Uma animação em 2D de um pequeno estúdio e com baixo orçamento. Essas não parecem ser as características de um filme premiado ou notório na temporada de premiações, mas ‘Wolfwalkers’ atende a todos esses requisitos com benefício de abordar temáticas mais adultas assim como o favorito ‘Soul’. Diferente da produção da Pixar, o filme do estúdio irlandês Cartoon Saloon utiliza uma visualidade mais simples e analógica, com direito a rabiscos aparentes como lembrança da animação realizada à mão. O efeito, apesar de não ser totalmente eficiente para a história, em nada impede que esta seja muito bem desenvolvida e facilmente apreciada. 

Com um orçamento de US$ 2 milhões contra 200 milhões de ‘Soul’, ‘Wolfwalkers’ é mais uma animação de Tomm Moore que remete ao folclore irlandês. Após conceber ‘Uma Viagem ao Mundo das Fábulas’ e ‘A Canção do Oceano’, Moore alcança um novo reconhecimento sendo indicado a diversas premiações como Globo de Ouro (o que também foi alavancado com a distribuição pelo streaming Apple TV). 

Desta vez, Tomm Moore se junta a Ross Stewart para dirigir a história dos Wolfwalkers: um grupo de seres humanos capazes de se transformarem em lobos. Tudo começa quando Robyn (Honor Kneafsey), uma jovem caçadora aprendiz, vai para a Irlanda com seu pai na tentativa de eliminar uma última alcatéia. Quando a jovem salva uma garota nativa selvagem, sua amizade a leva a descobrir a existência dos Wolfwalkers, transformando-a na mesma coisa que seu pai tem a tarefa de destruir. 

Ao escolher a caça aos lobos como motivação principal, o longa não hesita em desenvolver narrativas mais densas. Afinal, nem todo filme infantil sabe tratar temas como a morte (por isso o sucesso de ‘Viva: A Vida é Uma Festa’), o que ocorre aqui, pois, geralmente, a temática é tratada de forma muito ampla ou através de metáforas. Nesse aspecto, ‘Wolfwalkers’ não tem medo de expor seus personagens à morte e ainda encontrar o culpado em um dos protagonistas. 

Além de abordar a relação entre caça e caçador com a humanização dos lobos, a história também consegue mirar críticas em vários aspectos como a questão ambiental e o negacionismo religioso na motivação para o lorde protetor queimar a floresta e matar os animais. Assim, mesmo sendo claramente um filme destinado ao público infantil, ‘Wolfwalkers’ não apela ao humor ou a uma história totalmente agradável, sendo um filme muito mais informativo do que engraçado na realidade. 

 REVIRAVOLTAS EXCESSIVAS

No aspecto visual, a utilização da animação em 2D é bem peculiar e interessante. Com a grande maioria dos estúdios utilizando animações em CGI e o 3D, já é bem impactante encontrar um lançamento que fuja à regra, ainda mais quando, no decorrer do filme, se encontram alguns resquícios de rabiscos iniciais à mão sem a menor preocupação de serem vistos.  

Porém, com o avanço da história, consecutivas reviravoltas e belas mensagens, a diferença visual é minimamente sentida, com uma pequena exceção: nas cenas que exigem uma movimentação maior dos personagens, como a corrida dos lobos, o cenário estático acaba não sendo suficiente para acompanhar os personagens, criando leves contrastes. 

Talvez pelo desfecho alongado e consecutivas reviravoltas finais, “Wolfwalkers” pareça mais longo do que verdadeiramente, algo negativo considerando o público-alvo, mas, não compromete a qualidade ou impressão positiva passada pelo longa. No geral, o roteiro bem escrito compensa os poucos elementos que ficam a desejar.  

A história, inclusive, já tem uma continuação confirmada, uma escolha positiva tanto pela continuidade da trama quanto pela oportunidade do mundo de fábulas ser novamente adaptado pela concepção única de Tomm Moore. 

‘Minari’: naturalismo e honestidade dão o tom de belo filme

Minari, do diretor Lee Isaac Chung, é uma obra delicada e que tem um carinho muito perceptível pelos seus personagens e a história que conta. É uma trama comum no cinema - imigrantes lutando para sobreviver e prosperar numa terra nova - e parcialmente baseada na...

‘Miss Juneteenth’: a busca pela construção do sonho americano negro

Durante uma conversa, o dono do bar em que Turquoise Jones (Nicole Beharie) trabalha afirma que o sonho americano existe, menos para os negros. Esse é um resumo do que aborda “Miss Juneteenth”, longa de Channing Godfrey Peoples. A diretora, que também assina o...

‘Judas e o Messias Negro’: um decepcionante bom filme

Digam o que quiserem do Judas Iscariotes, mas ele é o personagem mais interessante da Bíblia -  do ponto de vista dramático, claro. Porque drama é conflito, e Judas vivia em conflito, e isso faz dele a figura interessante já dramatizada e analisada várias vezes em...

‘Eu Me Importo’: o melhor trabalho de Rosamund Pike desde ‘Garota Exemplar’

Rosamund Pike é uma atriz interessante. Ela tem o talento, a competência como intérprete e a beleza, o pacote completo para virar mega-estrela. A inglesa fez papel de mocinha, esteve até em alguns filmes de ação, mas nunca chegou a dar aquele grande salto para o...

‘O Amor de Sylvie’: Tessa Thompson brilha em romance clichê

“A maioria das pessoas nunca encontra esse tipo de amor. Nem por um verão” Uma protagonista negra segura de si e disposta a lutar pelos seus interesses. Um amor que ultrapassa os anos e a distância. Por mais que isso soe piegas, tinha esperança que esse não fosse o...

‘Adú’: tramas demais prejudicam foco central de drama espanhol

Adú, produção espanhola da Netflix, é um tipo de obra audiovisual que o cinema sempre lançou, mas que vemos com certa frequência hoje em dia: o filme sobre um tópico social importante da atualidade, bem-produzido e bem fotografado, que visa, além de entreter, educar o...

‘A Escavação’: duas metades desequilibradas atrapalham drama

No drama A Escavação, da Netflix, tudo gira em torno de trazer coisas e emoções à superfície. A trama é baseada em fatos reais e reconstitui uma das mais importantes descobertas arqueológicas já feitas no Reino Unido, o “achado de Sutton Hoo”. Tudo começa quando a...

‘Palmer’: Justin Timberlake emociona em drama de fórmula infalível

Em Palmer, drama da Apple TV+ dirigido pelo ator e diretor Fisher Stevens, a proposta é lançar um olhar sensível sobre questões de gênero e de masculinidade. É a história de um homem endurecido de uma geração anterior confrontado pelo mundo moderno, e aprendendo a...

‘Wolfwalkers’: ótima animação sem medo de abordar a morte

Uma animação em 2D de um pequeno estúdio e com baixo orçamento. Essas não parecem ser as características de um filme premiado ou notório na temporada de premiações, mas ‘Wolfwalkers’ atende a todos esses requisitos com benefício de abordar temáticas mais adultas assim...

‘Malcolm & Marie’: egotrip de um diretor mimado dentro e fora das telas

Sam Levinson se empolgou. Após dois filmes pouco badalados - “Bastidores de um Casamento” (2011) e “País da Violência” (2018) - o filho de Barry Levinson (“Rain Man”) alcançou o sucesso de público e crítica com “Euphoria”, na HBO. Do auge da maturidade de seus 36...