Tem uma expressão que meu colega crítico Ivanildo Pereira cita em seus textos e encaixa perfeitamente para descrever Charlie Kaufman: “verborrágico”. O premiado roteirista e diretor é um artista repleto de personalidade e que apresenta temas recorrentes em suas obras como questões existenciais, relacionamentos e a memória. Seu novo projeto, “Estou Pensando em Acabar Com Tudo”, disponível na Netflix, segue a mesma linha.

Kaufman é um diretor capaz de desenhar universos dentro da mente de seus personagens e externá-lo para nós, o que fez em “Anomalisa” e “Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças”. Digamos que essa também seja a sua proposta ao adaptar o livro homônimo de Iain Reid. Durante seus 134 minutos de projeção, acompanhamos um casal (Jessie Buckley e Jesse Plemons) que está a caminho de um jantar com os pais do rapaz e, a partir daí, a trama se desenrola de forma inusitada.

Aliás, fugir de obviedades e enveredar por estradas ousadas é outra característica das obras de Kaufman. No filme da Netflix, por exemplo, desde o início, fica estabelecido o clima estranho. Aclimatação que o acompanha até o subir dos créditos, por sinal. Parte disso se deve a curiosa verborragia do cineasta que nos faz mergulhar na mente da personagem de Buckley. Apesar de não recordar a quanto tempo está envolvida com Jake, sua mente parece um turbilhão de ideias analisando seu relacionamento. Bizarramente, em alguns momentos, há a impressão de que o namorado está lendo seus pensamentos e puxando diálogos a partir deles.

O que é mais excêntrico, no entanto, é que, em nenhum momento, eles parecem ser um casal. Enquanto ela pensa em terminar o relacionamento, Jake é frio e distante.  Há momentos, em que ele parece querer se aproximar dela, mas, na maior parte do tempo, seu comportamento é grosseiro e seco. O que é entendido, posteriormente, quando sua mãe (Toni Collete) revela sua personalidade antissocial. Diante dessa construção, é interessante fazer um paralelo com outros protagonistas de Kaufman; mais uma vez, o cineasta nos apresenta um homem cheio de inseguranças que se relaciona com uma mulher livre. O problema nessa construção é o papel que cabe as personagens femininas desse universo.

INCÔMODA IDEALIZAÇÃO FEMININA

Em uma das discussões na estrada, Jake afirma que a dificuldade ocorre pela idealização da figura feminina. Curiosamente, essa também é uma questão recorrente para o diretor, no entanto, o que antes causava simpatia, não envelheceu tão bem assim. Prova disso é a forma como tudo é projetado ao redor da protagonista: ela é enigmática, misteriosa e desperta curiosidade aonde passa. Mas há sempre algo estranho ao seu redor.

Primeiramente, há uma sensação de indiferença de sua parte, que se transforma em medo, angústia e a cada ciclo converge em uma faceta ainda desconhecida da personagem. Isso se reflete não apenas no seu comportamento como também nas variações de sua profissão e até mesmo de seu nome. Não demora muito para que percebamos que as mudanças expostas não partem dela, mas de Jake. Tornou-se costume nas produções de Kaufman termos um homem branco hétero que tem a sua vida modificada por uma mulher. Particularmente gosto do cineasta, no entanto, pare para pensar por um instante em Clementine (“Brilho Eterno”), Lisa (“Anomalisa”) ou Maxine (“Quero ser John Malkovich”). O que realmente sabemos sobre elas que não seja o reflexo de suas existências na vida de seus parceiros?

A situação agrava-se em “Estou Pensando em Acabar com Tudo” porque a personagem feminina torna-se um canal turbulento para exorcizar ou acalentar os demônios de Jake, apesar de revelar que não gostaria de ser um acessório da felicidade do namorado. O que atenua a situação são as discussões em torno da senilidade, morte e memória e da claustrofobia imposta pela câmera de Lukasz Zal.

A cinematografia do diretor polonês, responsável por produções como “Ida” e “Guerra Fria”, é gélida, angustiante e distrativa, o movimento constante de travelling nos impele a prestar atenção em elementos que podem surtir efeitos narrativos ou serem apenas distrações. Tudo vai depender do valor que cada cena tiver para que você monte o quebra-cabeça do que acontece na trama, por isso é importante destacar também a montagem de Robert Frazen, responsável por manter o ritmo mesmo diante dos monólogos extensos e das trocas abruptas de personalidade dos personagens.

