Dirigido por Joe Mantello (“Entre Amigos”), “The Boys in the Band”, disponível na Netflix, é mais um daqueles filmes que segue a linha verborrágica. Baseada na peça da Broadway de mesmo nome, a produção conta com um elenco estelar e assumidamente gay para narrar uma noite de festa que culmina em revelações, discussões e angustias.

O roteiro é uma adaptação da peça de Matt Crowley, que o escreveu junto com Ned Martel, e traz sete amigos que se reúnem no apartamento de Michael (Jim Parsons) para comemorar o aniversário de um deles. Tudo vai bem até que um convidado inesperado quebra as expectativas para a noite. E o que antes parecia uma festa entre velhos conhecidos – e, portanto, regada de intimidade passivo-agressiva -, torna-se um ambiente tóxico e carregado de preconceito, ressentimento e mágoas.

Mantello conta sua história majoritariamente em um espaço pequeno, mas muito bem aproveitado. O design de produção e os planos fotográficos nos fazem ter uma noção mais ampla do que realmente poderia ser o apartamento de Michael. Durante toda a projeção, os personagens de “The Boys in the Band” se movimentam entre a cozinha, a sala, a varanda e o quarto que visto sob novos ângulos nos oferecem a sensação de estarmos em locações diferentes, seja por notarmos um piano que não tínhamos visto ou um plano zenital que nos dá uma vista mais interessante do apartamento.

O ponto é que suas dimensões são essenciais para a construção do ambiente e de sua atmosfera doentia. As escolhas de Mantello em parceria com o diretor de fotografia Bill Pope (“Matrix”, “Baby Driver”) procuram dinamizar o texto essencialmente teatral, sem perder a sutileza e elegância das discussões que se desenrolam. E tudo isso converge para a última hora de projeção quando todas as máscaras são despidas e as relações e conflitos velados são expostos. O interessante é que a cenografia acompanha a confusão estampada nos diálogos e o apartamento outrora arrumado e cuidado por Michael e Donald (Matthew Bomer) se transforma.

 ACIDEZ SOBRE O PESO DA INTIMIDADE

Essas pequenas sacadas acompanhadas dos flashbacks dos personagens desvincula um pouco a produção do teatro. Contribui também para a fluidez da trama, a familiaridade que o elenco tem com “The Boys in The Band”, tendo em vista que são os mesmos atores que estiveram trabalhando na exibição da peça em 2018. Esse conforto possibilita que as atuações deles cresçam por meio dos pequenos gestos, olhares e reação a fala e atitude dos outros personagens ao seu redor.

Nesse quesito, Tuc Watkins e Zachary Quinto se destacam. A fala compassiva e os olhares trocados com seu parceiro, atestam a afabilidade de Hank (Watkins) e o quanto ele destoa dos outros membros da roda. Já Quinto, oferece a Harold, um tom debochado e comedido, sem alterar a voz em nenhum momento, nem mesmo quando seus comentários são mais ácidos. Essa parece ser uma característica do próprio ator, que costuma oferecer um tom mais calculista e frio a seus personagens.

Tudo isso nos faz imergir em uma produção interessante. Ácida quando necessária, leve para quebrar um pouco as relações tóxicas presentes e importante para refletir sobre a convivência e o peso ruidoso da intimidade.

Um belo exemplar de como não ser na sua roda de amigos.

CRÍTICA | ‘Club Zero’: tudo dá errado em péssimo filme

Dirigido por Jessica Hausner, "Club Zero" se passa em uma escola de elite que recebe uma nova professora de nutrição. Ela ensina a um pequeno grupo de adolescentes um novo método de alimentação que promete melhorar não só o desempenho nos estudos e nos esportes dos...

CRÍTICA | ‘Back to Black’: desserviço à imagem de Amy Winehouse

Já na época em que foi anunciada a morte da cantora britânica Amy Winehouse (1983-2011), se falava em um filme sobre ela, tamanho o frenesi midiático que essa artista despertou no mundo neste começo do século XXI. Agora o filme finalmente chegou às telas e... bem, Amy...

CRÍTICA | ‘Fúria Primitiva’: um inevitável sub-John Wick

Independente se você gosta ou não da John Wick, hoje qualquer filme de ação contemporâneo que se preze tem como principal parâmetro a saga estrelada por Keanu Reeves. Mais da metade dos trabalhos lançados nos últimos anos no gênero como um todo seguem a cartilha da...

Crítica | ‘Foram Os Sussurros que Me Mataram’: Tuoto mistura novela das 20h com Lynch em filme inusitado

"Os erros ou excessos na administração do mundo das imagens produzem consequências políticas imediatas". Esse é o tipo de tagarelice canastrona pretensiosa que talvez encontrássemos numa review de Arthur Tuoto – e que não surpreende, portanto, que dê as caras neste...

Crítica | ‘Planeta dos Macacos – O Reinado’: filme mantém marca pessimista da série

De certa forma, a franquia Planeta dos Macacos é perfeita para os nossos tempos: vivemos em um mundo com guerras, desastres climáticos e pandemias. Diante disso, imaginar que a raça humana seja extinta ou que perca o domínio sobre a Terra não parece assim tão distante...

Crítica | ‘Vermelho Monet’ – entre o fazer artístico e o desejo

Há uma plasticidade visual que conduz todo o trabalho de Halder Gomes (“Cine Holliúdy”) em “Vermelho Monet”. O filme protagonizado por Chico Diaz, Maria Fernanda Cândido e Samantha Müller nos conduz pelo submundo do mercado de artes plásticas apresentando um visual...

Crítica | ‘Transe’: o velho espetáculo da juventude progressista classe A

Pode ser tentador para o público, diante da repercussão memética negativa que o trailer de “Transe” recebeu, ir ao cinema com o intuito de chutar cachorro morto. Os que compram seus ingressos planejando tiradas mordazes para o final da sessão irão se decepcionar. Não...

Crítica | ‘Imaculada’: Sydney Sweeny sobra em terror indeciso

Na história do cinema, terror e religião sempre caminharam de mãos dadas por mais que isso pareça contraditório. O fato de termos a batalha do bem e do mal interligada pelo maior medo humano - a morte - permitiu que a religião com seus dogmas e valores fosse...

Crítica | ‘Abigail’: montanha-russa vampírica divertida e esquecível

Desde que chamaram a atenção com o divertido Casamento Sangrento em 2019, a dupla de diretores Matt Bettinelli-Olpin e Tyler Gillett vem sedimentando uma carreira cinematográfica que mescla o terror sangrento do slasher movie com a sátira social cômica para...

Crítica | ‘O Dublê’ – cinema de piscadela funciona desta vez

David Leitch: sintoma do irritante filão contemporâneo do cinema de piscadela, espertinho, de piadinhas meta e afins. A novidade no seu caso são as doses nada homeopáticas de humor adolescente masculino. Dê uma olhada em sua filmografia e você entenderá do que falo:...