Mark Ruffalo é, de acordo com todos os relatos, um sujeito legal. É ótimo ator, ativista, e que usa sua força de astro, adquirida por participar dos blockbusters do Marvel Studios, para ajudar a viabilizar filmes pequenos, muitos deles com consciência social e que abordam temas relevantes da atualidade, como Minhas Mães e Meu Pai (2010), The Normal Heart (2014) e Spotlight: Segredos Revelados (2015). Ruffalo estrela e produz este O Preço da Verdade, baseado numa história real de corrupção, destruição ambiental e luta por justiça. É um bom filme, quem o assistir vai se entreter e se envolver com a história – Ora, é até difícil não se envolver. Mas, infelizmente, é também um filme que sofre por ser… banal.

A cena de abertura do filme parece a de um slasher film: vemos uns jovens festeiros indo nadar num lago, à noite. Quando esperamos que o Jason Voorhees apareça para acabar com eles, surge algo pior: uns sujeitos num barco, com roupas escuras, expulsam os jovens do lugar e começam a despejar algo na água. Décadas depois, o advogado Rick Billot (Ruffalo) é praticamente intimado por um fazendeiro que conhece a sua avó para representá-lo num processo por dano ambiental – os animais da fazenda do sujeito começaram a ficar doentes e a morrer de formas estranhas. Billot trabalha defendendo as grandes firmas de produtos químicos; mesmo assim ele aceita o trabalho, apesar da cara feia do seu chefe. O que ele descobre o leva a empreender praticamente uma luta de um homem só contra uma grande corporação, a DuPont, que envenenou indiscriminadamente o país. E o mundo…

As grandes corporações realmente viraram as vilãs de preferencia no cinema de Hollywood, e isso já de um tempo – mas elas fizeram por merecer, não é mesmo? E já vimos obras sobre advogados lutando contra elas em casos em que corporações causaram doenças ou mortes de milhares, ou milhões, de pessoas. De certa forma, O Preço da Verdade é quase um novo Erin Brokovich (2000), só que menos triunfante e sem os momentos de bom humor. O Preço da Verdade é 100% sério, filmado de forma sóbria e até meio distanciada pelo diretor de fotografia Edward Lachman – a fotografia exclui as cores fortes da paleta e as paisagens e cidades pequenas norte-americanas parecem cinzentas e sem vida, locais onde o sol nunca brilha. Como todo filme que coloca seu tema, sua “relevância social”, acima do seu valor como cinema hoje em dia, O Preço da Verdade é sério e deixa isso claro para o público.

E esse é o aspecto mais decepcionante do filme. O diretor Todd Haynes, responsável pelos marcantes Velvet Goldmine (1998), Longe do Paraíso (2002) e Carol (2015), tinha estofo para fazer um filme mais incisivo, mais diferenciado, o que até poderia beneficiar o tema. Haynes nunca foi um cineasta convencional, por isso é decepcionante ver que O Preço da Verdade poderia ter sido feito por qualquer diretor de filme da semana da Netflix e o resultado seria praticamente o mesmo. A história é filmada e conduzida do jeito que se espera, sem nada especial, e com um tom didático e meio autoimportante. Até intimidade para aliar a temática ambiental com um clima de paranoia Haynes já demonstrou com Mal do Século (1996), seu forte e estranho drama estrelado por Julianne Moore. Mas O Preço da Verdade não tem nada daquele clima ou daquela visão. É um filme protocolar e careta, e esse é o seu grande problema.

ECOS DE ‘ERIN BROCKOVICH’

A atitude convencional do filme é a enfermidade que se manifesta em sintomas espalhados pela narrativa: a esposa de Billot, vivida por Anne Hathaway, é um papel insosso e clichê que só serve para “reclamar que o marido trabalha demais”. Em dado momento, o protagonista “explica” didaticamente toda a tramoia da DuPont para a sua esposa, como se ela fosse uma criança – e a esposa assume meio que o papel do espectador. Já o chefe de Billot, interpretado por Tim Robbins – outro ator conhecido pela consciência social – começa antagônico ao herói, mas, no meio da trama, se redime bruscamente e faz um discurso que explicita o posicionamento do filme, para que nenhum espectador tenha dúvidas quanto a ele.  São momentos e clichês que parecem saídos do “manual do drama social hollywoodiano”. A história real merecia mais.

E de fato, até há alguns momentos em que os cineastas fazem justiça à história. Como na cena em que uma pessoa tendo seu sangue testado defende a própria corporação que a envenenou; ou a arguição sombria que Billot faz de um dos executivos da DuPont. Nesses momentos, o pulso de “O Preço da Verdade” acelera e o espectador sente a indignação dos personagens – um sentimento que o longa desperta de vez em quando apesar da abordagem dos cineastas trabalhar contra ele.

