“No futuro, todos terão eletricidade e ninguém vai se lembrar de tudo isso”, diz um dos personagens de A Batalha das Correntes, a certa altura do filme. Trata-se de um drama produzido por Martin Scorsese e dirigido por Alfonso Gomez-Rejón (“Eu, Você e a Garota que vai Morrer”) sobre a disputa real entre Thomas Edison e George Westinghouse no final do século XIX para desenvolver uma forma viável de trazer eletricidade aos Estados Unidos e, depois, ao mundo.

Benedict Cumberbatch interpreta Edison com a sua já costumeira competência, embora aqui e ali o personagem passe a ideia de repetição, pois é mais um gênio incompreendido/pessoa difícil para o currículo do ator. Já quem interpreta Westinghouse é Michael Shannon, numa composição comedida, interiorizada e bem sucedida em estabelecer o retrato de um homem que parece saber que seu tempo está passando, mas luta contra isso. E o filme ainda traz uma terceira parte para o processo, uma não menos importante, na figura do inventor Nikola Tesla, interpretado por Nicholas Hoult. Muitos espectadores de hoje devem se lembrar de Tesla por O Grande Truque (2006), de Christopher Nolan, que não deixava de abordar muito tangencialmente a disputa pela energia elétrica. Naquele filme Tesla era interpretado por David Bowie. A abertura de A Batalha das Correntes, aliás, parece fazer referência ao fantástico filme de Nolan.

Hoult fica com a parte ingrata do filme, pois seu Tesla é o menos explorado pelo roteiro.  Aliás, apesar do desenvolvimento dos personagens principais até ser bem conduzido, o roteiro do filme é meio episódico, pulando entre incidentes e sacrificando um pouco a coesão. O longa demora para engrenar, para estabelecer de fato a rivalidade entre os personagens, e quando a estabelece, a impressão é de que o roteirista quer correr. Felizmente, momentos interessantes ajudam a manter a atenção do espectador, como a mudança pela qual passa Edison, que se torna cada vez mais canalha ao longo da história; ou a subtrama envolvendo a invenção da cadeira elétrica e a primeira execução realizada com ela.

OS LAMPEJOS DE GOMEZ-REJÓN

Se o filme é morno, apesar da história interessante – afinal, esses sujeitos moldaram o mundo como nós o conhecemos – pelo menos dá para se perceber que Gomez-Rejón se divertiu contando-a. Em A Batalha das Correntes percebe-se a mão do diretor, ao menos na parte visual. Uma cena que mostra a câmera se aproximando de Edison é montada com jump cuts sucessivos. Em vários momentos, o diretor usa ângulos estranhos ou oblíquos, ou lentes olho-de-peixe, para mostrar a opressão de um personagem ou um estado emocional diferenciado. Há vários planos – muitos em computação gráfica, claro – estabelecendo cenários grandes ou multidões.  Perto do final, ele usa Split-screen para dividir a tela e mostrar vários personagens, e até o ponto de vista do sujeito executado na cadeira, mostrando a tempestade elétrica pelos seus olhos.

Tudo isso, incrivelmente, não parece mero exibicionismo enquanto estamos vendo a obra. Não na maior parte do tempo, pelo menos… Aliás, não fosse esse virtuosismo do jovem Gomez-Rejón – que já comandou pequenos filmes independentes e episódios de séries de TV – A Batalha das Correntes seria ainda mais morno. Parece esforço demais para um roteiro padrão do estilo “baseado em fatos reais”.

O filme ainda chega a cometer alguns pecados na reta final, ao glorificar além da conta a figura de Edison, praticamente apontando-o como o inventor do cinema e esquecendo-se dos Lumière e todos os outros que contribuíram ao longo dos anos para a sua criação do cinematógrafo. Bons atores como Katherine Waterston e Tom Holland também têm pouco a fazer nele. O resultado não chega a ser realmente ruim, mas acaba meio que fazendo jus à declaração relacionada no início desta critica. A Batalha das Correntes não é especialmente memorável, mas de um jeito estranho algumas cenas visuais podem até permanecer com o espectador além da sessão. Pelo menos o diretor, aqui, estava cheio de energia.

