Geralmente, toda temporada de premiações (principalmente as americanas) tem filmes de temas já conhecidos vistos sob uma nova perspectiva. Um exemplo clássico disso é a constante sobre filmes de guerra, grandes favoritos por abraçarem fortemente o patriotismo e por suas sempre competentes qualidades técnicas. Depois de ‘1917’, ‘Dunkirk’ e ‘Até o Último Homem’ nos últimos cinco anos, ‘Cherry’ parecia ser a aposta mais promissora do segmento este ano como possível candidato ao Oscar. Entretanto, neste caso, nem mesmo a temática, diretores ou o ator principal conseguiram esconder a realidade: ‘Cherry’ tinha tudo para ser um bom longa, mas se tornou uma grande bagunça. 

Quem dirige o projeto são os irmãos Joe e Anthony Russo, responsáveis por finalizar a saga do infinito no MCU com os sucessos ‘Vingadores: Guerra Infinita’ e ‘Vingadores: Ultimato’. Após encabeçarem a maior bilheteria nos cinemas até então, os irmãos ficaram confortáveis o suficiente para fazer um filme de acordo com suas preferências, o que gerou a boa escolha e dobradinha com Tom Holland (mais conhecido por ser o Homem-Aranha) como protagonista e outras decisões não tão boas assim. Digo isto, pois, “Cherry” parte de uma boa prerrogativa, da temática fácil de ser vendida, mas, se utiliza de tantos artifícios ruins que acaba escondendo o bom material que os diretores tinham em mãos. 

Basicamente, a produção conta a história de um jovem militar que sofre de transtorno pós-traumático após retornar do Iraque. Ao tentar lidar com a doença, ele acaba virando um assaltante de bancos para sustentar o seu vício em drogas. Inicialmente, “Cherry” desperta interesse, principalmente, por romper com a narrativa tradicional de traumas e sequelas sobre heróis de guerra, já que mesmo voltando com honras do Exército, o protagonista se torna uma espécie de anti-herói imoral. 

A verdade, porém, é que “Cherry” praticamente não sobrevive a tantas situações impostas pela dupla de diretores. Ao invés de seguir uma narrativa tradicional e linear, o roteiro aposta em várias linhas temporais, sem conseguir deixar a trama dinâmica, e sim, mais cansativa. Talvez para uma série ou sequência de filmes a escolha pudesse ser interessante, mas, para um longa se torna bem arrastado. A situação se complica com os atalhos batidos que os Russos distribuem ao longo do projeto como os clichês da desilusão amorosa, a descredibilização sobre servir ao exército, as dívidas com traficantes de drogas; todas as situações utilizadas onde faltava uma justificativa para a trama avançar. 

O que se salva 

Com várias subtramas que não necessariamente combinam uma com a outra, a salvação do filme reside em Tom Holland. Surpreendendo positivamente, o ator não chega a comover em seu papel, mas, ainda assim, é o elemento mais impactante da história. Sua caracterização também ajuda bastante – exceto a exagerada versão envelhecida na cena final. A dobradinha com Ciara Brava, outra grata surpresa do longa da Apple, também se mostra um dos achados de “Cherry”.  

Outro lado positivo é que a proposta parte de um momento delicado da história dos Estados Unidos, com o país sofrendo retratação econômica pós-guerra, as oportunidades de trabalho escassas e a falta de especialização e capacidade em lidar com os ex-soldados. Quando “Cherry” se aprofunda nessa temática são criados momentos que se destacam de todo o resto como o treinamento no exército, a rotina de trabalho e vício do casal e, é claro, os inúmeros assaltos. 

Com excessivos 141 minutos e uma história que começa interessante e animadora, “Cherry” tem momentos de destaque, mas termina como outro filme esquecível. No final das contas, o drama de guerra não consegue despertar interesse por não ser dramático o suficiente para emocionar e muito menos possuir cenas incríveis de ação para animar o espectador. 

‘Verão de 85’: agridoce romance gay cai em velhas armadilhas do gênero

Ah, o primeiro amor. Tem coisa mais fascinante, impulsiva e intensa que um primeiro amor? É um sentimento que toma conta da alma, da pele. Transborda sensações, energiza e ressignifica o que é viver.  Sempre haverá o antes e depois de um primeiro amor. Em uma...

‘Space Jam 2: Um Novo Legado’: perdido na nostalgia e sem saber seu público

Confesso que dificilmente consigo ser fisgada pela nostalgia. Dito isto, este elemento pode até ser o grande fator de atração de “Space Jam 2: Um Novo Legado” ao lado dos easter eggs, mas não é o suficiente para segurar a trama. Somos convidados a embarcar com LeBron...

‘A Última Carta de Amor’: Jojo Moyes em adaptação de altos e baixos

Lançamento da Netflix, “A última carta de amor” é um romance baseado no livro da escritora britânica Jojo Moyes, que já possui outro livro adaptado para os cinemas, “Como eu era antes de você", de 2016. A autora inclusive também é uma das produtoras do filme....

‘O Sétimo Dia’: policial com terror fica longe de combinar em filme fraco

Uma das belezas do cinema de gênero é perceber como, às vezes, roteiristas e cineastas espertos conseguem criar combinações que, à primeira vista, podem parecer impossíveis de funcionar em conjunto, mas funcionam. Ora, Todo Mundo Quase Morto (2004) é uma...

‘Caros Camaradas’: a desintegração do comunismo soviético

A primeira coisa que você deve saber acerca de “Caros Camaradas” é que estamos diante de um filme forte, necessário e que ainda se apropria de causas hoje presentes estruturados em uma sociedade desigual. Dito isso, vamos ao filme. “Caros Camaradas” narra um momento...

Trilogia ‘Rua do Medo’: diversão rasa, nostálgica e descartável

Séries de TV têm sido um dos pilares fundamentais na consolidação global da Netflix como o maior serviço de streaming do mundo. Boas, ótimas ou ruins, vindas de diversas partes do mundo, não importa: sempre podemos contar com a produção serializada de TV como parte...

‘Viúva Negra’: o pior filme da Marvel em muitos anos

Durante muito tempo, os fãs das produções da Marvel Studios pediam por um filme solo da heroína Viúva Negra. A estrela Scarlett Johansson também queria fazer. Para quem deseja entender um pouco dos meandros de Hollywood e esclarecer porque o filme da Viúva não saiu,...

‘Nem Um Passo em Falso’: Soderbergh perdido no próprio estilo

Steven Soderbergh é um cineasta, no mínimo, curioso. Seu primeiro filme, Sexo, Mentiras e Videotape (1989) mudou os rumos do cinema independente norte-americano quando saiu – e é, de fato, um grande filme. Ao longo dos anos, ele ganhou Oscar de direção por Traffic...

‘Um Lugar Silencioso 2’: ponte com dias atuais mirando futuro da franquia

“Um Lugar Silencioso” foi um dos meus filmes favoritos de 2018. A ambientação, o uso de recursos sonoros e a narrativa capaz de gerar tantas leituras e interpretações foram aspectos determinantes para a catarse causada e suscitar indagações quanto a necessidade de uma...

‘A Guerra do Amanhã’: estupidez eleva à potência máxima

A certa altura de A Guerra do Amanhã, o herói do filme se vê segurando pela mão outra personagem que está prestes a cair num abismo em chamas. Ela cai, ele grita “Nãããoo!” em câmera lenta, e aí eu dei risada e joguei minhas mãos para o ar. Tem certas coisas que não...