Dirigido por Joe Mantello (“Entre Amigos”), “The Boys in the Band”, disponível na Netflix, é mais um daqueles filmes que segue a linha verborrágica. Baseada na peça da Broadway de mesmo nome, a produção conta com um elenco estelar e assumidamente gay para narrar uma noite de festa que culmina em revelações, discussões e angustias.

O roteiro é uma adaptação da peça de Matt Crowley, que o escreveu junto com Ned Martel, e traz sete amigos que se reúnem no apartamento de Michael (Jim Parsons) para comemorar o aniversário de um deles. Tudo vai bem até que um convidado inesperado quebra as expectativas para a noite. E o que antes parecia uma festa entre velhos conhecidos – e, portanto, regada de intimidade passivo-agressiva -, torna-se um ambiente tóxico e carregado de preconceito, ressentimento e mágoas.

Mantello conta sua história majoritariamente em um espaço pequeno, mas muito bem aproveitado. O design de produção e os planos fotográficos nos fazem ter uma noção mais ampla do que realmente poderia ser o apartamento de Michael. Durante toda a projeção, os personagens de “The Boys in the Band” se movimentam entre a cozinha, a sala, a varanda e o quarto que visto sob novos ângulos nos oferecem a sensação de estarmos em locações diferentes, seja por notarmos um piano que não tínhamos visto ou um plano zenital que nos dá uma vista mais interessante do apartamento.

O ponto é que suas dimensões são essenciais para a construção do ambiente e de sua atmosfera doentia. As escolhas de Mantello em parceria com o diretor de fotografia Bill Pope (“Matrix”, “Baby Driver”) procuram dinamizar o texto essencialmente teatral, sem perder a sutileza e elegância das discussões que se desenrolam. E tudo isso converge para a última hora de projeção quando todas as máscaras são despidas e as relações e conflitos velados são expostos. O interessante é que a cenografia acompanha a confusão estampada nos diálogos e o apartamento outrora arrumado e cuidado por Michael e Donald (Matthew Bomer) se transforma.

 ACIDEZ SOBRE O PESO DA INTIMIDADE

Essas pequenas sacadas acompanhadas dos flashbacks dos personagens desvincula um pouco a produção do teatro. Contribui também para a fluidez da trama, a familiaridade que o elenco tem com “The Boys in The Band”, tendo em vista que são os mesmos atores que estiveram trabalhando na exibição da peça em 2018. Esse conforto possibilita que as atuações deles cresçam por meio dos pequenos gestos, olhares e reação a fala e atitude dos outros personagens ao seu redor.

Nesse quesito, Tuc Watkins e Zachary Quinto se destacam. A fala compassiva e os olhares trocados com seu parceiro, atestam a afabilidade de Hank (Watkins) e o quanto ele destoa dos outros membros da roda. Já Quinto, oferece a Harold, um tom debochado e comedido, sem alterar a voz em nenhum momento, nem mesmo quando seus comentários são mais ácidos. Essa parece ser uma característica do próprio ator, que costuma oferecer um tom mais calculista e frio a seus personagens.

Tudo isso nos faz imergir em uma produção interessante. Ácida quando necessária, leve para quebrar um pouco as relações tóxicas presentes e importante para refletir sobre a convivência e o peso ruidoso da intimidade.

Um belo exemplar de como não ser na sua roda de amigos.

‘Os Segredos de Madame Claude’: desperdício de um ícone em filme tão fraco

Tenho um pé atrás com produções que buscam abordar personagens reais com o intuito de vender diversidade e inclusão. Essa sensação é mais aguda diante de projetos que discutem personalidades femininas como “Maria Madalena” (Garth Davis, 2018) e “Joana D’Arc” (Luc...

‘Amor e Monstros’: pouco mais de ousadia faria um grande filme

Os melhores momentos de Amor e Monstros, parceria dos estúdios Paramount Pictures com a Netflix, estão logo no início do filme. É quando o narrador da história, o jovem Joel, reconta o apocalipse que devastou a Terra e que transformou insetos e animais em criaturas...

‘We’: o cinema como construtor de uma memória coletiva

"We", o novo filme de Alice Diop, é várias coisas: uma lembrança familiar, uma celebração das vidas comuns e uma busca pela identidade da França nos dias de hoje. Acima de tudo, o documentário, que ganhou o prêmio de Melhor Filme da mostra Encontros do Festival de...

‘Chaos Walking’: ótimo conceito nem sempre gera bom filme

Toda vez que se inicia a produção de um filme, cineastas participam de um jogo de roleta: por mais bem planejada que seja a obra e não importando o quão bons sejam os colaboradores que eles vão reunir para participar dela, tudo ainda pode acabar mal. Cinema é...

‘Locked Down’: dramédia na pandemia sucumbe à triste realidade

Dentre tantas situações inesperadas da pandemia da Covid, com certeza, a quarentena forçada foi uma grande bomba-relógio para conflitos conjugais e familiares. Agora, se conviver ininterruptamente com quem se ama já é desafiador, imagine passar semanas, meses dentro...

‘Godzilla Vs Kong’: sem vergonha de ser uma divertida bobagem

Não há como contornar: Godzilla vs Kong é um filme bobo. Todos os filmes “versus” feitos até hoje na história do cinema, com um personagem famoso enfrentando outro, foram bobos, e essa nova investida do estúdio Warner Bros. no seu “Monsterverse” – a culminação dele,...

‘Collective’: aula sobre o fundamental papel do jornalismo investigativo

“Collective” é, provavelmente, o filme mais marcante desta temporada de premiações. O documentário dirigido por Alexander Nanau traz à tona denúncias concernentes à corrupção no Ministério da Saúde romeno, algo super atual no período pandêmico e que dialoga com...

‘Moon, 66 Questions’: drama familiar foge do convencional em narrativa ousada

Livremente inspirado em tarô e mitologia, "Moon, 66 Questions" explora as falhas de comunicação e os conflitos geracionais de uma família através dos olhos de uma adolescente. O drama grego, exibido na mostra Encontros do Festival de Berlim deste ano, é carregado de...

‘Fuja’: suspense protocolar impossível de desgrudar da tela

Suspenses domésticos, quando bem feitos, acabam rendendo boas experiências. É o caso deste Fuja, lançado na Netflix – iria originalmente para os cinemas, mas a pandemia alterou esses planos. Não há nada nele que já não tenhamos visto antes, em outras obras tanto...

‘Meu Pai’: empática experiência sensorial da demência

"Meu Pai" começa ao som de uma ópera que acompanha os passos de uma mulher que anda por uma rua aparentemente pacata. Não demora muito e percebemos que essa música é escutada por outro personagem em fones de ouvido. Essas duas cenas simples revelam logo a essência do...