A dança do personagem de Irandhir Santos ao som de “Fala”, de Ney Matogrosso, sintetizava toda a beleza de “A História da Eternidade” e o talento do recifense Camilo Cavalcante logo no trabalho de estreia na direção de longas.  A expectativa em torno do segundo longa de ficção era grande e chega, agora, com “King Kong em Asunción”, produção responsável por fechar a mostra competitiva de longas-metragens do Festival de Gramado 2020. Infelizmente, o projeto entendia com sua verborragia e momentos desnecessários em excesso, diminuindo o impacto de ótimas ideias e alguns bons momentos. 

Road-movie com toques de western e cinema experimental, “King Kong em Asunción” acompanha um matador de aluguel (Andrade Júnior, brilhante em seu último papel), escondido em uma região desértica na Bolívia após um último serviço. Para receber a recompensa, ele encara uma nova viagem e vai parar no Paraguai, onde também irá rumo à capital encontrar a filha, a qual acaba de saber da existência. 

Semelhante a “Um Animal Amarelo”, de Felipe Bragança, Camilo Cavalcante parte de seu protagonista para explorar as entranhas e feridas sociais de uma região, aqui, no caso, América Latina. A violência e repressão contra a população mais pobre destes países, imposta pelo Estado e as elites dos países da região, se mostra cíclica, levando à miséria moral, social e econômica, além de traumas capazes de assombrar a vida até mesmo de seus algozes – “memória é laço”, diz a narradora interpretada por Ana Ivanova em guarani a partir de um texto da autora gaúcha Natália Borges Polesso 

Quando concatena isso, “King Kong en Asunción” consegue o impacto desejado com cenas inesquecíveis como os fantasmas das vítimas, o segredo do passado do matador, o seu triste olhar para um espelho, no encontro de velhos amigos com garotas de programas e até mesmo ao radicalizar totalmente com os quadros de Temer, Collor, Fujimori, Pinochet e outras atrocidades políticas locais. 

NO LIMITE DA EXAUSTÃO 

Para chegar nestas sequências, porém, “King Kong en Asunción” cobra demais da paciência e boa vontade do espectador. O roteiro de Camilo Cavalcante abusa da verborragia durante a narração presente durante quase toda projeção. Apesar de boas reflexões relativas à memória e dar o tom da degradação latino-americana, muitas vezes, cada linha dita por Ivanova parece querer ser mais grandiloquente que a anterior e intrusiva até mesmo ao que o diretor consegue captar tão bem visualmente.  

A montagem complica ainda mais a experiência, afinal, há sempre mais uma estrada, há sempre mais um rosto, há sempre mais alguma paisagem para ser mostrada. Por mais linda seja que a direção de fotografia de Camilo Soares, se faça um contraponto com jornada martirizante do protagonista e haja, de fato, um lirismo em enxergar aquelas pessoas tão esquecidas e massacradas em registro quase etnográfico, o excesso é tamanho que chega um ponto em que somente dá para desejar o fim daqueles momentos para ver a trama voltar a avançar. 

Não dá para negar a contundência de Camilo Cavalcante sobre a temática urgente visto o crescimento de um discurso autoritário voltando a ganhar força na América do Sul e a beleza visual de “King Kong en Asunción”. Por outro lado, a narrativa escolhida para desenvolver tudo isso acaba mais repelindo do que atraindo a nossa atenção. 

‘Os Segredos de Madame Claude’: desperdício de um ícone em filme tão fraco

Tenho um pé atrás com produções que buscam abordar personagens reais com o intuito de vender diversidade e inclusão. Essa sensação é mais aguda diante de projetos que discutem personalidades femininas como “Maria Madalena” (Garth Davis, 2018) e “Joana D’Arc” (Luc...

‘Amor e Monstros’: pouco mais de ousadia faria um grande filme

Os melhores momentos de Amor e Monstros, parceria dos estúdios Paramount Pictures com a Netflix, estão logo no início do filme. É quando o narrador da história, o jovem Joel, reconta o apocalipse que devastou a Terra e que transformou insetos e animais em criaturas...

‘We’: o cinema como construtor de uma memória coletiva

"We", o novo filme de Alice Diop, é várias coisas: uma lembrança familiar, uma celebração das vidas comuns e uma busca pela identidade da França nos dias de hoje. Acima de tudo, o documentário, que ganhou o prêmio de Melhor Filme da mostra Encontros do Festival de...

‘Chaos Walking’: ótimo conceito nem sempre gera bom filme

Toda vez que se inicia a produção de um filme, cineastas participam de um jogo de roleta: por mais bem planejada que seja a obra e não importando o quão bons sejam os colaboradores que eles vão reunir para participar dela, tudo ainda pode acabar mal. Cinema é...

‘Locked Down’: dramédia na pandemia sucumbe à triste realidade

Dentre tantas situações inesperadas da pandemia da Covid, com certeza, a quarentena forçada foi uma grande bomba-relógio para conflitos conjugais e familiares. Agora, se conviver ininterruptamente com quem se ama já é desafiador, imagine passar semanas, meses dentro...

‘Godzilla Vs Kong’: sem vergonha de ser uma divertida bobagem

Não há como contornar: Godzilla vs Kong é um filme bobo. Todos os filmes “versus” feitos até hoje na história do cinema, com um personagem famoso enfrentando outro, foram bobos, e essa nova investida do estúdio Warner Bros. no seu “Monsterverse” – a culminação dele,...

‘Collective’: aula sobre o fundamental papel do jornalismo investigativo

“Collective” é, provavelmente, o filme mais marcante desta temporada de premiações. O documentário dirigido por Alexander Nanau traz à tona denúncias concernentes à corrupção no Ministério da Saúde romeno, algo super atual no período pandêmico e que dialoga com...

‘Moon, 66 Questions’: drama familiar foge do convencional em narrativa ousada

Livremente inspirado em tarô e mitologia, "Moon, 66 Questions" explora as falhas de comunicação e os conflitos geracionais de uma família através dos olhos de uma adolescente. O drama grego, exibido na mostra Encontros do Festival de Berlim deste ano, é carregado de...

‘Fuja’: suspense protocolar impossível de desgrudar da tela

Suspenses domésticos, quando bem feitos, acabam rendendo boas experiências. É o caso deste Fuja, lançado na Netflix – iria originalmente para os cinemas, mas a pandemia alterou esses planos. Não há nada nele que já não tenhamos visto antes, em outras obras tanto...

‘Meu Pai’: empática experiência sensorial da demência

"Meu Pai" começa ao som de uma ópera que acompanha os passos de uma mulher que anda por uma rua aparentemente pacata. Não demora muito e percebemos que essa música é escutada por outro personagem em fones de ouvido. Essas duas cenas simples revelam logo a essência do...