Geralmente, toda temporada de premiações (principalmente as americanas) tem filmes de temas já conhecidos vistos sob uma nova perspectiva. Um exemplo clássico disso é a constante sobre filmes de guerra, grandes favoritos por abraçarem fortemente o patriotismo e por suas sempre competentes qualidades técnicas. Depois de ‘1917’, ‘Dunkirk’ e ‘Até o Último Homem’ nos últimos cinco anos, ‘Cherry’ parecia ser a aposta mais promissora do segmento este ano como possível candidato ao Oscar. Entretanto, neste caso, nem mesmo a temática, diretores ou o ator principal conseguiram esconder a realidade: ‘Cherry’ tinha tudo para ser um bom longa, mas se tornou uma grande bagunça. 

Quem dirige o projeto são os irmãos Joe e Anthony Russo, responsáveis por finalizar a saga do infinito no MCU com os sucessos ‘Vingadores: Guerra Infinita’ e ‘Vingadores: Ultimato’. Após encabeçarem a maior bilheteria nos cinemas até então, os irmãos ficaram confortáveis o suficiente para fazer um filme de acordo com suas preferências, o que gerou a boa escolha e dobradinha com Tom Holland (mais conhecido por ser o Homem-Aranha) como protagonista e outras decisões não tão boas assim. Digo isto, pois, “Cherry” parte de uma boa prerrogativa, da temática fácil de ser vendida, mas, se utiliza de tantos artifícios ruins que acaba escondendo o bom material que os diretores tinham em mãos. 

Basicamente, a produção conta a história de um jovem militar que sofre de transtorno pós-traumático após retornar do Iraque. Ao tentar lidar com a doença, ele acaba virando um assaltante de bancos para sustentar o seu vício em drogas. Inicialmente, “Cherry” desperta interesse, principalmente, por romper com a narrativa tradicional de traumas e sequelas sobre heróis de guerra, já que mesmo voltando com honras do Exército, o protagonista se torna uma espécie de anti-herói imoral. 

A verdade, porém, é que “Cherry” praticamente não sobrevive a tantas situações impostas pela dupla de diretores. Ao invés de seguir uma narrativa tradicional e linear, o roteiro aposta em várias linhas temporais, sem conseguir deixar a trama dinâmica, e sim, mais cansativa. Talvez para uma série ou sequência de filmes a escolha pudesse ser interessante, mas, para um longa se torna bem arrastado. A situação se complica com os atalhos batidos que os Russos distribuem ao longo do projeto como os clichês da desilusão amorosa, a descredibilização sobre servir ao exército, as dívidas com traficantes de drogas; todas as situações utilizadas onde faltava uma justificativa para a trama avançar. 

O que se salva 

Com várias subtramas que não necessariamente combinam uma com a outra, a salvação do filme reside em Tom Holland. Surpreendendo positivamente, o ator não chega a comover em seu papel, mas, ainda assim, é o elemento mais impactante da história. Sua caracterização também ajuda bastante – exceto a exagerada versão envelhecida na cena final. A dobradinha com Ciara Brava, outra grata surpresa do longa da Apple, também se mostra um dos achados de “Cherry”.  

Outro lado positivo é que a proposta parte de um momento delicado da história dos Estados Unidos, com o país sofrendo retratação econômica pós-guerra, as oportunidades de trabalho escassas e a falta de especialização e capacidade em lidar com os ex-soldados. Quando “Cherry” se aprofunda nessa temática são criados momentos que se destacam de todo o resto como o treinamento no exército, a rotina de trabalho e vício do casal e, é claro, os inúmeros assaltos. 

Com excessivos 141 minutos e uma história que começa interessante e animadora, “Cherry” tem momentos de destaque, mas termina como outro filme esquecível. No final das contas, o drama de guerra não consegue despertar interesse por não ser dramático o suficiente para emocionar e muito menos possuir cenas incríveis de ação para animar o espectador. 

Olhar de Cinema 2022: ‘O Trio em Mi Bemol’, de Rita Azevedo Gomes

Um casal de ex-amantes discute o passado e futuro de sua relação. A amizade e companheirismo que restaram sustentam os incômodos e ciúmes que surgiram? Um diretor em crise com seu novo filme discute com seus atores quais rumos a obra deve tomar. Eles serão capazes de...

‘Spiderhead’: algoritmo da Netflix a todo vapor com filme esquecível

“Spiderhead” é o novo filme da Netflix e, do ponto de vista de marketing, possui elementos ótimos para a equipe de “Promos” do streaming vender aos seus assinantes: dois nomes em alta graças ao sucesso de “Top Gun: Maverick”, o ator Miles Teller e o diretor Joseph...

Olhar de Cinema 2022: ‘Garotos Ingleses’, de Marcus Curvelo

É preciso coragem para utilizar o humor para tratar de temas violentos. Primeiro porque a comédia em si é um gênero geralmente visto (de forma equivocada) com um pé atrás, fazendo-se necessário um uso exemplar de suas possibilidades. Segundo, porque a tentativa de...

‘Arremessando Alto’: carta de amor de Adam Sandler ao basquete

A parceria Adam Sandler/Netflix permanece intacta. Desde que o ator e comediante assinou contrato com a plataforma, a produtora Happy Madison concebeu uma considerável safra de comédias com boa audiência no streaming. “Arremessando Alto” é a aposta da vez.  No papel...

‘RRR’: épico indiano dá aulas em extravagância fílmica

Já virou certo clichê entre a parcela ocidental da crítica cinematográfica a comparação entre “RRR” e os blockbusters hollywoodianos. Hollywood, dizem os críticos, deveria voltar sua atenção às terras ao leste do globo, porque “RRR” os deixa no chinelo em termos de...

‘Aline – A Voz do Amor’: tudo o que ‘Bohemian Rhapsody’ não é

“Um ficção livremente inspirada na vida de Céline Dion”. A história da cantora imortalizada por ser a intérprete de "My Heart Will Go On", a canção-tema de "Titanic", chega aos cinemas pelas mãos e na figura de Valérie Lemecier, também canadense como a sua retratada....

‘Amigo Secreto’: a força do jornalismo investigativo contra os abusos da Lava-Jato

Uma frase convencional é de que toda arte é política. Embora seja um clichê para produtores culturais progressistas, é preciso concordar quando a mente por trás do projeto é Maria Augusta Ramos. Responsável por produções como “O Processo” e “Juízo”, a cineasta expõe...

‘Lightyear’: luta em vão da Pixar contra fantasma de si mesma

Aqui vai uma história trágica: o estúdio que, outrora lar para verdadeiros artesãos que laboravam arduamente em suas narrativas, completamente alheios às pressões do mundo exterior, hoje se desvanece pouco a pouco, aparentemente corrompido pela influência de sua...

‘Ilusões Perdidas’: tratado sobre o deslumbre do homem

Em uma sociedade em que há divisão de classes entre burguesia e proletários, pobres e ricos, desigualdades sociais, intelectuais, culturais e patrimoniais, nunca haverá de fato um território democrático. O histórico da sociedade nos diz muito sobre ela mesma: é um...

Olhar de Cinema 2022: ‘Uma noite sem saber nada’, de Payal Kapadia

Logo antes das sessões no Olhar de Cinema, um vídeo dos realizadores que não puderam estar presentes ao festival era exibido falando um pouco sobre cada filme que viria a seguir. Em sua apresentação, a diretora Payal Kapadia pedia que o público tivesse paciência com...