Tem uma expressão que meu colega crítico Ivanildo Pereira cita em seus textos e encaixa perfeitamente para descrever Charlie Kaufman: “verborrágico”. O premiado roteirista e diretor é um artista repleto de personalidade e que apresenta temas recorrentes em suas obras como questões existenciais, relacionamentos e a memória. Seu novo projeto, “Estou Pensando em Acabar Com Tudo”, disponível na Netflix, segue a mesma linha.

Kaufman é um diretor capaz de desenhar universos dentro da mente de seus personagens e externá-lo para nós, o que fez em “Anomalisa” e “Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças”. Digamos que essa também seja a sua proposta ao adaptar o livro homônimo de Iain Reid. Durante seus 134 minutos de projeção, acompanhamos um casal (Jessie Buckley e Jesse Plemons) que está a caminho de um jantar com os pais do rapaz e, a partir daí, a trama se desenrola de forma inusitada.

Aliás, fugir de obviedades e enveredar por estradas ousadas é outra característica das obras de Kaufman. No filme da Netflix, por exemplo, desde o início, fica estabelecido o clima estranho. Aclimatação que o acompanha até o subir dos créditos, por sinal. Parte disso se deve a curiosa verborragia do cineasta que nos faz mergulhar na mente da personagem de Buckley. Apesar de não recordar a quanto tempo está envolvida com Jake, sua mente parece um turbilhão de ideias analisando seu relacionamento. Bizarramente, em alguns momentos, há a impressão de que o namorado está lendo seus pensamentos e puxando diálogos a partir deles.

O que é mais excêntrico, no entanto, é que, em nenhum momento, eles parecem ser um casal. Enquanto ela pensa em terminar o relacionamento, Jake é frio e distante.  Há momentos, em que ele parece querer se aproximar dela, mas, na maior parte do tempo, seu comportamento é grosseiro e seco. O que é entendido, posteriormente, quando sua mãe (Toni Collete) revela sua personalidade antissocial. Diante dessa construção, é interessante fazer um paralelo com outros protagonistas de Kaufman; mais uma vez, o cineasta nos apresenta um homem cheio de inseguranças que se relaciona com uma mulher livre. O problema nessa construção é o papel que cabe as personagens femininas desse universo.

INCÔMODA IDEALIZAÇÃO FEMININA

Em uma das discussões na estrada, Jake afirma que a dificuldade ocorre pela idealização da figura feminina. Curiosamente, essa também é uma questão recorrente para o diretor, no entanto, o que antes causava simpatia, não envelheceu tão bem assim. Prova disso é a forma como tudo é projetado ao redor da protagonista: ela é enigmática, misteriosa e desperta curiosidade aonde passa. Mas há sempre algo estranho ao seu redor.

Primeiramente, há uma sensação de indiferença de sua parte, que se transforma em medo, angústia e a cada ciclo converge em uma faceta ainda desconhecida da personagem. Isso se reflete não apenas no seu comportamento como também nas variações de sua profissão e até mesmo de seu nome. Não demora muito para que percebamos que as mudanças expostas não partem dela, mas de Jake. Tornou-se costume nas produções de Kaufman termos um homem branco hétero que tem a sua vida modificada por uma mulher. Particularmente gosto do cineasta, no entanto, pare para pensar por um instante em Clementine (“Brilho Eterno”), Lisa (“Anomalisa”) ou Maxine (“Quero ser John Malkovich”). O que realmente sabemos sobre elas que não seja o reflexo de suas existências na vida de seus parceiros?

A situação agrava-se em “Estou Pensando em Acabar com Tudo” porque a personagem feminina torna-se um canal turbulento para exorcizar ou acalentar os demônios de Jake, apesar de revelar que não gostaria de ser um acessório da felicidade do namorado. O que atenua a situação são as discussões em torno da senilidade, morte e memória e da claustrofobia imposta pela câmera de Lukasz Zal.

A cinematografia do diretor polonês, responsável por produções como “Ida” e “Guerra Fria”, é gélida, angustiante e distrativa, o movimento constante de travelling nos impele a prestar atenção em elementos que podem surtir efeitos narrativos ou serem apenas distrações. Tudo vai depender do valor que cada cena tiver para que você monte o quebra-cabeça do que acontece na trama, por isso é importante destacar também a montagem de Robert Frazen, responsável por manter o ritmo mesmo diante dos monólogos extensos e das trocas abruptas de personalidade dos personagens.

MAR DE INTERPRETAÇÕES

O longa conta também com um elenco excelente para transpor suas alegorias. Jesse Plemons, por exemplo, mistura excentricidade e fragilidade, enquanto cabe a Toni Collette e David Thewlis representarem a efemeridade da existência e colocar em cheque repulsas do jovem casal. Esse desconforto é bem desenhado no rosto de Buckley que carrega os desgastes aos quais desembocam suas reflexões existenciais.