MAR DE INTERPRETAÇÕES

O longa conta também com um elenco excelente para transpor suas alegorias. Jesse Plemons, por exemplo, mistura excentricidade e fragilidade, enquanto cabe a Toni Collette e David Thewlis representarem a efemeridade da existência e colocar em cheque repulsas do jovem casal. Esse desconforto é bem desenhado no rosto de Buckley que carrega os desgastes aos quais desembocam suas reflexões existenciais.

Observar essa construção é importante para que entendamos a reviravolta final do roteiro, que nos impede, por exemplo, de conseguir classificar a produção em um gênero específico, já que ela se debruça em discutir tantas coisas imprescindíveis e distintas.

“Estou Pensando em Acabar Com Tudo” é o tipo de produção digna de ser revista, que nos possibilita um mar de interpretações devido a verborragia de Kaufman e suas discussões sobre relacionamentos, algo que já deveríamos estar acostumados nas obras do cineasta, no entanto, talvez este seja o momento dele revisitar sua visão sobre as figuras femininas e seu valor igualitário dentro de um relacionamento. Vale a pena conferir e ter suas próprias sensações sobre onde tudo vai terminar, nem que seja dentro de um carro debaixo da neve.

‘Os Segredos de Madame Claude’: desperdício de um ícone em filme tão fraco

Tenho um pé atrás com produções que buscam abordar personagens reais com o intuito de vender diversidade e inclusão. Essa sensação é mais aguda diante de projetos que discutem personalidades femininas como “Maria Madalena” (Garth Davis, 2018) e “Joana D’Arc” (Luc...

‘Amor e Monstros’: pouco mais de ousadia faria um grande filme

Os melhores momentos de Amor e Monstros, parceria dos estúdios Paramount Pictures com a Netflix, estão logo no início do filme. É quando o narrador da história, o jovem Joel, reconta o apocalipse que devastou a Terra e que transformou insetos e animais em criaturas...

‘We’: o cinema como construtor de uma memória coletiva

"We", o novo filme de Alice Diop, é várias coisas: uma lembrança familiar, uma celebração das vidas comuns e uma busca pela identidade da França nos dias de hoje. Acima de tudo, o documentário, que ganhou o prêmio de Melhor Filme da mostra Encontros do Festival de...

‘Chaos Walking’: ótimo conceito nem sempre gera bom filme

Toda vez que se inicia a produção de um filme, cineastas participam de um jogo de roleta: por mais bem planejada que seja a obra e não importando o quão bons sejam os colaboradores que eles vão reunir para participar dela, tudo ainda pode acabar mal. Cinema é...

‘Locked Down’: dramédia na pandemia sucumbe à triste realidade

Dentre tantas situações inesperadas da pandemia da Covid, com certeza, a quarentena forçada foi uma grande bomba-relógio para conflitos conjugais e familiares. Agora, se conviver ininterruptamente com quem se ama já é desafiador, imagine passar semanas, meses dentro...

‘Godzilla Vs Kong’: sem vergonha de ser uma divertida bobagem

Não há como contornar: Godzilla vs Kong é um filme bobo. Todos os filmes “versus” feitos até hoje na história do cinema, com um personagem famoso enfrentando outro, foram bobos, e essa nova investida do estúdio Warner Bros. no seu “Monsterverse” – a culminação dele,...

‘Collective’: aula sobre o fundamental papel do jornalismo investigativo

“Collective” é, provavelmente, o filme mais marcante desta temporada de premiações. O documentário dirigido por Alexander Nanau traz à tona denúncias concernentes à corrupção no Ministério da Saúde romeno, algo super atual no período pandêmico e que dialoga com...

‘Moon, 66 Questions’: drama familiar foge do convencional em narrativa ousada

Livremente inspirado em tarô e mitologia, "Moon, 66 Questions" explora as falhas de comunicação e os conflitos geracionais de uma família através dos olhos de uma adolescente. O drama grego, exibido na mostra Encontros do Festival de Berlim deste ano, é carregado de...

‘Fuja’: suspense protocolar impossível de desgrudar da tela

Suspenses domésticos, quando bem feitos, acabam rendendo boas experiências. É o caso deste Fuja, lançado na Netflix – iria originalmente para os cinemas, mas a pandemia alterou esses planos. Não há nada nele que já não tenhamos visto antes, em outras obras tanto...

‘Meu Pai’: empática experiência sensorial da demência

"Meu Pai" começa ao som de uma ópera que acompanha os passos de uma mulher que anda por uma rua aparentemente pacata. Não demora muito e percebemos que essa música é escutada por outro personagem em fones de ouvido. Essas duas cenas simples revelam logo a essência do...