Divertido, lúdico e sem maiores ambições: essa poderia ser a descrição exata de “Sonic – O Filme”. Baseado no personagem/mascote da Sega, a criatura é um dos personagens mais queridos e famosos do mundo do entretenimento digital e, pela primeira vez, chega à tela grande em um filme que traz o “Demônio Azul” encarando o malvado Robotinik.

Resumindo a trama, Sonic é descoberto pelo vilão vivido por Jim Carrey e o cientista quer dissecar o velocista para aplicar seus poderes em suas invenções tecnológicas. O policial Tom (James Marsden) prestes a mudar de cidade, acaba se envolvendo na crise e precisa ajudar o herói a escapar. Nesse meio tempo, nasce uma amizade entre os dois e, no fim, ambos aprendem lições, sobre amizade e blá blá blá.

Cheio de referências aos antigos jogos, o filme apresenta um mundo confortável e cheio de mimos para quem é fã. O loop, os anéis, a trilha sonora: tudo em Sonic é fofo e potencializado com seus grandes olhos. Quem conheceu o personagem através do Master System ou Mega Drive (eu), vai ficar com o sorrisinho no canto da boca quando reconhecer os acordes da trilha de Green Hill Zone. Só senti falta dos animaizinhos presos dentro dos aparatos do vilão.

Falando nele, Jim Carrey rouba o filme em diversos momentos como esperado, mas não traz nada de novo a sua verborragia ou overacting habitual, o que sempre rendeu momentos memoráveis em sua carreira. Em “Sonic” soa até protocolar: qualquer interação com o personagem você já aguarda o descontrole. Isso talvez ocorra pela total liberdade cedida ao ator; ele mesmo recentemente admitiu em entrevista que não decora direito suas falas, porque quando começa a atuar ideias novas continuam a brotar em sua cabeça.

Já James Marsden parece à vontade no papel do policial da pequena cidade de Green Hills. Habituado a atuar e interagir ao lado de personagens digitais (Hop, Encantada), observamos claramente nenhum desconforto por parte dele ao interagir com Sonic. Escorando-se mais no carisma do ator do que no desenvolvimento do personagem, o arco de Tom é apenas correto.

VISUAL AINDA QUESTIONÁVEL

Falar de “Sonic” sem citar toda a polêmica sobre o visual do personagem é impossível. A internet veio abaixo após a divulgação das primeiras imagens do Porco-Espinho: olhos, focinho, dentes menores do que o habitual, e o físico trazendo o personagem para algo mais realista. O resultado foi uma chuva de protestos e ameaças de boicote, fazendo com que a Paramount Pictures recuasse e refizesse o personagem mais parecido com o original.

Mesmo assim, o design de Sonic segue sendo um problema. Seus grandes olhos tiram qualquer um do filme; a aparência pode ser idêntica ao material de origem, mas não deixa de passar a impressão de desenho animado. Com o decorrer da trama, Sonic até se torna digerível aos olhos, mas não totalmente. Nada que projetos como Scooby-Doo, Smurfs, Garfield e o horrendo Pica-Pau já não enfrentaram anteriomente.

Dublado pelo comediante Ben Schwartz, Sonic é uma metralhadora ao falar sem parar e rivaliza diretamente com seu antagonista, e também esse traço de personalidade justifica sua hiperatividade e inquietude. O ouriço não irrita, mas, às vezes, o timing cômico escorrega.

INOFENSIVO AO LIMITE

Fica claro que o roteiro escrito por Joshua Miller e dirigido pelo estreante Jeff Fowler não se leva a sério em diversos momentos – o que é bom – mas ainda sim abusa nas soluções fáceis e esquisitas. Em certa cena, por exemplo, rola uma “carteirada” na recepção de um prédio, como se a história do filme estivesse – observe a ironia – com a mesma pressa do protagonista. Veja bem, “Sonic” tem todo o direito de ser rápido, porém, para tornar o filme mais interessante, poderiam imaginar algo diferente e inventivo. Além disso, a produção apresenta os clichês estereótipos já tão comuns: motoqueiro bravo, caipira com fama de louco, mulher negra que fala alto para fazer graça, entre outras.

