Uma animação em 2D de um pequeno estúdio e com baixo orçamento. Essas não parecem ser as características de um filme premiado ou notório na temporada de premiações, mas ‘Wolfwalkers’ atende a todos esses requisitos com benefício de abordar temáticas mais adultas assim como o favorito ‘Soul’. Diferente da produção da Pixar, o filme do estúdio irlandês Cartoon Saloon utiliza uma visualidade mais simples e analógica, com direito a rabiscos aparentes como lembrança da animação realizada à mão. O efeito, apesar de não ser totalmente eficiente para a história, em nada impede que esta seja muito bem desenvolvida e facilmente apreciada. 

Com um orçamento de US$ 2 milhões contra 200 milhões de ‘Soul’, ‘Wolfwalkers’ é mais uma animação de Tomm Moore que remete ao folclore irlandês. Após conceber ‘Uma Viagem ao Mundo das Fábulas’ e ‘A Canção do Oceano’, Moore alcança um novo reconhecimento sendo indicado a diversas premiações como Globo de Ouro (o que também foi alavancado com a distribuição pelo streaming Apple TV). 

Desta vez, Tomm Moore se junta a Ross Stewart para dirigir a história dos Wolfwalkers: um grupo de seres humanos capazes de se transformarem em lobos. Tudo começa quando Robyn (Honor Kneafsey), uma jovem caçadora aprendiz, vai para a Irlanda com seu pai na tentativa de eliminar uma última alcatéia. Quando a jovem salva uma garota nativa selvagem, sua amizade a leva a descobrir a existência dos Wolfwalkers, transformando-a na mesma coisa que seu pai tem a tarefa de destruir. 

Ao escolher a caça aos lobos como motivação principal, o longa não hesita em desenvolver narrativas mais densas. Afinal, nem todo filme infantil sabe tratar temas como a morte (por isso o sucesso de ‘Viva: A Vida é Uma Festa’), o que ocorre aqui, pois, geralmente, a temática é tratada de forma muito ampla ou através de metáforas. Nesse aspecto, ‘Wolfwalkers’ não tem medo de expor seus personagens à morte e ainda encontrar o culpado em um dos protagonistas. 

Além de abordar a relação entre caça e caçador com a humanização dos lobos, a história também consegue mirar críticas em vários aspectos como a questão ambiental e o negacionismo religioso na motivação para o lorde protetor queimar a floresta e matar os animais. Assim, mesmo sendo claramente um filme destinado ao público infantil, ‘Wolfwalkers’ não apela ao humor ou a uma história totalmente agradável, sendo um filme muito mais informativo do que engraçado na realidade. 

 REVIRAVOLTAS EXCESSIVAS

No aspecto visual, a utilização da animação em 2D é bem peculiar e interessante. Com a grande maioria dos estúdios utilizando animações em CGI e o 3D, já é bem impactante encontrar um lançamento que fuja à regra, ainda mais quando, no decorrer do filme, se encontram alguns resquícios de rabiscos iniciais à mão sem a menor preocupação de serem vistos.  

Porém, com o avanço da história, consecutivas reviravoltas e belas mensagens, a diferença visual é minimamente sentida, com uma pequena exceção: nas cenas que exigem uma movimentação maior dos personagens, como a corrida dos lobos, o cenário estático acaba não sendo suficiente para acompanhar os personagens, criando leves contrastes. 

Talvez pelo desfecho alongado e consecutivas reviravoltas finais, “Wolfwalkers” pareça mais longo do que verdadeiramente, algo negativo considerando o público-alvo, mas, não compromete a qualidade ou impressão positiva passada pelo longa. No geral, o roteiro bem escrito compensa os poucos elementos que ficam a desejar.  

A história, inclusive, já tem uma continuação confirmada, uma escolha positiva tanto pela continuidade da trama quanto pela oportunidade do mundo de fábulas ser novamente adaptado pela concepção única de Tomm Moore. 

Como ‘Madame Teia’ consegue ser um fiasco completo?

Se os filmes de heróis da Marvel vêm passando por um período de ócio criativo, indicando uma possível saturação do público em relação às histórias, a Sony tem utilizado os “pseudos projetos cinematográficos” do universo baseado em propriedades do Homem-Aranha para...

‘Bob Marley: One Love’: a vulnerabilidade de uma lenda

Acredito que qualquer pessoa no planeta Terra sabe quem é Bob Marley ou já escutou alguma vez as suas canções. Se duvidar, até mesmo um alienígena de passagem por aqui já se desembestou a cantarolar um dos sucessos do cantor jamaicano, símbolo do reggae, subgênero...

‘Ferrari’: Michael Mann contido em drama sobre herói fora de seu tempo

Coisa estranha: a silhueta de um homem grisalho, a linha do cabelo recuando, adorna um balde de pipoca. É Adam Driver como Enzo Ferrari, em uma ação de marketing curiosa: vender o novo filme de Michael Mann como um grande blockbuster para a garotada. Jogada inusitada,...

‘Garra de Ferro’: um drama que não sai do quase

Garra de Ferro, o novo filme do diretor Sean Durkin, o mesmo dos bons Martha Marcy May Marlene (2011) e O Refúgio (2020), é decepcionante. Mas tinha ingredientes para ser marcante: um ótimo elenco e a base de uma história real e bastante dramática. No fim das contas,...

‘A Memória Infinita’: quando o amor é maior que o esquecimento

“Estou aqui para relembrar quem foi Augusto Góngora”  Com essas palavras e uma câmera desfocada, Paulina Urrutia, ex-ministra da cultura do Chile e companheira de Gongora a quase 25 anos, nos introduz a “A Memória Infinita”, filme dirigido por Maitê Alberdi, indicado...

‘Argylle’: Matthew Vaughn ladeira abaixo em filme fraco

Entre 2007 a 2015, Matthew Vaughn surgiu como uma das mentes criativas do entretenimento norte-americano. Neste período, ele comandou as melhores sátiras subversivas ao trabalhar os elementos de fantasia a partir da violência cartunesca com o humor politicamente...

‘Todos Menos Você’: dois gostosos e a essência da comédia romântica

As comédias românticas migraram dos cinemas para os streamings nos últimos anos. Basta lembrar que “Podres de Rico”, de 2018, foi o último filme do gênero a alcançar bilheteria e repercussão significativas nas telonas. Por isso, a ótima repercussão de “Todos Menos...

‘Minha Irmã e Eu’: o sucessor natural de ‘Minha Mãe é uma Peça’ 

O cinema brasileiro celebra os necessários números superiores a 1,5 milhão de ingressos vendidos por “Minha Irmã e Eu” depois de um período de vacas magras provocado pela pandemia da COVID-19 e ausência de políticas públicas de verdade como a cota de tela. Antes dele,...

‘Ficção Americana’: dramédia familiar compensa sátira engessada

Monk Ellison (Jeffrey Wright) é um professor universitário super qualificado e frustrado; portanto, sem tempo para os bons-mocismos liberais. Sua acidez o afasta do magistério e o coloca em uma sinuca de bico: como reinventar a carreira falida se tudo que o mercado...

‘O Mal que nos Habita’: terror argentino perde gás ao abandonar podridão

Não é de se espantar que o grande Marcelo Hessel tenha apelado para as alegorias sociais na hora de balizar sua leitura do argentino “O Mal Que Nos Habita”. É porque o filme, no campo puramente fílmico, perde o gás lá pela metade. Resta o trabalho mental de tradução...