Dirigido por Gavin Hood (“X-Men Origens: Wolverine”), “Segredos Oficiais” se junta a narrativas de vazamentos oficiais como “O Quinto Poder” (2013) e “Snowden” (2016), para mostrar ao público outro lado da Guerra no Iraque. O filme torna a publicação de uma troca de mensagens entre os governos americano e britânico um suspense político em que o maior destaque está nas atuações. 

“Segredos Oficiais” se baseia na história verídica de Katharine Gun (Keira Knightley), uma funcionária do GCHQ – agência de inteligência britânica ligada ao setor de comunicação -, que, em 2003, pouco antes de iniciar o conflito no Iraque, vazou um e-mail em que a NSA – Agência de Segurança Nacional dos EUA – pedia ao governo britânico que espionasse membros do Conselho de Segurança da ONU para adquirir informações que pudessem ser usadas para convencer as delegações a votarem a favor da Guerra no Iraque. A questão é que no Reino Unido existe uma lei que proíbe a divulgação de informações oficiais qualquer empregado do governo. O e-mail, porém, acaba sendo publicado pelo The Observer e Gun, enquadrada pela quebra da lei.  

Inspirações em ‘Spotlight’ e ‘Todos os Homens do Presidente’

O roteiro de Sara e Gregory Bernstein acompanha o período de um ano, que corresponde ao momento da publicação do e-mail no jornal e o julgamento da protagonista. Em sua construção, é interessante notar o cuidado para não colocar a personagem central como vítima e nem tampouco como militante anti-guerra. Ao mesmo tempo em que o espectador observa as atitudes de Gun, a narrativa apresenta outros pontos de vista como a repercussão do escândalo na mídia e o debate popular para preencher as várias peças que correspondem a importância dessa informação vir a público.  

Toda essa articulação cria tramas paralelas dentro da narrativa, que, embora se cruzem poucas vezes ou em nenhum momento, são complementares e interligadas. Por um lado, há a situação de Gun, suas conversas com o advogado (Ralph Fiennes) para evitar a condenação, as ameaças a permanência de seu esposo (Adam Bakri) no país; e, por outro lado, temos o núcleo da investigação jornalística de Martin Bright (Matt Smith). Mesmo que nunca haja um diálogo entre eles, as ações de Gun refletem diretamente no trabalho de Bright, que afeta a vida dela a cada palavra que publica sobre o tema. 

Neste emaranhado, embora possa soar confuso, o que se percebe é uma coesão que consegue transformar um filme sobre guerra em um drama que ora soa como um jogo de espiões ora como um drama jornalístico, uma mistura de “Todos os Homens do Presidente” (1976) com “Spotlight”(2016).  

Sutilezas no elenco

E o que mais auxilia a tornar o filme coerente é a forma como os personagens são construídos: gente como a gente. Gun, por exemplo, é vista em vários momentos assistindo aos noticiários políticos e indignada com o que vê; da mesma forma ela afirma, mais de uma vez, que tomou a decisão de divulgar os documentos para salvar vidas.

Essas atitudes a aproximam do público e criam um fator de identificação com a personagem. Contudo, essa aproximação se torna mais plausível devido a atuação do elenco.

Knightley possibilita ver o sofrimento de sua personagem com apenas o movimento dos olhos, trazendo a maior parte da carga emocional do filme. Sua interpretação é contida, mas cheia de pequenas inserções que permitem se colocar no lugar da personagem. Enquanto isso, Matt Smith e Ralph Fiennes equilibram a balança, oferecendo novas camadas à narrativa.  

URGÊNCIA NÃO ALCANÇADA

Apesar disso, “Segredos Oficiais” tem como pontos fracos o último ato, que perde o ritmo conforme a história tenta flertar com um final agridoce, e o timing fora de hora de uma narrativa voltada à Guerra no Iraque, embora a forma como a explora seja bastante inteligente.

