A dança do personagem de Irandhir Santos ao som de “Fala”, de Ney Matogrosso, sintetizava toda a beleza de “A História da Eternidade” e o talento do recifense Camilo Cavalcante logo no trabalho de estreia na direção de longas.  A expectativa em torno do segundo longa de ficção era grande e chega, agora, com “King Kong em Asunción”, produção responsável por fechar a mostra competitiva de longas-metragens do Festival de Gramado 2020. Infelizmente, o projeto entendia com sua verborragia e momentos desnecessários em excesso, diminuindo o impacto de ótimas ideias e alguns bons momentos. 

Road-movie com toques de western e cinema experimental, “King Kong em Asunción” acompanha um matador de aluguel (Andrade Júnior, brilhante em seu último papel), escondido em uma região desértica na Bolívia após um último serviço. Para receber a recompensa, ele encara uma nova viagem e vai parar no Paraguai, onde também irá rumo à capital encontrar a filha, a qual acaba de saber da existência. 

Semelhante a “Um Animal Amarelo”, de Felipe Bragança, Camilo Cavalcante parte de seu protagonista para explorar as entranhas e feridas sociais de uma região, aqui, no caso, América Latina. A violência e repressão contra a população mais pobre destes países, imposta pelo Estado e as elites dos países da região, se mostra cíclica, levando à miséria moral, social e econômica, além de traumas capazes de assombrar a vida até mesmo de seus algozes – “memória é laço”, diz a narradora interpretada por Ana Ivanova em guarani a partir de um texto da autora gaúcha Natália Borges Polesso 

Quando concatena isso, “King Kong en Asunción” consegue o impacto desejado com cenas inesquecíveis como os fantasmas das vítimas, o segredo do passado do matador, o seu triste olhar para um espelho, no encontro de velhos amigos com garotas de programas e até mesmo ao radicalizar totalmente com os quadros de Temer, Collor, Fujimori, Pinochet e outras atrocidades políticas locais. 

NO LIMITE DA EXAUSTÃO 

Para chegar nestas sequências, porém, “King Kong en Asunción” cobra demais da paciência e boa vontade do espectador. O roteiro de Camilo Cavalcante abusa da verborragia durante a narração presente durante quase toda projeção. Apesar de boas reflexões relativas à memória e dar o tom da degradação latino-americana, muitas vezes, cada linha dita por Ivanova parece querer ser mais grandiloquente que a anterior e intrusiva até mesmo ao que o diretor consegue captar tão bem visualmente.  

A montagem complica ainda mais a experiência, afinal, há sempre mais uma estrada, há sempre mais um rosto, há sempre mais alguma paisagem para ser mostrada. Por mais linda seja que a direção de fotografia de Camilo Soares, se faça um contraponto com jornada martirizante do protagonista e haja, de fato, um lirismo em enxergar aquelas pessoas tão esquecidas e massacradas em registro quase etnográfico, o excesso é tamanho que chega um ponto em que somente dá para desejar o fim daqueles momentos para ver a trama voltar a avançar. 

Não dá para negar a contundência de Camilo Cavalcante sobre a temática urgente visto o crescimento de um discurso autoritário voltando a ganhar força na América do Sul e a beleza visual de “King Kong en Asunción”. Por outro lado, a narrativa escolhida para desenvolver tudo isso acaba mais repelindo do que atraindo a nossa atenção. 

‘Adeus Leonora’: a carta de despedida do mestre Paolo Taviani

A morte é a grande protagonista de “Leonora Adeus”, recente filme do lendário diretor italiano Paolo Taviani. Ele mesmo, no alto dos seus 91 anos, constrói uma narrativa tragicômica da morte e como ela permeia o nosso universo ao redor. Com um olhar melancólico,...

‘Meu Álbum de Amores’: a linha tênue entre o amor e o brega

Ah, o amor. As delícias das paixões desenfreadas, cegas e absurdas. O amor latente, pulsante, que corre por entre as veias e explode em adrenalina e desespero. O amor é inexplicável. Há quem diga que só vivemos um grande amor por toda a vida. Há aqueles que vivem...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘Flux Gourmet’, de Peter Strickland

"Flux Gourmet", novo filme de Peter Strickland, é um prato reservado aos curiosos gastronômicos de plantão. O projeto do atual mestre do bizarro inglês foi exibido no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano após estreia em Berlim e vem recheado das...

‘The Five Devils’: a falácia do mito do “lugar de gente de bem”

"The Five Devils", novo filme da francesa Léa Mysius, é um misto de drama familiar e thriller sobrenatural que leva o espectador por caminhos inesperados. O longa, que estreou na mostra Quinzena dos Realizadores em Cannes e foi exibido no Festival Internacional de...

‘Trem-Bala’: carisma de Brad Pitt faz longa pueril valer a pena

Eis que chega às telonas “Trem-Bala”, mais uma obra que segue o filão do cinema de ação espertinho à la Deadpool. Ou seja: temos aqui uma maçaroca de referências pop e piadas adolescentes que, se por um lado, não radicaliza nada, por outro não consegue bancar o peso...

‘Ela e Eu’: Andréa Beltrão domina melodrama sobre recomeço

Mãe e filha. 20 anos de convivência emocional e de ausência física. Reconfigurando afetos, Gustavo Rosa de Moura traz aos cinemas em “Ela e Eu” uma história forte, importante e comovente sobre novas e velhas formas de amar com Andrea Beltrão fazendo uma personagem do...

‘Tinnitus’: angustiante e ótimo body horror brasileiro

Uma atleta de saltos ornamentais em apuros guia a trama de "Tinnitus", novo filme do paulista Gregorio Graziosi (“Obra”) que teve estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. Ancorado na sólida performance da atriz Joana de Verona, o...

‘Aos Nossos Filhos’: Marieta Severo brilha em drama de tom solene

Vera (Marieta Severo) está em um embate terrível com a filha Tânia (Laura Castro). A jovem, lésbica e casada, que quer a aprovação da matriarca para ser mãe, mas não vê forma de superar os próprios traumas e o dissabor da relação com a personagem de Marieta, uma...

‘O Palestrante’: Porchat aposta no seguro em comédia morna

Guilherme (Fábio Porchat) é um contador frustrado que perdeu o tesão na vida. Seu chefe é um babaca, a esposa o humilha e o sujeito simplesmente desliza pelos dias no piloto automático. Isto até ser confundido com um palestrante motivacional e se apaixonar por Denise...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘Close’, de Lukas Dhont

As dores de amadurecimento dão o tom de "Close", novo filme de Lukas Dhont que estreou em Cannes - onde dividiu o Grand Prix com "Both Sides of the Blade", de Claire Denis - e foi exibido no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary. O drama confirma o diretor...