como se espera. 

De longe, o maior mérito de Ari Aster em “Midsommar” é construir uma atmosfera de paranoia e estranhamento quase próxima da perfeição. Seja para trabalhar o deslocamento de Dani junto ao grupo de amigos e do próprio namorado ao chegar em uma casa, no deslocamento de carro em uma estrada na qual a câmera vira 180 graus ou na transição muito bem construída de um sonho para um plano-sequência dentro do quarto da comunidade, o diretor elabora, junto com o precioso auxílio da trilha sonora de violinos cortantes composta pelo músico britânico The Haxan Cloak e da equipe de som, um cenário em que deixa o espectador sem rumo, afinal, as bases daquele universo soam sempre enganosas. 

Nos primeiros minutos, por exemplo, “Midsommar” coloca em dúvida uma possível instabilidade de Dani ao sugerir uma pessoa exagerada e possessiva ou se as preocupações com o namorado e a família são críveis. Este elemento clássico do terror, porém, não vem gratuitamente, afinal, o roteiro observa os componentes machistas nesta observação ao colocar elementos de um relacionamento abusivo e depreciativo de Christian e dos próprios amigos dele quanto à personagem de Florence Pugh, além do nosso próprio como sociedade ao sempre avaliar os problemas de uma mulher como histeria.  

ESPIRAL DE LOUCURA 

Ari Aster, porém, se torna ainda mais ácido e provocador no momento em que os personagens chegam ao vilarejo sueco. Aqui, “Midsommar” escancara gradualmente as hipocrisias dos dogmas religiosos e os males do fanatismo levados ao extremo. 

Tudo começa com a abordagem suave e pacífica feita por missionários, os quais aproveitam as fragilidades emocionais de uma pessoa para arrebatar novos fieis, como ocorre com Dani após a perda dos pais e toda a situação turbulenta do relacionamento com Christian. Daí por diante, a espiral de loucura só aumenta através dos sacrifícios em nome de um Deus regados a muito sangue, a estrutura rígida da sociedade, a intolerância com outras crenças, a morte de pessoas inocentes em nome da proteção daquele povo, entre outros. 

Apesar da inevitável comparação com “O Homem de Palha”, cult de terror dirigido por Robin Hardy em 1973, e do próprio clima de horror instaurado pelo diretor, é possível enxergar uma certa ironia em “Midsommar” semelhante ao visto em “Divino Amor”, de Gabriel Mascaro. O deformado líder religioso, por exemplo, guia a todos com rabiscos coloridos em um livro semelhante à Bíblia assim como os rugidos e grunhidos incompreensíveis dos rituais deixam tudo ainda mais sentido.  

A presença dos jovens convidados vindos dos EUA, sentados à mesa com roupas informais enquanto todos vestem branco como no século XV, somente amplifica o anacronismo deste universo. Isso tudo culmina na fantástica sequência final em que gritos dominam a cena, gerando risos angustiados e nervosos da plateia. 

Com uma duração levemente excessiva (10 minutos a menos não faria mal), subtramas desnecessárias (a rivalidade das teses de doutorado) e personagens coadjuvantes mal aproveitadas (pobre Will Poulter), “Midsommar” pode até não ser perfeito, porém, revela-se mais um grande exemplar do terror recente. A produção consolida Ari Aster como um autor inventivo e corajoso suficiente para tocar em assuntos polêmicos de maneira original. Isso para um cinema americano cada vez mais convencional, é um grande feito. 

‘Mulher Maravilha 1984’: DC regride com bomba vergonhosa

A história se repete, certo? Passamos a vida ouvindo esse ditado, e parece que é verdade mesmo. No panteão dos quadrinhos super-heróicos da DC Comics, Superman, Batman e Mulher Maravilha são conhecidos entre os fãs como “a trindade” da editora. São reconhecidamente os...

‘Soul’: brilhante animação sobre quem realmente somos

“Editor-chefe do Cine Set. Exerce o cargo de diretor de programas na TV Ufam. Formado em jornalismo pela Universidade Federal do Amazonas com curso de pós-graduação na Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo”.  Você encontra este texto na parte ‘Sobre o Autor’ desta...

‘O Céu da Meia-Noite’: George Clooney testa paciência em sci-fi sofrível

Galã charmoso dos moldes da Hollywood nos anos 1950, George Clooney construiu gradualmente uma trajetória para além deste rótulo. Depois de aprender com o fracasso de “Batman & Robin”, ele começou a selecionar melhor os projetos em que se meteria – até venceu o...

‘The Nest’: elegante jogo das aparências mistura drama e terror

Depois de surpreender com uma narrativa envolvente no longa de estreia em “Martha Marcy Mae Marlene”, Sean Durkin retorna nove anos depois com “The Nest” (“O Ninho”, em tradução literal). Acompanhado de atuações excelentes de Carrie Coon e Jude Law, ele traz o...

‘Let Them All Talk’: Soderbergh entre Bergman e Allen sem ser incisivo

'Galera, é o seguinte: estou pensando em fazer um filme todo gravado em um transatlântico. Vocês topam?’.  Se receber um convite destes seria tentador por si só, imagine vindo de Steven Soderbergh, diretor ganhador da Palma de Ouro do Festival de Cannes em 1989 por...

‘A Voz Suprema do Blues’: estado puro dos talentos de Viola Davis e Chadwick Boseman

"A Voz Suprema do Blues” reúne a mesma trinca de “Um Limite Entre Nós”: Viola Davis de protagonista em um filme produzido por Denzel Washington baseado em uma peça do dramaturgo August Wilson. Além dos nomes envolvidos, o projeto da Netflix guarda as qualidades – um...

‘First Cow’: uma lembrança sobre a necessidade da solidariedade

Não me surpreendo caso muitos perguntem os motivos de “First Cow” ser tão badalado e elogiado pela crítica internacional. Muito menos de uma possível insatisfação generalizada caso o longa dirigido, roteirizado e montado por Kelly Reichardt (“Certas Mulheres”) chegue...

‘À Luz do Sol’: potência de protagonistas ilumina a tela em documentário paraense

Documentário paraense selecionado para a mostra competitiva do Festival Olhar do Norte 2020, “À Luz do Sol” segue o caminho de produções como o amazonense “Maria”, de Elen Linth, e o longa alagoano “Cavalo”, da dupla Rafhael Barbosa e Werner Salles, marcados pela...

‘Raimundo Quintela – O Caçador Vira Porco’: Sherlock amazônico em aventura agradável

Misturar elementos da cultura pop e do cinema hollywoodiano com as lendas e crenças da Amazônia formam a base de “Raimundo Quintela – O Caçador Vira Porco”, curta-metragem paraense dirigido por Robson Fonseca. Vencedor de três categorias da mostra competitiva do...

‘O Som do Silêncio’: aflição e desespero de Riz Ahmed comovem em bom drama

A deficiência auditiva foi retratada nos cinemas com diferentes abordagens, mas, quase sempre a partir de uma situação já estabelecida. Em “O Milagre de Anne Sullivan” (1962), por exemplo, a professora interpretada pela vencedora do Oscar, Anne Bancroft, precisa...