Baseada no livro homônimo de Raphael MontesIlana Casoy, ‘Bom dia, Verônica’ é mais uma série nacional na Netflix que traz muito orgulho para o audiovisual brasileiro. Digo isto, pois, além de contar com uma história instigante e muito bem apresentada ao longo de oito episódios, a série é capaz de abordar muitos temas relevantes e debates complexos decorrentes no Brasil e ao redor do mundo. Tudo isso ainda é visto através das atuações memoráveis de Tainá Muller, Eduardo Moscovis e Camila Morgado. 

A história acompanha a protagonista Verônica Torres (Tainá Muller), escrivã de polícia que trabalha em uma delegacia de homicídios em São Paulo. Casada e com dois filhos, sua rotina acaba sendo interrompida quando testemunha o chocante suicídio de uma jovem mulher. Na mesma semana, ela recebe uma ligação anônima de Janete Cruz (Camila Morgado), uma mulher desesperada por ajuda contra seu marido agressivo Cláudio Brandão (Eduardo Moscovis). 

“Bom Dia, Verônica” cria uma narrativa interessante ainda que existem, como qualquer drama policial, pistas repentinas ou soluções óbvias surjam em momentos pontuais da trama. Isso, porém, não atrapalha o rico desenvolvimento presente na história central. Assim, até a própria construção dos personagens é realizada de forma que eles não pareçam complexos logo no primeiro momento, revelando pequenos detalhes sobre suas vidas conforme a série avança. 

Atuações de destaque 

Embora todo elenco seja agraciado com boas atuações, o trio principal é simplesmente de tirar o fôlego. Começando com Tainá Muller como protagonista: ela consegue segurar a trama sozinha muito bem, mostrando exatamente a diferença na evolução de uma escrivã idealista para uma pessoa disposta a fazer justiça com as próprias mãos. Já Eduardo Moscovis brilha seja no comportamento abusivo e violento de Brandão seja nos pequenos detalhes que revelam traumas não resolvidos do personagem. 

Mesmo que Muller e Moscovis sejam gigantes, Camila Morgado e sua Janete, com certeza, são as responsáveis por manter o público fixado em “Bom Dia, Verônica”. Dos choros frenéticos até a negação do relacionamento abusivo, a atriz constrói uma personagem capaz de gerar empatia imediata, algo fundamental para alertar o público sobre a covarde violência doméstica e os seus traumas psicológicos, infelizmente, mais comuns do que imaginamos em nossa sociedade. 

A expertise Montes-Casoy 

Nada seria ter grandes atores sem um roteiro capaz de dar a eles uma boa história. E as mentes brilhantes e criminalistas de Raphael Montes e Ilana Casoy justificam todo sucesso de “Bom Dia, Verônica”. Além de assinarem o livro, ambos estão no roteiro, produção e, no caso de Montes, criação da trama, o que ajuda muito no momento de discernir quais elementos essenciais para a adaptação. 

Escritores com carreiras sólidas na literatura criminal e de suspense, Montes e Casoy mantém uma proximidade com a estrutura literária na narração feita pela protagonista, mas, ao mesmo tempo, une isso com uma montagem dinâmica e uma direção de fotografia excelente. O domínio da dupla sobre a narrativa ainda permite fazer com que as subtramas consigam ter relevância, algo raro em filmes e séries do gênero.  

Com uma grande diversidade de temas pertinentes abordados em apenas oito episódios, temáticas macro como corrupção, justiça e violência contra a mulher geram um debate denso e complexo, sem impedir a realização de referências a crimes e falhas no sistema criminal brasileiro no decorrer da temporada. Com isso, “Bom Dia, Verônica” se torna uma das melhores obras originais Netflix feitas no país. 

‘Os Irregulares de Baker Street’: Sherlock mal tratado em série péssima da Netflix

Sim, lá vamos nós para mais uma adaptação das obras de Arthur Conan Doyle. A Netflix, por exemplo, mantém uma linha de produção na qual não aborda exatamente a figura de Sherlock Holmes, mas sim, personagens ligados a ele. Após o sucesso de ‘Enola Holmes’ é a vez dos...

‘Small Axe: Educação’: ensino como instrumento de luta racial

Chegamos ao último episódio de “Small Axe”, série antológica dirigida por Steve McQueen (“12 Anos de Escravidão”). Intitulado “Educação”, o capítulo final narra um conto infantil carregado de incompreensões, racismo e a luta por uma educação inclusiva. O diretor, que...

‘Small Axe: ‘Alex Wheatle’: quando se encontra o senso de pertencimento

Duas coisas se destacam em “Alex Wheatle”, quarto episódio da série antológica “Small Axe”: a construção visual e o protagonista. Ao longo das semanas, tenho destacado o trabalho do diretor de fotografia Shabier Kirchner. Seja por sua câmera sensível em “Os Nove do...

‘Small Axe: Vermelho, Branco e Azul’: Boyega contra o racismo policial inglês

Em “Small Axe”, chegamos à semana do episódio que rendeu a John Boyega o Globo de Ouro de Melhor Ator em Minissérie ou Telefilme. Intitulado “Vermelho, Branco e Azul”, justamente as cores presentes na bandeira do Reino Unido, acompanhamos a saga de Leroy Logan...

‘Por Trás dos Seus Olhos’: imperdível thriller psicológico eletrizante

O quão longe você iria para ter o amor de alguém? Existem escrúpulos na busca pela vida perfeita com quem se ama? Esses são alguns questionamentos levantados pela minissérie da Netflix ‘Por trás de seus olhos’. Baseada no romance homônimo de Sarah Pinborough, a...

‘Os Últimos Dias de Gilda’: alegoria das sementes do ódio brasileiro

Se Jean-Paul Sartre já dizia que o inferno são os outros, imagina o que ele diria se ele fosse mulher e vivesse no subúrbio do Rio de Janeiro. "Os Últimos Dias de Gilda", nova minissérie da Globoplay exibida no Festival de Berlim deste ano, dá pungentes contornos a um...

‘Small Axe: Lovers Rock’: experiência sensorial em trama irregular

Tomando como referência o episódio anterior, considero essa segunda história de “Small Axe” um ponto fora da curva. A direção permanece impecável e, mais uma vez, a ambientação é o grande destaque da narrativa. No entanto, “Lovers Rock” carece de uma história mais...

‘Wandavision’: série Marvel divertidamente esquisita

AVISO: Spoilers leves no texto a seguir. -- Em 2020, por causa da pandemia, não tivemos nenhum novo lançamento do Marvel Studios. Nenhumzinho. Fãs em todo o mundo, em busca de fantasia e de um pouco de escapismo para ajudar a encarar um mundo assolado por problemas e...

‘Small Axe: Os Nove do Mangrove’: espaço de resistência e luta

“Small Axe” chegou no Globo Play sem fazer muito barulho. Coleção de cinco longas-metragens, a série em formato de antologia dirigida por Steve McQueen (“12 Anos de Escravidão”) é considerada uma das melhores produções lançadas nesse período pandêmico. Ao longo dos...

‘Lupin’: Omar Sy supera narrativa previsível em série mediana

Apresentando Arséne Lupin para o restante do mundo, a nova produção francesa da Netflix, ‘Lupin’ é baseada nos romances policiais de Maurice Leblanc contando com a responsabilidade de atualizar suas histórias para os dias atuais. Apesar de possuir uma narrativa pouco...