Uma animação em 2D de um pequeno estúdio e com baixo orçamento. Essas não parecem ser as características de um filme premiado ou notório na temporada de premiações, mas ‘Wolfwalkers’ atende a todos esses requisitos com benefício de abordar temáticas mais adultas assim como o favorito ‘Soul’. Diferente da produção da Pixar, o filme do estúdio irlandês Cartoon Saloon utiliza uma visualidade mais simples e analógica, com direito a rabiscos aparentes como lembrança da animação realizada à mão. O efeito, apesar de não ser totalmente eficiente para a história, em nada impede que esta seja muito bem desenvolvida e facilmente apreciada. 

Com um orçamento de US$ 2 milhões contra 200 milhões de ‘Soul’, ‘Wolfwalkers’ é mais uma animação de Tomm Moore que remete ao folclore irlandês. Após conceber ‘Uma Viagem ao Mundo das Fábulas’ e ‘A Canção do Oceano’, Moore alcança um novo reconhecimento sendo indicado a diversas premiações como Globo de Ouro (o que também foi alavancado com a distribuição pelo streaming Apple TV). 

Desta vez, Tomm Moore se junta a Ross Stewart para dirigir a história dos Wolfwalkers: um grupo de seres humanos capazes de se transformarem em lobos. Tudo começa quando Robyn (Honor Kneafsey), uma jovem caçadora aprendiz, vai para a Irlanda com seu pai na tentativa de eliminar uma última alcatéia. Quando a jovem salva uma garota nativa selvagem, sua amizade a leva a descobrir a existência dos Wolfwalkers, transformando-a na mesma coisa que seu pai tem a tarefa de destruir. 

Ao escolher a caça aos lobos como motivação principal, o longa não hesita em desenvolver narrativas mais densas. Afinal, nem todo filme infantil sabe tratar temas como a morte (por isso o sucesso de ‘Viva: A Vida é Uma Festa’), o que ocorre aqui, pois, geralmente, a temática é tratada de forma muito ampla ou através de metáforas. Nesse aspecto, ‘Wolfwalkers’ não tem medo de expor seus personagens à morte e ainda encontrar o culpado em um dos protagonistas. 

Além de abordar a relação entre caça e caçador com a humanização dos lobos, a história também consegue mirar críticas em vários aspectos como a questão ambiental e o negacionismo religioso na motivação para o lorde protetor queimar a floresta e matar os animais. Assim, mesmo sendo claramente um filme destinado ao público infantil, ‘Wolfwalkers’ não apela ao humor ou a uma história totalmente agradável, sendo um filme muito mais informativo do que engraçado na realidade. 

 REVIRAVOLTAS EXCESSIVAS

No aspecto visual, a utilização da animação em 2D é bem peculiar e interessante. Com a grande maioria dos estúdios utilizando animações em CGI e o 3D, já é bem impactante encontrar um lançamento que fuja à regra, ainda mais quando, no decorrer do filme, se encontram alguns resquícios de rabiscos iniciais à mão sem a menor preocupação de serem vistos.  

Porém, com o avanço da história, consecutivas reviravoltas e belas mensagens, a diferença visual é minimamente sentida, com uma pequena exceção: nas cenas que exigem uma movimentação maior dos personagens, como a corrida dos lobos, o cenário estático acaba não sendo suficiente para acompanhar os personagens, criando leves contrastes. 

Talvez pelo desfecho alongado e consecutivas reviravoltas finais, “Wolfwalkers” pareça mais longo do que verdadeiramente, algo negativo considerando o público-alvo, mas, não compromete a qualidade ou impressão positiva passada pelo longa. No geral, o roteiro bem escrito compensa os poucos elementos que ficam a desejar.  

A história, inclusive, já tem uma continuação confirmada, uma escolha positiva tanto pela continuidade da trama quanto pela oportunidade do mundo de fábulas ser novamente adaptado pela concepção única de Tomm Moore. 

‘Jungle Cruise’: aventura pela Amazônia passa de ano raspando

No início dos anos 2000, a Disney adaptou famosas atrações de seus parques para o cinema, como a “Mansão Mal-Assombrada” (2003) e “Piratas do Caribe: A Maldição do Pérola Negra” (2003) - este último rendendo até uma grande franquia. Com a tentativa de alcançar este...

‘Velozes e Furiosos 9’: gasolina da série parece perto do fim

E lá se vão vinte anos de Velozes e Furiosos no cinema... A metamorfose pela qual passou essa cinessérie, desde o primeiro – e visto hoje, até humilde – filme de 2001, é uma das mais curiosas trajetórias de sucesso da Hollywood moderna. O que começou com rachas,...

‘Pig’: Nicolas Cage em estado de graça em filme intrigante

Que filme curioso e interessante é este Pig, dirigido pelo estreante Michael Sarnoski. É aquele tipo de produção em que você realmente não sabe para onde a história vai, não sabe se ri ou se chora e sua abordagem minimalista o afasta de outros tipos de filmes com os...

‘Verão de 85’: agridoce romance gay cai em velhas armadilhas do gênero

Ah, o primeiro amor. Tem coisa mais fascinante, impulsiva e intensa que um primeiro amor? É um sentimento que toma conta da alma, da pele. Transborda sensações, energiza e ressignifica o que é viver.  Sempre haverá o antes e depois de um primeiro amor. Em uma...

‘Space Jam 2: Um Novo Legado’: perdido na nostalgia e sem saber seu público

Confesso que dificilmente consigo ser fisgada pela nostalgia. Dito isto, este elemento pode até ser o grande fator de atração de “Space Jam 2: Um Novo Legado” ao lado dos easter eggs, mas não é o suficiente para segurar a trama. Somos convidados a embarcar com LeBron...

‘A Última Carta de Amor’: Jojo Moyes em adaptação de altos e baixos

Lançamento da Netflix, “A última carta de amor” é um romance baseado no livro da escritora britânica Jojo Moyes, que já possui outro livro adaptado para os cinemas, “Como eu era antes de você", de 2016. A autora inclusive também é uma das produtoras do filme....

‘O Sétimo Dia’: policial com terror fica longe de combinar em filme fraco

Uma das belezas do cinema de gênero é perceber como, às vezes, roteiristas e cineastas espertos conseguem criar combinações que, à primeira vista, podem parecer impossíveis de funcionar em conjunto, mas funcionam. Ora, Todo Mundo Quase Morto (2004) é uma...

‘Caros Camaradas’: a desintegração do comunismo soviético

A primeira coisa que você deve saber acerca de “Caros Camaradas” é que estamos diante de um filme forte, necessário e que ainda se apropria de causas hoje presentes estruturados em uma sociedade desigual. Dito isso, vamos ao filme. “Caros Camaradas” narra um momento...

Trilogia ‘Rua do Medo’: diversão rasa, nostálgica e descartável

Séries de TV têm sido um dos pilares fundamentais na consolidação global da Netflix como o maior serviço de streaming do mundo. Boas, ótimas ou ruins, vindas de diversas partes do mundo, não importa: sempre podemos contar com a produção serializada de TV como parte...

‘Viúva Negra’: o pior filme da Marvel em muitos anos

Durante muito tempo, os fãs das produções da Marvel Studios pediam por um filme solo da heroína Viúva Negra. A estrela Scarlett Johansson também queria fazer. Para quem deseja entender um pouco dos meandros de Hollywood e esclarecer porque o filme da Viúva não saiu,...