Por conta dessas escolhas, no entanto, o filme nunca consegue atingir a urgência pretendida, pairado sempre no drama dos personagens e dificilmente levando a reflexão de como essa decisão do governo foi catastrófica em vários patamares.

“Segredos Oficiais” é um filme de várias camadas que consegue dar um tom diferente a uma história real e intrigar o espectador com o que é visto em tela. Fica a lembrança de uma guerra que poderia ter sido evitada. 

CRÍTICA | ‘Back to Black’: desserviço à imagem de Amy Winehouse

Já na época em que foi anunciada a morte da cantora britânica Amy Winehouse (1983-2011), se falava em um filme sobre ela, tamanho o frenesi midiático que essa artista despertou no mundo neste começo do século XXI. Agora o filme finalmente chegou às telas e... bem, Amy...

CRÍTICA | ‘Fúria Primitiva’: um inevitável sub-John Wick

Independente se você gosta ou não da John Wick, hoje qualquer filme de ação contemporâneo que se preze tem como principal parâmetro a saga estrelada por Keanu Reeves. Mais da metade dos trabalhos lançados nos últimos anos no gênero como um todo seguem a cartilha da...

Crítica | ‘Foram Os Sussurros que Me Mataram’: Tuoto mistura novela das 20h com Lynch em filme inusitado

"Os erros ou excessos na administração do mundo das imagens produzem consequências políticas imediatas". Esse é o tipo de tagarelice canastrona pretensiosa que talvez encontrássemos numa review de Arthur Tuoto – e que não surpreende, portanto, que dê as caras neste...

Crítica | ‘Planeta dos Macacos – O Reinado’: filme mantém marca pessimista da série

De certa forma, a franquia Planeta dos Macacos é perfeita para os nossos tempos: vivemos em um mundo com guerras, desastres climáticos e pandemias. Diante disso, imaginar que a raça humana seja extinta ou que perca o domínio sobre a Terra não parece assim tão distante...

Crítica | ‘Vermelho Monet’ – entre o fazer artístico e o desejo

Há uma plasticidade visual que conduz todo o trabalho de Halder Gomes (“Cine Holliúdy”) em “Vermelho Monet”. O filme protagonizado por Chico Diaz, Maria Fernanda Cândido e Samantha Müller nos conduz pelo submundo do mercado de artes plásticas apresentando um visual...

Crítica | ‘Transe’: o velho espetáculo da juventude progressista classe A

Pode ser tentador para o público, diante da repercussão memética negativa que o trailer de “Transe” recebeu, ir ao cinema com o intuito de chutar cachorro morto. Os que compram seus ingressos planejando tiradas mordazes para o final da sessão irão se decepcionar. Não...

Crítica | ‘Imaculada’: Sydney Sweeny sobra em terror indeciso

Na história do cinema, terror e religião sempre caminharam de mãos dadas por mais que isso pareça contraditório. O fato de termos a batalha do bem e do mal interligada pelo maior medo humano - a morte - permitiu que a religião com seus dogmas e valores fosse...

Crítica | ‘Abigail’: montanha-russa vampírica divertida e esquecível

Desde que chamaram a atenção com o divertido Casamento Sangrento em 2019, a dupla de diretores Matt Bettinelli-Olpin e Tyler Gillett vem sedimentando uma carreira cinematográfica que mescla o terror sangrento do slasher movie com a sátira social cômica para...

Crítica | ‘O Dublê’ – cinema de piscadela funciona desta vez

David Leitch: sintoma do irritante filão contemporâneo do cinema de piscadela, espertinho, de piadinhas meta e afins. A novidade no seu caso são as doses nada homeopáticas de humor adolescente masculino. Dê uma olhada em sua filmografia e você entenderá do que falo:...

‘Rivais’: a partida debochada e sensual de Luca Guadagnino

Luca Guadagnino dá o recado nos primeiros segundos de “Rivais”: cada gota de suor, cada cicatriz, cada olhar e cada feixe de luz carregam bem mais do que aparentam. O que parece uma partida qualquer entre um dos melhores tenistas do mundo e outro que não consegue...