Com as já estabelecidas cenas pós-créditos, “Sonic” não quer reinventar a roda ou melhor dizendo, o anel: é uma matinê inofensiva e divertida para família. Deve fazer a alegria da criançada e dos marmanjos que vivem reclamando da infância assassinada pela geração atual – eu nunca vou entender isso. Se for sucesso, a continuação é inevitável, um start já foi dado.

‘Censor’: memória como processo de edição e censura

"Censor", longa de estreia de Prano Bailey-Bond, é um terror com completo controle de sua atmosfera feito sob medida para agradar fãs do gênero. O filme, que estreou na seção Meia-Noite do Festival de Sundance e foi exibido na mostra Panorama da Berlinale deste ano, é...

‘Mortal Kombat’: duas horas de praticamente nada

Ah, Hollywood, você não aprende... Não deveria ser tão difícil assim fazer um filme ao menos legal baseado no game Mortal Kombat. Mas pelo visto é. Numa nota pessoal, já joguei algumas versões do game ao longo das décadas, em diferentes plataformas. Mortal Kombat...

‘Passageiro Acidental’: sci-fi vazia por roteiro preguiçoso

Comunidade, sobrevivência e sacrifício. Sobre essas três temáticas orbita a narrativa de “Passageiro Acidental”, novo filme do brasileiro de Joe Penna (“Ártico”) disponível na Netflix. Acompanhamos uma equipe que parte em uma missão de dois anos para Marte; no...

‘What Do We See When We Look at the Sky?’: minúcias da vida levadas à exaustão

O céu, escadas, pontes, um rio, pessoas andando, cachorros e muito, mas muito futebol. Essas são algumas das coisas que os espectadores de "What Do We See When We Look in the Sky?" têm a chance de ver por longos períodos de tempo durante o filme, que estreou na mostra...

‘Petite Maman’: delicado filme adulto sobre a infância

Depois de ganhar fama mundial com seu melhor filme e abandonar publicamente a maior premiação de seu país natal, o que você faria? A diretora francesa Céline Sciamma voltou logo ao trabalho. Ela agora retorna com “Petite Maman”, menos de dois anos depois de seu último...

‘Vozes e Vultos’: Amanda Seyfreid sai de ‘Mank’ para bomba

A Netflix é muito boa em fazer propaganda enganosa... Quem for assistir ao trailer da sua produção "Vozes e Vultos" imagina, logo antes de apertar “play” no filme, que vai ver um terror ou, ao menos, um suspense, algo intenso. Nada mais longe da verdade: o longa...

‘O Homem que Vendeu Sua Pele’: leveza demais faz ficar na superfície bons temas

O maior mérito de O Homem que Vendeu Sua Pele, da cineasta tunisiana Kaouther Ben Hania, é o ato de malabarismo que ele realiza ao longo da sua duração: O filme consegue, ao mesmo tempo, ser uma sátira ao mundo da arte, lançar um olhar tocante sobre o problema dos...

‘Mission Ulja Funk’: aventura infantil defende a ciência e ataca fanatismo religioso

Uma aventura juvenil divertida e necessária contra o fundamentalismo religioso, “Mission Ulja Funk” é uma das surpresas da Berlinale deste ano. A co-produção Alemanha-Luxemburgo-Polônia, exibida na mostra Generation Kplus do evento cinematográfico, tem muito carisma e...

‘Agora Estamos Vivos’: grande vazio emocional e de conceitos

O que você faria se fosse a última pessoa na Terra? É com essa perspectiva que Reed Morano (“The Handmaid’s Tale”) arquiteta seu novo filme: “Agora Estamos Sozinhos”. Disponível no Prime Vídeo, a trama traz um mundo pós-apocalíptico intimista habitado por Peter...

‘Una Escuela en Cerro Hueso’: pequena pérola argentina sobre autismo

Um filme delicado sobre adaptação e superação, “Una Escuela em Cerro Hueso” é um drama argentino que chama a atenção para o autismo sem apelar para reducionismos. Exibido na mostra Generation Kplus do Festival de Berlim deste ano, onde ganhou uma menção especial do...