Pouco mais de 80 anos atrás, Mr. Smith chegava à Washington em “A Mulher Faz o Homem”. A admiração do personagem de James Stewart com a capital dos EUA e os prédios históricos exalava um espírito patriótico, idealizado e de respeito solene às instituições formadoras da autointitulada maior e mais importante democracia do mundo. Na mesma cidade, 17 quadras distantes do Capitólio, sede do Legislativo do país, temos um outro retrato deste mesmo EUA, onde a violência policial e de gangues, o racismo e as drogas dominam a cena ceifando a vida e e a esperança da população negra.

Este EUA bem distante do idealismo e glamourização do ‘american way of life’ é o cenário do épico documentário “17 Quadras”. O filme cobre 20 anos da família Stanford através de gravações feitas tanto pelos membros dela quanto pelo diretor Davy Rothbart, amigo da família. Acompanhamos o drama da matriarca, Cheryl, em sua luta contra as drogas e na criação dos três filhos – o caçula Emmanuel, garoto tímido e bastante aplicado nos estudos, Smurf, o mais velho, envolvido com gangues locais e usuário de drogas, e Denice, garota com aspiração de ser policial. Durante este percurso, uma tragédia absurda molda a vida deles.

De “Faça a Coisa Certa” a “Moonlight” até “Fruitvale Station” e “A 13ª Emenda”, o cinema norte-americano já retratou por diversas vezes de forma crua e dura o desafio de ser negro no país. Por estes históricos tristes motivos, “17 Quadras” pode até não ser dos mais surpreendentes quanto aos assuntos e o universo que aborda, porém, através do extenso retrato geracional de décadas e do intimismo com que se insere no calvário carregado pelos Stanfords, o documentário potencializa a tragédia social de uma maneira palpável e irrefutável.

Mesmo que não indicasse a tragédia maior como faz logo no início do filme, “17 Quadras” carrega uma aura trágica em cada segundo de seus 97 minutos. Das condições de moradias precárias passando pelo ambiente de violência policial e das gangues, o documentário mostra como aquele universo, carregado de dores, frustrações e o constante perigo pelo fato de serem negros, cobra um preço caro para que aquelas pessoas continuem existindo. Nisso, as drogas acabam sendo uma válvula de escape levando Cheryl e Smurf ainda mais para o fundo do poço, enquanto Denice surge imobilizada pelos dramas dos familiares ao seu redor. Por isso, Emmanuel acaba sendo a válvula de escape, a esperança no meio da escuridão, e o destino dele somente reforça este desesperador cenário.

Esta jornada consegue ser ainda mais angustiante pela forma como Davy Rothbart consegue se inserir naquele ambiente, o que permite a captação de momentos tão genuínos dos seus personagens, especialmente, ao destacar a sobriedade cativante de Emmanuel ou o olhar de medo de Justin, filho de Denice, ao ouvir o som da sirene do carro da polícia ou na revelação devastadora feita por Cheryl nutrida de tanta dor após tantas décadas na reta final. A ideia de permitir aos retratados filmarem a si mesmos completa esta inserção dolorida naquele universo, registrando trechos íntimos e fundamentais para compreender a tragédia social de pessoas marginalizadas que os EUA viram as costas.

Com mil horas de gravações brutas, a montadora Jennifer Tiexiera faz um trabalho brilhante ao sintetizar o drama dos Stanfords de forma impecável sem perder o ritmo e muito menos o foco da história que o documentário deseja contar. “17 Quadras”, sem dúvida, é um retrato devastador de uma América injusta e cruel, longe de ser o sonho americano, ainda que haja sempre esperança do melhor, pois, como diz Cheryl somente este sentimento faz com que seja possível seguir em frente.

‘Miss Juneteenth’: a busca pela construção do sonho americano negro

Durante uma conversa, o dono do bar em que Turquoise Jones (Nicole Beharie) trabalha afirma que o sonho americano existe, menos para os negros. Esse é um resumo do que aborda “Miss Juneteenth”, longa de Channing Godfrey Peoples. A diretora, que também assina o...

‘Judas e o Messias Negro’: um decepcionante bom filme

Digam o que quiserem do Judas Iscariotes, mas ele é o personagem mais interessante da Bíblia -  do ponto de vista dramático, claro. Porque drama é conflito, e Judas vivia em conflito, e isso faz dele a figura interessante já dramatizada e analisada várias vezes em...

‘Eu Me Importo’: o melhor trabalho de Rosamund Pike desde ‘Garota Exemplar’

Rosamund Pike é uma atriz interessante. Ela tem o talento, a competência como intérprete e a beleza, o pacote completo para virar mega-estrela. A inglesa fez papel de mocinha, esteve até em alguns filmes de ação, mas nunca chegou a dar aquele grande salto para o...

‘O Amor de Sylvie’: Tessa Thompson brilha em romance clichê

“A maioria das pessoas nunca encontra esse tipo de amor. Nem por um verão” Uma protagonista negra segura de si e disposta a lutar pelos seus interesses. Um amor que ultrapassa os anos e a distância. Por mais que isso soe piegas, tinha esperança que esse não fosse o...

‘Adú’: tramas demais prejudicam foco central de drama espanhol

Adú, produção espanhola da Netflix, é um tipo de obra audiovisual que o cinema sempre lançou, mas que vemos com certa frequência hoje em dia: o filme sobre um tópico social importante da atualidade, bem-produzido e bem fotografado, que visa, além de entreter, educar o...

‘A Escavação’: duas metades desequilibradas atrapalham drama

No drama A Escavação, da Netflix, tudo gira em torno de trazer coisas e emoções à superfície. A trama é baseada em fatos reais e reconstitui uma das mais importantes descobertas arqueológicas já feitas no Reino Unido, o “achado de Sutton Hoo”. Tudo começa quando a...

‘Palmer’: Justin Timberlake emociona em drama de fórmula infalível

Em Palmer, drama da Apple TV+ dirigido pelo ator e diretor Fisher Stevens, a proposta é lançar um olhar sensível sobre questões de gênero e de masculinidade. É a história de um homem endurecido de uma geração anterior confrontado pelo mundo moderno, e aprendendo a...

‘Wolfwalkers’: ótima animação sem medo de abordar a morte

Uma animação em 2D de um pequeno estúdio e com baixo orçamento. Essas não parecem ser as características de um filme premiado ou notório na temporada de premiações, mas ‘Wolfwalkers’ atende a todos esses requisitos com benefício de abordar temáticas mais adultas assim...

‘Malcolm & Marie’: egotrip de um diretor mimado dentro e fora das telas

Sam Levinson se empolgou. Após dois filmes pouco badalados - “Bastidores de um Casamento” (2011) e “País da Violência” (2018) - o filho de Barry Levinson (“Rain Man”) alcançou o sucesso de público e crítica com “Euphoria”, na HBO. Do auge da maturidade de seus 36...

‘Nomadland’: a jornada é mais importante que o destino

É uma terra fria a que vemos em Nomadland. No filme da diretora Chloé Zhao, o interior dos Estados Unidos é um espaço gelado e dilapidado. Ambientado alguns anos após a crise econômica de 2008, no filme acompanhamos a viúva Fern, interpretada por Frances McDormand,...