Astro mexicano surgido no já clássico “Amores Brutos”, de Alejandro González Iñarritu, Gael García Bernal tornou-se um dos principais rostos do cinema latino dos últimos 20 anos. Estrelou obras importantes como “E Sua Mãe Também”, “Diários de Motocicleta”, “O Passado”, “No”, “Má Educação”. Diferente de Rodrigo Santoro, traçou uma carreira mais criteriosa em Hollywood com produções como “118 Dias”, de Jon Stewart, e “Babel”, além da premiada série “Mozart”. 

Paralelo a isso, Gael seguiu firme no propósito de investir na carreira de diretor. O primeiro longa, “Déficit”, de 2007, teve repercussão tímida. Daí por diante, fez obras em que dividia a direção com outros cineastas e também em curtas-metragens solos. Ao lado do amigo e conterrâneo Diego Luna, fundou em 2018 a ‘La Corriente del Golfo’, produtora para bancar os próprios projetos pessoais de ambos.  

Chicuarotes” marca o primeiro longa-metragem da ‘La Corriente del Golfo’ e o retorno de Gael García Bernal à direção solo nos cinemas. A obra traduz muito mais esse caminho traçado de forma milimétrica pelo mexicano do que chega a brilhar por méritos próprios, mesmo que o resultado seja suficientemente satisfatório ao longo de seus 95 minutos. 

Ambientado na Cidade do México, a obra mostra a história de Cagalera (Benny Emmanuel) e Moloteco (Gabriel Carbajal), dois jovens moradores do bairro da periferia de San Gregorio de Atlapulco, os quais são chamados pejorativamente de ‘chicuarotes’. Para sair do estado de pobreza em que vivem, a dupla decide sequestrar o filho do açougueiro local, porém, a inexperiência deles complica tudo e cria uma situação ainda pior. 

MAR DE REFERÊNCIAS 

Como todo cineasta nos primeiros passos, Gael García Bernal deixa transparecer todas as inspirações e referências em “Chicuarotes”. A cena inicial é a versão latina para o começo de “Pulp Fiction”, enquanto “Amores Brutos” surge quase como um irmão mais velho e espiritual, guiando todas as (excessivas) subtramas e o espírito trágico que perpassa a produção. 

Chicuarotes” também bebe da fonte de “Pixote” e todos os violentos dramas sociais que se tornaram a tônica de parte da produção latina desde “Cidade de Deus”. A ausência do Estado, a justiça sendo feita pelas próprias mãos, a pobreza extrema exposta pela direção de arte nas casas e regiões por onde habitam os protagonistas, a criminalidade dominante como única saída para jovens das regiões periféricas, a perda da humanidade diante da barbárie, o destino trágico rondando aquelas figuras estão todas lá batendo ponto. 

O maior pecado do longa reside mais no previsível roteiro e na incapacidade de criar personagens com quem realmente nos importemos. Parceiro de Luna e Gael, o roteirista Augusto Mendoza se concentra na criação de obstáculos para Cagalera e Moloteco sem nunca abrir espaço para dar a oportunidade sobre o que pensam e quem são aqueles garotos desesperados. A empatia surge mais quando a história demonstra a inabilidade dos rapazes em conseguir executar o crime – no melhor estilo “Fargo”.  

No melhor estilo de Alejandro González Iñarritu em “Amores Brutos”, Augusto Mendoza ainda incha “Chicuarotes” com uma série de subtramas que roubam o foco da história central. Toda a situação de violência familiar da mãe e o filho que esconde a homossexualidade são assuntos relevantes, mas, que se tornam superficiais e mal desenvolvidos pela falta de tempo em tela. Estes problemas não comprometem mais devido à segurança de Gael na direção e ao elenco, formado por não-atores da região, capaz de oferecer verdade ao que vemos em tela, especialmente, Gabriel Carbajal com seu inseguro e melancólico Gabriel Carbajal, ilustrado à perfeição com sua triste maquiagem de palhaço. 

