Legado é a palavra que definiu a primeira temporada de “Watchmen”. Criada por Damon Lindelof (“Lost”, “The Leftovers”), a série é uma adaptação da graphic novel homônima de Alan Moore e Dave Gibbons. Diferentemente do filme dirigido por Zack Snyder, o showrunner fez um remix, ou seja, uma continuação do universo criado na HQ original, respondendo a perguntas que ficaram e, principalmente, mostrando como o mundo reagiu ao ataque interdimensional da lula gigante – ponto alto da HQ. O resultado consiste em uma das melhores produções do ano.

A produção da HBO consegue resgatar e perpetuar o clima inquietante, ameaçador apresentado por Moore e Gibbons. Seguindo o ritmo apresentado na HQ, o roteiro se debruça em discutir temas pertinentes à política contemporânea. Se, no primeiro momento, “Watchmen” preocupou-se em discorrer sobre a Guerra Fria, o seriado abre espaço para uma discussão atemporal: o conflito racial. Abandona-se a tensão em volta da guerra do Vietnã e dos conflitos ideológicos entre as duas grandes potências do século XX e introduz-se à narrativa o massacre de Tulsa, considerada a Wall Street Negra, em 1921, orquestrado pela Klu Klux Klan.

A cidade de Tulsa e os impactos causados por esse genocídio contextualizam a obra e conduzem o espectador a percepção de como esse fato, dito isolado, afeta os antigos personagens dessa história e os introduzidos por Lindelof. Desse modo, é notável o respeito e a absorção que ele tem pelo “Watchmen” original. Em algumas entrevistas, inclusive, o Lindelof chegou a comentar que a produção seria o novo testamento, enquanto o produto de Moore e Gibbons, o antigo. O resultado é a compreensão do mote central da narrativa e o casamento entre todas as tramas.

Um dos pontos interessantes da narrativa é o mistério envolto da trama dos personagens. Foram precisos sete episódios para o espectador ver as histórias se cruzarem e conseguirem juntar todas as peças do quebra-cabeça. Sem ter, diga-se de passagem, nenhuma experiência intragável no processo.

Personagens Carismáticos

Contando com um elenco com Regina King, Jeremy Irons, Tim Blake Nelson, Yahya Abdul-Mateen II e Jean Smart, temos a figura de Angela Abar (King) como personagem central. Acompanhamos sua vida como policial mascarada e a história de sua família para compreendermos os rumos que Adrian Veidt (Irons), Lauren Blake (Smart) e Dr Manhattan (Abdul-Mateen II) tomaram e como ainda influenciam na vida dos cidadãos norte-americanos.

Nesse quesito, é imprescindível o respeito do criador da série pelo cânone. Vemos como a segunda leva de Minutemen motivaria um país dirigido por Trump (apesar de Robert Redford ser o presidente na série), por meio da associação de Rorschach, um mascarado direitista, com a organização racista Sétima Kavalaria. Ao mesmo tempo em que há sensibilidade para mostrar que, apesar de ter o poder de um semideus, Dr. Manhattan é apenas uma marionete nas mãos do tempo e não pode impedir que qualquer plano se concretize.

Novas histórias

Lindelof precisava da presença de personagens tão cativantes, carismáticos e interessantes quanto os criados na HQ. Desse modo, ele não apoia a sua narrativa nos personagens clássicos, utilizando-os, no entanto, para demarcar referências e easter eggs que nos levem a acompanhar a história de Angela Abar. Até mesmo o deus desse universo inclina-se como um servo a trajetória da policial.

Por meio das alusões à obra original, é possível, por exemplo, encontrar respostas para mistérios que permearam os fãs da HQ e introduzir novas personalidades carregadas de carisma e mistério. Desta forma, conhecemos a identidade do Justiça Encapuzada (Louis Gossett Jr.) e as conseqüências da aparição da lula-gigante através do episódio de Looking Glass (Nelson). Todas essas tramas são desenvolvidas satisfatoriamente e atendem aos novos fãs e aos que tem mais apreço pelo universo da graphic novel.

ALTAMENTE RELEVANTE

A forma como Lindelof escolheu contar a história, imergindo em um personagem a cada episódio, já havia sido utilizada pelo autor em “Lost”. Nesse caso em específico, no entanto, manteve a curiosidade do espectador e a alta qualidade dos episódios, dando demonstrações do poder estético que a TV norte-americana tem, como, por exemplo, em “This Extraordinary Being”, uma aula de continuidade e do uso de contraste.

