Quando dou aula nos cursos aqui do Cine Set, sempre digo aos alunos que o cinema é uma máquina de exercitar e desenvolver a empatia. Realmente acredito que quanto mais filmes assistimos, e quanto mais mergulhamos em histórias, com o tempo todos nós passamos a aprender a nos colocar no lugar do outro por algumas horas e a experimentar a vida por um ponto de vista diferente. E assim exercitamos nossa própria humanidade. É o poder da empatia que o cinema consegue criar, e não se engane: às vezes sentimos profundamente a dor de personagens fictícios em filmes, tal como se fossem reais para nós. E se podemos sentir isso por alguém inventado, interpretado por um ator ou atriz, e que pertence a uma história, então também podemos sentir por outros seres humanos de carne e osso ao nosso redor.

Empatia é o tema principal do curta Feeling Through, dirigido e roteirizado por Doug Roland, e esse tema o torna uma obra relevante, simplesmente por ser lançado numa época em que o ser humano está precisando muito exercitar a capacidade de sentir empatia. A história do filme é simples: acompanhamos um jovem rapaz sem teto chamado Tareek (interpretado por Steven Prescod) que está à procura de um lugar para passar a noite. Ele até tenta, mas nenhum dos seus conhecidos o abriga. Tareek então topa com um homem cego e surdo, Artie (vivido por Robert Tarango), e resolve ajudá-lo a chegar ao ponto de ônibus para que ele volte para sua casa.

OBSERVADOR INVISÍVEL

Com essa narrativa simples e apenas 18 minutos, Roland cria uma experiência mais eficaz e comovente do que muitos longas-metragens por aí. Sua câmera é solta, acompanhando seus personagens como um observador invisível, e ele nunca força a mensagem da história ou tenta emocionar o espectador de modo falso. Ajuda na honestidade de Feeling Through o fato da produção ter escalado Tarango, que é deficiente visual e auditivo na vida real, para fazer o papel de Artie. Além disso, a atriz Marlee Matlin, deficiente auditiva que ganhou o Oscar lá atrás pelo drama Os Filhos do Silêncio (1986), é uma das produtoras do filme.

Percebe-se que o projeto foi conduzido com carinho e sensibilidade. O título em inglês, que poderia ser traduzido como “sentindo as coisas” ou “sentindo o caminho”, tem um duplo sentido que o espectador apreende ao assistir ao filme. Ao longo da história, Tareek se comunica com Artie “escrevendo” com seu indicador na palma da mão do homem, e esse toque, o ato de “sentir” o outro, reforça o tema da empatia abordado pelo curta com tanta propriedade. É um pequeno belo filme, com uma mensagem simples transmitida de modo eminentemente visual – o curta não tem muitos diálogos – e que é sobre uma verdade universal para o ser humano, mas esquecida muitas vezes pelas pessoas. A de que estamos todos juntos aqui e deveríamos nos ajudar mais, nos colocar mais no lugar da pessoa ao lado. Algo simples, porém mais importante do que nunca.

‘Jungle Cruise’: aventura pela Amazônia passa de ano raspando

No início dos anos 2000, a Disney adaptou famosas atrações de seus parques para o cinema, como a “Mansão Mal-Assombrada” (2003) e “Piratas do Caribe: A Maldição do Pérola Negra” (2003) - este último rendendo até uma grande franquia. Com a tentativa de alcançar este...

‘Velozes e Furiosos 9’: gasolina da série parece perto do fim

E lá se vão vinte anos de Velozes e Furiosos no cinema... A metamorfose pela qual passou essa cinessérie, desde o primeiro – e visto hoje, até humilde – filme de 2001, é uma das mais curiosas trajetórias de sucesso da Hollywood moderna. O que começou com rachas,...

‘Pig’: Nicolas Cage em estado de graça em filme intrigante

Que filme curioso e interessante é este Pig, dirigido pelo estreante Michael Sarnoski. É aquele tipo de produção em que você realmente não sabe para onde a história vai, não sabe se ri ou se chora e sua abordagem minimalista o afasta de outros tipos de filmes com os...

‘Verão de 85’: agridoce romance gay cai em velhas armadilhas do gênero

Ah, o primeiro amor. Tem coisa mais fascinante, impulsiva e intensa que um primeiro amor? É um sentimento que toma conta da alma, da pele. Transborda sensações, energiza e ressignifica o que é viver.  Sempre haverá o antes e depois de um primeiro amor. Em uma...

‘Space Jam 2: Um Novo Legado’: perdido na nostalgia e sem saber seu público

Confesso que dificilmente consigo ser fisgada pela nostalgia. Dito isto, este elemento pode até ser o grande fator de atração de “Space Jam 2: Um Novo Legado” ao lado dos easter eggs, mas não é o suficiente para segurar a trama. Somos convidados a embarcar com LeBron...

‘A Última Carta de Amor’: Jojo Moyes em adaptação de altos e baixos

Lançamento da Netflix, “A última carta de amor” é um romance baseado no livro da escritora britânica Jojo Moyes, que já possui outro livro adaptado para os cinemas, “Como eu era antes de você", de 2016. A autora inclusive também é uma das produtoras do filme....

‘O Sétimo Dia’: policial com terror fica longe de combinar em filme fraco

Uma das belezas do cinema de gênero é perceber como, às vezes, roteiristas e cineastas espertos conseguem criar combinações que, à primeira vista, podem parecer impossíveis de funcionar em conjunto, mas funcionam. Ora, Todo Mundo Quase Morto (2004) é uma...

‘Caros Camaradas’: a desintegração do comunismo soviético

A primeira coisa que você deve saber acerca de “Caros Camaradas” é que estamos diante de um filme forte, necessário e que ainda se apropria de causas hoje presentes estruturados em uma sociedade desigual. Dito isso, vamos ao filme. “Caros Camaradas” narra um momento...

Trilogia ‘Rua do Medo’: diversão rasa, nostálgica e descartável

Séries de TV têm sido um dos pilares fundamentais na consolidação global da Netflix como o maior serviço de streaming do mundo. Boas, ótimas ou ruins, vindas de diversas partes do mundo, não importa: sempre podemos contar com a produção serializada de TV como parte...

‘Viúva Negra’: o pior filme da Marvel em muitos anos

Durante muito tempo, os fãs das produções da Marvel Studios pediam por um filme solo da heroína Viúva Negra. A estrela Scarlett Johansson também queria fazer. Para quem deseja entender um pouco dos meandros de Hollywood e esclarecer porque o filme da Viúva não saiu,...