Durante a Era de Ouro de Hollywood, as grandes estrelas femininas passavam por maus bocados: abusos de todas as espécies de um meio extremamente machista, namoros e casamentos arranjados para gerar manchetes, controle total por chefes de estúdios da alimentação ao vestuário até os filmes que faziam. De certo modo, esta falta de autonomia sobre a própria vida guiada pela expectativa do público e patrocinadores também acontece com as celebridades das redes sociais, ou melhor, os digitais influencers.

O drama “Suor” parte desta premissa ao contar a história de Sylwia Zajac (Magdalena Kolesnic), uma espécie de Gabrielle Pugliese da Polônia. Com 600 mil seguidores no Instagram, ela passa o dia dando dicas fitness de exercícios físicos e alimentação. Certo dia, porém, este mundo lindo e maravilhoso é abalado por uma postagem em que aparece chorando ao revelar se sentir muito sozinha. Ao longo de três dias, acompanhamos esta solidão da personagem ao ir no aniversário da mãe, descobrir a existência de um fã perturbado e se preparar para aparecer em um programa de televisão.

Logo que começa, o diretor e roteirista Magnus Von Horn consegue situar bem o público no drama da sua protagonista. A energia da sequência inicial de uma aula em pleno shopping center não demora muito para dar lugar ao silêncio e isolamento de Sylwia. Como não poderia deixar de ser, o celular está sempre presente, quase como uma parte integrante do próprio corpo e até chegar em casa se torna motivo de uma postagem. A prisão a este universo revela-se aos poucos quando, por exemplo, os sentimentos genuínos são censurados por patrocinadores, algo digno de um episódio da brilhante “Feud” sobre a rivalidade das estrelas Bette Davis e Joan Crawford.

 PANORAMA SUPERFICIAL

Quase gabaritando neste primeiro ato, “Suor” tropeça dali em diante. O roteiro até tenta se aprofundar na solidão da protagonista, mas, nunca parece, de fato, convencer. A relação com a mãe, por exemplo, fornece pistas de um estranhamento implícito em que falta apoio e suporte, mas, quando poderia se aprofundar, chega ao fim deixando uma incômoda sensação de que poderia ter ido rendido mais.

A ausência de outras amigas influencers ou puxa-sacos, algo tão comum a este meio e até fundamental para o sucesso, soa como um vácuo conveniente demais, especialmente, quando poderia ser explorado na chegada de uma festa, porém, acaba deixada de lado rapidamente. Mas, nada, nada é pior do que a relação com o fã stalker: o perigo causado por um importunador sexual ganha um contorno constrangedor ao transformar a vítima em culpado e vice-versa. Bizarro, no mínimo.

Com uma atuação excelente de Magdalena Kolesnic pela capacidade de demonstrar em mudanças sutis de semblantes o desespero da protagonista, “Suor” consegue, de fato, retratar esta solidão no meio de milhares, porém, semelhante as redes sociais, tudo de forma superficial.

‘O Homem dos Sonhos’: criativa sátira sobre fenômenos midiáticos

Quando li esse título a primeira vez, pensei que deveria se tratar de mais uma história patriarcal romântica e eu não poderia estar mais enganada. Dirigido por Kristoffer Borgli e protagonizado por Nicolas Cage, “O Homem dos Sonhos” aborda de forma discreta o fenômeno...

Como ‘Madame Teia’ consegue ser um fiasco completo?

Se os filmes de heróis da Marvel vêm passando por um período de ócio criativo, indicando uma possível saturação do público em relação às histórias, a Sony tem utilizado os “pseudos projetos cinematográficos” do universo baseado em propriedades do Homem-Aranha para...

‘Bob Marley: One Love’: a vulnerabilidade de uma lenda

Acredito que qualquer pessoa no planeta Terra sabe quem é Bob Marley ou já escutou alguma vez as suas canções. Se duvidar, até mesmo um alienígena de passagem por aqui já se desembestou a cantarolar um dos sucessos do cantor jamaicano, símbolo do reggae, subgênero...

‘Ferrari’: Michael Mann contido em drama sobre herói fora de seu tempo

Coisa estranha: a silhueta de um homem grisalho, a linha do cabelo recuando, adorna um balde de pipoca. É Adam Driver como Enzo Ferrari, em uma ação de marketing curiosa: vender o novo filme de Michael Mann como um grande blockbuster para a garotada. Jogada inusitada,...

‘Garra de Ferro’: um drama que não sai do quase

Garra de Ferro, o novo filme do diretor Sean Durkin, o mesmo dos bons Martha Marcy May Marlene (2011) e O Refúgio (2020), é decepcionante. Mas tinha ingredientes para ser marcante: um ótimo elenco e a base de uma história real e bastante dramática. No fim das contas,...

‘A Memória Infinita’: quando o amor é maior que o esquecimento

“Estou aqui para relembrar quem foi Augusto Góngora”  Com essas palavras e uma câmera desfocada, Paulina Urrutia, ex-ministra da cultura do Chile e companheira de Gongora a quase 25 anos, nos introduz a “A Memória Infinita”, filme dirigido por Maitê Alberdi, indicado...

‘Argylle’: Matthew Vaughn ladeira abaixo em filme fraco

Entre 2007 a 2015, Matthew Vaughn surgiu como uma das mentes criativas do entretenimento norte-americano. Neste período, ele comandou as melhores sátiras subversivas ao trabalhar os elementos de fantasia a partir da violência cartunesca com o humor politicamente...

‘Todos Menos Você’: dois gostosos e a essência da comédia romântica

As comédias românticas migraram dos cinemas para os streamings nos últimos anos. Basta lembrar que “Podres de Rico”, de 2018, foi o último filme do gênero a alcançar bilheteria e repercussão significativas nas telonas. Por isso, a ótima repercussão de “Todos Menos...

‘Minha Irmã e Eu’: o sucessor natural de ‘Minha Mãe é uma Peça’ 

O cinema brasileiro celebra os necessários números superiores a 1,5 milhão de ingressos vendidos por “Minha Irmã e Eu” depois de um período de vacas magras provocado pela pandemia da COVID-19 e ausência de políticas públicas de verdade como a cota de tela. Antes dele,...

‘Ficção Americana’: dramédia familiar compensa sátira engessada

Monk Ellison (Jeffrey Wright) é um professor universitário super qualificado e frustrado; portanto, sem tempo para os bons-mocismos liberais. Sua acidez o afasta do magistério e o coloca em uma sinuca de bico: como reinventar a carreira falida se tudo que o mercado...