Ao escolher essa abordagem, os capítulos são permeados de mistérios, que quando resolvidos, lançam luz a novas indagações. Talvez este seja o motivo que tenha tornado os dois últimos episódios da trama mornos, já que a grande revelação da série foi apresentada no sétimo capítulo. Restou ao final da temporada amarrar as pontas soltas e utilizar de “milagres termodinâmicos” – como Dr. Manhattan chamaria as coincidências – para entregar um ciclo fechado.

Foram necessários 33 anos para que houvesse uma adaptação digna de “Watchmen”, Lindelof realmente consegue ampliar o cânone e atingir seu objetivo de mostrar a vida após os eventos do final da HQ e se tornar o novo testamento. “Watchmen” é uma produção indagadora e altamente relevante para a sociedade contemporânea, tornando-se este um verdadeiro legado para nós.

‘Tantas Almas’: olhar sensível sobre questões amazônicas

Captar as sensibilidades que rondam a Amazônia e a vivência de seus moradores é um desafio que nem todos os cineastas estão dispostos a experimentar. A região, nesse sentido todo território sul-americano recoberto pelas suas florestas e rios, desperta curiosidade e o...

‘O Homem do Norte’: Eggers investe na ação aliada aos maneirismos

Considerando o que tem em comum entre os planos definidores de suas obras, podemos encontrar a frontalidade como um dos artifícios principais que Robert Eggers usa para extrair a performance de seus atores com êxito.  Ao mesmo passo que esses momentos tornam-se frames...

‘O Peso do Talento’: comédia não faz jus ao talento de Nicolas Cage

Escute esta premissa: Nicolas Cage, ator atribulado de meia-idade, teme que sua estrela esteja se apagando; o telefone já não toca mais, as propostas se tornaram escassas e o outrora astro procura uma última chance de voltar aos holofotes com tudo. Vida real, você...

‘O Soldado que não Existiu’: fake news para vencer a guerra

Em 1995, Colin Firth interpretou o senhor Darcy na série da BBC que adaptou “Orgulho e Preconceito”, de Jane Austen. Dez anos depois, Matthew Macfadyen eternizou o personagem no filme de Joe Wright, tornando-se o crush de muitas jovens e adolescentes. John Madden...

‘@ArthurRambo: Ódio nas Redes’: drama sintetiza a cultura do cancelamento

A cultura do cancelamento permeia a internet às claras. Para o público com acesso  frequente, é impossível nunca ter ouvido falar sobre o termo. Vivemos o auge da exposição virtual e como opera a massificação para que os tais alvos percam - merecidamente - ou não -...

‘Águas Selvagens’: suspense sofrível em quase todos aspectos

Certos filmes envolvem o espectador com tramas bem desenvolvidas, deixando-nos mais e mais ansiosos a cada virada da história; outros, apresentam personagens tão cativantes e genuínos que é impossível que não nos afeiçoemos por eles. Mas existe também uma categoria...

‘Ambulância – Um Dia de Crime’: suco do cinema de ação dos anos 2000

Vou começar com uma analogia, se me permitem. Hoje em dia, o ritmo e consumo de coisas estão rápidas e frenéticas. Com o Tik Tok e plataformas similares, esse consumo está ainda mais dinâmico (e isso não é um elogio) e a demanda atende às exigências do mercado. A...

‘Eduardo e Mônica’: para deixar Renato Russo orgulhoso

Se há algo que é difícil de ser respeitado no mundo cinematográfico atual é a memória e o legado do artista. Por isso, ver o legado de Renato Russo e da Legião Urbana sendo absorvido pelo cinema com um grau de respeito e seriedade acaba por fazer a situação inusitada,...

‘Doutor Estranho no Multiverso da Loucura’: barreiras da Marvel travam Sam Raimi

“Doutor Estranho no Multiverso da Loucura” apresenta uma das suas passagens mais interessantes quando o protagonista (Benedict Cumberbatch) e America Chavez (Xochitl Gomez) cruzam uma série de mundos em poucos segundos. De universos mais sombrios aos realistas até...

‘Cidade Perdida’: um estranho no ninho dos blockbusters

É mesmo surpreendente uma atriz como Sandra Bullock ainda não ter protagonizado um filme de super-herói. A atriz de 57 anos, conhecida pela filmografia repleta de comédias e até mesmo filmes de ação, afirmou que chegou perto de estrelar um longa produzido por Kevin...