Quando dou aula nos cursos aqui do Cine Set, sempre digo aos alunos que o cinema é uma máquina de exercitar e desenvolver a empatia. Realmente acredito que quanto mais filmes assistimos, e quanto mais mergulhamos em histórias, com o tempo todos nós passamos a aprender a nos colocar no lugar do outro por algumas horas e a experimentar a vida por um ponto de vista diferente. E assim exercitamos nossa própria humanidade. É o poder da empatia que o cinema consegue criar, e não se engane: às vezes sentimos profundamente a dor de personagens fictícios em filmes, tal como se fossem reais para nós. E se podemos sentir isso por alguém inventado, interpretado por um ator ou atriz, e que pertence a uma história, então também podemos sentir por outros seres humanos de carne e osso ao nosso redor.

Empatia é o tema principal do curta Feeling Through, dirigido e roteirizado por Doug Roland, e esse tema o torna uma obra relevante, simplesmente por ser lançado numa época em que o ser humano está precisando muito exercitar a capacidade de sentir empatia. A história do filme é simples: acompanhamos um jovem rapaz sem teto chamado Tareek (interpretado por Steven Prescod) que está à procura de um lugar para passar a noite. Ele até tenta, mas nenhum dos seus conhecidos o abriga. Tareek então topa com um homem cego e surdo, Artie (vivido por Robert Tarango), e resolve ajudá-lo a chegar ao ponto de ônibus para que ele volte para sua casa.

OBSERVADOR INVISÍVEL

Com essa narrativa simples e apenas 18 minutos, Roland cria uma experiência mais eficaz e comovente do que muitos longas-metragens por aí. Sua câmera é solta, acompanhando seus personagens como um observador invisível, e ele nunca força a mensagem da história ou tenta emocionar o espectador de modo falso. Ajuda na honestidade de Feeling Through o fato da produção ter escalado Tarango, que é deficiente visual e auditivo na vida real, para fazer o papel de Artie. Além disso, a atriz Marlee Matlin, deficiente auditiva que ganhou o Oscar lá atrás pelo drama Os Filhos do Silêncio (1986), é uma das produtoras do filme.

Percebe-se que o projeto foi conduzido com carinho e sensibilidade. O título em inglês, que poderia ser traduzido como “sentindo as coisas” ou “sentindo o caminho”, tem um duplo sentido que o espectador apreende ao assistir ao filme. Ao longo da história, Tareek se comunica com Artie “escrevendo” com seu indicador na palma da mão do homem, e esse toque, o ato de “sentir” o outro, reforça o tema da empatia abordado pelo curta com tanta propriedade. É um pequeno belo filme, com uma mensagem simples transmitida de modo eminentemente visual – o curta não tem muitos diálogos – e que é sobre uma verdade universal para o ser humano, mas esquecida muitas vezes pelas pessoas. A de que estamos todos juntos aqui e deveríamos nos ajudar mais, nos colocar mais no lugar da pessoa ao lado. Algo simples, porém mais importante do que nunca.

‘Mortal Kombat’: duas horas de praticamente nada

Ah, Hollywood, você não aprende... Não deveria ser tão difícil assim fazer um filme ao menos legal baseado no game Mortal Kombat. Mas pelo visto é. Numa nota pessoal, já joguei algumas versões do game ao longo das décadas, em diferentes plataformas. Mortal Kombat...

‘Passageiro Acidental’: sci-fi vazia por roteiro preguiçoso

Comunidade, sobrevivência e sacrifício. Sobre essas três temáticas orbita a narrativa de “Passageiro Acidental”, novo filme do brasileiro de Joe Penna (“Ártico”) disponível na Netflix. Acompanhamos uma equipe que parte em uma missão de dois anos para Marte; no...

‘What Do We See When We Look at the Sky?’: minúcias da vida levadas à exaustão

O céu, escadas, pontes, um rio, pessoas andando, cachorros e muito, mas muito futebol. Essas são algumas das coisas que os espectadores de "What Do We See When We Look in the Sky?" têm a chance de ver por longos períodos de tempo durante o filme, que estreou na mostra...

‘Petite Maman’: delicado filme adulto sobre a infância

Depois de ganhar fama mundial com seu melhor filme e abandonar publicamente a maior premiação de seu país natal, o que você faria? A diretora francesa Céline Sciamma voltou logo ao trabalho. Ela agora retorna com “Petite Maman”, menos de dois anos depois de seu último...

‘Vozes e Vultos’: Amanda Seyfreid sai de ‘Mank’ para bomba

A Netflix é muito boa em fazer propaganda enganosa... Quem for assistir ao trailer da sua produção "Vozes e Vultos" imagina, logo antes de apertar “play” no filme, que vai ver um terror ou, ao menos, um suspense, algo intenso. Nada mais longe da verdade: o longa...

‘O Homem que Vendeu Sua Pele’: leveza demais faz ficar na superfície bons temas

O maior mérito de O Homem que Vendeu Sua Pele, da cineasta tunisiana Kaouther Ben Hania, é o ato de malabarismo que ele realiza ao longo da sua duração: O filme consegue, ao mesmo tempo, ser uma sátira ao mundo da arte, lançar um olhar tocante sobre o problema dos...

‘Mission Ulja Funk’: aventura infantil defende a ciência e ataca fanatismo religioso

Uma aventura juvenil divertida e necessária contra o fundamentalismo religioso, “Mission Ulja Funk” é uma das surpresas da Berlinale deste ano. A co-produção Alemanha-Luxemburgo-Polônia, exibida na mostra Generation Kplus do evento cinematográfico, tem muito carisma e...

‘Agora Estamos Vivos’: grande vazio emocional e de conceitos

O que você faria se fosse a última pessoa na Terra? É com essa perspectiva que Reed Morano (“The Handmaid’s Tale”) arquiteta seu novo filme: “Agora Estamos Sozinhos”. Disponível no Prime Vídeo, a trama traz um mundo pós-apocalíptico intimista habitado por Peter...

‘Una Escuela en Cerro Hueso’: pequena pérola argentina sobre autismo

Um filme delicado sobre adaptação e superação, “Una Escuela em Cerro Hueso” é um drama argentino que chama a atenção para o autismo sem apelar para reducionismos. Exibido na mostra Generation Kplus do Festival de Berlim deste ano, onde ganhou uma menção especial do...

‘The White Fortress’: contexto social da Bósnia fortalece romance juvenil

"The White Fortress", novo filme de Igor Drljača, é um longa multifacetado que tem a chance de seduzir diversos tipos de espectadores. Apresentado na mostra Generation 14plus do Festival de Berlim deste ano, a co-produção Bósnia e Herzegovina-Canadá é um sensível...