O Brasil é um dos países que lidera o ranking de assassinato de transsexuais no mundo. Por mais batida e repetitiva que essa frase soe, tornou-se inevitavelmente assumir o espiral crescente de violência que se deposita em nosso país. Acompanha-se o reflexo da intolerância do Estado a grupos minoritários nos telejornais, na internet e até mesmo no dia-a-dia. Esse é um dos pressupostos utilizados por Tatiana Issa e Guto Barra em “Dominique”, selecionado para a mostra competitiva de curtas-metragens nacionais do Festival de Gramado 2020.

O documentário acompanha a personagem-título em uma visita a mãe no interior do Pará. Enquanto viaja a encontro do seio familiar, ela permite-se embarcar em suas próprias lembranças e em sua trajetória como mulher trans. A narração em off nos faz experimentar suas vivências e refletir sobre os meandros de um país conservador que tem fetiche por aqueles que crítica e abomina. Enfim, a hipocrisia.

“Dominique”, no entanto, parte para um plano maior, ainda que pouco explorado. E abraça uma situação que soa como um contraponto: a família conservadora e a mãe que aceita as três filhas transsexuais. Costumamos dizer que nós, amazônidas, somos receptivos e somos desconfiados na mesma proporção e isso afeta a vida da personagem que precisa sair de casa ainda adolescente para aventurar-se nas ruas de São Paulo, onde experimenta a violência dos centros urbanos a travestis por meio da marginalidade, invisibilidade social e agressividade policial.

Issa e Barra trazem para produção a sensibilidade que norteia muitos dos seus projetos, especialmente “Fora do Armário” – série da HBO que aborda a mesma temática. Sua maneira de retratar a terra de Dominique e a ancestralidade que percorre as veias nortistas, no entanto, possui um eco de “Maria” de Elen Linth. Principalmente, na relação entre a terra, bastante captada pelas lentes de Guto Nasr, e a narração em off que revela o turbilhão que permeia a mente de Dominique.

O documentário se torna uma das peças mais carismáticas e emblemáticas do Brasil de 2020. Issa e Barra nos entregam um filme que é um reflexo do país com suas violências e cidadãos dispostos a lutar por seu direito de existência. Nessa batalha, é preciso destacar que mesmo em meio a tanta dor, Dominique encontra o acolhimento nos braços da mãe. Somos guiados por suas desventuras, seus anseios e percebemos em seus caminhos a força e a leveza que podem circundar nossa sociedade.

Simples, potente e acolhedor.

‘Bela Vingança’: resposta ácida e catártica contra a cultura do estupro

“Bela Vingança” (péssimo tradução e até com spoilers de “Promising Young Woman”) consegue embrulhar o estômago do espectador muito mais do que 99% dos filmes de terror com tripas voando ou o sadismo de um Eli Roth. Esta mistura de comédia, drama e terror dirigida e...

‘Uma Noite em Miami’: ícones da cultura negra convidam à resistência

Chega a ser curioso como “Uma Noite em Miami” ganhou configurações diferentes ao longo do tempo até o lançamento em janeiro de 2021. Afinal, na época em que foi idealizado e gravado, os EUA tinham Donald Trump no comando com sua política de lei e ordem a todo vapor...

‘Mulher Maravilha 1984’: DC regride com bomba vergonhosa

A história se repete, certo? Passamos a vida ouvindo esse ditado, e parece que é verdade mesmo. No panteão dos quadrinhos super-heróicos da DC Comics, Superman, Batman e Mulher Maravilha são conhecidos entre os fãs como “a trindade” da editora. São reconhecidamente os...

‘Soul’: brilhante animação sobre quem realmente somos

“Editor-chefe do Cine Set. Exerce o cargo de diretor de programas na TV Ufam. Formado em jornalismo pela Universidade Federal do Amazonas com curso de pós-graduação na Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo”.  Você encontra este texto na parte ‘Sobre o Autor’ desta...

‘O Céu da Meia-Noite’: George Clooney testa paciência em sci-fi sofrível

Galã charmoso dos moldes da Hollywood nos anos 1950, George Clooney construiu gradualmente uma trajetória para além deste rótulo. Depois de aprender com o fracasso de “Batman & Robin”, ele começou a selecionar melhor os projetos em que se meteria – até venceu o...

‘The Nest’: elegante jogo das aparências mistura drama e terror

Depois de surpreender com uma narrativa envolvente no longa de estreia em “Martha Marcy Mae Marlene”, Sean Durkin retorna nove anos depois com “The Nest” (“O Ninho”, em tradução literal). Acompanhado de atuações excelentes de Carrie Coon e Jude Law, ele traz o...

‘Let Them All Talk’: Soderbergh entre Bergman e Allen sem ser incisivo

'Galera, é o seguinte: estou pensando em fazer um filme todo gravado em um transatlântico. Vocês topam?’.  Se receber um convite destes seria tentador por si só, imagine vindo de Steven Soderbergh, diretor ganhador da Palma de Ouro do Festival de Cannes em 1989 por...

‘A Voz Suprema do Blues’: estado puro dos talentos de Viola Davis e Chadwick Boseman

"A Voz Suprema do Blues” reúne a mesma trinca de “Um Limite Entre Nós”: Viola Davis de protagonista em um filme produzido por Denzel Washington baseado em uma peça do dramaturgo August Wilson. Além dos nomes envolvidos, o projeto da Netflix guarda as qualidades – um...

‘First Cow’: uma lembrança sobre a necessidade da solidariedade

Não me surpreendo caso muitos perguntem os motivos de “First Cow” ser tão badalado e elogiado pela crítica internacional. Muito menos de uma possível insatisfação generalizada caso o longa dirigido, roteirizado e montado por Kelly Reichardt (“Certas Mulheres”) chegue...

‘À Luz do Sol’: potência de protagonistas ilumina a tela em documentário paraense

Documentário paraense selecionado para a mostra competitiva do Festival Olhar do Norte 2020, “À Luz do Sol” segue o caminho de produções como o amazonense “Maria”, de Elen Linth, e o longa alagoano “Cavalo”, da dupla Rafhael Barbosa e Werner Salles, marcados pela...