É uma terra fria a que vemos em Nomadland. No filme da diretora Chloé Zhao, o interior dos Estados Unidos é um espaço gelado e dilapidado. Ambientado alguns anos após a crise econômica de 2008, no filme acompanhamos a viúva Fern, interpretada por Frances McDormand, que viaja pelas estradas norte-americanas em seu van depois da morte do seu marido e do fechamento da fábrica que sustentava sua cidade. Fern se define como uma “sem casa”, não uma “sem teto”. Ela mora no seu carro. Ao longo do filme, vemos Fern conhecendo outros “nômades”, arranjando alguns empregos e bicos aqui e ali – incluindo um como empacotadora da Amazon – e simplesmente vivendo, enquanto vai de um lugar para o outro.

Nomadland realmente propõe um mergulho nesse estilo de vida, e através das lentes de Zhao e do diretor de fotografia Joshua James Richards percebemos que essa maneira de viver tem feito adeptos nos Estados Unidos, seja por vontade própria ou pelo peso das circunstâncias econômicas. Muitas vezes o cinema dos EUA esquece, ou não tem disposição de mostrar a pobreza que existe de fato no país e tem se tornado crescente nos últimos anos. Embora não chegue a ser mesmo uma obra de teor político, Nomadland reflete a época atual de encruzilhada para o país. As pessoas que vemos no filme são as sobras do capitalismo, e há um número cada vez maior delas por aí atualmente, e pelo mundo todo também. Não é um filme sem esperança, pois essas pessoas se ajudam umas às outras e Zhao se foca na humanidade delas. Mas é um filme desalentado.

Esse foco na humanidade, aliás, é a grande qualidade do filme. Expandindo ainda mais o estilo documental, “mosquinha na parede”, do seu ótimo trabalho anterior Domando o Destino (2017), aqui a câmera de Zhao parece ainda menos intrusiva. O que a possibilita captar momentos que realmente não tinham como ser encenados, como a cena da conversa entre Fern e Swankie, uma andarilha que revela estar a caminho do Alasca após ter sido diagnosticada com câncer terminal. Aliás, exceto por McDormand e David Strathairn, que vive um senhor interessado em Fern, as demais pessoas em cena não são atores profissionais, são nômades da vida real. E embora explorar os momentos entre as pessoas seja a força do filme, em outras cenas Zhao parece simplesmente contente de filmar McDormand andando por aí: Um longo plano dela percorrendo o local de encontro dos nômades, ao amanhecer é, além de visualmente bonito, uma representação simbólica do filme. É um trabalho belo de fotografia: algumas paisagens e cenas impressionam e criam contraste com os dramas apresentados.

‘o lar é só uma palavra’

Essa abordagem faz com que Nomadland busque, e alcance, um tipo de poesia visual, uma maneira íntima e austera de explorar a protagonista na sua viagem e os eventos emocionais pelo caminho. Também é interessante o que Zhao e McDormand fazem com a personagem. Claro, o roteiro – também de Zhao, baseado em livro de Jessica Bruder – fornece algumas informações sobra a Fern para que possamos compreendê-la, mas nunca o suficiente para explicá-la. Apesar de que uma vez ou outra se possam avistar uns psicologismos para delimitar a sua protagonista, ela permanece mais ou menos uma incógnita ao longo da história. Ela está fugindo ou finalmente encontrou seu rumo? Está presa ao passado ou abraçando o único futuro possível para ela? Essas perguntas, Zhao e McDormand nunca respondem de fato, e isso torna Nomadland mais interessante.

E é a atuação da sempre ótima, muitas vezes magnifica McDormand que conduz o filme. A abordagem dela como atriz é a mesma do filme: Ela não “atua”, desaparece na personagem. Às vezes um levantar de sobrancelha, um sorriso ou um contorcer de rosto é tudo que McDormand precisa para nos informar do que sua personagem está sentindo. É uma atuação voltada para dentro, sem momentos de explosões ou grandes externalidades, e muito precisa e meticulosa. É o trabalho de uma atriz no domínio pleno de seu ofício.