Observar essa construção é importante para que entendamos a reviravolta final do roteiro, que nos impede, por exemplo, de conseguir classificar a produção em um gênero específico, já que ela se debruça em discutir tantas coisas imprescindíveis e distintas.

“Estou Pensando em Acabar Com Tudo” é o tipo de produção digna de ser revista, que nos possibilita um mar de interpretações devido a verborragia de Kaufman e suas discussões sobre relacionamentos, algo que já deveríamos estar acostumados nas obras do cineasta, no entanto, talvez este seja o momento dele revisitar sua visão sobre as figuras femininas e seu valor igualitário dentro de um relacionamento. Vale a pena conferir e ter suas próprias sensações sobre onde tudo vai terminar, nem que seja dentro de um carro debaixo da neve.

‘Mulher Maravilha 1984’: DC regride com bomba vergonhosa

A história se repete, certo? Passamos a vida ouvindo esse ditado, e parece que é verdade mesmo. No panteão dos quadrinhos super-heróicos da DC Comics, Superman, Batman e Mulher Maravilha são conhecidos entre os fãs como “a trindade” da editora. São reconhecidamente os...

‘Soul’: brilhante animação sobre quem realmente somos

“Editor-chefe do Cine Set. Exerce o cargo de diretor de programas na TV Ufam. Formado em jornalismo pela Universidade Federal do Amazonas com curso de pós-graduação na Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo”.  Você encontra este texto na parte ‘Sobre o Autor’ desta...

‘O Céu da Meia-Noite’: George Clooney testa paciência em sci-fi sofrível

Galã charmoso dos moldes da Hollywood nos anos 1950, George Clooney construiu gradualmente uma trajetória para além deste rótulo. Depois de aprender com o fracasso de “Batman & Robin”, ele começou a selecionar melhor os projetos em que se meteria – até venceu o...

‘The Nest’: elegante jogo das aparências mistura drama e terror

Depois de surpreender com uma narrativa envolvente no longa de estreia em “Martha Marcy Mae Marlene”, Sean Durkin retorna nove anos depois com “The Nest” (“O Ninho”, em tradução literal). Acompanhado de atuações excelentes de Carrie Coon e Jude Law, ele traz o...

‘Let Them All Talk’: Soderbergh entre Bergman e Allen sem ser incisivo

'Galera, é o seguinte: estou pensando em fazer um filme todo gravado em um transatlântico. Vocês topam?’.  Se receber um convite destes seria tentador por si só, imagine vindo de Steven Soderbergh, diretor ganhador da Palma de Ouro do Festival de Cannes em 1989 por...

‘A Voz Suprema do Blues’: estado puro dos talentos de Viola Davis e Chadwick Boseman

"A Voz Suprema do Blues” reúne a mesma trinca de “Um Limite Entre Nós”: Viola Davis de protagonista em um filme produzido por Denzel Washington baseado em uma peça do dramaturgo August Wilson. Além dos nomes envolvidos, o projeto da Netflix guarda as qualidades – um...

‘First Cow’: uma lembrança sobre a necessidade da solidariedade

Não me surpreendo caso muitos perguntem os motivos de “First Cow” ser tão badalado e elogiado pela crítica internacional. Muito menos de uma possível insatisfação generalizada caso o longa dirigido, roteirizado e montado por Kelly Reichardt (“Certas Mulheres”) chegue...

‘À Luz do Sol’: potência de protagonistas ilumina a tela em documentário paraense

Documentário paraense selecionado para a mostra competitiva do Festival Olhar do Norte 2020, “À Luz do Sol” segue o caminho de produções como o amazonense “Maria”, de Elen Linth, e o longa alagoano “Cavalo”, da dupla Rafhael Barbosa e Werner Salles, marcados pela...

‘Raimundo Quintela – O Caçador Vira Porco’: Sherlock amazônico em aventura agradável

Misturar elementos da cultura pop e do cinema hollywoodiano com as lendas e crenças da Amazônia formam a base de “Raimundo Quintela – O Caçador Vira Porco”, curta-metragem paraense dirigido por Robson Fonseca. Vencedor de três categorias da mostra competitiva do...

‘O Som do Silêncio’: aflição e desespero de Riz Ahmed comovem em bom drama

A deficiência auditiva foi retratada nos cinemas com diferentes abordagens, mas, quase sempre a partir de uma situação já estabelecida. Em “O Milagre de Anne Sullivan” (1962), por exemplo, a professora interpretada pela vencedora do Oscar, Anne Bancroft, precisa...