Quando dou aula nos cursos aqui do Cine Set, sempre digo aos alunos que o cinema é uma máquina de exercitar e desenvolver a empatia. Realmente acredito que quanto mais filmes assistimos, e quanto mais mergulhamos em histórias, com o tempo todos nós passamos a aprender a nos colocar no lugar do outro por algumas horas e a experimentar a vida por um ponto de vista diferente. E assim exercitamos nossa própria humanidade. É o poder da empatia que o cinema consegue criar, e não se engane: às vezes sentimos profundamente a dor de personagens fictícios em filmes, tal como se fossem reais para nós. E se podemos sentir isso por alguém inventado, interpretado por um ator ou atriz, e que pertence a uma história, então também podemos sentir por outros seres humanos de carne e osso ao nosso redor.

Empatia é o tema principal do curta Feeling Through, dirigido e roteirizado por Doug Roland, e esse tema o torna uma obra relevante, simplesmente por ser lançado numa época em que o ser humano está precisando muito exercitar a capacidade de sentir empatia. A história do filme é simples: acompanhamos um jovem rapaz sem teto chamado Tareek (interpretado por Steven Prescod) que está à procura de um lugar para passar a noite. Ele até tenta, mas nenhum dos seus conhecidos o abriga. Tareek então topa com um homem cego e surdo, Artie (vivido por Robert Tarango), e resolve ajudá-lo a chegar ao ponto de ônibus para que ele volte para sua casa.

OBSERVADOR INVISÍVEL

Com essa narrativa simples e apenas 18 minutos, Roland cria uma experiência mais eficaz e comovente do que muitos longas-metragens por aí. Sua câmera é solta, acompanhando seus personagens como um observador invisível, e ele nunca força a mensagem da história ou tenta emocionar o espectador de modo falso. Ajuda na honestidade de Feeling Through o fato da produção ter escalado Tarango, que é deficiente visual e auditivo na vida real, para fazer o papel de Artie. Além disso, a atriz Marlee Matlin, deficiente auditiva que ganhou o Oscar lá atrás pelo drama Os Filhos do Silêncio (1986), é uma das produtoras do filme.

Percebe-se que o projeto foi conduzido com carinho e sensibilidade. O título em inglês, que poderia ser traduzido como “sentindo as coisas” ou “sentindo o caminho”, tem um duplo sentido que o espectador apreende ao assistir ao filme. Ao longo da história, Tareek se comunica com Artie “escrevendo” com seu indicador na palma da mão do homem, e esse toque, o ato de “sentir” o outro, reforça o tema da empatia abordado pelo curta com tanta propriedade. É um pequeno belo filme, com uma mensagem simples transmitida de modo eminentemente visual – o curta não tem muitos diálogos – e que é sobre uma verdade universal para o ser humano, mas esquecida muitas vezes pelas pessoas. A de que estamos todos juntos aqui e deveríamos nos ajudar mais, nos colocar mais no lugar da pessoa ao lado. Algo simples, porém mais importante do que nunca.

‘Love Lies Bleeding’: estilo A24 sacrifica boas premissas

Algo cheira mal em “Love Lies Bleeding” e é difícil articular o quê. Não é o cheiro das privadas entupidas que Lou (Kristen Stewart) precisa consertar, nem da atmosfera maciça de suor acre que toma conta da academia que gerencia. É, antes, o cheiro de um estúdio (e...

‘Ghostbusters: Apocalipse de Gelo’: apelo a nostalgia produz aventura burocrática

O primeiro “Os Caça-Fantasmas” é até hoje visto como uma referência na cultura pop. Na minha concepção a reputação de fenômeno cultural que marcou gerações (a qual incluo a minha) se dá mais pelos personagens carismáticos compostos por um dos melhores trio de comédia...

‘Guerra Civil’: um filme sem saber o que dizer  

Todos nós gostamos do Wagner Moura (e seu novo bigode); todos nós gostamos de Kirsten Dunst; e todos nós adoraríamos testemunhar a derrocada dos EUA. Por que então “Guerra Civil” é um saco?  A culpa, claro, é do diretor. Agora, é importante esclarecer que Alex Garland...

‘Matador de Aluguel’: Jake Gyllenhaal salva filme do nocaute técnico

Para uma parte da cinefilia, os remakes são considerados o suprassumo do que existe de pior no mundo cinematográfico. Pessoalmente não sou contra e até compreendo que servem para os estúdios reduzirem os riscos financeiros. Por outro lado, eles deixam o capital...

‘Origin’: narrativa forte em contraste com conceitos acadêmicos

“Origin” toca em dois pontos que me tangenciam: pesquisa acadêmica e a questão de raça. Ava Duvernay, que assina direção e o roteiro, é uma cineasta ambiciosa, rigorosa e que não deixa de ser didática em seus projetos. Entendo que ela toma esse caminho porque discutir...

‘Instinto Materno”: thriller sem brilho joga no seguro

Enquanto a projeção de “Instinto Materno” se desenrolava na sessão de 21h25 de uma segunda-feira na Tijuca, a mente se esforçava para lembrar da trama de “Uma Família Feliz”, visto há menos de sete dias. Os detalhes das reviravoltas rocambolescas já ficaram para trás....

‘Caminhos Tortos’: o cinema pós-Podres de Ricos

Cravar que momento x ou y foi divisor de águas na história do cinema parece um convite à hipérbole. Quando esse acontecimento tem menos de uma década, soa precoce demais. Mas talvez não seja um exagero dizer que Podres de Ricos (2018), de Jon M. Chu, mudou alguma...

‘Saudosa Maloca’: divertida crônica social sobre um artista boêmio

Não deixa de ser interessante que neste início da sua carreira como diretor, Pedro Serrano tenha estabelecido um forte laço afetivo com o icônico sambista paulista, Adoniram Barbosa. Afinal, o sambista deixou a sua marca no samba nacional dos anos 1950 e 1960 ao...

‘Godzilla e Kong – O Novo Império’: clima de fim de feira em filme nada inspirado

No momento em que escrevo esta crítica, caro leitor, ainda não consegui ver Godzilla Minus One, a produção japonesa recente com o monstro mais icônico do cinema, que foi aclamada e até ganhou o Oscar de efeitos visuais. Mas assisti a este Godzilla e Kong: O Novo...

‘Uma Família Feliz’: suspense à procura de ideias firmes

José Eduardo Belmonte ataca novamente. Depois do detetivesco – e fraco – "As Verdades", ele segue se enveredando pelas artimanhas do cinema de gênero – desta vez, o thriller domiciliar.  A trama de "Uma Família Feliz" – dolorosamente óbvio na ironia do seu título –...