Mark Ruffalo é, de acordo com todos os relatos, um sujeito legal. É ótimo ator, ativista, e que usa sua força de astro, adquirida por participar dos blockbusters do Marvel Studios, para ajudar a viabilizar filmes pequenos, muitos deles com consciência social e que abordam temas relevantes da atualidade, como Minhas Mães e Meu Pai (2010), The Normal Heart (2014) e Spotlight: Segredos Revelados (2015). Ruffalo estrela e produz este O Preço da Verdade, baseado numa história real de corrupção, destruição ambiental e luta por justiça. É um bom filme, quem o assistir vai se entreter e se envolver com a história – Ora, é até difícil não se envolver. Mas, infelizmente, é também um filme que sofre por ser… banal.

A cena de abertura do filme parece a de um slasher film: vemos uns jovens festeiros indo nadar num lago, à noite. Quando esperamos que o Jason Voorhees apareça para acabar com eles, surge algo pior: uns sujeitos num barco, com roupas escuras, expulsam os jovens do lugar e começam a despejar algo na água. Décadas depois, o advogado Rick Billot (Ruffalo) é praticamente intimado por um fazendeiro que conhece a sua avó para representá-lo num processo por dano ambiental – os animais da fazenda do sujeito começaram a ficar doentes e a morrer de formas estranhas. Billot trabalha defendendo as grandes firmas de produtos químicos; mesmo assim ele aceita o trabalho, apesar da cara feia do seu chefe. O que ele descobre o leva a empreender praticamente uma luta de um homem só contra uma grande corporação, a DuPont, que envenenou indiscriminadamente o país. E o mundo…

As grandes corporações realmente viraram as vilãs de preferencia no cinema de Hollywood, e isso já de um tempo – mas elas fizeram por merecer, não é mesmo? E já vimos obras sobre advogados lutando contra elas em casos em que corporações causaram doenças ou mortes de milhares, ou milhões, de pessoas. De certa forma, O Preço da Verdade é quase um novo Erin Brokovich (2000), só que menos triunfante e sem os momentos de bom humor. O Preço da Verdade é 100% sério, filmado de forma sóbria e até meio distanciada pelo diretor de fotografia Edward Lachman – a fotografia exclui as cores fortes da paleta e as paisagens e cidades pequenas norte-americanas parecem cinzentas e sem vida, locais onde o sol nunca brilha. Como todo filme que coloca seu tema, sua “relevância social”, acima do seu valor como cinema hoje em dia, O Preço da Verdade é sério e deixa isso claro para o público.

E esse é o aspecto mais decepcionante do filme. O diretor Todd Haynes, responsável pelos marcantes Velvet Goldmine (1998), Longe do Paraíso (2002) e Carol (2015), tinha estofo para fazer um filme mais incisivo, mais diferenciado, o que até poderia beneficiar o tema. Haynes nunca foi um cineasta convencional, por isso é decepcionante ver que O Preço da Verdade poderia ter sido feito por qualquer diretor de filme da semana da Netflix e o resultado seria praticamente o mesmo. A história é filmada e conduzida do jeito que se espera, sem nada especial, e com um tom didático e meio autoimportante. Até intimidade para aliar a temática ambiental com um clima de paranoia Haynes já demonstrou com Mal do Século (1996), seu forte e estranho drama estrelado por Julianne Moore. Mas O Preço da Verdade não tem nada daquele clima ou daquela visão. É um filme protocolar e careta, e esse é o seu grande problema.

ECOS DE ‘ERIN BROCKOVICH’

A atitude convencional do filme é a enfermidade que se manifesta em sintomas espalhados pela narrativa: a esposa de Billot, vivida por Anne Hathaway, é um papel insosso e clichê que só serve para “reclamar que o marido trabalha demais”. Em dado momento, o protagonista “explica” didaticamente toda a tramoia da DuPont para a sua esposa, como se ela fosse uma criança – e a esposa assume meio que o papel do espectador. Já o chefe de Billot, interpretado por Tim Robbins – outro ator conhecido pela consciência social – começa antagônico ao herói, mas, no meio da trama, se redime bruscamente e faz um discurso que explicita o posicionamento do filme, para que nenhum espectador tenha dúvidas quanto a ele.  São momentos e clichês que parecem saídos do “manual do drama social hollywoodiano”. A história real merecia mais.

E de fato, até há alguns momentos em que os cineastas fazem justiça à história. Como na cena em que uma pessoa tendo seu sangue testado defende a própria corporação que a envenenou; ou a arguição sombria que Billot faz de um dos executivos da DuPont. Nesses momentos, o pulso de “O Preço da Verdade” acelera e o espectador sente a indignação dos personagens – um sentimento que o longa desperta de vez em quando apesar da abordagem dos cineastas trabalhar contra ele.