Apesar de chegar uma década atrasado e o filão parecer cada vez mais cansativo e sem criatividade, Gael García Bernal sabe que o assunto ainda povoa o imaginário do mundo inteiro quando se pensa em América Latina a ponto de conseguir espaço nos principais festivais de cinema – “Chicuarotes”, aliás, foi lançado em Cannes no ano passado. Dentro da estratégia de fortalecer a produtora e os novos passos da carreira, a produção cumpre seu objetivo mesmo que sem muito brilho.  

‘Caros Camaradas’: a desintegração do comunismo soviético

A primeira coisa que você deve saber acerca de “Caros Camaradas” é que estamos diante de um filme forte, necessário e que ainda se apropria de causas hoje presentes estruturados em uma sociedade desigual. Dito isso, vamos ao filme. “Caros Camaradas” narra um momento...

Trilogia ‘Rua do Medo’: diversão rasa, nostálgica e descartável

Séries de TV têm sido um dos pilares fundamentais na consolidação global da Netflix como o maior serviço de streaming do mundo. Boas, ótimas ou ruins, vindas de diversas partes do mundo, não importa: sempre podemos contar com a produção serializada de TV como parte...

‘Viúva Negra’: o pior filme da Marvel em muitos anos

Durante muito tempo, os fãs das produções da Marvel Studios pediam por um filme solo da heroína Viúva Negra. A estrela Scarlett Johansson também queria fazer. Para quem deseja entender um pouco dos meandros de Hollywood e esclarecer porque o filme da Viúva não saiu,...

‘Nem Um Passo em Falso’: Soderbergh perdido no próprio estilo

Steven Soderbergh é um cineasta, no mínimo, curioso. Seu primeiro filme, Sexo, Mentiras e Videotape (1989) mudou os rumos do cinema independente norte-americano quando saiu – e é, de fato, um grande filme. Ao longo dos anos, ele ganhou Oscar de direção por Traffic...

‘Um Lugar Silencioso 2’: ponte com dias atuais mirando futuro da franquia

“Um Lugar Silencioso” foi um dos meus filmes favoritos de 2018. A ambientação, o uso de recursos sonoros e a narrativa capaz de gerar tantas leituras e interpretações foram aspectos determinantes para a catarse causada e suscitar indagações quanto a necessidade de uma...

‘A Guerra do Amanhã’: estupidez eleva à potência máxima

A certa altura de A Guerra do Amanhã, o herói do filme se vê segurando pela mão outra personagem que está prestes a cair num abismo em chamas. Ela cai, ele grita “Nãããoo!” em câmera lenta, e aí eu dei risada e joguei minhas mãos para o ar. Tem certas coisas que não...

‘Four Good Days’: Glenn Close em novelão sobre recomeços

Glenn Close é uma das maiores atrizes de todos os tempos. Um fato indiscutível. Mas também é uma das mais injustiçadas se pensarmos em premiações. E o Oscar é o maior deles. Bem verdade que, ao longo dos anos, a Academia perdeu grande parte de sua relevância, mas...

‘Shiva Baby’: crônica do amadurecimento na era do excesso de informações

“Shiva Baby” é o trabalho de estreia da diretora canadense Emma Seligman e retrata um dia na vida de Danielle (Rachel Sennott), jovem universitária que encontra seu sugar daddy (pessoa mais velha que banca financeiramente alguém, em troca de companhia ou de favores...

‘Em um Bairro de Nova York’: sobre ‘suañitos’ e fazer a diferença

É preciso dizer que Jon M. Chu e Lin-Manuel Miranda são os artistas atuais mais populares no quesito representatividade em Hollywood. Chu é responsável por trazer o primeiro filme norte-americano em 25 anos com um elenco totalmente asiático e asiático-americano –...

‘Noites de Alface’: riqueza da rotina duela contra mistérios vazios

Apesar de “Noites de Alface” estar envolto em situações misteriosas, elas não têm tanta importância quando o mais interessante são as reflexões sobre envelhecer e das trivialidades da rotina cotidiana.  O grande trunfo do filme é ouvir os protagonistas dessa trama...