Durante a Era de Ouro de Hollywood, as grandes estrelas femininas passavam por maus bocados: abusos de todas as espécies de um meio extremamente machista, namoros e casamentos arranjados para gerar manchetes, controle total por chefes de estúdios da alimentação ao vestuário até os filmes que faziam. De certo modo, esta falta de autonomia sobre a própria vida guiada pela expectativa do público e patrocinadores também acontece com as celebridades das redes sociais, ou melhor, os digitais influencers.

O drama “Suor” parte desta premissa ao contar a história de Sylwia Zajac (Magdalena Kolesnic), uma espécie de Gabrielle Pugliese da Polônia. Com 600 mil seguidores no Instagram, ela passa o dia dando dicas fitness de exercícios físicos e alimentação. Certo dia, porém, este mundo lindo e maravilhoso é abalado por uma postagem em que aparece chorando ao revelar se sentir muito sozinha. Ao longo de três dias, acompanhamos esta solidão da personagem ao ir no aniversário da mãe, descobrir a existência de um fã perturbado e se preparar para aparecer em um programa de televisão.

Logo que começa, o diretor e roteirista Magnus Von Horn consegue situar bem o público no drama da sua protagonista. A energia da sequência inicial de uma aula em pleno shopping center não demora muito para dar lugar ao silêncio e isolamento de Sylwia. Como não poderia deixar de ser, o celular está sempre presente, quase como uma parte integrante do próprio corpo e até chegar em casa se torna motivo de uma postagem. A prisão a este universo revela-se aos poucos quando, por exemplo, os sentimentos genuínos são censurados por patrocinadores, algo digno de um episódio da brilhante “Feud” sobre a rivalidade das estrelas Bette Davis e Joan Crawford.

 PANORAMA SUPERFICIAL

Quase gabaritando neste primeiro ato, “Suor” tropeça dali em diante. O roteiro até tenta se aprofundar na solidão da protagonista, mas, nunca parece, de fato, convencer. A relação com a mãe, por exemplo, fornece pistas de um estranhamento implícito em que falta apoio e suporte, mas, quando poderia se aprofundar, chega ao fim deixando uma incômoda sensação de que poderia ter ido rendido mais.

A ausência de outras amigas influencers ou puxa-sacos, algo tão comum a este meio e até fundamental para o sucesso, soa como um vácuo conveniente demais, especialmente, quando poderia ser explorado na chegada de uma festa, porém, acaba deixada de lado rapidamente. Mas, nada, nada é pior do que a relação com o fã stalker: o perigo causado por um importunador sexual ganha um contorno constrangedor ao transformar a vítima em culpado e vice-versa. Bizarro, no mínimo.

Com uma atuação excelente de Magdalena Kolesnic pela capacidade de demonstrar em mudanças sutis de semblantes o desespero da protagonista, “Suor” consegue, de fato, retratar esta solidão no meio de milhares, porém, semelhante as redes sociais, tudo de forma superficial.

‘Censor’: memória como processo de edição e censura

"Censor", longa de estreia de Prano Bailey-Bond, é um terror com completo controle de sua atmosfera feito sob medida para agradar fãs do gênero. O filme, que estreou na seção Meia-Noite do Festival de Sundance e foi exibido na mostra Panorama da Berlinale deste ano, é...

‘Mortal Kombat’: duas horas de praticamente nada

Ah, Hollywood, você não aprende... Não deveria ser tão difícil assim fazer um filme ao menos legal baseado no game Mortal Kombat. Mas pelo visto é. Numa nota pessoal, já joguei algumas versões do game ao longo das décadas, em diferentes plataformas. Mortal Kombat...

‘Passageiro Acidental’: sci-fi vazia por roteiro preguiçoso

Comunidade, sobrevivência e sacrifício. Sobre essas três temáticas orbita a narrativa de “Passageiro Acidental”, novo filme do brasileiro de Joe Penna (“Ártico”) disponível na Netflix. Acompanhamos uma equipe que parte em uma missão de dois anos para Marte; no...

‘What Do We See When We Look at the Sky?’: minúcias da vida levadas à exaustão

O céu, escadas, pontes, um rio, pessoas andando, cachorros e muito, mas muito futebol. Essas são algumas das coisas que os espectadores de "What Do We See When We Look in the Sky?" têm a chance de ver por longos períodos de tempo durante o filme, que estreou na mostra...

‘Petite Maman’: delicado filme adulto sobre a infância

Depois de ganhar fama mundial com seu melhor filme e abandonar publicamente a maior premiação de seu país natal, o que você faria? A diretora francesa Céline Sciamma voltou logo ao trabalho. Ela agora retorna com “Petite Maman”, menos de dois anos depois de seu último...

‘Vozes e Vultos’: Amanda Seyfreid sai de ‘Mank’ para bomba

A Netflix é muito boa em fazer propaganda enganosa... Quem for assistir ao trailer da sua produção "Vozes e Vultos" imagina, logo antes de apertar “play” no filme, que vai ver um terror ou, ao menos, um suspense, algo intenso. Nada mais longe da verdade: o longa...

‘O Homem que Vendeu Sua Pele’: leveza demais faz ficar na superfície bons temas

O maior mérito de O Homem que Vendeu Sua Pele, da cineasta tunisiana Kaouther Ben Hania, é o ato de malabarismo que ele realiza ao longo da sua duração: O filme consegue, ao mesmo tempo, ser uma sátira ao mundo da arte, lançar um olhar tocante sobre o problema dos...

‘Mission Ulja Funk’: aventura infantil defende a ciência e ataca fanatismo religioso

Uma aventura juvenil divertida e necessária contra o fundamentalismo religioso, “Mission Ulja Funk” é uma das surpresas da Berlinale deste ano. A co-produção Alemanha-Luxemburgo-Polônia, exibida na mostra Generation Kplus do evento cinematográfico, tem muito carisma e...

‘Agora Estamos Vivos’: grande vazio emocional e de conceitos

O que você faria se fosse a última pessoa na Terra? É com essa perspectiva que Reed Morano (“The Handmaid’s Tale”) arquiteta seu novo filme: “Agora Estamos Sozinhos”. Disponível no Prime Vídeo, a trama traz um mundo pós-apocalíptico intimista habitado por Peter...

‘Una Escuela en Cerro Hueso’: pequena pérola argentina sobre autismo

Um filme delicado sobre adaptação e superação, “Una Escuela em Cerro Hueso” é um drama argentino que chama a atenção para o autismo sem apelar para reducionismos. Exibido na mostra Generation Kplus do Festival de Berlim deste ano, onde ganhou uma menção especial do...