A dança do personagem de Irandhir Santos ao som de “Fala”, de Ney Matogrosso, sintetizava toda a beleza de “A História da Eternidade” e o talento do recifense Camilo Cavalcante logo no trabalho de estreia na direção de longas.  A expectativa em torno do segundo longa de ficção era grande e chega, agora, com “King Kong em Asunción”, produção responsável por fechar a mostra competitiva de longas-metragens do Festival de Gramado 2020. Infelizmente, o projeto entendia com sua verborragia e momentos desnecessários em excesso, diminuindo o impacto de ótimas ideias e alguns bons momentos. 

Road-movie com toques de western e cinema experimental, “King Kong em Asunción” acompanha um matador de aluguel (Andrade Júnior, brilhante em seu último papel), escondido em uma região desértica na Bolívia após um último serviço. Para receber a recompensa, ele encara uma nova viagem e vai parar no Paraguai, onde também irá rumo à capital encontrar a filha, a qual acaba de saber da existência. 

Semelhante a “Um Animal Amarelo”, de Felipe Bragança, Camilo Cavalcante parte de seu protagonista para explorar as entranhas e feridas sociais de uma região, aqui, no caso, América Latina. A violência e repressão contra a população mais pobre destes países, imposta pelo Estado e as elites dos países da região, se mostra cíclica, levando à miséria moral, social e econômica, além de traumas capazes de assombrar a vida até mesmo de seus algozes – “memória é laço”, diz a narradora interpretada por Ana Ivanova em guarani a partir de um texto da autora gaúcha Natália Borges Polesso 

Quando concatena isso, “King Kong en Asunción” consegue o impacto desejado com cenas inesquecíveis como os fantasmas das vítimas, o segredo do passado do matador, o seu triste olhar para um espelho, no encontro de velhos amigos com garotas de programas e até mesmo ao radicalizar totalmente com os quadros de Temer, Collor, Fujimori, Pinochet e outras atrocidades políticas locais. 

NO LIMITE DA EXAUSTÃO 

Para chegar nestas sequências, porém, “King Kong en Asunción” cobra demais da paciência e boa vontade do espectador. O roteiro de Camilo Cavalcante abusa da verborragia durante a narração presente durante quase toda projeção. Apesar de boas reflexões relativas à memória e dar o tom da degradação latino-americana, muitas vezes, cada linha dita por Ivanova parece querer ser mais grandiloquente que a anterior e intrusiva até mesmo ao que o diretor consegue captar tão bem visualmente.  

A montagem complica ainda mais a experiência, afinal, há sempre mais uma estrada, há sempre mais um rosto, há sempre mais alguma paisagem para ser mostrada. Por mais linda seja que a direção de fotografia de Camilo Soares, se faça um contraponto com jornada martirizante do protagonista e haja, de fato, um lirismo em enxergar aquelas pessoas tão esquecidas e massacradas em registro quase etnográfico, o excesso é tamanho que chega um ponto em que somente dá para desejar o fim daqueles momentos para ver a trama voltar a avançar. 

Não dá para negar a contundência de Camilo Cavalcante sobre a temática urgente visto o crescimento de um discurso autoritário voltando a ganhar força na América do Sul e a beleza visual de “King Kong en Asunción”. Por outro lado, a narrativa escolhida para desenvolver tudo isso acaba mais repelindo do que atraindo a nossa atenção. 

‘Pânico’ (2022): carta de amor aos fãs em homenagem a Wes Craven

Fazia quase 10 anos desde a última vez que eu, acompanhado de uns 30 amigos (não é exagero), reencontrava Sidney, Dewey e Gale, na estreia de ‘Pânico 4’ nos cinemas. Era o primeiro filme da então quadrilogia de terror, dirigida pelo saudoso Wes Craven, que assistia...

‘Bar Doce Lar’: má fase de George Clooney persiste em filme repetitivo

Logo no início de “Bar Doce Lar”, título horroroso no Brasil para o filme disponível no Amazon Prime, JR diz gostar de viver na casa do avô ao contrário da mãe. O motivo: a presença de muita gente no local. Tal fala, entretanto, ganha um contorno maior para além da...

Onde foram parar e por que os filmes de cassino sumiram das telonas?

De filmes de ação a dramas, há grandes clássicos do cinema e títulos dos anos 90 e 2000 que destacam os poderosos cassinos, particularmente os encontrados nos Estados Unidos. Não há um brasileiro que não se lembre de pelo menos dois filmes que destacavam os luxuosos...

‘O Canto do Cisne’: não funciona como romance nem como sci-fi

À primeira vista, “O Canto do Cisne” engana bem: Mahershala Ali e Naomie Harris com a excelência de sempre e ainda com Glenn Close e Awkwafina como coadjuvantes de luxo, um visual atrativo pela modernidade clean do design de produção e do cenário principal...

‘Apresentando os Ricardos’: Sorkin racionaliza demais universo das sitcoms

Lucille Ball quer um lar. E ele definitivamente não vai ser construído em um cinema cerebral demais como o de Aaron Sorkin. “Apresentando os Ricardos”, nova investida dele na direção, é um retrato sem o brilho que fez de Ball a estrela mais assistida da TV dos Estados...

‘Não Olhe Para Cima’: sátira caminha por trilha segura em críticas

Quando “House of Cards” estreou na Netflix em fevereiro de 2013 chocou uma (ingênua) parcela do público sobre como o coração da política norte-americana poderia ser tão ardiloso e baixo. Era época de um suposto idealismo democrático com Barack Obama, primeiro...

‘Matrix Resurrections’: Lana Wachowski recorda o valor do risco em Hollywood

Se “Matrix” encontra paralelos diretos em “Metrópolis” ou “Blade Runner” dentro do universo de distopias e ficções científicas, pode-se dizer que “Matrix Resurrections” está mais próximo de obras como “Crepúsculo dos Deuses” ou “O Jogador” como análise ácida e...

‘Belfast’: Kenneth Branagh retorna à infância em filme singelo

Vários diretores, ao longo da história do cinema, fizeram filmes baseados em suas próprias vidas. Gente graúda, como François Truffaut (Os Incompreendidos), Federico Fellini (Amarcord) ou Ingmar Bergman (Fanny & Alexander), para citar só alguns dos mais marcantes....

‘A Mão de Deus’: Sorrentino navega no (bom) exagero em filme familiar

As relações familiares são o ponto de partida de “A mão de Deus”, novo filme do diretor italiano Paolo Sorrentino (“A Grande Beleza”). O protagonista da trama é Fábio Schisa (Filippo Scotti), um adolescente que vive com os pais e dois irmãos mais velhos na Nápoles dos...

‘Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa’: a maturidade chega a Peter Parker

Com três intérpretes diferentes, o Homem-Aranha é o herói mais replicado no cinema (ao menos no século XXI). E é claro que a cada nova saga do herói a expectativa é sempre de superação, mas, mesmo sob essa pressão, em 2017, Tom Holland conseguiu se consagrar como...