Ruffalo está ótimo, como sempre, e Bill Camp como o fazendeiro que inicia todo o processo também tem uma presença forte e humana dentro do filme. E a história, em si, é interessante. Mas precisava ser um filme igual a tantos outros que já vimos antes? No passado, cineastas como Steven Soderbergh no próprio Erin Brockovich ou Michael Mann em O Informante (1999) trataram com histórias similares, mas suas abordagens foram tudo, menos protocolares. As opções estéticas e narrativas de Todd Haynes são compreensíveis e até defensáveis, mas não conseguem evitar de fazer seu filme parecer com um drama da semana na TV. A história é assustadora e impactante, e Ruffalo, como o motor dela,  a impulsiona corretamente. Pena que o próprio diretor meio que o sabota fazendo uma obra formulaica, um bom filme que podia ser ótimo, um longa definido mais pelo ativismo do que pelo cinema.

‘Atlântida’: cansativa e bela contemplação ao nada

“Atlântida”, obra exibida na 45ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, não é um filme sobre o quê, mas sobre como. Há um personagem, que tem objetivos, coadjuvantes, antagonistas, viradas na história, mas isso não é o que importa. Yuri Ancarani, que assina...

‘Noite Passada em Soho’: quando prazer e pavor caminham lado a lado

É normal filmes de terror isolarem seus protagonistas antes de abrirem as válvulas do medo. "Noite Passada em Soho", novo filme do cineasta Edgar Wright (“Scott Pilgrim Contra o Mundo” e “Baby Driver – Em Ritmo de Fuga”), inverte essa lógica. Sua protagonista sai de...

‘Duna’: conceito se sobrepõe à emoção em filme estéril

Duna, o filme dirigido por Denis Villeneuve, começa com o protagonista acordando de um sonho, e tem alguém falando sobre um planeta, um império e uma tal de especiaria... A sensação é de ser jogado num universo alienígena e ela perdura por praticamente todo o filme. É...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge’ e um herói para inspirar o coletivo

Vamos responder logo de cara: Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge, o último filme da bat-trilogia do diretor Christopher Nolan, é o pior dos três? É. É um filme com problemas? Sim. Mas é um filme ruim? Longe disso. Na verdade, quando Nolan foi concluir sua...

‘Spencer’: Kristen Stewart luta em vão contra filme maçante

Em "Spencer", Kristen Stewart se junta ao clube de atrizes - que inclui Naomi Watts (“Diana”) e Emma Corrin (“The Crown”) - que se lançaram ao desafio de retratar a Princesa Diana. A atriz traz uma energia caótica à personagem e a coloca no caminho de uma quase certa...

‘O Garoto Mais Bonito do Mundo’ e o dilema da beleza

Morte em Veneza, o filme do diretor italiano Luchino Visconti lançado em 1971 e baseado no livro de Thoman Mann, é sobre um homem tão apaixonado, tão obcecado pela beleza que presencia diariamente, que acaba destruindo a si próprio por causa disso. E essa beleza, no...

‘Venom: Tempo de Carnificina’: grande mérito é ser curto

Se alguém me dissesse que existe um filme com Tom Hardy, Michelle Williams, Naomie Harris e Woody Harrelson, eu logo diria que tinha tudo para ser um filmaço, porém, estamos falando de “Venom: Tempo de Carnificina” e isso, infelizmente, é autoexplicativo. A...

‘A Casa Sombria’: ótimo suspense de desfecho duvidoso

Um dos grandes destaques do Festival de Sundance do ano passado, "A Casa Sombria", chegou aos cinemas brasileiros após mais de um ano de seu lançamento. Sob a direção de David Bruckner (responsável por dirigir o futuro reboot de "Hellraiser"), o longa é um bom exemplo...

‘Free Guy’: aventura mostra bom caminho para adaptação de games

Adaptar o mundo dos jogos para as telonas é quase uma receita fadada ao fracasso. Inúmeros são os exemplos: "Super Mario Bros", "Street Fighter", "Tomb Raider: A Origem" e até o mais recente "Mortal Kombat" não escapou de ser uma péssima adaptação. Porém, quando a...

‘A Taça Quebrada’: a angustiante jornada de um fracassado

Não está fácil a vida de Rodrigo: músico sem grande sucesso, ele não aceita a separação da esposa ocorrida há dois anos (sim, 2 anos!) muito menos o novo relacionamento dela, além de sofrer com a distância do filho e de ver o trio morar na casa que precisou deixar. E...