Crítica | ‘Os Observadores’: hesitação entre a fábula e o terror

Com o passar dos anos, M. Night Shyamalan virou uma grife dentro do cinema. Tanto fãs quanto detratores do diretor de O Sexto Sentido (1999), Sinais (2002), A Vila (2004) e Fragmentado (2016) reconhecem que existe um estilo Shyamalan, que foi refinado ao longo dos...

CRÍTICA | ‘Tijolo por Tijolo’: proximidade é a chave para documentário surpreendente

Um depoimento emocionado em um culto evangélico improvisado em uma casa de tijolos descobertos. “Jesus” escrito em uma impressão A4 com uma fonte meio word art. Uma mulher emocionada no púlpito. Falando de tudo que acometeu sua casa. Condenada. Demolida. E que será...

CRÍTICA | ‘Retrato de um Certo Oriente’: o sedutor e o aterrorizante de um Brasil pouco explorado

O preto e branco da fotografia exuberante de Pierre de Kerchove é sem a menor dúvida o elemento de destaque da adaptação de Marcelo Gomes do livro de Milton Hatoum. "Relato de um certo oriente". Que aqui troca uma palavra pela outra. Vira retrato. O que faz toda a...

CRÍTICA | ‘O Cara da Piscina’: Chris Pine testa limite do carisma em comédia de piada única

Os sinais começam logo cedo: após a ensolarada sequência de créditos iniciais em tons pastéis de “O Cara da Piscina”, há uma cena em que Darren (Pine) e Susan (Jason Leigh) conversam na cama. Já vimos essa cena antes em um número incontável de filmes: deitados lado a...

CRÍTICA | ‘Motel Destino’: traumas e hipocrisia em exposição dentro de labirinto neon

Heraldo tem um alvo no peito. Ninguém sabe mais disso do que ele, que inclusive verbaliza essa angústia permanente em dado momento de “Motel Destino”. Diretor de filmes de estradas e de aeroportos, Karim Aïnouz traz em seu novo trabalho uma fuga que talvez seja mais...

CRÍTICA | ‘Grande Sertão’: o match errado de Guimarães Rosa e o favela movie

Não é pequeno o feito de Guel Arraes em “Grande Sertão”. Ele tomou como matéria-prima um dos maiores feitos artísticos da história da humanidade, a obra-prima de Guimarães Rosa, e realizou um filme que vai do irritante ao lugar-comum numa velocidade impressionante.  O...

CRÍTICA | ‘Reality’: drama político medíocre e em cima do muro

Sydney Sweeney mal tem tempo para estacionar e logo é saudada por dois oficiais do FBI. Logicamente, não se trata de Sydney Sweeney, a atriz, mas da personagem aqui encarnada pela intérprete, uma jovem ex-oficial com o pitoresco nome de Reality Winner. Os agentes têm...

Crítica | ‘Uma Ideia de Você’: comédia romântica ressentida de brilho próprio

Recentemente minha turma de Teoria da Literatura discutiu a possibilidade de considerarmos fanfics um gênero literário. O curioso é como o dispositivo tem servindo como base para muitas produções cinematográficas, sendo a mais recente dela “Uma ideia de você”, comédia...

Crítica | ‘Os Estranhos – Capítulo 1’: terror picareta da pior espécie

Os Estranhos, do diretor Bryan Bertino, lançado em 2008, não é nenhum clássico do terror, mas é um filme que faz razoavelmente bem aquilo que se propõe: contar uma história assustadora com poucos personagens e cenários, investindo em um clima de tensão pela...

Crítica | ‘Copa 71: A História que não foi Contada’: documentário abaixo da grandeza do evento

Com a narração da tenista norte-americana Serena Williams, “Copa 71: A História que não foi Contada” apresenta cronologicamente a história da primeira grande competição mundial de futebol feminino, realizada no México. Embora não tenha sido o pioneiro, o torneio foi o...