Ruffalo está ótimo, como sempre, e Bill Camp como o fazendeiro que inicia todo o processo também tem uma presença forte e humana dentro do filme. E a história, em si, é interessante. Mas precisava ser um filme igual a tantos outros que já vimos antes? No passado, cineastas como Steven Soderbergh no próprio Erin Brockovich ou Michael Mann em O Informante (1999) trataram com histórias similares, mas suas abordagens foram tudo, menos protocolares. As opções estéticas e narrativas de Todd Haynes são compreensíveis e até defensáveis, mas não conseguem evitar de fazer seu filme parecer com um drama da semana na TV. A história é assustadora e impactante, e Ruffalo, como o motor dela,  a impulsiona corretamente. Pena que o próprio diretor meio que o sabota fazendo uma obra formulaica, um bom filme que podia ser ótimo, um longa definido mais pelo ativismo do que pelo cinema.

‘Censor’: memória como processo de edição e censura

"Censor", longa de estreia de Prano Bailey-Bond, é um terror com completo controle de sua atmosfera feito sob medida para agradar fãs do gênero. O filme, que estreou na seção Meia-Noite do Festival de Sundance e foi exibido na mostra Panorama da Berlinale deste ano, é...

‘Mortal Kombat’: duas horas de praticamente nada

Ah, Hollywood, você não aprende... Não deveria ser tão difícil assim fazer um filme ao menos legal baseado no game Mortal Kombat. Mas pelo visto é. Numa nota pessoal, já joguei algumas versões do game ao longo das décadas, em diferentes plataformas. Mortal Kombat...

‘Passageiro Acidental’: sci-fi vazia por roteiro preguiçoso

Comunidade, sobrevivência e sacrifício. Sobre essas três temáticas orbita a narrativa de “Passageiro Acidental”, novo filme do brasileiro de Joe Penna (“Ártico”) disponível na Netflix. Acompanhamos uma equipe que parte em uma missão de dois anos para Marte; no...

‘What Do We See When We Look at the Sky?’: minúcias da vida levadas à exaustão

O céu, escadas, pontes, um rio, pessoas andando, cachorros e muito, mas muito futebol. Essas são algumas das coisas que os espectadores de "What Do We See When We Look in the Sky?" têm a chance de ver por longos períodos de tempo durante o filme, que estreou na mostra...

‘Petite Maman’: delicado filme adulto sobre a infância

Depois de ganhar fama mundial com seu melhor filme e abandonar publicamente a maior premiação de seu país natal, o que você faria? A diretora francesa Céline Sciamma voltou logo ao trabalho. Ela agora retorna com “Petite Maman”, menos de dois anos depois de seu último...

‘Vozes e Vultos’: Amanda Seyfreid sai de ‘Mank’ para bomba

A Netflix é muito boa em fazer propaganda enganosa... Quem for assistir ao trailer da sua produção "Vozes e Vultos" imagina, logo antes de apertar “play” no filme, que vai ver um terror ou, ao menos, um suspense, algo intenso. Nada mais longe da verdade: o longa...

‘O Homem que Vendeu Sua Pele’: leveza demais faz ficar na superfície bons temas

O maior mérito de O Homem que Vendeu Sua Pele, da cineasta tunisiana Kaouther Ben Hania, é o ato de malabarismo que ele realiza ao longo da sua duração: O filme consegue, ao mesmo tempo, ser uma sátira ao mundo da arte, lançar um olhar tocante sobre o problema dos...

‘Mission Ulja Funk’: aventura infantil defende a ciência e ataca fanatismo religioso

Uma aventura juvenil divertida e necessária contra o fundamentalismo religioso, “Mission Ulja Funk” é uma das surpresas da Berlinale deste ano. A co-produção Alemanha-Luxemburgo-Polônia, exibida na mostra Generation Kplus do evento cinematográfico, tem muito carisma e...

‘Agora Estamos Vivos’: grande vazio emocional e de conceitos

O que você faria se fosse a última pessoa na Terra? É com essa perspectiva que Reed Morano (“The Handmaid’s Tale”) arquiteta seu novo filme: “Agora Estamos Sozinhos”. Disponível no Prime Vídeo, a trama traz um mundo pós-apocalíptico intimista habitado por Peter...

‘Una Escuela en Cerro Hueso’: pequena pérola argentina sobre autismo

Um filme delicado sobre adaptação e superação, “Una Escuela em Cerro Hueso” é um drama argentino que chama a atenção para o autismo sem apelar para reducionismos. Exibido na mostra Generation Kplus do Festival de Berlim deste ano, onde ganhou uma menção especial do...