Embora histórias e road movies sobre personagens à procura de algo em suas vidas, ou simplesmente à deriva, sejam comuns no cinema – afinal, é no mínimo interessante acompanharmos por 2 horas alguém que se afastou da sociedade por vontade própria – Nomadland se torna especial justamente pela sua visão oportuna e muito bem delineada desse tipo de jornada. A certa altura, uma personagem pergunta se “o lar é só uma palavra, ou é algo que levamos conosco, aonde vamos”. Esse é a essência de Nomadland e a sua visão de um país e de pessoas à deriva é muito arguta, inteligente, às vezes engraçada e, em alguns momentos, emocionante. É um “mundo, mundo, vasto mundo” mesmo, e no qual só a jornada é uma certeza, o destino não.

‘The World to Come’: romance pautado pela dor e pelo que está por vir

Tem algumas dores capazes de destruir qualquer relação. De forma semelhante, há aquelas que unem os cacos e são capazes de libertar. Mais do que um drama queer de época, “The World To Come” fala sobre essas lesões emocionais, pautado, especialmente, na solidão e como...

‘Veneza’: o sonho como antítese da pesada realidade

A certa altura de Veneza, novo filme de Miguel Falabella, uma das personagens, após assistir a uma apresentação teatral num circo, diz a um dos atores da trupe: “a história não é de verdade, mas eu sempre choro”. De certa forma, essa fala resume a obra: Veneza é um...

‘Awake’: thriller de ficção científica perdido e sem propósito

Um filme como “Awake” poderia ser classificado como um thriller de ficção científica, mas que não é bom nem em ser thriller e muito menos em ter alguma base científica relevante na sua trama. Se você quer uma experiência de tensão real ou uma narrativa envolvente, com...

‘Espiral: O Legado de Jogos Mortais’: série pela hora da morte

Na primeira década dos anos 2000, os multiplexes do mundo foram, por um bom tempo, assombrados por pôsteres assustadores que mostravam pés decepados e outros horrores nos seus salões de entrada. E dentro das salas, se podiam ver cenas com gente usando máscaras de...

‘Missão Cupido’: comédia sobrenatural para não se levar a sério

Se eu acreditasse em astrologia, diria que o Brasil está passando por um inferno astral. E, nesses momentos, nada como dar umas risadas descomprometidas para aliviar a tensão. Essa é a proposta de Ricardo Bittencourt ("Real – O Plano por Trás da História") em "Missão...

‘Invocação do Mal 3’: James Wan faz falta no pior filme da franquia

James Wan é um cara esperto, um cineasta inteligente e talentoso, que não fez nenhuma obra-prima, mas também não realizou nenhum filme ruim até agora. No seu trabalho dentro do gênero terror, ele não reinventou a roda, mas soube dar uma bela polida nela, trazendo seu...

‘Anônimo’: Bob Odenkirk surpreende como herói improvável

Na história do cinema, isso sempre aconteceu: um filme de certo gênero aparece, traz alguma inovação ou inaugura uma tendência, faz sucesso e, por algum tempo, vira o padrão dentro deste gênero. Tubarão (1975) deu origem a um subgênero de filmes abilolados de tubarões...

‘Cruella’: fúria punk e figurinos luxuosos comandam diversão

Durante a minha infância, tínhamos o costume de nos reunir aos finais de semana para assistir filmes de animação. Foi assim que vi (e decorei as músicas) dos clássicos da Disney. Com o tempo, os gêneros foram mudando, mas as lembranças desses momentos permaneceram....

‘Rogai por Nós’: CGI e roteiro capenga derrubam terror

Em algum lugar dentro de Rogai por Nós, suspense sobrenatural da produtora Ghost House de Sam Raimi e dirigido pelo estreante Evan Spiliotopoulos, tem uma interessante história sobre fé, crenças e o mistério que cerca a nossa existência. Porém, essa mesma história é...

‘Aqueles que me Desejam a Morte’: clichês por todos os cantos

Aqueles que Me Desejam a Morte, o novo projeto da estrela Angelina Jolie e do diretor/roteirista Taylor Sheridan, começa com a protagonista da história no meio de uma situação bem dramática... E aí ela acorda. Era tudo um sonho e sabemos que aquele momento representou...