O Brasil é um dos países que lidera o ranking de assassinato de transsexuais no mundo. Por mais batida e repetitiva que essa frase soe, tornou-se inevitavelmente assumir o espiral crescente de violência que se deposita em nosso país. Acompanha-se o reflexo da intolerância do Estado a grupos minoritários nos telejornais, na internet e até mesmo no dia-a-dia. Esse é um dos pressupostos utilizados por Tatiana Issa e Guto Barra em “Dominique”, selecionado para a mostra competitiva de curtas-metragens nacionais do Festival de Gramado 2020.

O documentário acompanha a personagem-título em uma visita a mãe no interior do Pará. Enquanto viaja a encontro do seio familiar, ela permite-se embarcar em suas próprias lembranças e em sua trajetória como mulher trans. A narração em off nos faz experimentar suas vivências e refletir sobre os meandros de um país conservador que tem fetiche por aqueles que crítica e abomina. Enfim, a hipocrisia.

“Dominique”, no entanto, parte para um plano maior, ainda que pouco explorado. E abraça uma situação que soa como um contraponto: a família conservadora e a mãe que aceita as três filhas transsexuais. Costumamos dizer que nós, amazônidas, somos receptivos e somos desconfiados na mesma proporção e isso afeta a vida da personagem que precisa sair de casa ainda adolescente para aventurar-se nas ruas de São Paulo, onde experimenta a violência dos centros urbanos a travestis por meio da marginalidade, invisibilidade social e agressividade policial.

Issa e Barra trazem para produção a sensibilidade que norteia muitos dos seus projetos, especialmente “Fora do Armário” – série da HBO que aborda a mesma temática. Sua maneira de retratar a terra de Dominique e a ancestralidade que percorre as veias nortistas, no entanto, possui um eco de “Maria” de Elen Linth. Principalmente, na relação entre a terra, bastante captada pelas lentes de Guto Nasr, e a narração em off que revela o turbilhão que permeia a mente de Dominique.

O documentário se torna uma das peças mais carismáticas e emblemáticas do Brasil de 2020. Issa e Barra nos entregam um filme que é um reflexo do país com suas violências e cidadãos dispostos a lutar por seu direito de existência. Nessa batalha, é preciso destacar que mesmo em meio a tanta dor, Dominique encontra o acolhimento nos braços da mãe. Somos guiados por suas desventuras, seus anseios e percebemos em seus caminhos a força e a leveza que podem circundar nossa sociedade.

Simples, potente e acolhedor.

CRÍTICA | ‘Club Zero’: tudo dá errado em péssimo filme

Dirigido por Jessica Hausner, "Club Zero" se passa em uma escola de elite que recebe uma nova professora de nutrição. Ela ensina a um pequeno grupo de adolescentes um novo método de alimentação que promete melhorar não só o desempenho nos estudos e nos esportes dos...

CRÍTICA | ‘Back to Black’: desserviço à imagem de Amy Winehouse

Já na época em que foi anunciada a morte da cantora britânica Amy Winehouse (1983-2011), se falava em um filme sobre ela, tamanho o frenesi midiático que essa artista despertou no mundo neste começo do século XXI. Agora o filme finalmente chegou às telas e... bem, Amy...

CRÍTICA | ‘Fúria Primitiva’: um inevitável sub-John Wick

Independente se você gosta ou não da John Wick, hoje qualquer filme de ação contemporâneo que se preze tem como principal parâmetro a saga estrelada por Keanu Reeves. Mais da metade dos trabalhos lançados nos últimos anos no gênero como um todo seguem a cartilha da...

Crítica | ‘Foram Os Sussurros que Me Mataram’: Tuoto mistura novela das 20h com Lynch em filme inusitado

"Os erros ou excessos na administração do mundo das imagens produzem consequências políticas imediatas". Esse é o tipo de tagarelice canastrona pretensiosa que talvez encontrássemos numa review de Arthur Tuoto – e que não surpreende, portanto, que dê as caras neste...

Crítica | ‘Planeta dos Macacos – O Reinado’: filme mantém marca pessimista da série

De certa forma, a franquia Planeta dos Macacos é perfeita para os nossos tempos: vivemos em um mundo com guerras, desastres climáticos e pandemias. Diante disso, imaginar que a raça humana seja extinta ou que perca o domínio sobre a Terra não parece assim tão distante...

Crítica | ‘Vermelho Monet’ – entre o fazer artístico e o desejo

Há uma plasticidade visual que conduz todo o trabalho de Halder Gomes (“Cine Holliúdy”) em “Vermelho Monet”. O filme protagonizado por Chico Diaz, Maria Fernanda Cândido e Samantha Müller nos conduz pelo submundo do mercado de artes plásticas apresentando um visual...

Crítica | ‘Transe’: o velho espetáculo da juventude progressista classe A

Pode ser tentador para o público, diante da repercussão memética negativa que o trailer de “Transe” recebeu, ir ao cinema com o intuito de chutar cachorro morto. Os que compram seus ingressos planejando tiradas mordazes para o final da sessão irão se decepcionar. Não...

Crítica | ‘Imaculada’: Sydney Sweeny sobra em terror indeciso

Na história do cinema, terror e religião sempre caminharam de mãos dadas por mais que isso pareça contraditório. O fato de termos a batalha do bem e do mal interligada pelo maior medo humano - a morte - permitiu que a religião com seus dogmas e valores fosse...

Crítica | ‘Abigail’: montanha-russa vampírica divertida e esquecível

Desde que chamaram a atenção com o divertido Casamento Sangrento em 2019, a dupla de diretores Matt Bettinelli-Olpin e Tyler Gillett vem sedimentando uma carreira cinematográfica que mescla o terror sangrento do slasher movie com a sátira social cômica para...

Crítica | ‘O Dublê’ – cinema de piscadela funciona desta vez

David Leitch: sintoma do irritante filão contemporâneo do cinema de piscadela, espertinho, de piadinhas meta e afins. A novidade no seu caso são as doses nada homeopáticas de humor adolescente masculino. Dê uma olhada em sua filmografia e você entenderá do que falo:...