Durante a Era de Ouro de Hollywood, as grandes estrelas femininas passavam por maus bocados: abusos de todas as espécies de um meio extremamente machista, namoros e casamentos arranjados para gerar manchetes, controle total por chefes de estúdios da alimentação ao vestuário até os filmes que faziam. De certo modo, esta falta de autonomia sobre a própria vida guiada pela expectativa do público e patrocinadores também acontece com as celebridades das redes sociais, ou melhor, os digitais influencers.

O drama “Suor” parte desta premissa ao contar a história de Sylwia Zajac (Magdalena Kolesnic), uma espécie de Gabrielle Pugliese da Polônia. Com 600 mil seguidores no Instagram, ela passa o dia dando dicas fitness de exercícios físicos e alimentação. Certo dia, porém, este mundo lindo e maravilhoso é abalado por uma postagem em que aparece chorando ao revelar se sentir muito sozinha. Ao longo de três dias, acompanhamos esta solidão da personagem ao ir no aniversário da mãe, descobrir a existência de um fã perturbado e se preparar para aparecer em um programa de televisão.

Logo que começa, o diretor e roteirista Magnus Von Horn consegue situar bem o público no drama da sua protagonista. A energia da sequência inicial de uma aula em pleno shopping center não demora muito para dar lugar ao silêncio e isolamento de Sylwia. Como não poderia deixar de ser, o celular está sempre presente, quase como uma parte integrante do próprio corpo e até chegar em casa se torna motivo de uma postagem. A prisão a este universo revela-se aos poucos quando, por exemplo, os sentimentos genuínos são censurados por patrocinadores, algo digno de um episódio da brilhante “Feud” sobre a rivalidade das estrelas Bette Davis e Joan Crawford.

 PANORAMA SUPERFICIAL

Quase gabaritando neste primeiro ato, “Suor” tropeça dali em diante. O roteiro até tenta se aprofundar na solidão da protagonista, mas, nunca parece, de fato, convencer. A relação com a mãe, por exemplo, fornece pistas de um estranhamento implícito em que falta apoio e suporte, mas, quando poderia se aprofundar, chega ao fim deixando uma incômoda sensação de que poderia ter ido rendido mais.

A ausência de outras amigas influencers ou puxa-sacos, algo tão comum a este meio e até fundamental para o sucesso, soa como um vácuo conveniente demais, especialmente, quando poderia ser explorado na chegada de uma festa, porém, acaba deixada de lado rapidamente. Mas, nada, nada é pior do que a relação com o fã stalker: o perigo causado por um importunador sexual ganha um contorno constrangedor ao transformar a vítima em culpado e vice-versa. Bizarro, no mínimo.

Com uma atuação excelente de Magdalena Kolesnic pela capacidade de demonstrar em mudanças sutis de semblantes o desespero da protagonista, “Suor” consegue, de fato, retratar esta solidão no meio de milhares, porém, semelhante as redes sociais, tudo de forma superficial.

‘Destruição Final: O Último Refúgio’: feijão com arroz do cinema catástrofe

O ator escocês Gerard Butler parece ser boa gente, alguém com quem poderia ser legal tomar uma cerveja e bater papo. E também parece ser um sujeito que realmente gosta de trabalhar com cinema. Mas... o cara só faz filme ruim, não há como relevar isso. Sério,...

‘Babenco – Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer: Parou’: Bárbara Paz faz retrato honesto de um dos grandes

Em um dos momentos mais íntimos de “Babenco - Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer: Parou”, ele e Bárbara Paz, sua companheira (e diretora deste documentário), discutem sobre o uso da expressão “baseado em fatos”. Ele defende, ela refuta e diz que um filme...

‘Bill & Ted – Encare a Música’: nostalgia pura em diversão despretensiosa

Lembram-se do Bill e do Ted? No passado, eles viveram duas divertidas e malucas aventuras cinematográficas que tinham tudo para dar errado, mas acabaram funcionando e se tornando inesperados sucessos graças a roteiros que aliavam besteirol e criatividade, e à química...

‘Rosa e Momo’: Sophia Loren desvia de clichês para brilhar na Netflix

Sophia Loren, um ícone da história do cinema, retorna as telas depois de seis anos. A última aparição havia sido em “Voce umana”, produção dirigida por Edoardo Ponti, seu filho e também diretor de “Rosa e Momo”, longa-metragem disponível na Netflix que traz a estrela...

‘O Que Ficou Para Trás’: terror inteligente sobre fantasmas internos

O filme de terror O Que Ficou para Trás, do diretor estreante Remi Weekes e lançado na Netflix, é um exemplar do gênero que usa os sustos e elementos sobrenaturais para tecer um hábil comentário social sobre o problema mundial da imigração. Isso não é algo novo:...

‘Cicada’: delicado romance marcado por traumas masculinos

Com uma poderosa abordagem sobre traumas masculinos, "Cicada" é um corajoso drama que aponta Matthew Fifer como uma nova voz do cinema queer dos EUA. O filme de Fifer e Kieran Mulcare, que estreou no Festival Outfest em Los Angeles e foi exibido no Festival de Londres...

‘Ammonite’: um cansativo sub-‘Retrato de uma Jovem em Chamas’

Depois do sucesso de seu primeiro longa, "O Reino de Deus", Francis Lee torna a apostar em um romance LGBT em sua nova produção, "Ammonite". No entanto, as semelhanças entre os filmes acabam por aí. Mesmo contando com performances poderosas de Kate Winslet e Saoirse...

‘A Voz Humana’: Tilda Swinton hipnotiza em Almodóvar menor

Unindo dois titãs do cinema, "A Voz Humana" é um filme cuja primeira foto de bastidor já foi suficiente para quebrar a internet cinéfila. A visão do diretor espanhol Pedro Almodóvar ao lado da atriz britânica Tilda Swinton veio cheia de promessa e o curta - que...

‘A Metamorfose dos Pássaros’: carta de amor e libertação dos ancestrais

Falar de “A Metamorfose dos Pássaros” é abordar questões particulares que, ao mesmo tempo, são universais. Primeiro longa da carreira de Carolina Vasconcelos, este filme-ensaio, entre a ficção, o documentário e o experimental, conta uma história de amor por meio de...

‘About Endlessness’: Roy Andersson convida público a admirar a vida

Pode parecer absurdo que um filme vigoroso de 76 minutos ouse ser intitulado "About Endlessness" (“Sobre o Infinito”, em tradução literal). Sendo este um filme de Roy Andersson (“Um Pombo Pousou num Galho Refletindo sobre a Existência”), alguém poderia ser perdoado...