Baseada no livro homônimo de Raphael MontesIlana Casoy, ‘Bom dia, Verônica’ é mais uma série nacional na Netflix que traz muito orgulho para o audiovisual brasileiro. Digo isto, pois, além de contar com uma história instigante e muito bem apresentada ao longo de oito episódios, a série é capaz de abordar muitos temas relevantes e debates complexos decorrentes no Brasil e ao redor do mundo. Tudo isso ainda é visto através das atuações memoráveis de Tainá Muller, Eduardo Moscovis e Camila Morgado. 

A história acompanha a protagonista Verônica Torres (Tainá Muller), escrivã de polícia que trabalha em uma delegacia de homicídios em São Paulo. Casada e com dois filhos, sua rotina acaba sendo interrompida quando testemunha o chocante suicídio de uma jovem mulher. Na mesma semana, ela recebe uma ligação anônima de Janete Cruz (Camila Morgado), uma mulher desesperada por ajuda contra seu marido agressivo Cláudio Brandão (Eduardo Moscovis). 

“Bom Dia, Verônica” cria uma narrativa interessante ainda que existem, como qualquer drama policial, pistas repentinas ou soluções óbvias surjam em momentos pontuais da trama. Isso, porém, não atrapalha o rico desenvolvimento presente na história central. Assim, até a própria construção dos personagens é realizada de forma que eles não pareçam complexos logo no primeiro momento, revelando pequenos detalhes sobre suas vidas conforme a série avança. 

Atuações de destaque 

Embora todo elenco seja agraciado com boas atuações, o trio principal é simplesmente de tirar o fôlego. Começando com Tainá Muller como protagonista: ela consegue segurar a trama sozinha muito bem, mostrando exatamente a diferença na evolução de uma escrivã idealista para uma pessoa disposta a fazer justiça com as próprias mãos. Já Eduardo Moscovis brilha seja no comportamento abusivo e violento de Brandão seja nos pequenos detalhes que revelam traumas não resolvidos do personagem. 

Mesmo que Muller e Moscovis sejam gigantes, Camila Morgado e sua Janete, com certeza, são as responsáveis por manter o público fixado em “Bom Dia, Verônica”. Dos choros frenéticos até a negação do relacionamento abusivo, a atriz constrói uma personagem capaz de gerar empatia imediata, algo fundamental para alertar o público sobre a covarde violência doméstica e os seus traumas psicológicos, infelizmente, mais comuns do que imaginamos em nossa sociedade. 

A expertise Montes-Casoy 

Nada seria ter grandes atores sem um roteiro capaz de dar a eles uma boa história. E as mentes brilhantes e criminalistas de Raphael Montes e Ilana Casoy justificam todo sucesso de “Bom Dia, Verônica”. Além de assinarem o livro, ambos estão no roteiro, produção e, no caso de Montes, criação da trama, o que ajuda muito no momento de discernir quais elementos essenciais para a adaptação. 

Escritores com carreiras sólidas na literatura criminal e de suspense, Montes e Casoy mantém uma proximidade com a estrutura literária na narração feita pela protagonista, mas, ao mesmo tempo, une isso com uma montagem dinâmica e uma direção de fotografia excelente. O domínio da dupla sobre a narrativa ainda permite fazer com que as subtramas consigam ter relevância, algo raro em filmes e séries do gênero.  

Com uma grande diversidade de temas pertinentes abordados em apenas oito episódios, temáticas macro como corrupção, justiça e violência contra a mulher geram um debate denso e complexo, sem impedir a realização de referências a crimes e falhas no sistema criminal brasileiro no decorrer da temporada. Com isso, “Bom Dia, Verônica” se torna uma das melhores obras originais Netflix feitas no país. 

‘Round 6’: novo e divertido sucesso made in Coreia do Sul

Depois de ‘Parasita’ ganhar o público e o Oscar de melhor filme em 2020, o mundo passou a olhar com mais atenção para as produções sul-coreanas no cinema. Atenta às tendências do mercado audiovisual, a Netflix anunciou um investimento de US$ 500 milhões na produção de...

‘Cenas de um Casamento’: releitura atualiza discussões e preserva caráter episódico do original

"Vou colecionar mais um sonetoOutro retrato em branco e pretoA maltratar meu coração"  É difícil pensar em escrever qualquer análise-ou-crítica-ou-chame-do-que-quiser de "Cenas de um Casamento" (HBO, 2021) e não ter os pensamentos invadidos pela obra original - e...

‘Modern Love’ 2ª temporada: olhar amadurecido sobre as formas de amar

Recomenda-se que esse texto seja lido com a trilha sonora de John Carney. Quando você relembra seus relacionamentos marcantes, que memórias lhe vem à mente? Que músicas e sensações atingem seus sentidos a ponto de soltar um sorriso imperceptível ou o coração apertar...

‘As Filhas de Eva’: a sedutora serpente chamada liberdade

Quem foi Eva? Segundo os escritos da Bíblia, foi a primeira mulher do Planeta Terra, nascida da costela de Adão, o primeiro homem. Enganada e seduzida pela serpente, come o fruto proibido e, como castigo para ambos, Deus enviou o caos à Terra. Esta é uma breve síntese...

‘Loki’: boa, porém desperdiçada, introdução ao multiverso Marvel

Após a excêntrica e divertida "Wandavision", a política e reflexiva "Falcão e o Soldado Invernal", a nova série da Marvel focada no Deus da Trapaça é uma ótima introdução para o que está por vir no Universo Cinematográfico Marvel (MCU). Entretanto, por conta do...

‘Elize Matsunaga – Era Uma Vez Um Crime’: misoginia brasileira escancarada

Duas coisas se destacam na minissérie “Elize Matsunaga: Era Uma Vez Um Crime”: o domínio patriarcal no Brasil e o estudo de personagem feito pela diretora Eliza Capai. A documentarista é responsável por produções que buscam investigar personagens femininas sem...

‘Dom’: história de amor paterno no meio do caos das drogas

Dom (2021), nova aposta da Amazon Prime, é uma série que desperta as mais diversas emoções. Livremente inspirado no romance homônimo escrito pelo titã Tony Belotto e também em O Beijo da Bruxa (2010), de Luiz Victor Lomba (pai do Pedro), a produção narra a história...

‘Solos’: minissérie joga fora todos seus promissores potenciais

A minissérie do Prime Video "Solos" busca se distanciar de comparações ao streaming concorrente. Para tanto, traz elementos de ficção científica e a relação da tecnologia com (e eventualmente versus) a humanidade em um futuro distópico. Nesse sentido, há uma...

‘Manhãs de Setembro’: Lineker encanta em busca pela independência

“Manhãs de Setembro” é uma série recém-lançada pelo Prime Vídeo e traz a cantora Liniker no papel da protagonista Cassandra, uma mulher trans que divide seu tempo como motogirl de um aplicativo de entrega e seu trabalho como cantora. Somos apresentados à personagem em...

‘Mare of Easttown’: Kate Winslet domina brilhante estudo de personagem

Mare Sheehan não encara um bom momento em sua vida. Ela é uma policial na faixa dos 40 anos na cidadezinha de Easttown, no estado americano da Pensilvânia, um daqueles locais onde todo mundo conhece todo mundo. Há cerca de um ano uma jovem desapareceu por lá, e Mare e...